Dólar com. 3,888
IBovespa -1.98
15 de junho de 2019
min. 25º máx. 27º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Defesa Civil segue monitorando áreas de risco de Maceió

Blogs

Identidade Cultural Restaurada

14.05.2019 às 21:07
Acervo Pessoal

Tenho talentosos amigos, cada 1 com sua linguagem artística. Mas Rogério Sarmento é múltiplo e vai além, entendendo e praticando todas as suas habilidades. Como fotógrafo, estilista, designer, escultor... seja qual for a atividade, arrasa.

Suas obras podem ser admiradas em vários pontos de Maceió, sempre destacando elementos da História e da Cultura de Alagoas. Mas a ação do tempo é implacável e sem conservação e manutenção, deterioração.

E antes que isso aconteça, e confirmando meu pensamento “Ninguém é alguém sem outro alguém”, já está em andamento 1 projeto de restauração de alguns destes trabalhos, com apoio da Lei de Incentivo do Ministério da Cidadania e patrocínio Magazine Luiza, que vem participando ativamente de ações culturais Brasil afora, por iniciativa do poderoso grupo de empresas, incluindo a rede varejista. Este projeto também conta com integral dedicação de Fábio Elias Costa, especialista em projetos de lei de incentivo e consultor cultural Magazine Luiza. A atenção e o carinho que o grupo tem por Alagoas, especialmente Maceió, são inegáveis, e agradeço em nome dos artistas.

Nesta postagem, reproduzo na integra, detalhado e explicativo texto assinado por Fábio Costa, que já merece Título de Cidadania. É aguardar a conclusão das restaurações e celebrar.

Desde da inauguração das esculturas o artista plástico Rogério Sarmento vem empreendendo grande esforço para manter a sua arte viva, que contemplam um público amplo e diverso.

As esculturas já são consideradas pelo povo alagoano patrimônio cultural favorecem a arte e a cultura alagoana , que contemplam todos os tipos de público, de diferentes faixas etárias e classes sociais. 

As esculturas tem atrativos e fortalecem o calendário cultural local e potencializam roteiros turísticos no estado de Alagoas.

Os altos custos de manutenção e dificuldade de gerar recursos suficientes para cobrir todas as despesas de manutenção e restauração, vem comprometendo a vida útil da esculturas, que atualmente não tem nenhum recurso mantido pela iniciativa privada ou pública.

Com isso, a aprovação do projeto de restauração pela Lei de Incentivos , com o patrocínio do Magazine Luiza e a parceria do Ministério da Cidadania é imprescindível para garantir a restauração das obras e a democratização do acesso ao patrimônio cultural dos alagoanos desse acervo a céu aberto e promover ações que contribuem para o fortalecimento da identidade cultural.

Postado por Felipe Camelo

Fé, Vida e Respeito

13.05.2019 às 15:01
Reprodução

“A quebra de Xangô, Dia do Quebra, Quebra de 1912 ou ainda Quebra-quebra foi um evento de intolerância religiosa que ocorreu no dia 2 de fevereiro de 1912 na cidade de Maceió (capital do estado de Alagoas) no Brasil, consistindo na destruição de terreiros e perseguição a adeptos de religiões de matriz africana”, 2º Wikipedia.

Há alguns anos, o governo de Alagoas reconheceu o crime do Quebra de 1912, mas os ataques seguem acontecendo e aterrorizando. E me confirmo muito triste com + este absurdo contra a Fé, com ataque contra a casa comandada pela babalorixá Mãe Vera, na madrugada desta 2ª feira.

Nasci numa família católica praticante mas logo cedo observei a existência de outras formas de reverenciar forças superiores, e desde então, creio que a força é única. Uns veem 1 gordinho careca e chamam de Buda, outros, veem  1 homem de traços árabes com cabelos compridos e chamam de Jesus. Muitos estudam e creem na reencarnação e praticam o Espiritismo...

Em 1999, sofri gravíssimo acidente de carro e depois de muitas cirurgias e dias em coma, estou aqui contando minha história. Num momento do coma, me senti no alto, sem pisar no chão, e lembro de ter-me visto morto na cama da UTI, e de vozes que me acalmavam “ lá no alto”.

Passou e aqui estou eu narrando minha incrível experiência. Já totalmente recuperado, soube que muitos católicos rezaram em missas e em casa, amigos da umbanda, idem. Assim como os espíritas. A união fez minha força, e como não vou, no mínimo, respeitar e agradecer?!?!???

Sou muito grato ao padre Manoel Henrique, como tbm ao Pai Manoel do Xoroquê, que me recebem e me tratam como filho, sendo assim, creio em todas as formas de praticar e propagar Fé.

Confesso também que me controlo pra não desejar mal aos intolerantes que, covardemente, se escondem na escuridão da noite pra destruir centros de Amor ao próximo. Claro que quero identificação, severa e exemplar punição pra estes seres irracionais que envergonham a raça humana. O que me deixa + horrorizado é que, a grande maioria dos ignorantes e intolerantes praticam esta violência “em nome de Deus”. Mas não foi Ele quem disse “amai-vos uns aos outros como eu os amo”??? E onde está este ensinamento , nunca praticado?

Com o coração apertado e acelerado, sigo mantenho minha Fé, que reúne num santuário aqui em casa, figuras como Sagrado Coração de Jesus, Padre Cícero, Yemanjá, Nossa Senhora Aparecida, Oxum, Buda, São Francisco de Assis, Ganecha, Ogum, Cosme & Damião, Madre Teresa de Calcutá... sem falar nos gnomos, sapos “da sorte”, cristais, fitas do Senhor do Bonfim... e com Fé neles todos, e + alguns, mentalizo evolução coletiva, pra que a Vida siga leve, fluida, divertida, amorosa, harmoniosa, preservada... chega de quebra, preconceito, desrespeito, violência... creio na Bondade e no Amor.

Que seres de bem e do bem se unam cada vez +, pra que sejamos maioria na defesa dos melhores valores. Chega, estimular desamor entre seres é por a Vida em risco. Chega!!!

Postado por Felipe Camelo

Imaginários, Visuais e Literatos

10.05.2019 às 15:27
Felipe Camelo

Alagoas é berço de muitos e talentosos artistas, em suas várias manifestações e linguagens, Seja literatura, música... E nas artes plásticas também somos incríveis. 

Na noite de ontem, foi aberta na Galeria CESMAC de Arte Fernando Lopes, a  Exposição "Ânima Alagoana", cuja programação inclui "mesa redonda com escritores e artistas, oficina de criatividade e mostra de curtas alagoanos contemporâneos", 2º a jornalista Kelma de Abreu, que complementa, "O objetivo principal é estabelecer correlatos criativos entre os imaginários de artistas visuais e literatos alagoanos, estabelecendo uma ponte para a materialização da “ânima” em corpos criativos, apresentadas em formatos de: esculturas, vídeos, performances, fotografias ou ilustrações artísticas".

A curadoria, da superlativa Carol Gusmão, que reúne Agélio Novaes, Beth Melro, Beto Normande, Daniel Baboo, Delson Uchôa, Francisco Oiticica, Lula Nogueira, Marçal Conde, Márcia Normande, Marta Arruda, Pedro Cabral, Pedro Caetano, Persivaldo Figueirôa, Reinaldo Lessa, Ricardo Lêdo, Rogério Gomes, Rona Silva, Rosivaldo Reis, Suel, Verinha Gamma e José Paulino (in memorian), cujas obras  "homenageam os autores Sidney Wanderley, Vera Romariz, Fernando Fiúza, Graciliano Ramos, Jorge de Lima, Ivan Fernandes Lima, Berilo Gama, Edson Bezerra, Carlos Gregório, Fernando Guimarães, Mácleim, Lêdo Ivo, José Geraldo Marques, Carlos Moura, Djavan, Wado, Octávio Brandão.

Carol Gusmão confirma, que "“através do diálogo entre artes visuais e linguagem verbal, a Exposição Ânima Alagoana procura estabelecer para o observador um enigma poético inicial para a problemática tão cara à constituição do ser alagoano, a maturação histórica do caminhar por meio do imaginário cultural”, explicou a curadora.  A abertura foi enriquecida com apresentação do Coral CESMAC. Ah! Em cartaz até  30 de junho, na Rua Cônego Machado, no Farol.

Postado por Felipe Camelo

"Audição Amorosa" pela Vida

09.05.2019 às 15:10
Felipe Camelo

"Suicídio é o ato intencional de matar a si mesmo. Os factores de risco incluem perturbações mentais e/ou psicológicas como depressão, perturbação bipolar, esquizofrenia ou abuso de drogas, incluindo alcoolismo e abuso de benzodiazepinas", 2º pesquisei no Wikpédia. 

Fundado em São Paulo em 1962, o Centro de Valorização da Vida "é 1  associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal desde 1973, mantenedora e responsável pelo Programa CVV de Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio, desenvolvido pelos Postos do CVV em todo o Brasil".

Infelizmente, Alagoas era o único estado sem o CVV, até que grupo de pessoas se reuniu, se capacitou, e inaugurou seu posto, há 1 ano e 1/2, e desde então, muitas ações e atendimentos, salvando vidas. É mantido pelo Navima, Núcleo de Apoio a Vida - Maceió, mas não trabalham com terapias ou aconselhamentos, focando numa incrível "audição amorosa" pra quem tem dificuldades em conversar sobre a vida e suas  perturbações e frustrações. 

De domingo a domingo, 24h, voluntários, devidamente capacitados, sempre prontos pra ouvir desabafos e tristezas, no 188. 

Então, espero encontrá-los, caríssimos internautas, aplaudindo e ajudando, com apenas R$20. Ingressos, na bilheteria. Pontualmente, às 6 da tarde desta 5ª feira, 9 de abril, no centenário Teatro Deodoro, talentosos e incríveis músicos se apresentam no "Recital Erudito Popular Cantos e Cantares".Cheguem cedo, desliguem celulares e se divirtam. 

Se vale presença e aplausos pelas interpretações, vale principalmente pela nobre causa. E vida a Vida! Vivamos!!!

+? No https://www.cvv.org.br/


Postado por Felipe Camelo

Corrida de Obstáculos

08.05.2019 às 14:52
Felipe Camelo

"Todo cidadão tem direito de se  locomover livremente nas ruas, nas praças, nos lugares públicos, sem temor de serem privados de locomoção. A população de nosso país encontra algumas irregularidades no direito de ir e vir, muitas vezes o cidadão encontra dificuldade de se locomover nos municípios brasileiros devido a falta de estrutura das calçadas e dos meios de transporte oferecido pelos nossos governantes".  O direito de ir e vir está expresso na constituição federal de 1988, que se encontra no artigo 5º, inciso XV":Esta introdução está no conteudojuridico.com.br

Infelizmente, o Decreto-lei 5296 de 2 de dezembro de 2004, não é respeitado Brasil afora, inclusive em Maceió, vitimando e limitando o "Ir e Vir" de portadores de necessidades especiais, com limitações físicas, mas também mães com carrinhos de bebê, idosos em cadeiras de rodas... ficam impossibilitadas de circular em grande parte das ruas, praças... até em estacionamentos. 

Além de tudo, alguns automóveis são muito maiores que os + antigos, e não é raro, eles não cabem nas vagas demarcadas, avançando muito além do espaço definido. Muita gente estaciona nas calçadas, e pr'o pedestre seguir seu caminho, tem que descer pr'o asfalto e enfrentar o trânsito.

 

Sem falar nos absurdos desníveis em calçadas. Rampas, raramente existem, e quando estão lá, garantindo o mínimo de acessibilidade, não é raro 1 motorista estacionar, bloqueando a passagem. 

Deveria ser punido os proprietários de imóveis que não observam e garantam o direito das pessoas, quando construírem suas calçadas, e os que o fazem, merecem reconhecimento, como desconto nos impostos municipais. Claro que não estou 'culpando' a prefeitura, já que o desrespeito  e a desatenção é generalizada, são muito raras as pessoas que pensam nos outros, e agem com civilidade. 

Quer saber +, acesse http://www.acessibilidadebrasil.org.br

Postado por Felipe Camelo

Arte, Cultura & Negócio

06.05.2019 às 16:18
Felipe Camelo

Movimentando a Galeria Gamma, em cartaz até o próximo dia 25 de maio,  Verinha Gamma & Dalminho Peixoto + Roberto Fernandes seguem apresentando a  coletiva "Olhar Contemporâneo" , que reúne trabalhos de 67 artistas, entre pintura, colagem, vídeo-arte, instalação, escultura, e fotografia, incluindo 1 minha. Tudo com direção do talentoso time da Galeria, e curadoria do fera Rafael Almeida.  Só pelos nomes dos expositores, já vale visita. 

Ana Maia, Alex Barbosa, Agélio Novaes, Alanna Lima, Aquiles Escobar, Afonso Sarmento, Beth Melro, Beto Normande, Bárbara Lessa, Celso Brandão, Camila Cavalcante, Daniel Aubert, Dalton Costa, Daniel Baboo, Delson Uchôa, Eva Cavalcante, Elene Lages, Eva Le Campion, Felipe Camelo, Flávia Correia, Francisco Oiticica, Flora Le Campion, Gabi Coêlho, Gabriel Novis, Herbert Loureiro, Heway Verçosa, Hilda Moura, João Lamenha, João Dantas, Jorge Vieira, João Fachinetti, Jeanine Toledo, João Dionísio Soares, Karla Melanias, Laura Fragoso, Lírio Barborsa, Luísa Patury, Lucas Lamenha, Myrna Maracajá, Martha Araújo, Martha Arruda, Maria Amélia Vieira, Marta Emília, Mariana Bernardes, Matheus Sandes, Matheus Arruda, Patricia Melro, Paulo Santo, Persivaldo Figueiroa, Pedro Caetano, Pão (Yara Barbosa), Rosa Maria Piatti, Reinaldo Lessa, Rogério Gomes, Rosivaldo Reis, Renata Voss & Flávio Rabelo, Rodrigo Gonçalves (Gilbef), Ricardo Lêdo, Roberto Fernandes, Reynaldo Gama Jr., Suel Damasceno, Sagaz, Thiago Laion, Thiago Sobral, Tatiana Amaral, Vera Gamma, Viviani Duarte, Weber Baguetti, Wado. 

Como já postei aqui matéria da abertura da mostra, hoje, repercuto com fotos das incríveis obras, que estão lá pra serem observadas, admiradas, consumidas, e adquiridas. Literalmente imperdível, no nº 899 da avenida Luiz Ramalho de Castro, Jatiúca (quase na frente da torre da antiga Telasa Celular). 

Ah! Claro que me confesso muito feliz, com a notícia de que minha fotografia foi vendida. 

Postado por Felipe Camelo

Viva, Aqui e Agora

03.05.2019 às 15:06
Felipe Camelo

Em 1999, sofri grave acidente de carro, fiquei muitos dias em coma, várias cirurgia e parada cardíaca de alguns segundos, mas o suficiente pr'eu me sentir no alto, sem pisar o chão, muito agoniado me vendo morto na cama da UTI do Hospital do Açúcar, e lembro de vozes que tentavam me tranquilizar, dizendo que ficaria tudo bem, que aquele susto iria passar e que minha vida ia se transformar. 

Tudo isso foi muito real, a parada cardíaca passou, eu estou aqui dando este depoimento, confirmando que a vida não começa na maternidade nem termina no cemitério. 

E estes últimos dias foram marcados por partida e celebrações no mesmo tema. Não vou obedecer cronologia, muito menos citar pela importância em vida. 

Ainda muito nova, minha querida Cristina Peixoto partiu num domingo, e na 3ª feira seguinte, seu bem amado Guilherme Braga não resistiu e partiu também, pleno de Amor e Saudade. 

Pois bem, no recente 1º de maio, o Brasil e o mundo reverenciaram os 25 anos do incrível acidente que vitimou Ayrton Senna, momento marcante e inesquecível.Seu velório é lembrado até hoje, tamanhã comoção nacional.

Também deixou tristeza o falecimento de Beth Carvalho, que, além de todo talento, marcou sua passagem por aqui ajudando muitos compositores e cantores rumo ao sucesso. Literalmente, foi 1 'anjo' na vida de muita gente.

Inesperada também foi a partida da modelo Carolina Bittencourt, que, numa tempestade, caiu do barco e faleceu, afogada. Ela, que havia se casado recentemente em Milagres, e estava felicíssima. 

Igualmente triste o súbito falecimento do também modelo Tales Cotta, que aos 25 anos, morreu depois de passar mal num desfile da São Paulo Fashion Week, e aproveito aqui pra protestar contra o fato dos desfiles terem continuado logo após o acontecido, confirmando o pouco caso e pouca importância que a vida tem diante da ganância comercial. 

Aqui em Maceió, aos 88 anos, a matriarca Marilda Lopes Cansanção foi sepultada nesta 6ª feira, deixando ensinamentos e exemplos. Ela, que escreveu linda história de vida, se eternizando como mulher de fibra, garra, coragem e ousadia, atuando em defesa da qualidade de vida dos trabalhadores rurais, num mercado dominado por homens. 

Como dizia Osho, "Temos que ser felizes aqui e agora", e eu complemento, porque com o tempo voando, o daqui há pouco, já é, e pode ser tarde. Pra morrer, basta estar vivo, independentemente de idade, condicionamento físico, qualidade de vida... Estes exemplos acima citados são prova do que estou 'dizendo'. 

Então, por + que a morte não seja o fim, vamos aproveitar, e bem, esta passagem pela Existência, porque as outras, não serão como esta. Assim, vivamos, como se não houvesse amanhã, e este fosse seu último dia. Viva fazendo o bem, pra que sua partida seja gloriosa Eternidade afora. 

Postado por Felipe Camelo

Arte & Resistência

02.05.2019 às 14:46
Felipe Camelo

Que Alagoas é berço de muitos e talentosos artistas, é fato. Seja música, teatro, cinema, literatura, artes plásticas...  tudo de extrema qualidade. Pena que o movimento cultural não tenha, infelizmente, o apoio e o investimento necessário pra garantir produção artística continuada. É preciso muito amor pra seguir fomentando, expondo, negociando e comercializando arte em Alagoas. É fundamental destacar o papel de Edna Constant, que, há 36 anos, transformou 1 linda, simples, poética e singela casa de pescador, em plena Garça Torta, na Casa da Arte. Não foram poucas, nem fáceis, as batalhas que ela enfrentou pra manter o espaço ativo e produtivo. Foram pouquíssimas as vezes que teve apoio de empresários e empresas que patrocinassem suas ações, fossem exposições individuais ou coletivas, oficinas, cursos, saraus, palestras... mas ela conseguiu. Enfrentou inclusive ameaças de demolição, já que a construção ‘avança o alinhamento das outras casas da rua, bem na frente da igrejinha. Pois bem, dona Edna partiu, deixando saudade, mas deixou legado e exemplo de garra, determinação, coragem e ousadia. Seu filho Tito Mendes assumiu a função e a missão, e mantém tudo como ela deixou, e confirma “Existimos por conta própria”, já que não recebe nenhum aporte financeiro externo. E mesmo assim, na noite da última 2ª feira, recebeu grande público, abrindo a coletiva que reúne obras inéditas de 22 artistas e também algumas de seu rico acervo.  Nestes 36 anos, foram + de 80 expositores, e esta, 1ª de 2019, que segue em cartaz até o próximo dia 30 de maio, sempre em horário comercial. Fica a dica, bem na frente da igreja de Garça Torta, vale visita, consumo e aplausos.

Postado por Felipe Camelo

“Rogai por Nós”

01.05.2019 às 12:41
Felipe Camelo

Neste 1º de maio, dedicado a São José Operário, marca o Dia do Trabalhador, que nos últimos anos, tivemos motivos pra celebrar, já que vivíamos com direitos respeitados e garantidos. Qualidade de Vida, inclusive Educação acessível. Infelizmente, a situação mudou radicalmente, e, além do absurdo número de desempregados no Brasil, e no mundo, a realidade tem maltratado milhões de operários. Muitos não conseguem voltar ao mercado, e ‘acabam’, literalmente, como este brasileiro que flagrei ontem, jogado numa calçada no centro de Maceió. Com ele, suas toscas muletas, e 1 prato descartável, vazio de comida, vazio  de moedas, vazio de respeito humano. Sei que o planeta é redondo pra dar voltas, sigo torcendo pra que esta logo se complete e que nós trabalhadores, tenhamos de volta, postos de trabalho, sem discriminação de gênero, com diretos garantidos. A Vida, o presente e o futuro agradecem!!!

Postado por Felipe Camelo

Uso sim, e daí?!?!?!!????

30.04.2019 às 09:00
Felipe Camelo

Nós humanos, somos a única raça que precisa 'se cobrir' pra se proteger, desde a 2ª Era do Gelo, há uns 170 mil anos, 2º pesquisa numa universidade americana, diferentemente dos animais, que já nascem cobertos.

No início do renascimento, na Europa, em meados do século XV, surgiu a moda, expressão proveniente do latim 'modus', que significa 'costume' . Como as pessoas usavam os mesmos modelos, da infância até o falecimento, todos queriam se diferenciar umas das outras, E de tempos m tempos, os gostos iam mudando, criando tendências, ditando o que "estaria na moda", que é transitória, diferentemente de estilo, que combina o visual ao comportamento de cada 1, e vai se aprimorando como o passar do tempo. 

Acho bacana procurar estar antenado como as últimas tendências definidas por estilistas, pesquisadores e afins, mas não concordo com quem não só não tem estilo, mas também com quem só se veste "na moda", muitas vezes, usando peças que nem combinam com o corpo ou com o modo de vida. É preciso estar atento pra não correr risco de ficar 'ridículo'. 

Também confesso que adoro quando vejo mitos e regras em desuso. Já se foi o tempo em que existia "a roupa certa". Como os vestidos e saias longas, por exemplo, que deixaram de ser peças exclusivas pra ocasiões formais. Da manhã à noite, muito frequente encontrar estes modelos em muitas variações. 

Pra ilustrar e valorizar este post, publico fotos de mulheres incríveis, que arrasam com seus estilos pessoais, próprios e intransferíveis. Sendo assim, proponho e provoco, não tenham medo de serem autênticas, originais, corajosas, únicas. 

Ousem!!!

Postado por Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

Felipe Camelo é jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]