Dólar com. R$ 3,146
IBovespa +1,09%
21 de agosto de 2017
min. 21º máx. 26º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Após decisão de Gilmar Mendes, Barata Filho e Lélis Teixeira deixam presídio

Blogs

Banda Pacamã lança seu primeiro disco

14.08.2017 às 20:22

A banda Pacamã, de Maceió, "promete causar' com o recentísssimo lançamento de seu primeiro álbum, “Antes Aqui Era Tudo Mato”.  

Igor Cavalcante(guitarra e violão), Mateus Borges (voz e letras), Mateus Magalhães (percussão e voz), Thiago Mata (bateria, violão, guitarra, baixo, ukulele, harmonização, teclados, violinos, voz e identidade visual) e Thomas Schaeffer (baixo, guitarra, teclados, voz e harmonização), oferecem um cardápio musical diferenciado e diversificado, contemplativo e convidativo à 'psicodélicas reflexões". Sonoridade e serenidade com “gloriosas influências” (segundo os próprios integrantes) que vão de Tom  Zé e Baleia a Metá Metá  .

“Antes Aqui Era Tudo Mato” consegue impressionar não só pelo conteúdo musical, mas também pelo apuro no “acabamento"  com supreendentes harmonizações e arranjos ( em especial os de " cordas" ), consolidados por uma cuidadosa masterização.

A obra foi lançada pela Crooked Tree Records e  já está disponível no Youtube. Vale a pena conferir



Postado por Etc & Tal

EBC e rede alemã Deutsche Welle renovam parceria para exibição de conteúdos

02.08.2017 às 13:21
Divulgação

Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e a rede alemã Deutsche Welle (DW) renovaram a parceria para exibição dos programas Futurando, dedicado ao meio ambiente e à ciência e tecnologia, e Camarote 21, que trata da diversidade cultural da Europa. Os dois são exibidos na TV Brasil, emissora da EBC. O protocolo de intenções foi assinado hoje (1º) pelo diretor-geral da Deutsche Welle, Peter Limbourg, e pela pela diretora de Produção e Conteúdo (Dipro) da EBC, Cida Fontes.


Peter Limbourg disse que para a DW é importante manter a parceria com a TV Brasil. “Eu penso que é muito importante mantermos um bom relacionamento entre a Deutsche Welle e a TV Brasil porque nós temos um conteúdo que é transmitido a todo o Brasil. Penso que é excelente para ambas continuar este trabalho produtivo. Nós esperamos que a parceria continue por longo tempo”, afirmou.


O diretor informou que a DW também está trazendo para a EBC outros projetos, como os vídeos de apresentação da maestrina mexicana Alontra de la Parra, que mostram ainda os bastidores do trabalho da artista. Peter Limbourg aposta na variedade de produtos da empresa alemã para expandir a parceria com a TV Brasil. “Penso que outras histórias interessantes e documentários estão no caminho de acontecer. Estamos otimistas com a perspectiva de uma boa e grande colaboração entre a TV Brasil e a Deutsche Welle”, apontou.


A executiva de Distribuição da DW para América Latina, Andrea Hugemann, revelou que a empresa está em negociação para iniciar também uma parceria para publicação de notícias produzidas pelo grupo alemão por meio da Agência Brasil. Já a parceria da DW com a Rádio MEC é antiga. A emissora de rádio da EBC já utiliza há mais de 20 anos o material cultural da DW e transmite concertos gravados na Alemanha, como o tradicional Festival Beethoven de Bonn.


Orquestra Maré do Amanhã

Após a assinatura do protocolo, a delegação alemã assistiu à apresentação da Orquestra Maré do Amanhã, formada por 20 jovens da comunidade da Maré, que executaram 11 obras entre músicas clássicas e brasileiras.  O diretor da DW ficou comovido com o projeto, que foi criado pelo jornalista Carlos Eduardo Prazeres depois da morte do pai dele, o maestro Armando Prazeres. Armando foi sequestrado na porta de um colégio em Laranjeiras, na zona sul do Rio, e o corpo só foi encontrado tres dias após em São Cristóvão.


“Acho muito bonito que vocês, a partir de uma situação difícil, através da música, conseguem apresentar o que estão fazendo”, afirmou, referindo-se aos conflitos violentos presentes no dia-a-dia da comunidade.


O diretor-geral do projeto, Carlos Eduardo Prazeres, contou que luta para conseguir bolsas de estudo para que os jovens possam se especializar no exterior e depois voltar para disputar uma vaga em uma orquestra profissional. "A gente começou com essa molecada quando esles tinham 10 anos. Era uma geração quase perdida. A gente conseguiu salvar 40 das crianças que haviam naquela época na comunidade”, afirmou. O maestroFilipe Kochen, que começou como professor no projeto, comemorou a receptividade da apresentação.


“Escutar o diretor da Deutsche Welle elogiando, não tenho nem palavras. Elogiando o nosso solista, às vezes não cai a ficha quando a gente ouve um elogio desse quilate. É uma emoção muito grande”, disse.


Atualmente, os integrantes do projeto também dão aulas às crianças que frequentam os Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDI) da rede municipal na comunidade. "Acredito que esta geração vai fazer a diferença. Só a educação pode mudar”, defendeu Prazeres, lembrando que muitos amigos dos jovens do projeto entraram para o tráfico de drogas porque não tiveram oportunidade de preencher o tempo com atividades de qualidade. “Nessa idade é muito complicado. A oferta de drogas ali para eles é na porta de casa. Ter um jovem desse que apesar de toda essa oferta se tornou um músico, ele é um herói”, disse.


*Com informações ABr, EBC e assessorias

Postado por Etc & Tal

Jogos da seleção podem virar "exclusividade" de emissora própria da CBF

08.07.2017 às 12:58
Divulgação


A  CBF já não faz segredo sobre suas intenções de produzir os jogos da  Seleção Brasileira e negociar o conteúdo,  praticamente todo vendido aos anunciantes, com emissoras de televisão. E vai além: com as recentes dificuldades de manter um acordo com a Rede Globo, a entidade máxima do futebol brasileiro sonha com um canal  próprio de TV fechada.  


 Além da transmissão das partidas da seleção, a nova emissora poderá transmitir outros eventos esportivos e boletins sobre as atividades da CBF. O projeto está em pleno andamento, e tem o aval do presidente  Marco Polo Del Nero.


A operacionalização do projeto é simples. A CBF fornece o sinal das produções ( no caso das partidas da seleção brasileira com equipe própria de narrador e comentarista).


Em junho a CBF efetuou um “teste” com os amistosos da seleção contra Argentina e Austrália. Com narração de Nivaldo Prieto,  a transmissão das partidas foi negociada com a TV Brasil, TV Cultura, UOL, Facebook e a operadora Vivo.


 A criação de um canal pago pode, porém, encontrar resistências pelo quase monopólio existente nos canais dessa modalidade .No terreno das operadoras “dominadas” pela Globosat, ( dos canais SporTV) , são históricas as dificuldades encontradas por canais como Esporte Interativo e Fox Sports para conquistarem espaço no line-up das operadoras. 


A pressão pela "não entrada" de um novo canal no "cardápio esportivo" da TV paga promete ser forte. Vamos aguardar os resultados desse verdadeiro "duelo de titãs".



Postado por Etc & Tal

Record, SBT e Rede TV! decidem voltar para a TV paga sem consultar operadoras

01.07.2017 às 11:26


"Na marra"

Record, RedeTV! e SBT decidiriam voltar à TV paga e surpreenderam as operadoras, que ainda negociam com os canais pelo carregamento de seus sinais digitais, fora do line-up desde 29 de março, quando o sistema analógico foi desligado em São Paulo e as emissoras foram autorizadas, por lei, a exigirem remuneração das empresas para continuar oferecendo aos assinantes seus conteúdos – que sempre foram de carregamento obrigatório.


"Maquinaram" e... se deram mal

A Simba, joint-venture que representa os três canais, afirma que só está se “oferecendo” para voltar à TV paga em razão de pedidos de associações de defesa do consumidor; dentre elas, o Inadec (Instituto Nacional de Defesa do Consumidor), de Celso Russomanno, contratado da Record. Foi a Inadec, aliás, que incitou a Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) a instaurar uma ação para investigar as ações das operadoras e os prejuízos aos assinantes.


Conciliação forçada

Agora, as parceiras alegam buscar um “gesto de conciliação”. Mas sabe-se que, na verdade, a estratégia adotada por Record, RedeTV! e SBT, de retirar os sinais abruptamente e contar com os protestos do público, deu errado. Anteriormente, as emissoras chegaram a estimular telespectadores a procurarem órgãos de defesa – e a Justiça – para queixar-se da ausência dos sinais no line-up.


Transferindo responsabilidades

Ou seja: a princípio intransigente, agora a Simba praticamente clama por um acordo. Prova disso é a queda no valor cobrado das operadoras – de RS 3,5 bilhões anuais para R$ 840 milhões.. Com esta nova postura, a joint-venture transfere para as operadoras a responsabilidade por um acerto.


*Com informações do portal RD1

Postado por Etc & Tal

Da militância à presidência, a insistente "ignorância ideológica" do PT

14.06.2017 às 03:00
Fotos:Reprodução Globo e Arquivo ABr Montagem:Painel


A nota oficial do PT, assinada por sua presidente , referente ao "incidente" ocorrido entre militantes do partido e a jornalista Miriam Leitão, sugere  um pseudo "pedido de desculpas" e mostra , sem disfarces ao Brasil, a continuidade da mesquinharia e prepotência que tomou conta do "intelecto retrógrado" dos dirigentes da sigla, como também a já notória incapacidade do partido em reconhecer seus próprios erros, como por exemplo o de colocar na própria presidência uma senadora investigada na operação Lava Jato.


Gleisi Hoffmann alega na nota que a atitude da militância se deu, principalmente,  em função do local  onde Miriam trabalha.  A presidente do PT insiste na cansativa tese de que a Rede Globo é a grande culpada pela "desgraça" que se abateu sobre o partido, que é hoje reconhecidamente desgraçado, não por culpa da emissora carioca, mas pela prática de "deslavada corrupção em todos os seus escalões".


Míriam Leitão deveria receber outro tipo de tratamento pela "ignorante" militância do partido. Como jornalista, goza de prestígio e respeito pela sua competência no exercício da profissão.. Mas bem antes de alcançar tão elevado conceito profissional, Míriam se tornou,  um símbolo vivo  de resistência à ditadura por ter sido  presa e torturada, com apenas 19 anos, pela tradicional truculência dos agentes oficiais daquele "regime de exceção" 


Se fossem verdadeiros militantes de um PT igualmente verdadeiro, que nos dias de hoje parece inexistir, deviam, ao contrário do que fizeram  no último dia 03 de junho, exaltar pessoas como Míriam Leitão, que sofreram mas não sucumbiram à imposição daqueles "anos de chumbo" e , certamente, tiveram importante parcela de participação para que o país tomasse o rumo da democracia  , permitindo a realização do mais impossível e inimaginável sonho : o de colocar, democraticamente, um ex-membro da classe operária (justamente do PT) na presidência da República.


Postado por Etc & Tal

Eleições Diretas e Constitucionalidade

30.05.2017 às 17:52

O saudoso “Doutor” Ulysses Guimarães na parte final de seu discurso, em outubro de 1988, durante a promulgação da nova Constituição bradou à Nação; “que isso se cumpra. Nos bons e maus momentos”.

Ao lembrar das palavras do ex-presidente da Câmara, naqueles históricos tempos,  me pergunto se estamos conscientes que ao sonharmos com eleições diretas hoje, não estaríamos desconsiderando “valores pétreos” conquistados ao longo de quase 30 anos, para “costurarmos uma solução constitucional com remendos momentâneos”.

Vale a pena interferir tão diretamente em nossa “carta maior de convenção social” para uma “solução tampão?”

Por mais honestas e justas que possam parecer as “intenções democráticas” da proposta de “diretas já “ em 2017,  elas não parecem ser mais importantes do que a garantia dos preceitos constitucionais,  pilares fundamentais à sobrevivência de uma constituição digna de ser considerada “cidadã ”.

Num cenário de crise constitucional não se deve encarar como solução primordial o desrespeito as regras do próprio “mecanismo regulador”, ainda mais sob a hipótese para qual o próprio foi promulgado.

Voltando a me lembrar de Ulysses Guimarães, penso que hoje o pais precisaria muito do seu “bom senso político” que antes, durante e depois da ditadura esteve sempre presente  :“nos bons e maus momentos”.

Postado por Etc & Tal

Ancine pode tirar Cartoon Network, CNN e HBO das operadores de TVs por assinatura no Brasil

22.05.2017 às 13:38

A Ancine pode causar ainda mais transtornos à TV paga e ao seu público consumidor – já afetados pela saída da Record, da RedeTV! e do SBT após o desligamento do sinal analógico na Grande São Paulo. Segundo a revista “Veja”, Manoel Rangel, no fim de seu mandato à frente da instituição, deu parecer contrário à fusão da AT&T com a Time Warner.

Isto significa que os canais da programadora norte-americana podem viver a deixar o Brasil. No cardápio, estão o infantil Cartoon Network, o de filmes e séries HBO e o de notícias CNN; todos, com grande penetração entre os telespectadores daqui. Caso a operação seja confirmada, a saída se tornará inevitável.

A decisão final sobre a fusão no Brasil caberá ao Cade, tribunal administrativo ligado ao Ministério da Justiça que arbitra sobre a concorrência empresarial. Mas o veto da Ancine será fundamental para embasar esse julgamento. A agência é autoridade no assunto: a ela, compete a regulação e fiscalização das atividades de programação e empacotamento de TV por assinatura no país.

Em nota técnica de quase cem páginas, a Ancine opina "ser necessário vedar, no Brasil, que a AT&T fusionada com a Time Warner venha a deter controle simultâneo na empacotadora Sky e nas programadoras pertencentes originalmente à Time Warner".

O principal argumento da agência é o de que a fusão vai contra a Lei 12.485/2011, que regula o setor de TV por assinatura. A chamada lei do Seac (Serviço de Acesso Condicionado), proíbe que um mesmo grupo atue nas áreas de programação e de distribuição, afim de evitar a concentração verticalizada. Assim, no Brasil a Sky não pode ser dona da HBO ou da Turner, e vice-versa.

Se isso ocorrer, argumenta a Ancine, a Sky poderá "adotar estratégias comerciais que priorizem os canais de TV por assinatura do grupo Time Warner em seus pacotes", prejudicando as programadoras concorrentes, como Globosat, Discovery e Fox.

O mercado de TV paga no Brasil sempre esteve muito arraigado à Globosat, que oferece diversas e valorosas opções ao público. Em contrapartida, qualquer ingresso de um novo canal no line-up das operadoras se torna um dilema, haja vista a guerra que o Esporte Interativo travou para conquistar seu espaço.

Mesmo canais abertos encontram resistência: caso da Gazeta, ainda não disponível entre as gigantes do setor. Atualmente, na guerra contra a Record, a RedeTV! e o SBT, muito se discute acerca dos novos canais oferecidos pela Simba (como um de reprises e outros de notícias), “barrados” pela falta de espaço no line-up.

A Time Warner, por sua vez, poderia exigir da Net e da Claro, principais rivais da Sky, preços superiores por seus canais. Poderia também limitar o número de canais das programadoras concorrentes nos pacotes mais básicos da Sky ou determinar posições privilegiadas para seus conteúdos.

Enfim, de acordo com a Ancine, a fusão das gigantes teria "efeitos negativos" à concorrência tanto no mercado de empacotamento quanto no de programação.

Caso o Cade acate a recomendação da Ancine, a AT&T terá que tomar uma dura decisão: se desfazer do controle da Sky ou das programadoras da Time Warner.

Uma solução aventada por analistas do setor seria a HBO e a Turner transferir operações para outro país, deixando de ter sede no Brasil. Essa hipótese foi refutada pela Ancine. Para a agência, está claro que a legislação prevê que empresas de "produção, programação e empacotamento [com atuação] no mercado nacional deverão ter sede e administração em território brasileiro".

De acordo com a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), a Sky fechou o mês de março com 5.588.471 assinantes no Brasil. Já a Time Warner detém o maior número de canais pagos no país: 32, sem contar os duplicados por versões standard/alta definição. Seu principal rival é o Grupo Globo, com 31 canais.

O processo de fusão da AT&T e Time Warner está em fase decisiva no Cade. Quase todas as empresas concorrentes e órgãos públicos relacionados já se manifestaram à coordenação de análise antitruste da Superintendência-Geral do órgão, que deverá emitir parecer nas próximas semanas. Em seguida, o processo poderá ir ou não para a análise do tribunal administrativo.


*Com informações de Veja online, EBC e assessorias




Postado por Etc & Tal

E o Aécio hein????

18.05.2017 às 01:39

O que custa ser entendido é como certas ações e atitudes  continuaram acontecendo na época de uma fase já aguda da operação Lava Jato

No terremoto político provocado  pelas bombástica delações dos empresários da JBS, pode-se dizer que o epicentro ocorreu no Palácio do Planalto, colocando o presidente numa posição insustentável.

Fora do foco principal, mas não menos importante, sobrou muita poeira para o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, também mencionado “bombasticamente” pelos mesmos delatores.

O  voz  do senador mineiro aparece num áudio, de cerca de 30 minutos, pedindo  R$ 2 milhões ao empresário da JBS, para pagar despesas com sua defesa na Lava Jato.

O encontro entre Aécio  e Joesley  Batista ocorreu  no dia 24 de março, no Hotel Unique, em São Paulo. Na ocasião, o senador citou o nome de Alberto Toron, como o criminalista que o defenderia.

Após concordar com o pedido, Joesley quis  saber quem seria o responsável por pegar as malas. Joesley propôs: “Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança”.

Aécio respondeu: “tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred (Frederico Pacheco) com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho — respondeu Aécio”.

O que verdadeiramente surpreende, não são os fatos  nem as pessoas envolvidas, visto que já nos acostumamos com essas “manchetes negativas” envolvendo a  nossa já tão desqualificada e desacreditada classe política . O que custa ser entendido é como certas ações, atitudes e diálogos ( como o destacado no parágrafo anterior) continuaram acontecendo na época de uma  fase já aguda da operação Lava Jato.

Os termos “mafiosos” usados na fala do senador, certamente decepcionam o eleitorado que quase o elegeu presidente da república em 2014;   mostram que ele (como tantos outros pares)  em campanha ou no exercício de seus mandatos se fazem de bastiões da moralidade e outros bons costumes, cada vez mais distantes da atividade parlamentar, mas verdadeiramente “cagam e andam”( com o perdão das palavras) não só para os eleitores, como também para a maior operação anticorrupção já realizada no país. Continuam apostando na impunidade e se achando no direito de continuar “faturando” recursos ilícitos de toda ordem, algumas vezes  (como o motivo alegado) até para financiar a defesa pela prática dos próprios “faturamentos ilícitos”.

Na continuação da “operação” fica provado que o dinheiro arrecadado não seria para pagar defesa nenhuma de Aécio, mas e daí? Mentir a essas alturas talvez seja um delito não percebido mais nem  por suas excelências nem por seus eleitores.

Postado por Etc & Tal

A culpa é da Marisa ...

11.05.2017 às 22:51

Em tempos de Lava Jato já me acostumei a ver e escutar de tudo. No início da operação ,  a cada faceta de corrupção desvendada, me surpreendia com os volumosos montantes desviados,  com a cara de pau dos protagonistas e a insistência dos mesmos em continuar exercendo com maestria o ato da impostura. Podiam morrer negando o que era categoricamente comprovado por fortíssimas evidências e inquestionáveis provas.

Já escutei ou  li em algum lugar que a covardia é uma das armas preferidas dos criminosos. Sempre consegui enxergar  isso quando imaginava um estuprador em ação, um espancador de idosos ou até mesmo um bandido armado ameaçando uma vítima, mas confesso que jamais ligaria essa preferência a corruptos e/ou corruptores. Mas recentemente, com alguns depoimentos realizados no âmbito da operação Lava Jato, comecei a perceber que covardia entrou no cardápio de alguns  personagens “ irremediavelmente envolvidos”  naquela operação.

Há poucos dias, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo íntimo de Lula, afirmou que foi a falecida esposa do ex-presidente, Marisa Letícia , que solicitou sua “ajuda” para a compra de um terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula.

O pecuarista é testemunha arrolada pelo Ministério Público Federal  em ação penal contra Lula. Os procuradores da Lava Jato suspeitam que houve tentativa de lavagem de dinheiro  de propinas pagas pela Odebrecht ,para a aquisição do terreno, que chegou a ser comprado por R$ 12 milhões. A transação foi cancelada logo após o início da Lava Jato.

No depoimento de ontem (10) do viúvo ao juiz Sérgio Moro, a falecida voltou a ser mencionada. Segundo o ex-presidente da OAS, o apartamento triplex do Guarujá  foi reservado para Lula, como compensação de contratos da OAS superfaturados com a Petrobras. Ao ser indagado por Moro sobre essa operação, o ex-presidente disse que não sabia de nada e tudo ligado ao triplex foi  tratado e resolvido por Marisa Letícia.

Que poderosa era essa ex-primeira dama! Teria mesmo Marisa Letícia poder sobre bilionários empreiteiros , pecuaristas e outros poderosos ligados ao marido? Teria autonomia de tomar importantes decisões sem consultá-lo?

O que mais parece é que o viúvo e seu amigo pecuarista jogaram para a falecida  responsabilidades por crimes distantes de seu conhecido cotidiano. É sabido que a ex-primeira dama levava uma vida de hábitos simples de uma tradicional dona de casa. Pode-se questionar uma provável conivência  e até (não há provas) atuação como “laranja” para atos suspeitos do marido. Mas culpá-la por atitudes ilícitas, tendo consciência de que falecidos  não podem exercer o direito de defesa é um ato de extrema covardia.

Já vi Lula culpar João Santana, Palocci, Dilma, Dirceu e outros ex-comparsas, mas a falecida companheira é sinal de que para alguns  a covardia, além de preferida,  é ilimitada.

Postado por Etc & Tal

Investimento no audiovisual para TVs públicas precisa ser aprofundado

05.05.2017 às 12:48

A decisão da Agência Nacional de Cinema (Ancine) de investir no segmento de audiovisual para TVs públicas foi correta e precisa ser aprofundada, pois estados e capitais assumiram a política de audiovisual como elemento central da gestão cultural que desenvolvem. Segundo o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel, isso foi algo demonstrado nos debates feitos no Seminário de Desenvolvimento Regional do Audiovisual, Brasil de Todos os Sotaques, promovido pela agência.

“[O investimento no audiovisual para TVs públicas] nos dá a convicção de que temos um parceiro para aprofundar o processo de nacionalização da política de audiovisual. Também a convicção de que as TVs públicas seguem tendo papel fundamental”, disse Rangel.

O superintendente de Rede de Comunicação Pública da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Fernando Luz de Azevedo, disse que a atuação institucional da empresa, observa onze princípios dos serviços de radiodifusão pública e apontou, entre eles, a complementariedade do sistema privado com o público estatal, pluralidade de fontes de produção e de distribuição de conteúdo, valores éticos e autonomia.


TV digital

O  diretor-geral do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia, Flávio Gonçalves, disse que é preciso haver investimentos nas emissoras públicas que não têm condição de comprar os equipamentos para a passagem do sistema de transmissão da TV analógica para a TV digital. Se isso não ocorrer, alertou Gonçalves, um dos impactos pode ser o comprometimento da rede de transmissão da TV Brasil, da EBC, porque as emissoras educativas e culturais do país que não se modernizarem deixarão de ser transmitidas.

“Esse investimento é urgente. Algumas poucas emissoras já conseguiram fazer este investimento, como é o caso da TVE da Bahia, mas isso não é comum. A maior parte das emissoras não conseguiu fazer ainda a compra desses equipamentos”, disse Gonçalves, acrescentando que parte dos recursos para a compra dos equipamentos pode sair do Fundo de Fomento à Radiodifusão Pública.

O diretor-presidente da Ancine diz que outro impacto caso não seja feita a conversão é que os investimentos feitos em projetos de audiovisual se tornarão ineficientes porque não poderão ser exibidos se a emissora não for digital. “De nada adiantam os investimentos que o Fundo Setorial do Audiovisual faz em conteúdo para grades das TVs públicas se elas não migrarem para o digital no momento em que os sinais analógicos estão sendo desligados em várias praças”, disse.

Segundo Rangel, a terceira edição do edital do Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Audiovisual (Prodav) para TVs Públicas prevê investimentos de R$ 60 milhões e depende de um acerto administrativo com a EBC, parceira no projeto, para ser divulgado. Ele também anunciou que haverá uma quarta edição do Prodav para este segmento.


Editais

Durante o seminário, as secretarias estaduais, e algumas municipais, comentaram sobre editais e políticas culturais feitas por estados e municípios especificamente para a área do audiovisual. O secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelino Granja, disse que para continuarem, os investimentos nas ações culturais têm que fazer parte de um projeto político e, diante da falta de recursos para cobrir todas as necessidades, precisam ser pactuados com os diversos segmentos da sociedade envolvidos.

Pernambuco é um dos pólos do novo cinema brasileiro, com a produção de filmes como O Som ao Redor Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, Tatuagem, de Hilton Lacerda, Eles Voltam, de Marcelo Lordello, e Febre do Rato, de Cláudio Assis. “Tem que ter projeto político, senão não há uma movimentação suficiente, tem que ter dinheiro e tem que ter pactuação. No caso de Pernambuco foi vital. A própria elaboração da lei do audiovisual foi resultado desse debate constante”, disse Granja.

A secretária municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Nilcemar Nogueira disse que a prefeitura carioca vai lançar um edital de fomento a projetos audiovisuais na cidade, mas ainda não é possível avaliar de quanto será. “Somente poderemos nos comprometer no segundo semestre, porque estamos tendo um problema contínuo de queda de arrecadação no Rio de Janeiro”, disse, acrescentando que a prefeitura está desenvolvendo um projeto para equipar auditórios de escolas públicas para que possam ser locais de exibição de audiovisuais.

O presidente da Associação Brasileira de Televisão Universitária, Fernando Moreira, disse que as universidades, além de fazerem a formação de profissionais de produção de audiovisuais precisam começar a discutir a criação de cursos para a formação de gestores do setor. “A gestão é que vai fazer com que o mercado se profissionalize”, disse.


*Com Ascom/EBC

Postado por Etc & Tal


Etc & Tal por Ricardo Leal

Carioca, publicitário, poeta e escritor. Radicado em Alagoas desde 2002, trabalhou em diversas campanhas eleitorais no estado. Foi  diretor da Organização Arnon de Melo (OAM) e do Instituto Zumbi dos Palmares (IZP). É diretor executivo da Press Comunicações e titular do blog Etc & Tal veiculado no portal Painel Notícias, desde 2010.

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]