Dólar com. 3,888
IBovespa -1.98
11 de dezembro de 2019
min. 25º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Suspensa divulgação de resultados de provas para cartórios de Alagoas
22/11/2019 às 17h04

Blogs

Fez História

Fadi Al-Assaad/Reuters (reprodução)

Em 1999, sofri grave acidente de carro, muito tempo em coma, parada cardíaca e tudo +. Me recuperei plenamente, graças ao empenho dos médicos do então Hospital ‘do Açúcar, hj, Veredas, e também da Fé de muitos amigos, conhecidos e pessoas que nem me conhecia pessoalmente, mas, por acompanhar meu trabalho, torceu, rezou em missas, oferendas, cânticos, danças, rodas de médiuns... fiéis de varias religiões mentalizaram em minha recuperação.

Assim, como posso não respeitar e crer em todas estas formas de praticar e se conectar na Fé? Me sinto muito bem acolhido em todas as casas religiosas que frequento, independentemente de suas matrizes e formas de reverenciar suas divindades.

Meu maior respeito aos religiosos que militam, praticam e confirmam o amor ao próximo, e defendem fortemente os Direitos Humanos.

Com pai polonês e mãe belga, fugindo do nazismo na 2a Guerra Mundial, Henry Sobel nasceu em Lisboa, e em 1970, depois de morar em Nova York, desembarcou no Brasil, onde ficou por + de 30 anos. Sua atuante participação em defesa das vítimas da ditadura militar, tornando-o voz admirada, respeitada e seguida, confirmando-se Rabino Emérito da Congregação Israelita Paulista, e ganhou destaque, inclusive por não enterrar Wladmir Herzog entre suicidas no cemitério israelita, enfrentando militares.

Com o pastor presbiteriano Jaime Wright, e o cardeal dom Paulo Evaristo Arns, enfrentou o governo militar, denunciando as barbáries praticadas no Brasil. Assim, surgiu e foi publicado em 1985, o livro “Brasil: Nunca Mais”.

Aos 75 anos, depois de dedicar sua vida defendendo os direitos das pessoas, em sua plena diversidade, inclusive religiosa, partiu.

Sempre em diálogo entre todas as religiões e minorias, acreditada na Liberdade.

Será sepultado no próximo domingo em Nova York, e com absoluta certeza, seria importante pacificador, neste mundo de violência, ganância, egoísmo, inúmeras fobias e julgamentos.

Então, nesta ensolarada 6ª-feira, 22 de novembro, minha reverência ao rabino Henry Sobel, que ultimamente, vivia recluso, depois de assumir “momento de falha moral” ao se envolver num furto de gravatas, comprovando ser falível como todo mundo.

Que siga no Caminho da Luz, e seu espirito emane energia de generosidade e humanidade, transformando bélicas mentes em seres de amor, luz, respeito e paz.


Fonte: Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

Felipe Camelo é jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]