Dólar com. R$ 3,266
IBovespa +1,75%
23 de maio de 2017
min. 25º máx. 27º Maceió
chuvoso
Agora no Painel Defesa de Aécio recorre ao STF para retomar mandato

Blogs

Propostas para gestão da EBC serão debatidas em seminário

10.08.2015 às 23:19
Os sete anos de funcionamento da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e o seu modelo de gestão estarão em debate com a sociedade, a partir de amanhã (11), durante o seminário Modelo Institucional da EBC: Balanço e Perspectivas. O evento foi idealizado após reuniões do Conselho Curador e estruturado por uma comissão organizadora. Nesta terça-feira, as discussões ocorrem das 10h às 17h30 e, na segundo (12), das 9h30 às 18h30, na sede da empresa em Brasília. Os ministros da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Edinho Silva, e da Cultura, Jucá Ferreira, participam da abertura do seminário.
 
Durante um mês, de 29 de junho a 29 de julho, a empresa recebeu das pessoas inscritas no seminário propostas sobre a gestão, modelo e funcionamento da EBC que serão debatidas no evento. Funcionários da empresa, o Sindicato dos Jornalistas, o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), o Coletivo Brasil de Comunicação (Intervozes) e o Centro de Estudo de Mídias Alternativas Barão de Itararé são algumas das entidades que enviaram contribuições relacionadas aos três eixos de discussão: vinculação e autonomia; financiamento e sustentabilidade e gestão do conteúdo e participação.
 
No primeiro dia, será feito um diagnóstico e a avaliação do quadro atual da EBC. Em seguida, os grupos inscritos farão o seu próprio diagnóstico. Segundo acoordenadora da comissão organizadora do seminário e vice-presidente do Conselho Curador da empresa, Rita Freire, o evento servirá para responder a expectativa da sociedade sobre a empresa. “Vamos discutir o projeto da EBC desde que surgiu e as projeções para o futuro”.
 
Algumas propostas que serão discutidas no primeiro eixo são lista tríplice para escolha dos presidentes da empresa, sabatina dos escolhidos pelo Conselho Curador ou pelo Senado Federal, ocupação dos cargos de chefia por servidores concursados e não por indicação. Também deve ser analisada a proposta de desvinculação da Secom.
 
Segundo a coordenadora do Intervozes e integrante da coordenação do FNDC, Bia Barbosa, o objetivo principal do seminário é garantir maior independência aos veículos da empresa pública. “Mesmo vinculada a Secom, a EBC pode ter mais autonomia. O objetivo do evento não é tomar decisões, mas encaminhar debates para o Conselho Curador fazer os direcionamentos internos dos assuntos”, afirmou.
 
Na quarta-feira, serão debatidos o financiamento e sustentabilidade e a gestão do conteúdo e participação. Entre as propostas que serão discutidas, estão o não contingenciamento de recursos pelo governo e o acesso pleno aos recursos do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), entre outras.
 
O terceiro eixo vai discutir, entre outros temas, os mecanismos para fomentar a produção independente e a promoção da diversidade e da cultura popular. Uma das sugestões a serem analisadas será a do Intervozes, de criar uma central de pauta colaborativa e um conselho de ouvintes para fiscalizar a efetividade da central de pautas, bem como dos demais produtos da empresa.
 
Segundo o presidente da Associação dos Produtores Independentes de Rádio (Apraia), Luiz Henrique Romagnoli, a EBC é diferente das outras empresas de comunicação e o seminário mostra isso. “A EBC é única no Brasil. Ela abre fronteiras que nunca foram exploradas no país. Os produtores independentes acompanham esse processo com interesse”.
 
O debate será transmitido na íntegra e ao vivo, via streaming, pelo endereço conselhocurador.ebc.com.br/transmissaoaovivo. O streaming é aberto e poderá ser retransmitido por sites e páginas que tenham interesse. Funcionários da EBC das praças do Maranhão, Rio de Janeiro e de São Paulo poderão participar de videoconferências.
 
*Com informações da Ascom/EBC e Agência Brasil
Postado por Etc & Tal

Ministério das Comunicações facilita outorgas para emissoras não comerciais

17.07.2015 às 18:00
Divulgação
O processo de autorização para uma nova rádio comunitária poderá cair de dois anos, em média, para seis meses
 
O Ministério das Comunicações lançou um novo Plano Nacional de Outorgas para emissoras comunitárias e educativas. A intenção é desburocratizar o processo de concessões e aumentar o número de emissoras para garantir que a população tenha maior acesso à comunicação pública.
 
"Para que se garanta a pluralidade, é preciso haver a máxima dispersão das emissoras. Isso dá a possibilidade de a sociedade se manifestar, falar e ser ouvida", afirmou o secretário de comunicação eletrônica do ministério, Emiliano José.
 
O processo de autorização para uma nova rádio comunitária poderá cair de dois anos, em média, para seis meses. Pelas novas regras, o número de documentos que as entidades deverão apresentar diminuirá de 33 para sete. No caso das emissoras educativas, a relação de documentos cairá de 18 para 8.
 
Ao todo, 699 municípios serão contemplados com rádios comunitárias. Desses, 496 não têm emissora autorizada e outros 203 contam com, pelo menos, uma. Atualmente, as rádios comunitárias estão presentes em 3.781 municípios.
 
O objetivo do plano é ampliar o serviço para 4.277 cidades, o que representa 77% dos municípios brasileiros. Quanto às rádios e TVs educativas, 235 cidades serão beneficiadas - 205 novas outorgas para rádios FM e 30 para TVs com fins exclusivamente educativos.
 
A escolha dos municípios foi feita com base na demanda reprimida, ou seja, nos pedidos de novas emissoras. A lista completa das cidades contempladas está no site do Ministério das Comunicações.
 
*Com informações da Ascom/ABr
Postado por Etc & Tal

EBC e empresa chinesa de televisão assinam acordo de intercâmbio de conteúdos

03.07.2015 às 03:15
EBC e empresa de televisão chinesa assinam acordo de intercâmbio(Foto:Antonio Cruz/ABr)
A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e a China Central Television (CCTV) assinaram hoje (2) acordo de cooperação para intercâmbio de conteúdos e coprodução de programas. Da cerimônia de assinatura participaram o diretor-geral da EBC, Américo Martins, o diretor vice-presidente de Gestão e Relacionamento, Sylvio Andrade, e o vice-presidente da CCTV,  Wei Dichun.
 
“É um prazer visitar a EBC e assinar este acordo. Hoje estamos com muita esperança sobre nossa cooperação no futuro”, disse Dichun, destacando que o acordo promoverá também o intercâmbio de profissionais.
 
Para Américo Martins, receber profissionais da CCTV no Brasil e enviar pessoal da EBC para a China será importante para as duas empresas de comunicação. “Uma possibilidade que já tinha acenado, e fiquei feliz de ouvir o vice-presidente [Wei Dichun] dizer que está aberto para a troca de profissionais. Eventualmente mandar alguns repórteres nossos, em diferentes períodos, para cobrir a China, baseado na CCTV e vice-versa.”
 
A empresa chinesa, segundo Martins, é uma potência na área de produção e veiculação de conteúdo. São 42 canais, 25 deles abertos e 17 por assinatura. Eles cobrem 90% do território chinês, atingindo 1 bilhão de pessoas. “Então, eles podem pegar material sobre o Brasil e nós, sobre a China e outros lugares onde não tivermos correspondentes”, disse o diretor-geral da EBC.
 
A CCTV tem ainda sete canais que transmitem em língua estrangeira (inglês, francês e espanhol).
 
 
*Com informações da Ascom/EBC e Agência Brasil
Postado por Etc & Tal

Linhas de 50 translações com Ricardo Esch

23.06.2015 às 06:05
Capa da primeira edição do Livro Linhas - Lutas, Sonhos e Decisões de Ricardo Esch(Foto:Arquivo Pessoal)

Dos inúmeros momentos que compartilhei na vida com  Ricardo Esch tenho a certeza que a grande maioria deles só me proporcionou alegria e bem estar. Tínhamos uma sintonia e uma harmonia de “comuns-quereres” .

Compactuávamos ideias, desejos, ideologias e outras tantas vãs filosofias. Houve uma época nos anos 70 que fumávamos a mesma marca de cigarro(Rothmans), curtíamos as mesmas bandas de rock(numa lista encabeçada sempre por Deep Purple), bebíamos a mesma bebida(qualquer coisa a base de vodka) e, consequente mente o “timing” de ambos à embriaguez era bem semelhante.  Éramos amigos de copo e de cruz. Dividíamos sobriedades inconfessáveis, porres intermináveis  e entre um estágio e outro tentávamos decifrar certas razões vitais que quase sempre acabavam mandando a sobriedade pro espaço.

Eschin era uma pessoa  que tentava enxergar a vida pela lente da lógica e  da ética( uma de suas lógicas vitais). Me lembro que ainda nos anos 70 já sonhávamos em escrever livros e ficávamos,entre um gole e outro ,discutindo o pessimismo literário de Schopenhauer e o esculacho social das poesias de Bucowski; discutíamos entre solos de guitarra de Blackmore, Clapton ou Page, o papelão que Nixon estava expondo os EUA na guerra do Vietnã. Isso tudo dito hoje não tem nada de anormal, mas porra, tínhamos por volta de 15 anos na época.Quem nessa idade perdia tempo com esses “papos cabeça”? É certo que de vez em quando caíamos na mesmice e nas abobrinhas ,tipo zoação de torcedor(apesar de muito em comum, no futebol torcíamos para times diferentes)ou a cor da calcinha de alguma fulana que sonhávamos azarar.

Em 1981 é lançado Linhas- Lutas, Sonhos e Decisões, seu primeiro livro de poemas. No fim da dedicatória do exemplar autografado que tenho até hoje ,uma cortante e afiada declaração  “talvez o único amigo que entenda o real significado dessas linhas.” Emocionei!

Meses depois comentando e até questionando o que ele havia escrito pra mim, me confessou que talvez nem ele tenha entendido direito o significado daquelas “confusas e mal traçadas linhas”. Eu discordei, disse ter adorado a obra e que aquelas certamente eram suas “talentosas e bem traçadas linhas”. E ele como sempre surpreendendo, afirmou que o objetivo daquele livro não era ser reconhecido nem entendido, muito pelo contrário. O livro o desfigurava por inteiro, pois tudo o que ele escrevia, não era o que ele vivia. O livro era a antítese do seu próprio ser, tipo um contraste de si mesmo. Que sacada genial, meu amigo! Percebi enquanto ouvia silenciosamente tais explanações que os nossos papos sobre Schpenhauer e Bukowski valeram para alguma coisa. O Livro Linhas é para mim, o melhor de todos os que  ele escreveu e, certamente,  influenciou  e incentivou a minha vontade de também “ser escritor”, o que acabaria ocorrendo somente sete anos depois, quando publiquei meu primeiro livro.

Ironicamente, na última vez que nos encontramos, num boteco do Leblon, voltamos a falar de literatura e poesia. Brinquei e disse que gostaria que ele escrevesse o prefácio do meu novo livro. Ele meio que se esquivando disse que não se sentia “a altura”. Que minha poesia era “muita areia” pro caminhão dele. Eu retruquei e disse que eu quase não escrevia mais poesia e sim alguns “hai-kais” encorpados. O poeta aqui é você, não eu, afirmei. E ele, com sua genialidade de sempre vaticinou:”Não somos poetas e sim espectros de poetas”.

Na verdade meu amigo Eschin hoje incendiou o espectro de minhas lembranças. O pouco(ou quase muito para quem leu até aqui)que acabei de escrever sobre nós é uma reles fração de segundo dos momentos mágicos que dividimos, na infância, na adolescência, e na fase adulta(que muitas vezes insistimos em evitar). Afinal ,são mais de 50 anos ou, como ele gostava de dizer, 50 translações. Desde os jogos de botão no  tempo da terceira turma do primeiro primário do Santo Inácio em 1965, passando  pela primeira festa em que dancei música lenta de rosto colado com uma gatinha,amiga de sua irmã; do primeiro beijo na boca(aliás tínhamos naqueles bons tempos algumas bocas em comum)que consegui dar numa festa , entre tantas que fui, no salão térreo de um tal edifício na rua Xavier da Silveira.De tantas noitadas, farras e outros tantos inesquecíveis momentos, como por exemplo alguns jogos do Brasil nas copas de 1970, 1974, 1978 e 1982. Viagem de trem para BH, depois Ouro Preto e Mariana. Outras tantas a Petrópolis , Itaipava, Nova Friburgo...

Pensando bem, meu amigo, nossas “bodas de ouro” de companheirismo e boa convivência dariam certamente um bom livro, que nunca será escrito, mas tenha a certeza que todo esse “conteúdo”  está, a partir de hoje,  publicado nas páginas de minhas melhores lembranças assinado pela minha eterna  gratidão e admiração... 

Postado por Etc & Tal

TV Educativa lança série de programas sobre a história do Estado de Alagoas

12.06.2015 às 19:48
Naufrágio do navio Itapagé (1943), tiroteio na Assembleia Legislativa de Alagoas, em 1957, e a história dos faróis de AL são alguns dos temas
 
 
A TVE Alagoas passa a exibir, a partir da próxima segunda-feira (15), a série de interprogramas Um Minuto de História, contando fatos marcantes de Alagoas de forma didática e, ao mesmo tempo, lúdica, usando uma linguagem simples e acessível a todos.  Serão apresentados, diariamente, três episódios, indo ao ar de forma rotativa várias vezes ao dia.
 
Com duração de 60 segundos, cada interprograma contará um fato importante e marcante do passado alagoano. Os programetes foram produzidos com o acervo fotográfico do jornalista e historiador João Marcos Carvalho, que também faz a produção e locução dos programas. A edição é do jornalista Herivaldo Athaíde.
 
Para João Marcos Carvalho, o propósito é despertar o interesse do telespectador para a história do Estado e que, a partir do programa, possa buscar mais informações históricas de Alagoas.
 
De acordo com a diretora da TVE, Rachel Fiúza, a cada semana irão ao ar três novos interprogramas. “Serão exibidas diariamente três episódios veiculados de forma rotativa”, explica a diretora.
 
Nesta temporada, serão apresentados os seguintes fatos históricos: naufrágio do navio Itapagé (1943), que aconteceu na costa de Alagoas durante a II Guerra Mundial; o tiroteio na Assembleia Legislativa de Alagoas, em 1957, que resultou em um morto e oito feridos; o impeachment do ex-governador Divaldo Suruagy, em 1997; a história dos faróis de Alagoas e a sua importância para a navegação marítima, e a suposta revoada de discos voadores em Maceió (1957).
 
Um Minuto de História contará também com episódios sobre Delmiro Gouveia (1863–1917);  Lampião (1898–1938); Jayme Miranda (1926–1975); Teotônio Vilela (Pai) (1917–1983) e Tavares Bastos (1875–1911).
 
*Ascom/IZP
Postado por Etc & Tal

Rádio Difusora é pentacampeã da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo

14.05.2015 às 18:42
Jornalistas Carlos Madeiro e Giuliano Porto e operador Odilon Costa (Foto: Ascom IZP)
Com a reportagem "Mandioca, a raiz da solução", a emissora do Instituto Zumbi dos Palmares vence, pela quinta vez consecutiva, a etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo e segue para a disputa da etapa nacional
 
Pelo quinto ano consecutivo a Rádio Difusora vence a etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria radiojornalismo. A reportagem “Mandioca: a raiz da solução”, dos jornalistas Giuliano Porto e Carlos Madeiro, agora segue para a etapa nacional, que acontecerá dia 10 de junho, em Brasília. A solenidade de entrega da etapa estadual acontece no próximo dia 21, no auditório do Sebrae Maceió.
 
Com o titulo “Mandioca: a raiz da solução”, a reportagem vencedora trata da alternativa que a mandioca, com a crise do fumo, se tornou ao longo dos últimos anos para mais de 26 mil famílias agricultoras. 
 
Atualmente, na região Agreste, compreendendo 15 municípios, a mandioca é cultivada em mais de 50 mil hectares. E essa tem sido a fonte de renda para esses agricultores, que têm-se organizado em várias associações e o suporte de um Arranjo Produtivo Local, o APL da Mandioca. 
 
O jornalista Giuliano Porto fala da satisfação de conquistar mais esta premiação.  “Nós sabíamos da força da reportagem, e tínhamos muita expectativa quanto ao resultado. Soubemos que a disputa dessa edição foi bem acirrada. Que bom que vencemos. Agora, vamos a Brasília, saber quem leva a etapa nacional”, comemora. 
 
Carlos Madeiro falou da importância do prêmio. “Esse prêmio tem um papel importante por reconhecer boas iniciativas de pequenos empreendedores, e nós produzimos um material sobre a importância e o cultivo da mandioca no Agreste”, ressaltou o jornalista. “Prêmios como esse incentivam a falar de ações no interior do país, o que é algo muito positivo”, completou.
 
A matéria teve edição do operador Odilon Costa e foi exibida no programa Espaço Livre, que vai ao ar diariamente nas manhãs da Difusora, sob o comando do radialista Marcos Vasconcelos. 
 
Reconhecimento
Com a criação da categoria de Radiojornalismo em premiações do jornalismo, tem sido recorrente o reconhecimento da Rádio Difusora. Além das cinco vitórias consecutivas do Prêmio Sebrae de Jornalismo, a emissora pioneira do estado também conquistou a primeira colocação nos prêmios Braskem de Saúde e Segurança no Trabalho; Prêmio Braskem de Jornalismo, por quatro anos consecutivos; Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo Ambiental; Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo; e conquistou também a primeira colocação no Prêmio Allianz Seguros, disputando com emissoras públicas e privadas de todo o país.
 
Sobre o prêmio
Em sua 7° edição, o Prêmio Sebrae de Jornalismo contemplou os melhores trabalhos jornalísticos em quatro categorias: Impresso, Radiojornalismo, Telejornalismo, Webjornalismo e Imagem Jornalística.
 
O objetivo da premiação é reconhecer os melhores trabalhos jornalísticos publicados na imprensa relativos ao universo das micro e pequenas empresas brasileiras.
 
 
*Com informações da Ascom/IZP
Postado por Etc & Tal

Rádio Difusora é bicampeã do Prêmio Braskem de Saúde e Segurança no Trabalho 2015

27.04.2015 às 15:27
Carlos Madeiro levou 1º e 2º lugar na premiação com duas reportagens realizadas em parceria com Giuliano Porto, ambos jornalistas da Rádio Difusora (Ascom/IZP)
A Rádio Difusora de Alagoas conquistou pelo 2º ano consecutivo a primeira colocação no Prêmio Braskem de Saúde e Segurança no Trabalho (SST), na categoria Radiojornalismo.
 
Este ano, a emissora levou os dois primeiros lugares com as reportagens “NR-20: Os combustíveis e a saúde dos frentistas”- 1ª lugar; e “A saúde no trabalho dos profissionais de saúde”- 2º lugar, ambas dos jornalistas Giuliano Porto e Carlos Madeiro.  A solenidade de entrega do Prêmio aconteceu na noite do último sábado, dia 25, no espaço Armazém Uzina, no bairro de Jaraguá.
 
Tem sido recorrente o reconhecimento da Difusora em premiações na categoria radiojornalismo. Além do Prêmio Braskem de Saúde e Segurança no Trabalho, a emissora também conquistou o Prêmio Braskem de Jornalismo, por quatro anos consecutivos, o Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo Ambiental, a etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo e o Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo. E em nível nacional, conquistou a primeira colocação no Prêmio Allianz Seguros, disputando com emissoras públicas e privadas de todo o país.
 
O jornalista premiado Carlos Madeiro destacou o reconhecimento e a importância da temática do prêmio.
 
“É mais um reconhecimento à rádio Difusora, que se consolida como uma emissora de qualidade jornalística. Ficamos felizes em contribuir com tema tão importante, como esse, de normas trabalhistas.”
 
Em sua 2ª edição, o Prêmio Braskem de Saúde e Segurança no Trabalho bateu recorde de inscrição, superando em 42% o número de trabalhos de 2014. 
 
Segundo o Sindicato dos Jornalistas, foram inscritos 77 trabalhos desenvolvidos por 55 jornalistas, que disputaram nas categorias jornalismo impresso, webjornalismo, telejornalismo, radiojornalismo, assessoria de imprensa e estudante. 
 
A iniciativa é uma parceria entre Braskem e Sindjornal, com o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT-AL) e da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE).
 
 
Resultados do Prêmio Braskem/SST:
 
CATEGORIA ESTUDANTE
1º lugar: SST jogadas no lixo – Roberta Meyce (UFAL)
2º lugar: Beleza Insalubre: Os riscos enfrentados por trabalhadores em salões e centros de beleza – Márcio Anastácio (UFAL)
3º lugar: Falta de proteção expôe frentistas de Alagoas – Lucas Alcântara (UFAL)
Menção Honrosa: Vida na estrada: O risco de ser caminhoneiro em Alagoas (UFAL) - Igor Gouveia
 
CATEGORIA RADIOJORNALISMO
1º lugar: NR-20: Os combustíveis e a saúde dos frentistas – Giuliano Porto e Carlos Madeiro (RÁDIO DIFUSORA)
2º lugar: A saúde no trabalho dos profissionais de saúde – Giuliano Porto e Carlos Madeiro (RÁDIO DIFUSORA)
3º lugar: Mercado alagoano investe em consultores para segurança do trabalho – Alexandre Lino E Marcos Moreira (RÁDIO CORREIO)
 
CATEGORIA WEBJORNALISMO
1º lugar: Perigo nas ruas: equipes de limpeza urbana enfrentam riscos diários em Maceió – Jamylle Bezerra (GAZETAWEB)
2º lugar: Motoboys: profissão ‘quase suicida’ – Ana Paula Omena (TRIBUNA HOJE)
3º lugar: Matadouros clandestinos ameaçam saúde e segurança do trabalhador – Ana Paula Omena (TRIBUNA HOJE)
 
CATEGORIA JORNALISMO IMPRESSO IMAGEM (FOTOGRAFIA)
1º lugar: Risco iminente – Eduardo Leite (O DIA ALAGOAS)
2º lugar: Quando o risco é sinônimo de faturamento alto – Dárcio Monteiro (GAZETA DE ALAGOAS)
3º lugar: No ar por um fio – Marcelo Albuquerque (GAZETA DE ALAGOAS)
 
CATEGORIA JORNALISMO IMPRESSO TEXTO
1º lugar: Profissão perigo: as cinco áreas mais arriscadas para atuar em alagoas - Thayanne Magalhães (TRIBUNA INDEPENDENTE)
2º lugar: Cadê a NR-20 – Láyra Santa Rosa (O DIA ALAGOAS)
3º lugar: 10 minutos: uma pausa produtiva, saudável e segura (O DIA ALAGOAS)
 
CATEGORIA REPORTAGEM CINEMATOGRÁFICA
1º lugar: Educação é segurança – Marcelo Henrique Moura (TV PAJUÇARA)
 
CATEGORIA REPORTAGEM DE TV
1º lugar: Série assédio moral: Uma jornada de humilhação – Thiago Correia, Gésias Malheiros e Equipe (TV PAJUÇARA)
2º lugar: Educação é segurança – Maria Maciel e Equipe (TV PAJUÇARA)
3º lugar: Alarmante: HGE registra mais de 300 casos de acidentes do trabalho em 2014 – Madysson Wesley (TV GAZETA)
 
CATEGORIA ASSESSORIA DE IMPRENSA
1º lugar: Grupo Prevencionistas: A união pela segurança do trabalho em Alagoas – Patrícia Barros (GRUPO PREVENCIONISTAS)
2º lugar: DICOM do MPF apresenta um hotsite da atuação da fiscalização da FPI do São Francisco em defesa do meio ambiente – Janaina Ribeiro (MPE)
 
*Ascom/IZP
Postado por Etc & Tal

Tentando explicar a Sócrates o natal de Genoíno e o punho da lei

05.03.2015 às 21:37

 Minha"desorientação interna" me fez  lembrar do macaco Sócrates,hilário personagem do programa humorístico Planeta dos Homens, exibido pela Rede Globo nos anos 70.

Nas últimas semanas tenho sentido certa dificuldade para entender algumas coisas, que aparentemente são fáceis de ser entendidas.E tudo piora  quando procuro uma explicação para o que não entendi; quase sempre fico mais sem noção do que antes da explicação.

Essa sensação de "desorientação interna" me fez  lembrar do macaco Sócrates,hilário personagem do programa humorístico Planeta dos Homens, exibido pela Rede Globo nos anos 70. O simpático primata sempre terminava seus quadros no programa perplexo e agoniado com a sua "desinteligência", após ouvir explicações para o que não tinha entendido e, apontando para a própria cabeça, despedia-se dos espectadores com uma frase genial: "não precisa explicar, eu só queria entender..."

Essa frase me soa muito atual, e quase sempre vem na minha mente quando termino de ler alguma notícia ligada a nossa política. Assim foi, por exemplo, há 3 dias atrás, quando  li que mais da metade dos deputados titulares da CPI da Petrobras receberam doação de campanha das empresas investigadas na operação Lava Jato. Será que existe uma explicação plausível para essa situação que satisfaça uma mínima fração da minha já desgastada capacidade de entendimento?

E hoje, mais do que nunca, a "máxima do Sócrates" insiste em me perseguir impiedosamente ,após eu ler a notícia de que José Genoíno teve sua pena de prisão extinta pelo STF.De início até apelei para a minha "ignorância jurídica". Desconhecia que um condenado, após ser julgado  poderia ter a pena extinta(progressão e redução de pena eu até conhecia, mas o termo extinção não)ainda mais pela mesma corte que o condenou. Até aí tudo bem,  não milito na área, não sou expert em detalhes e minucias jurídicas, principalmente as que permeiam a mais alta corte do país.

Também nunca fui muito bom com datas, mas fiquei me perguntando:como pode um preso usufriur, em março, de um benefício criado para ter aplicabilidade por "ocasião das festividades comemorativas do Natal"?(coloquei entre aspas exatamente como está no decreto 8.340 de 24/12/2014).

Entretanto, foi na aritmética(pela qual tenho uma particular afinidade)do cumprimento da pena que mais me senti desorientado. Genoíno foi condenado a 4 anos e 8 meses(56 meses) por corrupção ativa. Após cumprir um sexto, foi autorizado a mudar para o regime de prisão domiciliar. Ontem, ainda faltando  3 anos e 4 meses(40 meses) para o cumprimento total da pena , o ex-deputado do PT ganha "passe livre" com a chancela do STF.Fazendo as contas, subtraindo-se ainda o tempo que ficou entre idas e vindas a hospitais, e os "encurtamentos" da pena, garantidos por lei, por trabalhar e estudar fora chega-se ao cálculo de, aproximadamente, 7 meses e meio. Ou seja, dos 56 meses a que foi condenado , Genoíno ficou literalmente "atrás das grades" apenas 13% desse tempo e teve sua pena extinta quando ainda lhe faltava cumprir,já em regime domiciliar,aproximadamente 71% do período.

 Dizem que decisão judicial é para ser cumprida e não discutida.E quem sou eu para tal? Todo cidadão que, como eu, é um"ignorante jurídico" tem mais é que aceitar(engolir seria a expressão mais correta)e conviver com o ranso da sensação de impunidade que esse tipo de situação produz.É o juridicamente correto poluindo a atmosfera da cidadania, confundindo a cabeça de pessoas que se acham do bem,mas já sem ter tanta certeza se ser do bem é ser, realmente, do bem...

Fico imaginando se o Sócrates ainda estivesse no ar na época da prisão de Genoíno. Certamente ele perguntaria: "Esse não é aquele deputado condenado no mensalão por corrupção? Após receber a resposta afirmativa ele então, rumo àquela perplexidade que lhe era peculiar complementaria:"E por que ele está indo pra cadeia com o punho cerrado e sorridente"?

Confesso que desde ontem, passei a entender melhor o sorriso e o punho do Genoíno mas ,certamente,  se  tentasse explicar o que eu agora compreendo, o Sócrates jamais  entenderia...

Postado por Etc & Tal

Programa Escola Viva chega à quarta temporada na TV Educativa

23.02.2015 às 12:03
Programa Escola Viva vai ao ar diariamente às 12h30, sempre às segundas-feiras.(Foto:Ascom/IZP)
De grande relevância e audiência, o programa Escola Viva estreia sua 4ª temporada nesta segunda (23), às 12h30, na TVE Alagoas (Canal 03 da TV Aberta e 06 da NET). Sob o comando da jornalista Anete Carvalho, a atração destaca nesta edição o ensino no Colégio Militar de Alagoas.
 
O programa discute os diferenciais na proposta pedagógica, no currículo, na seleção dos alunos e professores, além das exigências em relação à farda e alimentação.  O Escola Viva fala também sobre como a escola militar conduz a relação com a família e as punições aos alunos, em casos de indisciplina. No estúdio, Anete Carvalho conversa com a tenente-coronel Fátima Escaliante, diretora e comandante do Colégio Militar de Alagoas, e com o ex-aluno do colégio e estudante de Engenharia Elétrica do Cesmac Mateus Borba.
 
 Criado em 1992, o Colégio Militar de Alagoas surgiu de uma aspiração antiga da Polícia Militar em ter um estabelecimento de ensino de qualidade voltado para a educação dos filhos dos policiais militares, promovendo e assegurando o Ensino Fundamental e Médio aos alunos.
 
Com o advento da Lei número 5.883, de 28 de novembro de 1996, o Colégio Tiradentes foi inserido na estrutura organizacional da Polícia Militar de Alagoas. Hoje, o colégio é referência no Estado e promove educação aos dependentes de policiais militares ativos e inativos e de funcionários civis lotados na corporação e aos não dependentes, de acordo com a disponibilidade de vagas.
 
Programa
O Escola Viva foi ao ar pela primeira vez em 2004 e em função de reformulação na grade de programação da emissora foi tirado do ar em 2006. O programa retornou à programação da TVE em 2012, com novos cenários, formato e identidade visual, mas mantendo o compromisso de debater, discutir e suscitar reflexões sobre a educação alagoana, em todos os níveis.  Em nova fase, o Escola Viva vai ao ar diariamente às 12h30, com estreias sempre às segundas-feiras. 
 
*Ascom/IZP
Postado por Etc & Tal

O 'politicamente incorreto' no carnaval da Beija Flor acabou em samba

18.02.2015 às 20:11
Estava torcendo pela Unidos da Tijuca e, preferia, realmente, que a Beija Flor não ganhasse para evitar a polêmica sobre o patrocínio que a escola de Nilópolis teve.
 
Sei que muitas pessoas vão torcer o nariz para o que vou dizer, mas, na minha opinião, ditador africano não entende p.n de carnaval e muito menos de desfile. Não se pode tirar o mérito e o empenho dos que trabalharam o ano inteiro para apresentar na avenida um desfile tecnicamente perfeito. Desde os membros da Comissão de Carnaval da escola, que idealizam o espetáculo ao mais humilde componenente, que muitas vezes tem no desfile seu momento único de cidadania. 
 
O enredo foi, eu sei, bastante polêmico, mas não o suficiente para mudar o desfecho de um desfile que, além de quase perfeito, teve uma incontestável sinergia com o público presente ao sambódromo( e certamente com os jurados).
 
Talvez fosse interessante, para evitar certas situações como essa, que a Liesa criasse um regulamento sobre os tipos de patrocínios que as escolas pudessem receber, mas acho pouco provável que isso aconteça no curto prazo.
 
Entretanto mesmo que o enredo da escola de Nilópolis fosse outro é bom lembrar que o " politicamente incorreto"  das agremiações não começou agora.  Há décadas o "espetáculo" é comandado pela alta cúpula da "contravenção" e ninguém fala nada sobre o assunto.
 
Provavelmente já absorvemos e aceitamos que em se tratando de carnaval tudo deve mesmo é  acabar em samba...
Postado por Etc & Tal


Etc & Tal por Ricardo Leal

Carioca, publicitário, poeta e escritor. Radicado em Alagoas desde 2002, trabalhou em diversas campanhas eleitorais no estado. Foi  diretor da Organização Arnon de Melo (OAM) e do Instituto Zumbi dos Palmares (IZP). É diretor executivo da Press Comunicações e titular do blog Etc & Tal veiculado no portal Painel Notícias, desde 2010.

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soltinho 1866 - sala 11 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566 celular/whatsapp (82)99308-0873
[email protected]