Dólar com. 5,366
IBovespa -1,18
27 de setembro de 2020
min. 22º máx. 27º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Bolsonaro recebe alta após cirurgia para retirada de cálculo na bexiga
02/09/2020 às 21h43

Blogs

Males da Ignorância

Foto: Felipe Camelo

Começo esta postagem me desculpando pela involuntária ausência nestes 2 últimos dias aqui no blog. 

Na 2a-feira, precisei editar matérias nas 2 páginas que publico na Painel Alagoas. Sem falta nem atraso. Consegui. Ontem, consulta com dr. Marcos Moura, e aproveitei para ir resolver instalação de antena de Internet, pagar contas numa lotérica, e quando parei, estava tão cansado que não consegui me concentrar para escrever. Mas hoje, recarregado, inclusive de indignação. Já explico. 

Antes mesmo de pensar em ser jornalista, sempre fui curioso. Ler, inclusive dicionários, é prazeiroso, principalmente porque sempre achei terrível a ignorância. Nunca tive preguiça de pesquisar nem vergonha de perguntar. Assim, hoje, “Ignorância” é meu foco, já que é a tradução para as imagens que me marcaram desde ontem, e que agora compartilho com vocês. E fui confirmar que Ignorância é “Estado de quem não está a par da existência ou ocorrência de algo”; “Estado de quem não tem conhecimento, cultura, por falta de estudo, experiência ou prática”. 

Com ilimitado e pleno acesso à informações sobre tudo, impossível dizer “Eita, nem sabia”, principalmente em se tratando desta mundial pandemia do Coronavírus, que vem paralisando o mundo e matando milhares de pessoas, e tudo tem sido amplamente divulgado na Imprensa, seja rádios, TVs, jornais, revistas... na Internet então, o que não tem faltado é notícia, sejam positivas ou não. 

Claro que esta paralização geral da cadeia produtiva com rigorosa necessidade de isolamento social praticamente quebrou a economia, provocando caos no planeta. Doença misteriosa, mortal é desconhecida vem se alastrando desde o começo do ano, sem muitas informações sobre ela, que ainda não tem remédio nem vacina. Mas, comprovadamente, manter distanciamento, rigorosas regras de higiene, uso constante de álcool em gel e de máscara são atitudes fundamentais para evitar a crescente e constante onda progressiva de contaminação. 

Claro que todos precisamos trabalhar, inclusive gerando empregos e renda, e meses com indústria, comércio e serviços paralisados afeta e compromete drasticamente a vida de milhões de pessoas, em todos os níveis, idades e atividades. 

Também acho que parar esta infecção mundo afora é urgente, e creio que, se houvesse isolamento radical e consciência de todos, desde o início, já estaríamos comemorando a derrota deste Covid19 e a vida já estaria voltando ao trilho, com pleno vapor. 

É fato, todas as cidades que já voltaram ao movimento “normal” por acharem que já haviam controlado a pandemia, tiveram que engatar a marcha-ré, mundo afora. Com o aparente controle e diminuição do números de infectados e mortos, governos flexibilizam a quarentena, mas recomendando que a população mantenha rígidos os cuidados. Mas o que  vejo é estarrecedor.

Tenho visto mensagens escritas em muros, desejando que o “Brasil se f*%+#”. É ignorância torcer pelo atraso do país, e consequentemente, da vida de todos, indistintamente. 

Ao mesmo tempo que trabalhadores precisam voltar aos seus postos, é impossível evitar perigosas aglomerações, principalmente nos transportes públicos. 1 foto do interior de vagão em São Paulo (que infelizmente não descobri o nome do autor), é assustadora, comprovando ser impossível conter contaminação em massa (sic!), literalmente. Massa humana. Caso explícito de ignorância, de quem arrisca a vida da população por ganância, de querer movimentar a economia, garantindo a integridade dos operários e funcionários.

 Foto: Reprodução

Neste caso, estas pessoas não estão se arriscando desta forma, em trens e ônibus lotados, voluntariamente. Se a vida volta ao movimento, todos precisam se locomover, mesmo que não haja real controle de garantir total proteção e todos se comprometem, incluindo seus familiares. 

Mas, tão ou + assustadora, é a foto de Ricardo Moraes/Reuters, que comprova definitivamente a total e coletiva ignorância de quem, literalmente, lotou as praias cariocas neste recente fim de semana. Me lembrou os verões no Rio, nos anos 80, com a vida efervescente e nenhuma ideia de que, em 2020, precisaríamos viver meses socialmente isolados para garantir saúde pública. Não é porque diminuíram os números de infectados ou óbitos que se possa provocar irresponsáveis aglomerações como esta, aqui retratada. E contra fotos, não há fatos. Neste caso, ignorância não é falta de conhecimento, de informações. É ignorância num sentido cruel e desumano, de achar que nada vai acontecer de ruim, apesar dos dados da realidade mostrarem o contrário. Esta ignorância significa desumanidade e total falta de amor, próprio e ao próximo. 

Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O que passa na cabeça de quem nega a pandemia? Que quem não segue a orientação do constante uso de máscara?!?!? Estes dias, 1 atuante produtor de conteúdo nas redes sociais questionou a importância da necessidade da constante uso de máscara com “se chego num lugar, conferem minha temperatura e tenho acesso ao álcool em gel, porque preciso ficar respirando o ar dentro da minha máscara? Já ouvi dizer que este ar viciado pode me fazer mal...”, postou ele. E com muitos seguidores, não faltaram comentários concordando com ele, numa avalanche a bobagens mal escritas. Mas este já é assunto para outra postagem. 

Por enquanto, sigo em campanha de combate aos praticantes de atitudes ignorantes, goístas e desumanas. Por + Empatia, + Respeito, + Humanidade, + Cultura, + Educação, + Ciência, + Conhecimentos. + Democracia!!!


Felipe Camelo por Felipe Camelo

 Jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]