Dólar com. R$ 3,19
IBovespa +0,14%
22 de outubro de 2017
min. 24º máx. 27º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Temer quer que deputados não compareçam à votação de denúncia
25/08/2017 às 14h30

Blogs

Tal pai, tal filho

Reprodução

Para refletir: “Ao conceder uma honraria a um condenado por roubar os cofres públicos, Alagoas se expõe ao ridículo nacional”.


Tal pai, tal filho

Praticamente vi o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, nascer. Estava com seu pai no interior (1976) quando tivemos que voltar às pressas, pois Suzana tinha entrado em trabalho de parto. Minha ligação com a família sempre foi muito próxima, independente de qualquer vinculo institucional que sempre mantivemos. Acompanhei de perto seu caminhar vitorioso pelas avenidas da vida. A infância e adolescência entre Maceió e Brasília, a vida acadêmica com louvor e especialização em Direito Tributário e Finanças Públicas e a sua vontade insistente em servir a Alagoas. Recebeu de berço os ensinamentos que moldaram o seu caráter, de pais que lhe transmitiram o vigor de um lar com dignidade, respeito ao outro e a honestidade como lema.

Em 2006 foi eleito deputado estadual obtendo 21.752 votos, sendo o primeiro colocado em sua coligação. Lembro que durante o seu mandato eclodiu o escândalo da “Operação Taturana” que teria desviado R$ 302 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa. Rui Palmeira foi um dos poucos parlamentares não envolvidos no escândalo, que resultou inclusive na prisão e no afastamento do mandato de deputados estaduais. E foi veemente defensor da apuração rigorosa dos fatos, mesmo diante da pressão dos envolvidos nos crimes apontados pelo Ministério Público. Teve um mandato atuante mesmo em um parlamento esfacelado.

Em 2010 optou por concorrer às eleições ao cargo de deputado federal tendo sido um dos mais votados, sendo o parlamentar alagoano mais jovem na história da Câmara dos Deputados. Teve um mandato brilhante e sempre voltado para o interesse público. Defendeu as Reformas Tributária e Política, em prol da desoneração do setor produtivo e do aperfeiçoamento do sistema político brasileiro, assim como também cobrou mais investimentos em Alagoas por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. Sempre atuante e atento aos desvios de conduta de agentes públicos votou contra a flexibilização e contra o segredo nas licitações das obras do governo preparatórias para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, não compactuando com a alteração feita na Lei 8.666, contrariando o governo petista que muito queria essas flexibilizações, com o intuito de desviar verbas, como em outras obras. Ao concluir seu mandato foi considerado entre os vinte parlamentares com melhor avaliação no país.

Um político ético

Eleito e reeleito prefeito de Maceió (2012 e 2016) tem uma administração muito bem avaliada e mesmo com parcos recursos tem transformado a paisagem urbana e realizado obras significantes para a acessibilidade da população. Quer fazer muito mais e está bem perto disso com o incremento de recursos prestes a entrar nos cofres municipais.

Diferente da maioria dos administradores públicos brasileiros Rui Palmeira pode ser apontado como um político que preserva a ética e tem sempre suas ações voltadas para o interesse público. Não há quem aponte um ato seu que o desabone ou fira os princípios da moralidade no trato com a coisa pública. Cobra dos auxiliares idêntico cumprimento do respeito à legalidade e a moralidade dos seus atos. Em seu primeiro período de administração e no

decorrer do segundo mandato não pode ser apontada a comprovação de nenhum escândalo. Coisa rara nos tempos de hoje.

Rui para o governo?

Ai está uma pergunta que por enquanto fica sem resposta. Sabe-se apenas uma coisa: é o nome mais temido pelo governador Renan Filho para o confronto nas próximas eleições. Ele confessa o seu desejo de continuar administrando Maceió e fazendo as transformações e avanços que prometeu e está cumprindo. Mas há um fato a ser considerado, que são as pesquisas o apontando em confortável posição em cidades do interior e a grande dianteira em Maceió, mesmo sem ter sua candidatura lançada ou admitida. As principais cabeças da oposição continuam insistindo na candidatura de Rui Palmeira. Mas por enquanto ele prefere não se adiantar. Certamente, como é uma de suas características, vai decidir na hora e lugar que ele mesmo escolher. Mas não pode demorar muito.

Histórias para mostrar

Supondo-se que Rui Palmeira decida ser candidato a governador a oposição avançará acelerado para conquistar a cadeira e a caneta hoje em mãos dos Calheiros. Sabe-se que o pleito de 2018 terá no embate o foco trazido pela Operação Lava Jato – o combate à corrupção - como o principal ingrediente da efervescência, com força maior até mesmo que as tradicionais promessas e propostas de governo. No seu palanque e nas suas aparições no Horário Eleitoral vão aparecer juntos Rui e o seu pai Guilherme Palmeira. Imaginemos o que dirá o apresentador: “Aqui está o candidato Rui Palmeira, um exemplo de político e administrador, ficha limpa, um grande prefeito da capital, com uma folha de serviços prestados, tem história digna de vida e origem exemplar. Ao seu lado está o pai Guilherme Palmeira, o político mais ético de Alagoas, deputado estadual, secretário de estado, governador, senador, prefeito de Maceió, ministro do TCU, uma personalidade inatacável, sua biografia o mostra como um dos mais influentes políticos do país, sua conduta o coloca na condição do político mais honrado da história de Alagoas”.

E os outros dirão o que?

Conhecendo eleições

Na próxima sexta feira, na Escola Superior da Magistratura, o professor e pesquisador político, Marcelo Bastos, estará nos brindando com o lançamento do seu livro “Eleições em Alagoas - 1978 a 2016. Trata-se de uma obra super recomendada não apenas para políticos, mas para profissionais , estudantes e quantos se interessem em conhecer os fatos e números da política alagoana nas últimas quatro décadas . O livro é uma narrativa real, isenta e feita por quem entende e se dedica ao estudo da ciência política em seus diversos contextos. O autor é um especialista na matéria e sabe , como poucos, mostrar os fatos e fazer uma análise dos acontecimentos. Marcelo Bastos, que foi meu aluno de Direito Administrativo, é um empreendedor de sucesso. Recomendo a leitura do seu livro.

Dose dupla

Ouvia de um especialista em política local a seguinte colocação: - A situação do governador Renan Filho só não é mais crítica nas pesquisas porque ainda não apareceu efetivamente uma candidatura de oposição. O previsível desastre da figura comprometida do pai (Renan Calheiros) somado à marca negativa do anunciado aliado Partido dos Trabalhadores vai pesar muito e com

certeza o combate a corrupção vai ser a tônica principal da campanha de 2018. É muito provável que o eleitor alagoano derrame sua ira indignada condenando os dois partidos, PMDB e PT a uma derrota fragorosa. Embora se saiba que em política nenhuma verdade seja verdadeira.

Conta Gotas

O FARSANTE Lula em sua verborragia trocou o nome da cidade de Penedo por “Toledo”. Falhou com a história e com o povo penedense. Efeito 51?

O DEMOCRATAS, partido que vem definhando a cada dia, mostrou esta semana uma propaganda no rádio e TV pífia, hipócrita e mentirosa.

AGUARDEM para breve um “furacão” na política alagoana. Pode mudar a cara e o corpo das eleições em 2018.

ALGUÉM tem noticia do inquérito que apura a fraude no Mestrado da UFAL, patrocinada por importantes agentes do governo estadual?

UNCISAL SUSPEITA. Assembleia quer acompanhar eleição para reitor,


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]