Dólar com. R$ 3,169
IBovespa -0,9%
18 de outubro de 2017
min. 22º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Justiça absolve ex-sócio do escritório de Adriana Ancelmo

Blogs

Diretores: J. B. Tanko

02.03.2012 às 15:11

J. B. Tanko

Josip Bogoslaw Tanko nasceu na cidade croata de Sisak em 21 de abril de 1906, desde a infância foi apaixonado pelo cinema.

Em sua primeira ida ao cinema, ficou hipnotizado pelas imagens, assistiu a uma sessão após a outra, até ser retirado da sala pelo gerente, autodidata, perseguiu o sonho infantil, chegando ao cinema na transição do mudo para o sonoro.

Na Áustria, começou traduzindo legendas e diálogos para versões iugoslavas de filmes alemães e austríacos. O aprendizado se fez na prática, integrado a equipes de cinema, como terceiro assistente de direção.

Na década de 30, em períodos diferentes, trabalhou em diversos estúdios, e m Viena, no Sascha-Filmindustrie Ag e no Wlen-Film Gmbh e, em Berlim, no Tobis Filmkunst, Terra Filmkunst e UFA.  Foi assistente de direção em Der Zigeunerbaron (1934-1935, Karl Hartl), Bosniaken/Blutsbrüder (1935, Johannes Alexander Hübler-Kahla) e Eine Seefahrtdie ist Lustig (1935, Alwin Elling).

Em Belgrado, na Iugoslávia (1936-1937), organizou co-produções e realizou documentários na Central Nacional De Filme. Foi roteirista de Die Korallenprinzessin (1937, Viktor Janson) e Derklapperstorchverband(1937, Carl Boese).  A partir de 1937-1938, em Viena, participou das equipes da Wien-Film, recém-criada por Goebbels, e dirigida pelo austríaco Karl Hartl.  Também trabalhou como representante do cinema iugoslavo, importando e exportando filmes para Áustria, Alemanha e a antiga Tchecoslováquia.

Com o início da Segunda Guerra Mundial, apresentou-se ao serviço militar, em Belgrado, assumindo o Departamento de Cinema Documental do Exército. . Quando a Iugoslávia foi invadida pela Alemanha, filmou o bombardeio de Belgrado. Fugiu para Berlim levando a cópia do filme e de lá foi para Viena em 1942, integrando equipes de filmagens dos diretores Hans Thimig e Hubert Marischka, especialistas em filmes de entretenimento. Devido a necessidades financeiras, durante a guerra, chegou a trabalhar como lanterninha na sala exibidora de um amigo, maquinista e eletricista em filmes.

Com o fim da Segunda Guerra, na qual perdeu toda a família, decidiu emigrar.

No pós-guerra, escreveu e dirigiu o documentário Amerika Hilft Oesterreích.

Radicou-se no Brasil (Rio de Janeiro) e desde 1948 contribuiu com sua experiência diversa para a profissionalização da produção local. Começou na Cinelândia Filmes, produtora dos irmãos Alípio Ramos e Eurides Ramos, foi gerente de produção, argumentista e roteirista nos dramas românticos A Força do Amor, Brumas da Vida, Perdidos de Amor, a comédia Os Três Recrutas e o filme de ação O Diamante, sem abandonar a Cinelândia, começou a trabalhar também na Atlântida, onde desempenhou vários papéis, foi assessor técnico de Dupla Do Barulho E Nem Sansão Nem Dalila, primeiros filmes de Carlos Manga na direção chegando a diretor. Realizou alguns dramas, que não tiveram sucesso de público, levando-o às comédias.

Embora apreciasse os dramas, ficou frustrado com o fracasso de público de seus dois primeiros filmes, apesar de premiados e elogiados pela crítica.  Percebeu que "se queria se comunicar com o povo deveria falar a língua do povo", por isso optou pela comédia.

 

Em 1955 passou a trabalhar para Herbert Richers, para o qual dirigiu 18 filmes, em uma sucessão de chanchadas, carnavalescas e comédias, dirige os cômicos populares Ankito e Grande Otelo (Metido A Bacana, E O Bicha Não Deu, Garota Enxuta, Vai Que É Mole), Zé Trindade (Mulheres À Vista, Entrei De Gaiato, Marido De Mulherboa e Bom Mesmo É Carnaval) e Golias (O Dono Da Bola).  Voltando aos filmes sérios, adaptou romances de Nélson Rodrigues (Asfalto Selvagem E Engraçadinha Depois Dos 30) e do romancista João Condé (Um Rama Para Luiza).

A adaptação do romance de José Mauro de Vasconcelos, "Rua Descalça", destinado ao público infantil, foi o último que dirigiu para a Herbert Richers.

Em 1967, dirigiu dois filmes produzidos por Jarbas Barbosa, ambos com o irmão do produtor, o apresentador de televisão Chacrinha: Carnaval Barra Limpa, resgate do gênero carnavalesco, e Adorável Trapalhão, no qual Tanko encontrou Renato Aragão.

J.B. Tanko viria a dirigir 11 filmes dos Trapalhões. Em 1969, fundou a JBTV - J. B. Tanko Filmes Ltda e dirigiu diversas comédias para adolescentes. Trabalhando com Os Trapalhões, realizou O Trapalhão Nas Minas Do Rei Salomão, uma das maiores bilheterias do cinema brasileiro em todos os tempos (cerca de 6 milhões de espectadores), e também Os Saltimbancos Trapalhões, considerado o melhor filme do grupo.

 

Produziu e dirigiu filmes diversificados, como o drama erótico As Borboletas Também Amam, com a atriz Angelina Muniz, e o musical Vamos Cantar Disco, Baby ?, com o conjunto As Melindrosas, à época popular. Em 1983, produziu o filme Perdoa-Me Por Me Traíres, dirigido por Braz Chediak, baseado na obra de Nélson Rodrigues.

Quando Dedé Santana, Zacarias e Mussum separaram-se de Renato Aragão, criando a DEMUZA, J. B. Tanko produziu a comédia Atrapalhando A Suate.

Aos 81 anos dirigiu seu último filme: Os Fantasmas Trapalhões.

 

Responsável pelo lançamento das atrizes Norma Blum, Anilza Leone, Nelly Martins, Evelyn Rios, Vera Viana, Darlene Glória, Rossana Ghessa e Angelina Muniz, dos palhaços Fred e Carequinha, do cantor Antonio Marcos, do cômico Mussum e do ator Arlindo Barreto.  Formaram-se nas equipes de Tanko, diretores e roteiristas como Gilvan Pereira, Vítor Lustosa, José Alvarenga Jr., Domingos Demasi, o fotógrafo Nonato Estrela, entre outros.

 

Severo com atores, dos quais exigia que conhecessem o roteiro, era flexível como realizador, fazendo a produção avançar com ou sem dinheiro.  Reinvestindo sempre em cinema, manteve-se em atividade permanente e contribuiu para a manutenção do mercado de trabalho. Diretor e roteirista de todos os seus filmes, Tanko destacou-se pelo amplo domínio da realização cinematográfica, consciente do seu lugar na história do cinema brasileiro: "não sou gênio, mas sou artesão".

Morreu aos 87 anos, de enfarto, deixando enorme contribuição para o cinema brasileiro. Teve um filho, Alexander Tanko, que também atuou na produção cinematográfica e na produção de diversos comerciais e vinhetas de clips musicais para divulgação em televisão.


Filmografia

1983 Os Fantasmas Trapalhões

1982 Os Trapalhões na Serra Pelada

1982 Os vagabundos Trapalhões

1981Os saltimbancos Trapalhões

1979As Borboletas Também Amam

1979 Vamos Cantar Disco Baby

1977 O Trapalhão nas Minas do Rei Salomão

1976 O Trapalhão no Planalto dos Macacos

1976 Simbad, O Marujo Trapalhão

1975 O Trapalhão na Ilha do Tesouro

1974 Robin Hood, O Trapalhão da Floresta

1973 Salve-se Quem Puder

1973 Aladim e a Lâmpada Maravilhosa

1972 Som Amor e Curtição

1971Como Ganhar na Loteria sem Perder a Esportiva

1971Rua Descalça

1970 Pais Quadrados... Filhos Avançados

1968 Massacre no Supermercado

1967 Adorável Trapalhão

1967Carnaval Barra Limpa

1966Engraçadinha Depois dos Trinta

1965 Um Ramo para Luíza

1964 Asfalto Selvagem

1962 Bom Mesmo É Carnaval

1961 O Dono da Bola

1960 Marido de Mulher Boa

1960 Vai Que É Mole

1959 Entrei de Gaiato

1959Garota Enxuta

1959 Mulheres à Vista

1958 E o Bicho Não Deu

1957Com Jeito Vai

1957Metido a Bacana

1956Com Água na Boca

1956Sai de Baixo

1954A Outra Face do Homem

1952 Areias Ardentes

Postado por Mondo Bizarro

As Maiores Polêmicas e as Maiores Gafes do Oscar

25.02.2012 às 13:43

Nesse domingo, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas realizará a sua premiação para os melhores do cinema mundial, diga-se americano, e mais uma vez será aquela chatice maior, mas a festa já teve seus momentos legais.

Vejamos:

As Polêmicas

1931: o ator Jackie Cooper, na época com 10 anos, acabou dormindo na premiação. Ele concorria ao Oscar de melhor ator por 'Skippy'. Cansado, Cooper colocou o rosto nos ombros de Marie Dressler, que teve que acordá-lo ao ser eleita a melhor atriz.

1932: a Academia aceitou pela primeira vez inscrições de filmes que não foram rodados em Hollywood. Muitas críticas foram feitas ao novo critério de seleção. Alguns radicais detestaram a idéia de eleger filmes estrangeiros.

1938: o escritor John Lee Mahin recusou uma indicação ao Oscar de melhor roteiro pelo filme 'Captains Courageous' por não concordar com as regras de votação.

1940: o Los Angeles Times publica uma lista com os vencedores do Oscar na mesma noite da premiação, vendendo milhares de jornais. Com isso, o envelope lacrado passou a ser adotado e o segredo dividido com pouquíssimas pessoas dentro da Academia.

1962: George C. Scott recusa sua indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante por 'Desafio à Corrupção'. Apesar do pedido, seu nome não foi retirado da cerimônia.

1974: ao vencer o prêmio de melhor ator por 'O Último Tango em Paris', Marlon Brando colocou uma atriz vestida de índia para receber o prêmio. A indígena reclamou da forma como os índios eram tratados em Hollywood. Como se não bastasse, a estatueta foi recusada.

 

1974: embora tenha ganhado três Oscars em sua carreira, Katherine Hepburn nunca havia apresentado a cerimônia. Ela agradeceu a Academia: "Já era sem tempo".

1974: um homem de 33 anos, identificado como Robert Opal, invade o palco completamente pelado, tirando a atenção do ator David Niven, que iria anunciar a convidada Elizabeth Taylor. Opal torna-se uma figura cultuada pelos jornalistas e fãs da cerimônia. Ele foi encontrado morto cinco anos depois, em São Francisco.

 

1980: dois impostores já receberam a estatueta do Oscar. Um se fez passar por representante da atriz Alice Brady, eleita coadjuvante de 'No Velho Chicago', levou o prêmio e nunca foi descoberto. Outra pessoa fingiu ser o diretor húngaro Ferenc Rofuz, tirou fotos no tapete vermelho e ainda concedeu um discurso emocionante.

 

1983: Zibnigiew Rybczynski, ganhador do Oscar de melhor animação por 'Tango', deixou o auditório para fumar um cigarro do lado de fora e na volta foi barrado pelos seguranças. Por ter pouco domínio da lingua inglesa, não conseguiu argumentar que era um convidado e acabou algemado e preso, passando a noite atrás das grades.

1987: ao subir ao palco, Eddie Murphy reclamou e disse que a premiação não era dada a atores negros. Segundo ele, "os negros e ele mesmo não seriam capazes de levar uma estatueta". Em 2007, Murphy ganhou o Oscar de melhor ator coadjuvante por 'Dreamgirls'.

2000: em forma de protesto, a cantora islandesa Björk foi a uma cerimônia do Oscar vestida de cisne, com figurino feito de arames e penas brancas. A cantora, que foi à premiação para apresentar a música 'I´ve Seen it All', parte da trilha sonora de 'Dançando no Escuro',foi severamente criticada pelos conservadores.

2005: o filme de Walter Salles, 'Diários de Motocicleta', ganha o Oscar de melhor canção original com 'Al Outro Lado Del Rio', composta pelo uruguaio Jorge Drexler. O intérprete, no entanto, foi impedido de cantar sua música no palco, dando lugar a Antonio Banderas e Carlos Santana. Em forma de protesto, Drexler recebeu sua estatueta e cantou os versos da música ao invés de fazer um discurso.

2005: os organizadores da Academia abriram uma ação na Justiça contra várias empresas e cinqüenta anônimos por venderem ingressos para a maior cerimônia de Hollywood. Eles ganhavam até US$ 30 mil por cada par de ingressos dos fãs ansiosos por chegar perto de astros como Leonardo DiCaprio ou Hilary Swank.

As Gafes

Historicamente, uma das primeiras gafes aconteceu em 1934, quando Will Rogers anunciou o Oscar de melhor direção e, ao invés de dizer o nome do vencedor, disse apenas: "Venha buscar, Frank". Frank Capra, que estava concorrendo por 'Dama por um Dia' se levantou sorridente, cumprimentou os amigos e subiu ao palco, sem saber que na verdade o vencedor era Frank Lloyd, pelo filme 'Cavalgada'.

1943 - Humphrey Bogart
No Oscar de 1943, Humphrey Bogart era um dos favoritos à estatueta de melhor ator por seu papel em 'Casablanca' e foi receber o prêmio segundos antes de anunciarem o verdadeiro vencedor: Paul Lukas. Percebendo o erro, parou em pé e começou a aplaudir, mesmo com todos os outros convidados sentados em suas cadeiras.

1952 - Shelley Winters
Um dos momentos mais engraçados do Oscar aconteceu em 1952, quando Shelley Winters, que disputava o Oscar por 'Um Lugar ao Sol', levantou e correu ao palco antes do apresentador Ronald Colman anunciar a vencedora. Ao perceber que a premiada foi Vivien Leigh, por 'Uma Rua Chamada Pecado', Vittorio Gasman, marido de Shelley, tentou evitar um constrangimento e puxou o vestido da mulher de uma vez, fazendo com que os dois caíssem no chão.

1964 - Rita Hayworth
A diva Rita Hayworth era conhecida mundialmente por seu trabalho, mas nunca ganhou uma estatueta. Ao apresentar o Oscar de melhor diretor na premiação de 1964, a atriz se viu em apuros ao não conseguir ler o nome do vencedor nas pequenas letras do envelope. A confusão a fez chamar o diretor Tony Richardson, de 'As Aventuras de Tom Jones', de Donny.

1970 - Goldie Hawn
Goldie Hawn mostrou-se "chocada" ao ler que George C. Scott era o premiado de 1970, e soltou um: "Meu Deus". Scott havia recusado ir à cerimônia dias antes e pediu para sair da lista dos indicados.

1975 - Steven Spielberg
O excesso de confiança de Steven Spielberg o fez cometer uma das piores gafes de sua carreira. Achando que seria premiado por 'Tubarão', em 1976, o veterano diretor contratou uma equipe de câmeras para filmar sua reação. O vencedor, no entanto, foi Milos Forman, por 'Um Estranho No Ninho'. Spielberg não escondeu a decepção e lamentou com as mãos na cabeça e olhar cabisbaixo.

1978 - Woody Allen
Em 1978, Woody Allen deixou de ir à cerimônia para ir a uma apresentação de sua já extinta banda de jazz, os Ragtime Rascals, em um pub de Manhattan. Ele chegou a anunciar que "ganhar não lhe importava", sem saber que havia sido indicado para melhor diretor por seu trabalho em 'Noivo Neurótico, Noiva Nervosa'.

1982 - Meryl Streep
Meryl Streep deixou cair no chão o discurso que preparou para agradecer o Oscar de melhor atriz por 'A Escolha de Sofia', em 1982, e teve que improvisar.
 
1983 - Um Lugar no Mundo
Em 1983, apenas quatro produções foram indicadas para melhor filme estrangeiro. Isso aconteceu porque a Academia não considerou o filme 'Um Lugar no Mundo' como uma produção uruguaia, já que era feita em parceria com a Argentina.

1985 - Sally Field
Sally Field foi ridicularizada em 1985 pelo discurso que fez ao ganhar seu segundo Oscar por 'Um Lugar no Coração'. Ela disse que "não era ortodoxa e que nunca sentiu o respeito de ninguém, mas agora as pessoas gostavam dela". "Vocês realmente gostam de mim", repetiu três vezes.

1987 - Cher
Durante a premiação em 1987, Cher se atrapalhou ao chamar o compositor Marvin Hamslich de Marvin Hammisch.

Cher agradeceu seu maquiador e cabeleireiro, mas esqueceu completamente do diretor e roteirista do filme 'Feitiço da Lua', que a fez ganhar o prêmio de melhor atriz. Dias depois, pediu desculpas públicas em um anúncio publicitário na Variety.

1987 - Sean Connery
Sean Connery ganhou o prêmio de melhor ator coadjuvante em 1988 por interpretar o papel de um policial irlandês em 'Os Intocáveis'. Nas telas, porém, o ator manteve seu sotaque escocês, diferente do resto do elenco.

1987 - Greve do sindicato de roteiristas
Em 1987, a cerimônia do Oscar teve que ser feita sem roteiros e na base do improviso, já que o sindicato de roteiristas estava em greve.

1989 - Eileen Bowman
No Oscar de 1989, um número musical frustrante foi mostrado para a platéia. A atriz Eileen Bowman subiu ao palco vestida de Branca de Neve, fez um dueto desafinado com Rob Lowe e se uniu com outros artistas para mostrar o que seriam "os vencedores dos Oscars futuros". Nenhum dos atores apresentados no palco foi indicado posteriormente. Depois disso, a Disney processou a Academia por não pagar os direitos do uso da imagem de Branca de Neve.

1996 - Sharon Stone
Sharon Stone subiu ao palco sem envelope em 1996 e teve que improvisar enquanto esperava que a equipe da Academia encontrasse o cobiçado papel.

1997 - Kate Winslet
Com a certeza que iria ganhar o Oscar de melhor atriz por 'Titanic', de 1997, Kate Winslet foi filmada com uma expressão de choque, seguida de uma careta, ao perceber que a vencedora foi Helen Hunt, por 'Melhor é Impossível'.

2002 - Adrien Brody
Ao ganhar o Oscar de melhor ator por 'O Pianista', em 2003, Adrien Brody fez uma oração no palco para que o conflito no Iraque "acabasse bem", defendendo, em partes, os Estados Unidos. Antes disso, Michael Moore havia disparado críticas ofensivas ao governo de Bush, o que fez o "discurso" de Brody soar como uma provocação ao diretor.

Fonte: Wikipédia
http://www.terra.com.br

Postado por Mondo Bizarro

ISSO É CINEMA: Roberto Carlos em Ritmo de Aventura

15.02.2012 às 00:06


Ídolo na música brasileira, Roberto Carlos também estrelou filmes, inspirados em modelo lançado pelos Beatles na década de 1960. O primeiro desses foi o longa-metragem "Roberto Carlos em Ritmo de Aventura", de 1967, dirigido por Roberto Farias. A trilha sonora do filme foi lançada naquela mesma época, com o mesmo sucesso do filme, com canções de destaque como "Eu Sou Terrível", "Como É Grande O Meu Amor Por Você" "Quando", e "Por Isso Eu Corro Demais". Em todas as 12 músicas, Roberto teve o excelente acompanhamento instrumental de Renato e Seus Blue Caps e do tecladista Lafayette, que inovou na faixa “E Por Isso Estou Aqui” tocando cravo, instrumento consagrado no período Barroco.

E em uma das grandes cenas do filme, a música Você Não Serve Pra Mim de Renato Barros toma quanta de película mostrando grandes explosões e perseguições na fuga do Rei.

- Você disse que o Roberto Carlos está preso em um lugar seguro?
- disse.
- E onde é que ta  o brasa?
- lá!

Perfeito....

 

Postado por Mondo Bizarro

Pirate Bay vs. PIPA / SOPA

25.01.2012 às 15:39

A guerra na internet está declarada, de um lado o todo poderoso governo americano do outro milhões de internautas lutando por seus direitos, a primeira vitima foi o site Megaupload na figura de seu dono Kim Schmitz. Quantos mais vão cair para que a ditadura vença.

Abaixo um comunicado do site Pirate Bay.

Há mais de um século, Thomas Edison conseguiu a patente para um aparelho que faria “para o olho o que o fonógrafo fez para o ouvido”. Ele o chamou de cinetoscópio [Kinetoscope]. Edison não foi apenas o primeiro a gravar vídeo, mas foi também a primeira pessoa a ser dono do copyright de um filme cinematográfico.

Por causa das patentes de Edison para filmes cinematográficos, quase foi financeiramente impossível criar filmes de cinema na costa oeste norte-americana. Os estúdios de cinema, assim, mudaram para a Califórnia e fundaram o que hoje chamamos de Hollywood. A principal razão é que ali não haviam patentes. Não havia também nada de copyright, então os estúdios podiam copiar velhas histórias e fazer filmes a partir delas – como Fantasia, um dos maiores hits da história da Disney.

Portanto, toda a base dessa indústria, que está hoje aos gritos sobre perda de controle sobre direitos não-materiais, é que eles driblaram direitos não-materiais. Eles copiaram (ou, de acordo com sua terminologia,”roubaram”) as obras criativas de outras pessoas sem pagar por isso. Eles o fizeram para obter grandes lucros. Hoje, eles são todos bem-sucedidos e a maior parte dos estúdios está na lista da Fortune das 500 empresas mais ricas do mundo. Parabéns – está tudo baseado em ser capaz de reutilizar criações de outras pessoas. E hoje eles detém os direitos das criações de outras pessoas. Se você quer lançar alguma coisa, você tem que seguir as regras deles. As regras que eles criaram depois de driblar as regras de outras pessoas.

A razão pela qual eles estão sempre reclamando dos “piratas” hoje é simples. Nós fizemos o que eles fizeram. Nós driblamos as regras que eles criaram e criamos as nossas próprias. Nós esmagamos o seu monopólio ao dar às pessoas algo mais eficiente. Nós permitimos que as pessoas tenham comunicação direta entre si, driblando o intermediário lucrativo, que em alguns casos levar mais que 107% dos lucros (sim, você paga para trabalhar para eles).

Tudo se baseia no fato de que representamos competição. Provamos que a forma atual como existem não é mais necessária. Somos simplesmente do que eles são.

E a parte engraçada é que as nossas regras são muito similares às ideias que fundaram os EUA. Lutamos pela liberdade de expressão. Enxergamos as pessoas como iguais. Acreditamos que o público, não a elite, deveria governar a nação. Acreditamos que leis deveriam ser criadas para servir o público, não corporações ricas.

O Pirate Bay é uma comunidade verdadeiramente interacional. Nossa equipe está espalhada por todo o globo – mas ficamos fora dos EUA. Temos raízes suecas e um amigo sueco nos disse isso:

A palavra SOPA significa “lixo” em sueco. A palavra PIPA significa “um cano” em sueco. É claro que isso não é coincidência. Eles querem tornar a internet um cano de mão única. Eles por cima empurrando lixo cano abaixo para o resto de nós, consumidores obedientes.

A opinião pública nesse assunto é clara. Pergunte a qualquer um na rua e você vai descobrir que ninguém quer ser alimentado com lixo. Por que o governo americano quer que o povo americano seja alimentado com lixo foge à nossa compreensão, mas esperamos que você o impeça, antes que afoguemos todos.

A Sopa não pode fazer nada para brecar o Pirate Bay. Na pior das hipóteses, mudaremos o domínio principal: do atual .org para uma das centenas de nomes que também já usamos. Em países onde estamos bloqueados (os nomes China e Arábia Saudita são os primeiros que vêm à cabeça), eles bloqueiam centenas de nomes de domínios nossos. E adianta? Não muito.

Para consertar o “problema da pirataria” deveria se ir à raiz do problema. A indústria do entretenimento diz que eles estão criando “cultura”, mas o que eles realmente fazem é vender coisas como bonecas caríssimas e fazer meninas de 11 anos se tornar anoréxicas. Seja de trabalhar nas fábricas que criam as bonecas por praticamente salário nenhum, seja por assistir filmes e programas de TV que as fazem pensar que são gordas.

No grande jogo de computador de Sid Meiers, Civilization, você pode construir maravilhas do mundo. Um dos mais poderosos é Hollywood. Com ele, você controla toda a cultura e mídia do mundo. Rupert Murdoch ficou feliz com MySpace e não via problemas com sua própria pirataria até seu fracasso. Agora ele reclama que o Google é a maior fonte de pirataria do mundo — porque ele está com ciúmes. Ele deseja manter seu controle mental sobre as pessoas e está claro que você consegue um visão mais honesta das coisas na Wikipedia e no Google do que na Fox News.

Alguns dos fatos (anos, datas) nesse texto estão provavelmente erradas. O motivo é que não podemos acessar essas informações quando a Wikipedia está fora do ar. Por causa da pressão de nossos rivais decadentes. Pedimos desculpas por isso.

—THE PIRATE BAY, (K)2012

Vi no VIVER E MORRER NO CINEMA

Postado por Mondo Bizarro

FELIZ 2012

31.12.2011 às 13:09

Feliz 2012...

Postado por Mondo Bizarro

FELIZ NATAL: ISSO É CINEMA - A FELICIDADE NÃO SE COMPRA

24.12.2011 às 12:54

Clássico absoluto do cinema americano, desde seu lançamento nos cinema em 1946, A Felicidade Não Se Compra do diretor Frank Capra, sempre vai ao ar todoas os anos, seja na tv ou em cinemas na epóca de natal. Filmão que envoca o espirito natalino e sempre provoca um chororô em todo mundo que assiste, especialmente na cena final que vocÇe pode ver hoje.

A história gira em torno de George Bailey (o astro James Stewart), que sempre ajudou a todos, pensa em se suicidar saltando de uma ponte, em razão das maquinações de Henry Potter (Lionel Barrymore), o homem mais rico da região. Mas tantas pessoas oram por ele que Clarence (Henry Travers), um anjo que espera há 220 anos para ganhar asas, mandado Terra, para tentar fazer George mudar de idéia, demonstrando sua importância através de flashbacks.

 

 

Postado por Mondo Bizarro

DANICA McKELLAR - A WINNIE COOPER DE ANOS INCRÍVEIS

15.12.2011 às 15:50

Bem depois de um hiato de quase um mês estou de volta.

DANICA McKELLAR nasceu no dia 03 de janeiro de 1975, eita! Sou um ano mais novo do que ela, na cidade de La Jolla, na Califórnia, descendentes de escoceses e portugueses, é nada! A atriz encantou o mundo como a doce, mas confusa Winnie Cooper, objeto de afeto do jovem Kevin Arnold, o ator Fred Savage, além de ser de um bocado de garotos que curtia a série, inclusive eu, na série Anos Incríveis.

Aos 8 anos de idade, a família McKellar se mudou para Los Angeles, ela e sua irmã Crystal McKellar sempre fizeram disputas saudáveis para conseguirem papeis para comerciais, as duas eram alunas no Diane Hill Hardin Young Actors Space School, escola exclusiva para jovens talentos, pois começaram desde de cedo, ao se apresentarem com sua mãe.

Danica, além de vários comerciais que fizera estreou na telinha da tv em alguns episódios de "The Twilight Zone", segiram-se mais trabalho na tv, em alguns seriado e filmes, inclusive emprestando sua voz, para o desenho CAPITÃO PLANETA ("Captain Planet and the Planeteers"). Quando foi anunciado o interesse da CBS em fazer uma série que focava os problemas do amadurecimento de um jovem no seu dia a dia, Danica e Crystal foram às únicas escolhidas para viverem o papel da namoradinha do herói, os produtores escolheram Danica e sua irmã ficou com o papel de sua rival no seriado, Becky Slater.

A série Anos Incríveis foi produzida entre os anos de 1988 e 1993 nos Estados Unidos e dividida em 6 temporadas. No Brasil foi exibida de uma só vez entre 1994 e 1995 pela Tv Cultura (canal 2 de São Paulo), e mais tarde pelo Canal 21 (emissora pertencente à Tv Bandeirantes). Depois de muito tempo fora do ar, a Tv Cultura, atendendo a milhares de e-mails, incluiu a atração na sua grade de programação novamente. A série foi realmente um tremendo sucesso, tanto lá nos EUA e no resto do mundo.

Realmente, nos vimos a Danica crescer na tela de acordo com o seu personagem, e o seu primeiro beijo foi realmente aquele em que dava no ator Fred Savage.Muita gente se recorda do seriado, e os garotos procuravam as qualidades da Winnie em suas namoradas. Assim a série virou febre em nosso país

Mesmo ocupado com a série, Danica, não parou de estudar, ela é apaixonada pela matemática, desde os 12 anos, foi estudar sua disciplina favorita na Universidade da Califórnia, em 1994. Nesse período, Danica ajudou um professor a demonstrar um teorema conhecido hoje como Chayes-Mckellar-Winn. O trabalho diz respeito ao processo de percolação (distribuição de algo, por exemplo, o escoamento de um líquido por tubos interconectados ou um vírus espalhando-se por uma população) e trata da possibilidade de percolar por meio de uma rede quadriculada com determinados parâmetros (entre eles a temperatura e a "probabilidade de passagem", ou P). "O problema é determinar o valor mínimo de P para que seja possível, saindo de um ponto, ter uma chance diferente de zero de chegar em outro", define o físico Silvio Dahmen, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Imagine como exemplo uma rede de ruas que se cruzam, por onde circulam vários veículos sob determinadas regras. "A Danica e seus colegas provaram que, para esse modelo, se a probabilidade de chegar ao outro lado for diferente de zero para um tipo de objeto, então será assim para todos os outros", esclarece Dahmen. Ela se formou summa cum laude em 1998, na UCLA.

Isso mesmo galera, além de linda, maravilhosa e doce, ela também é super inteligente, e uma curiosidade, em seu site ele disponibiliza um e-mail, para ajudar a galera em trabalhos de matemática:

Quem quiser uma ajuda, peça a ela. [email protected]

Mesmo dando um duro danado na Universidade, Danica sempre participava de seriados e filme para tv, entre eles: "Babylon 5", "Walker, Texas Ranger", mas a paixão pela tv foi mais forte e ela deu um tempo em seus trabalhos escolares e partiu de vez, em 2000 para suas atividades no meio televisivos.

Participou de alguns episódios das aclamadas série dramática "The West Wing" e "NYPD Blue", "Strong Medicine", "Jack & Bobby,", "Eve,"e "NCIS, além de outras.E ela foi mais além, produziu, escreveu e dirigiu três filmes (o curta-metragem "Speachless",onde ganhou um premio no Hollywood Underground Film Festival em 2002 , "Broken" e "Talking in Your Sleep"), entre outros projetos, Fez a voz da Jubileu, no jogo X-Men Legends.

Ela preparou um filme que foi lançado na televisão americana chamado “Path of Destruction" [para o canal Sci-fi], e começará a filmar um novo filme chamado "Hack" em agosto. Eu também estou preparando um DVD de ioga e meditação que foi lançado em  2006.

Entre aparições em canais de televisão como o VH1 e filmes sem importancia para o canal de ficçãop cientifica, o sci-fi, McKellar vive uma vida pacata altenado o glamour da televisão com as teorias matematicas, onde lançou dois livros sobre os misterios das ciencias exatas para meninas.

E para saber mais sobre a doce DANICA McKELLAR é só entrarem eu seu site: http://www.danicamckellar.com/ E quem sabe ela não responde ao seu trabalho de matemática.

Postado por Mondo Bizarro

ISSO É CINEMA : CONTROL

01.11.2011 às 00:54

O ano era 1976, o local Manchester, Inglaterra, um grupo de garotos depois de assistirem a um show dos Sex Pistols, decidem formar uma banda, na ressaca chamada pós-punk, o Joy Division, que significa Divisão da Alegria nome dado para a área onde as mulheres judias eram mantidas prisioneiras e "oferecidas" sexualmente aos oficiais nazistas, cresceu e seu tímido vocalista, Ian Curtis se tornou um ícone do rock.


Em 2007 o ex-fotógrafo da banda, Anton Corbjin, dirigiu um dos mais angustiantes filmes sobre a ascensão e queda de uma banda de rock,seu protagonista, Ian Curtis era epiléptico e seus problemas pessoais, como o divórcio conturbado da sua esposa e um caso extra-conjugal com a jornalista belga Annik Honoré, poderão ter contribuído para o seu suicídio, Ian Curtis se enforcou aos 23 anos de idade.


Na passagem mais significativa do filme, depois de mais um ataque epiléptico, ele escreve a clássica She’s Lost Control, música que fala sobre a sua epilepsia, mesclando como foi feita em um estúdio e depois ele cantando em um show.


O ator britânico Sam Riley é a encarnação de Ian Curtis, confira.

Postado por Mondo Bizarro

A besta morreu - David Hess (1942 - 2011)

09.10.2011 às 22:20

Ator, compositor, nascido na cidade de Nova York em 1942, trabalhou com Elvis Presley, Pat Boone e outros grandes damúsica americana, foi chefe da gravadora Mercury Records.

David Hess é mais conhecido por um filme de baixo orçamento chamado Aniversário Sangrento, dirigido em 1972 por um jovem chamado Wes Craven, que futuramente criaria Freddy Krueger e a serie Pânico.

 

A besta chamada Krug Stillo, lidera uma gangue que barbariza uma jovem de dezessete anos chamada Mari Collingwood e sua amiga Phyllis Stone. Nunca um filme chegou tão próximo da realidade como Aniversário Sangrento que em seu titulo original se chamava The Last House on the Left , justamente o endereço dos pais de  Mari, onde a gangue de Krug, por engano, pedem ajuda no final do filme.

Com cenas brutais, passando pelo estupro, tortura física e psicológica, o filme ficou proibido no Reino Unido por mais de 30 anos.


Nunca antes um psicopata foi retatado com tamanha realidade, e so pra vocês saberem como era David Hess no set era que as atrizes que interpretavam as duas garotas do filme realmente tinham medo do ator. Reza a lenda que, nos bastidores das filmagens, Hess as ameaçava e xingava com a mesma tranqüilidade de seu personagem no filme, para dar mais realismo,e que a atriz Lucy Grantham, que interpreta Phyllis, disse que realmente urinou nas calças na cena em que Krug obriga sua personagem a fazer isso.

Wes Craven disse que so consegiu assitir ao filmes apenas duas vezes depois de pronto, realmente Aniversário Sangrento é um filme brutal, mas obrigatório para entender os anos 70 e a historia do cinema de terror.

Além de assustar todo mundo no set, David Hess ainda compôs várias músicas para a trilha sonora!!!

A besta morreu, descanse me paz David Hess

Postado por Mondo Bizarro

ISSO É CINEMA: OS TIRAS DE LOS ANGELES X FOGO CONTRA FOGO

23.09.2011 às 16:19

Em 1989, o então criador de sucessos televisivos como Miami Vice e Crime Story, Michael Mann, queria fazer uma nova série para a televisão, dessa vez envolvendo um grupo de policiais de Los Angeles em luta contra a bandidagem na Cidade dos Anjos, essa combinação aliado a muitos tiros, cenas em câmara lenta e muito rock’n’roll seria o programa perfeito para o publico norte-americano no final da década de 80.


Michael Mann escreveu um roteiro de 180 páginas, la no comecinho dos anos 80, e apresentou seu projeto para a poderosa rede de televisão NBC, os executivos gostaram da idéia, mas aconselharam Michael a cortar muito desse roteiro e colocasse no decorrer da série. Pronto estava feito o acordo para rodar o piloto de série chamado Os Tiras de Los Angeles (L.A. Takedown), Mann chamou alguns veteranos do seriado Miami Vice, Scott Plank, Alex McArthur, Michael Rooker, Daniel Baldwin e  Xander Berkeley, as filmagens terminaram em apenas 10 dias, e o piloto foi ao ar 27 de Agosto de 1987.


Mann viu que o piloto, apesar de ser bom não deu retorno para a produtora NBC, então o que já fora sucesso nas mãos de Michael Mann na época de Miami Vice, já estava em franca decadência no final da década de 80.


Em 1992, depois de consolidado seu sucesso no cinema com o filme O Últimos dos Moicanos, Mann reavaliou o velho roteiro e decidiu filmá-lo de novo, e foi quando nasceu o filme Fogo contra Fogo (Heat), o próximo passo do diretor foi escalar o elenco e quem seria a dupla de antagonista do filme.


Para surpresa de Mann, Al Pacino e Robert De Niro toparam participar do filme, Pacino iria virar o tenente Vincent Hanna, papel de Scott Plank no original, enquanto De Niro era o bandidão cerebral Neil McCauley, que no original se chamava Patrick McLaren e era interpretado por Alex McArthur.

Além da dupla de ouro do cinema americano se  juntaram ainda ao elenco Val Kilmer, Tom Sizemore e Jon Voight.


A diferença entre os dois filmes são inúmeras, a começar pela duração, Os Tira de Los Angeles contava com apenas uma hora e meia de duração, já Fogo Contra Fogo tem quase três horas de duração.


Varias sub-tramas foram ingeridas a Fogo contra Fogo, que não existia no original, entre outras coisinhas, só assistindo aos dois filmes para tentar localizar as diferenças.

E para vocês, um pequeno aperitivo de como um grande diretor pode fazer com apenas um roteiro, resultando em  dois filmes espetaculares.

Os Tira de Los Angeles ( L.A. Takedown,1989)

 

Fogo Contra Fogo ( Heat,1995)

Postado por Mondo Bizarro


Mondo Bizarro por Titara Barros

Natural de Palmeira dos Índios, Alagoas. Começou sua vida cedo ao lado de uma Olivetti Lettera 82. Trabalhou na Radio Sampaio, bem como no Semanário Tribuna do Sertão, formou-se jornalista em 2012. Roqueiro de alma e cinéfilo de coração, adora escrever com bom-humor e acidez sobre seus assuntos preferidos.

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]