Dólar com. R$ 3,178
IBovespa -0,23%
27 de abril de 2017
min. 24º máx. 31º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Interrogatório de Lula em Curitiba é adiado por Moro a pedido da Polícia Federal
21/02/2017 às 13h59

Blogs

O passo a passo para conquistar o Oscar de melhor filme

5 dicas para se tornar o mais premiado cineasta de todos os tempos

Por Alexandre Bessi


Às vésperas da noite máxima de celebração do cinema, o Tapioca Pop inaugura uma série de textos relacionados ao tema. E neste aqui será apresentada a fórmula precisa para a produção de um clássico arrebatador. Então, prepare-se! Se seguir à risca todas as instruções aqui comentadas, você não somente poderá ficar milionário rapelando as bolsas de apostas dos grupos de whatsapp como também aumentará exponencialmente a chance de se transformar no próximo Iñárritu, se tiver uma câmera na mão, ideias na cabeça, talento de gênio e o triplo da sorte necessária para ser ganhador sozinho da mega sena de fim de ano com um jogo simples! Segue o manual:


Dica #1: Faça um filme longo.


Lawrence da Arabia (1962), 222 minutos de duração e vencedor do melhor filme em 1963.


Tem que ser demorado mesmo, mas não tão longo a ponto de o bico de papagaio do crítico resolver dar uma de pica-pau surtado, entenda que a média de idade dos membros votantes é superior a 60 anos. A Academia quer filmes que prendam o espectador, que desenvolvam bem os personagens e o enredamento das situações tratadas, com primeiro, segundo e terceiro atos bem distribuídos e equilibrados. Também não precisa fazer como Peter Jackson em O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003) e seus 3.427 finais em 201 minutos. O passar do tempo deve ser prazeroso e despercebido. Os grandes campeões do Oscar têm 141 minutos de duração média. Como conseguir? Procure um excelente roteiro e treine muito a concisão dos seus posts no twitter.


Dica #2: Não cometa a loucura de lançar seu filme antes dos três meses que precedem a premiação.


A Felicidade Não Se Compra, clássico que estreou em 26 de dezembro de 1946, considerado a maior injustiça da história da Academia.


Mais uma vez, lembre-se da média etária dos críticos votantes. Primaveras demais trabalham contra a qualidade da memória. Registros estatísticos apontam que quase a metade dos longas indicados a melhores do ano estreiam no mês de dezembro e, não raramente, é dessa parcela que saem os vencedores. Sabe-se que Papai Noel é membro vitalício da Academia, e que o bom velhinho tem as manhas de arrastar a opinião dos demais colegas. Como é notório, ele só vem por essas bandas no fim do ano, então é auspicioso para o teu filme estar em cartaz no mesmo dia em que o peru é obrigado a cumprir sua derradeira missão. Jamais um filme lançado em janeiro do ano anterior ao anúncio dos indicados fisgou o maior prêmio. O último vencedor com mais decurso de tempo entre estreia e indicação foi Carruagens de Fogo (1981), lançado nove meses antes de receber a indicação e escolhido vencedor da cerimônia de 1982.


Dica #3: Vale muito a pena fazer seu filme ganhar outros prêmios antes de tentar abocanhar um Oscar.


O Senhor dos Anéis O Retorno do Rei (2003) amealhou 185 prêmios além de Oscar, Golden Globe e BAFTA.


Atribuem à premiação do Golden Globe ser o melhor termômetro para diagnosticar o maior vencedor da Academia. Embora os resultados realmente tenham uma taxa razoável de coincidências, é melhor conseguir colocar na estante também um Directors GuildCannesSundance Festival e o Urso de Ouro de Berlim já são indicativos bem menores. Só não tente concorrer de mãos abanando, seria loucura maior que vestir um marreco morto, como a cantora e performer Björk fez na cerimônia de 2001. Até um ovo ela tentou colocar no tapete vermelho, mas teve que desistir, pois chegou à conclusão de que não daria tempo de chocá-lo* antes de sua participação no evento. *Sim, o ovo.


Dica #4: A obra deve ser um drama realista, baseado em fatos, socialmente relevante e que carregue mensagem de superação.


Argo (2012), a história de uma manobra da CIA para extrair funcionários da embaixada americana em plena revolução iraniana de 1979.


E se puder ambientar essa história na segunda guerra mundial e tiver um personagem protagonista sequelado, física ou mentalmente, apaixonado e moribundo, corra para o abraço. É batata! Ganha melhor filme, diretor, roteiro, edição, efeitos visuais, ator e atriz. E ainda consegue colocar de graça todos os amigos bocas de ponche e mal vestidos nas cobiçadas festas do Elton John ou da Vanity Fair após a cerimônia. É imunidade total contra a vergonha alheia. É possível também se sair vencedor com um filme que fale sobre Hollywood ou mesmo que preste homenagem ao cinema de um modo geral. A Academia fica mole com uma bela bajulada, mas a primeira sugestão prevalece. Lembre-se de matar muitos nazistas nas cenas de batalha. É indicado expor as vísceras.


Dica #5: Jamais se utilize de personagens coadjuvantes com a função de alívio cômico em dramas realistas.


Shakespeare Apaixonado (1998) e a polêmica guerra publicitária da Miramax pela campanha do Oscar.


A Academia não costuma premiar comédias na categoria de melhor filme. Noivo Neurótico, Noiva nervosa (1977), Conduzindo Miss Daisy (1989), Forrest Gump (1994), Shakespeare Apaixonado (1998) e O Artista (2011) - este congregou a homenagem ao cinema como tema e, por isso, levou a maior premiação – são raríssimas exceções exemplos de vencedoras do prêmio principal. Anterior a 1978, a mais recente comédia escolhida como melhor filme foi a produção britânica As Aventuras de Tom Jones (1963), na cerimônia de 1964, e antes disso as comédias vencedoras eram mais preponderantes como musicais. Portanto, esqueça a risadinha. Em filme campeão de Oscar ninguém mostra a dentadura nova contando piada, a não ser que se preste a cantar! Os críticos podem confundir com filmes da Marvel e aí esqueça o hominho de ouro.

E se prestou atenção em todas essas orientações, baseadas em 50 anos de pesquisa fundamentada e também em estudos estatísticos dos sociólogos Gabriel Rossman e Oliver Shielke da Universidade da Califórnia, saiba que está mais apto a revelar o grande vencedor do Oscar 2017 do que a própria Cheryl Boone Isaacs. Sim, você entrou na mente de mais de três mil velhinhos que são membros votantes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood e agora não apenas sairá faturando o bolão do condomínio, como também ganhará fama e prestígio fazendo-se passar por profundo conhecedor da indústria cinematográfica entre seus amigos.

Se não reconhecer as pessoas dessa imagem, pode desistir da carreira no cinema.


Agora, se quiser partir para as cabeças e realizar sua própria obra prima cinematográfica, é chegado o momento de agir. De posse dessas informações, tudo de que precisa agora é de algumas décadas de sua vida dedicadas a trabalhar com a Sétima Arte e tornar-se um baita cineasta. Vai precisar também sair do Brasil, vender a alma a algum mafioso de estúdio, arrumar um budget superior a 200 milhões de dólares para investir em seu projeto e rezar muito, mas muito mesmo, para o roteiro certo cair em suas mãos. Cinema é a maior diversão.

A cerimônia do Oscar 2017 acontecerá no próximo domingo, 26 de fevereiro, e será apresentada pelo comediante Jimmy Kimmel. Acompanhe no blog as resenhas dos principais filmes que concorrem ao prêmio.



Tapioca Pop por Afranio Aquino, Alexandre Bessi e Titara Barros

O novo, o antigo, o que está ou não na moda da cultura pop, geek e nerd você encontra aqui, no Tapioca Pop. Quadrinhos, cinema e música, pela ótica dos jornalistas Afranio Aquino, Alexandre Bessi e Titara Barros.

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S