Dólar com. R$ 3,308
IBovespa +0,25%
15 de dezembro de 2017
min. 22º máx. 31º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Semed oferta 600 vagas para Projovem Urbano 2018
30/06/2016 às 12h46

Blogs

Por que não nos lembramos de ser bebês?


Praticamente ninguém tem lembranças dos seus primeiros anos de vida, mas não é porque seres humanos são incapazes de reter informações quando pequenos.

De acordo com a ciência, pode ser que não nos lembramos de nada porque, nessa idade, nossos cérebros ainda não desempenham uma função que agrupa informações em padrões neurais complexos que conhecemos como “memórias episódicas”.

É claro que as crianças se lembram de fatos como quem são seus pais, ou que devem dizer “por favor” antes de pedir algo a alguém. Isso é chamado de “memória semântica” e prova que, mesmo muito pequenos, nós podemos reter informações.

No entanto, em algum momento entre as idades de dois e quatro anos, as crianças não têm “memória episódica” – memória sobre os detalhes de um evento específico.

Estas memórias são armazenadas em várias partes da superfície do cérebro, ou “córtex”. Por exemplo, a memória de som é processada nos córtices auditivos, nas laterais do cérebro, enquanto a memória visual é gerida pelo córtex visual, na parte de trás. A região do cérebro chamada de hipocampo une todos esses “pedaços” de informações.


Buquê de memórias

“Se você pensar em seu córtex como um canteiro de flores, há flores em todo o topo de sua cabeça. O hipocampo, dobrado muito ordenadamente no meio de seu cérebro, é responsável por puxar todas elas e amarrá-las em um buquê”, explica Patricia Bauer, da Universidade Emory, em Atlanta (EUA). “A memória é o buquê – o padrão neural de ligações entre as partes do cérebro onde uma lembrança é armazenada”.


É melhor não lembrar

Então, por que as crianças geralmente não conseguem gravar episódios específicos até a faixa etária de dois a quatro anos? Pode ser porque essa é a época na qual o hipocampo começa a “amarrar” fragmentos de informação.

Segundo a psicóloga Nora Newcombe, da Universidade Temple, na Filadélfia (EUA), pode haver uma razão para isso. A memória episódica pode ser desnecessariamente complexa num momento em que a criança está começando a aprender como o mundo funciona.

“Eu acho que o principal objetivo dos dois primeiros anos é adquirir conhecimento semântico. Desse ponto de vista, a memória episódica pode realmente ser uma distração”, argumenta Newcombe. 


Fonte:Livescience 


Cultura Inúltil por Redação

O inusitado, o diferente, o incrível, você encontra aqui, no Cultura Inútil: o blog que revela o sentido de coisas sem o menor sentido.


Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]