Dólar com. 5,324
IBovespa 0,88
13 de julho de 2020
min. 24º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Brasil registra 631 mortes por covid-19 em 24 horas
23/06/2020 às 15h55

Blogs

Educação? Saúde? Caos!

Renato Feder - Reprodução

Começo pedindo proteção divina, vamos precisar, de muita. Comprovadamente, 2 pilares garantem qualidade de vida e evolução humana, e que, absurdamente e infelizmente, são as 2 das áreas + atacadas e afetadas neste impensável momento político, a Saúde e a Educação.

Em plena “covídica” pandemia, o Brasil está há muito tempo sem ministro da Saúde. No início, tínhamos 1 médico no comando da pasta, ele, que apesar de não ter sido exemplar como deputado federal, vinha fazendo bom trabalho na Saúde, alinhado com as orientações da Organização Mundial da Saúde, mesmo sem seguir a sofrível ideologia presidencial. Era óbvio que não demoraria no carga. Dançou ele, dançamos nós, o povo.

Nomeado outro, Nelson Teich, que não mostrou “a que veio”, medroso, sem força pra imprimir atitude, passou literalmente calado pelo ministério sem marcar presença, que rima com incompetência. Também perdeu a vez na “dancinha das cadeiras”.

Desde então, enquanto empresários e lojistas pressionam o governo pra liberar o fundamental isolamento social, os números de infectados e mortos só crescem, sem falar nos descobertos casos de superfaturamento (nas compras de equipamentos médicos e de proteção individual), e da coletiva ignorância popular, nenhum ministro foi nomeado.

Temos até hoje, 1 militar sem a menor qualificação pra comandar o ministério no combate ao Coronavírus. Que, pra piorar, concordou em alterar os reais dados da pandemia, pra não bater de frente com o presidente da República. Comoção e protestos generalizados. Mesmo assim,   a situação segue em “banho-maria”, e ele, se mantendo no cargo, “interinamente”. Infelizmente, quanto + o governo minimiza o problema, o Brasil é destaque pandêmico mundial, entristecendo e envergonhando.

Já na Educação, foi nomeado o colombiano Ricardo Vélez, verdadeiro desastre, em todos os sentidos, colecionador de polêmicas. Foi substituído por Abraham Weintraub, que se eternizou por inúmeros absurdos. Trocou 6 por 1/2 dúzia, numa versão ainda + ignorante, não só por atitudes, pensamentos e declarações. Sem falar em suas agressões ao Português, cometendo erros primários, básicos, provocando reações negativas mundo afora.

Sem ter ideia da real importância do cargo que ocupava, se destacava entre os ministros, dando opiniões e declarações sobre assuntos e temas que, definitivamente, não eram de sua função. Provocou problemas diplomáticos, com forte dose de racismo e preconceito. Sofreu tanta pressão que não resistiu e foi exonerado de forma criminosa, assinando como último ato, decreto que prejudica negros, indígenas e deficientes físicos. Saiu fugido, como bandido, entrou nos Estados Unidos com passaporte diplomático (?) como se ainda fosse ministro, e só depois é que sua exoneração foi publicada no Diário Oficial.  Cumplicidade federal. Parece roteiro de filme “trash”.

Mas quem pensou, inocentemente, que seria nomeado alguém melhor, no sentido de + competência, errou “redondamente”. Está sendo cotado como novo Ministro da Educação do Brasil, o atual secretário do governo do Paraná, comandado por Ratinho Júnior (sic!), e indicado por ninguém menos, que Ratinho-pai, que vem recebendo muita grana pra defender o governo federal.

Pois bem, quem não sabe, Renato Feder, é “um milionário CEO da Multilaser, gigante nacional do ramo de tecnologia; e herdeiro do grupo Elgin, mega indústria do ramo de eletrodomésticos”, 2* informações na Imprensa.

Além deste ‘currículo’, Feder se notabiliza por visão empresarial sobrepondo ao básico da Educação, a Pedagogia. Privatização é sua meta, terceirizando, inclusive, muitas funções do setor, como merendeiras e bibliotecários. Não quero me indispor, ainda +, com quem segue a ideologia “da direita”, que prioriza o empresariado em detrimento aos direitos dos trabalhadores, mas é impossível pra mim, concordar com este “vinde a nós”, o “vosso reino” que se lasque, pra não escrever palavrão.

Se for mesmo nomeado, teremos 1 versão “alfabetizada” de Weintraub. O maior perigo, é que esse, sabe exatamente o que fazer, vai desmontar a Educação e entregá-la à iniciativa privada. Ou seja, salvem-se quem puder.

Ah! Observaram que não ‘falei’ do possível novo cargo que Weintraub pretende exercer no Banco Mundial??? 1 assunto vai “puxando” outro, e o texto acaba virando textão. Deixemos pra outras matérias, combinado???


Fonte: Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

Felipe Camelo é jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]