Dólar com. R$ 3,19
IBovespa +0,14%
22 de outubro de 2017
min. 24º máx. 27º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Temer quer que deputados não compareçam à votação de denúncia
27/05/2017 às 20h54

Blogs

Centenário de Teotônio Vilela

 *Janice Vilela - Presidente da Fundação Teotônio Vilela

 

É de Teotônio Vilela a sinalização da esperança brasileira pela redemocratização do país, nos anos difíceis em que a ditadura militar prendia, torturava e matava jovens e trabalhadores que ousavam exigir o direito da liberdade de expressão política. É dele a coragem cívica que espalhou pela Nação o sentimento de patriotismo e é, de Teotônio, a luta que tomou coletivamente todos os brasileiros por eleições diretas, democráticas e soberanas.

  Este é o ano de centenário do nascimento de Teotônio e a data está na programação dos 200 anos de Alagoas, como parte da história do estado e do Brasil. O Menestrel nasceu na Viçosa em 28 de maio de 1917 e criou-se para se aventurar ao mundo, com a liberdade tirada das leituras de livros e jornais, com seus pensamentos de transformação social, com defesa na alma de justiça social.

  Na Assembleia Legislativa de Alagoas, como deputado estadual, no governo do estado, como vice-governador e, sobretudo, como senador da República, Teotônio fez de seus discursos inflamados a voz dos que eram impedidos de falar, de cobrar, de criticar e, até, de pregar a paz, a exemplo da campanha da anistia, levante do Menestrel das Alagoas em prol de exilados e presos políticos.

  A história de Teotônio se soma à história da democracia brasileira e, dessa trajetória, muitos títulos deram a ele, como o Menestrel das Alagoas, Guerreiro da Paz, Peregrino da liberdade e, até, Dom Quixote, que mereceu texto do jornalista Carlos Chagas:

“Se Gustave Doré vivesse no Brasil não precisaria quebrar a cabeça para desenhar o dom Quixote de Cervantes: bastaria ir ao Senado para descobrir na pessoa de Teotônio Vilela, imagem física quase igual à do famoso personagem (…) magro, seco, desengonçado, com quase dois metros de altura, possui para com a democracia o mesmo respeito e veneração que o Quixote pela sua Dulcinéia (…). 

Quando começou sua peregrinação pelo país, depois de demorada audiência com o presidente Geisel, Teotônio despertou iras e amuos (…); o homem de Alagoas não se intimidou, não recuou, não admitiu o silêncio cômodo de tantos outros. Foi chamado de “doido manso”, pregador do impossível, mas sua lança continuou firme em direção ao futuro, moinhos de vento à parte”.

  Nos cem anos de nascimento do nosso Dom Quixote, a Fundação Teotônio Vilela reafirma o seu compromisso de manter, imortal, o legado de força, de coragem E de amor ao Brasil DE Teotônio Brandão Vilela. E seguimos, com ele, em seu ideário por uma Nação livre e justa para todos:

  “É a hora do patriotismo, que é, sobretudo, o amor de todos pelas mesmas causas” (Teotônio Vilela – 1917-2017).




Painel Opinativo por Opinião & Expressão

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]