Dólar com. R$ 3,182
IBovespa -0,29%
27 de abril de 2017
min. 24º máx. 31º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Interrogatório de Lula em Curitiba é adiado por Moro a pedido da Polícia Federal
10/07/2016 às 13h38

Blogs

"Ao vivo e em cores" - As primeiras transmissões em cores da tv brasileira

Em 19 de fevereiro de 1972 a TV Difusora de Porto Alegre – RS, entrou para a história quando fez a primeira transmissão de TV em cores do Brasil. O evento transmitido foi a Festa da Uva realizada em Caxias do Sul, RS

A TV em cores no Brasil foi introduzida após a opção por um dos vários sistemas de transmissão da informação de cor. Os Estados Unidos desenvolveram um sistema chamado NTSC. O sistema americano foi desenvolvido e instalado rapidamente no país de origem e passou a partir daí a ser proposto para outros países, inclusive o Brasil.

A França procurou desenvolver um sistema próprio, chamado Secam. O sistema Secam se beneficiou por ser um desenvolvimento posterior ao NTSC e pôde corrigir alguns defeitos que este apresentou. A Alemanha, por sua vez, desenvolveu um sistema chamado PAL, igual ao sistema americano, exceto por um detalhe. Esse sistema corrigiu uma deficiência do sistema NTSC, evitando que desvios de cor ocorressem no processo de transmissão e recepção.

As cores derivavam e quando isso ocorria os resultados para o telespectador podiam ser realmente muito desagradáveis, especialmente para cores fáceis de reconhecer, como cor da pele humana. Pode-se aceitar uma paisagem um pouco mais azulada, mas dificilmente se aceita uma cor verde ou azul. O sistema PAL explorava uma espécie da barganha: as variações de fase ocorridas no processo de transmissão e recepção, que resultavam em variação de cor no NTSC, no sistema PAL, só implicavam redução de saturação e a cor era preservada.

O efeito de cores absurdas como a pele verde já mencionada e outros efeitos desagradáveis eram evitados. Tolera-se muito mais uma redução na saturação do que uma mudança de cor. O sistema Secam também não apresenta esse fenômeno de deriva das cores, mas é um sistema tecnologicamente muito complexo. Essas questões foram estudadas no Brasil sob contrato pelo Conselho Nacional de Telecomunicações (Contel), órgão competente para assumir esse tipo de decisão, com a Escola Politécnica, em 1965.

Na área da eletrônica, foi o primeiro contrato de prestação de serviços que se firmou na Escola. O relatório do grupo encarregado do trabalho foi aprovado e a recomendação pelo sistema PAL foi, finalmente, decisão do Contel. Implantou-se esse sistema em todo o Brasil. Nesse caso, houve um conflito de interesses. A França tinha um interesse político na adoção do sistema Secam.

Para os americanos, a adoção do NTSC no Brasil permitiria a exportação de aparelhos televisores prontos, sem nenhuma modificação para uso. Os alemães poderiam explorar as patentes do PAL. Entretanto, na negociação da comissão contratada pelo Contel na Escola Politécnica, os proprietários das patentes relacionadas com sistema PAL abriram mão de todos os seus direitos sobre essas patentes.

O Brasil finalmente pôde adotar esse sistema sem nenhuma despesa adicional em função da propriedade industrial das patentes envolvidas. Havia uma outra pequena diferença no sistema PAL adotado no Brasil, decorrente do fato de ele usar seus parâmetros dimensionados para uma rede de distribuição de energia elétrica em 50 Hz. Como os televisores deveriam funcionar no Brasil numa rede de 60 Hz, alguns parâmetros tiveram de ser modificados, o que foi feito pela mesma comissão, dando origem à versão PAL-M.

Dessa maneira, instalou-se uma barreira não alfandegária para televisores importados, seja dos Estados Unidos, seja da Europa, aproveitada pela indústria brasileira, que rapidamente se tornou a única fornecedora no mercado nacional. O mercado era realmente muito grande o que propiciou o desenvolvimento de indústrias, muitas de capital nacional, e a geração de grande número de empregos.

Em 1970, aconteceu a primeira transmissão de TV em cores no Brasil (Copa do Mundo do México) , pela EMBRATEL, em caráter experimental e fechado, para um público seleto, iniciando uma nova divisão social entre os que podiam trocar seu velho aparelho pelo colorido e os que tiveram que manter a relíquia em preto-e-branco.

Em 1971 o governo baixou uma lei determinando o corte da concessão das emissoras que não transmitirem uma porcentagem mínima de programas em cores. O sistema oficial passa a ser o PAL-M, que é uma mistura do padrão M do sistema NTSC e das cores do sistema PAL Europeu. O Objetivo era criar uma indústria totalmente nacional com seu sistema próprio.

Em 19 de fevereiro de 1972 a TV Difusora de Porto Alegre – RS, entrou para a história quando fez a primeira transmissão de TV em cores do Brasil. A emissora  transmitiu a Festa da Uva realizada em Caxias do Sul, evento bienal gaúcho, em celebração à colheita das vitivinícolas do Estado.

O primeiro teste público de transmissão de imagens coloridas pela televisão mostrou neste dia o desfile de carros alegóricos da Festa da Uva. Em 31 de março de 1972, inaugura-se oficialmente a televisão em cores no Brasil.





Era uma vez ... na TV por Redação

Histórias e curiosidades sobre o passado da TV brasileira

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S