Dólar com. 4.8238
IBovespa 0.58
25 de maio de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Chuvas afetam mananciais e dificultam abastecimento na Região Metropolitana de Maceió

Blogs

Cartão Vermelho pra Violência Doméstica

07.01.2022 às 14:50
Presidente da Associação AME, Júlia Nunes, e o eterno campeão Cafu (foto Flávia Gomes de Barros-reprodução

Antigamente, quando não existia internet, vivíamos fatalmente na ignorância, mas hoje em dia, com informações comprovadas e divulgadas, ser negacionista é prova incontestável de treva mental.

Impossível viver sem educação, cultura e ciência, que seguramente garantem evolução humana.

Numa sociedade civilizada, é inadmissível qualquer atitude de violência, principalmente contra mulheres, crianças, idosos e animais. Agressão doméstica é crime hediondo, é inaceitável, e todas as formas de combater são importantíssimas.

Como a campanha que vem sendo promovida pela Associação AME, que ganha reforço de Cafu, ele que era o capitão no pentacampeonato da seleção brasileira de futebol e apoiando essa causa, garante engajamento de muita gente.

Confesso que fiquei muito feliz quando recebi essa notícia do meu querido amigo, literalmente da vida toda, o jornalista, advogado e procurador Flavio Gomes de Barros, que me enviou texto e foto assinados por sua filha, a também jornalista Flávia Gomes de Barros, ativa voluntária da campanha contra violência doméstica direcionada aos fãs, torcedores e atletas de futebol, cujo realise reproduzo aqui na íntegra.

Com certeza 1 dos esportes + populares do Brasil, o futebol é, indiscutivelmente, grande vitrine para chamar atenção para o absurdo que é a violência praticada em casa. Assim, aqui abaixo, informações de Flávia Gomes de Barros.

Abrace você também essa causa, que salva vidas, muitas. Sim, porque "em briga de marido e mulher", se mete inclusive a colher!!!

Associação AME e ex-jogador Cafu lançam campanha 

de combate à violência doméstica no futebol

A Associação AME, entidade que acolhe mulheres vítimas de violência doméstica, e o ex-jogador Cafu, capitão do pentacampeonato mundial da seleção brasileira de futebol, lançam, na próxima segunda-feira (10), uma campanha contra a violência doméstica direcionada aos amantes do futebol. A coletiva de imprensa que marcará o lançamento da campanha “Dê um cartão vermelho para a violência doméstica” acontecerá no auditório da Selaj (Secretaria do Esporte, Lazer e Juventude) , no estádio Rei Pelé, às 11h.

Ao lado da presidente da Associação AME, Júlia Nunes, e do Cafu, que também é um dos embaixadores da Copa do Mundo do Catar, estarão os presidentes do Clube de Regatas Brasil (CRB), do Centro Sportivo Alagoano (CSA) e da Federação Alagoana de Futebol (FAF), além dos secretários de esportes do Estado e do município.

“Que o futebol é um esporte que mexe com a emoção dos torcedores, todos nós já sabemos. Entretanto, pouca gente relaciona os dias de jogos com o aumento da violência doméstica. E é isso que a Associação AME pretende levar para o público que frequenta os estádios em Alagoas: a importância de respeitar as mulheres e denunciar atos de violência”, explicou a presidente da Associação AME, Júlia Nunes.

“Dê um cartão vermelho para a violência doméstica” é o mote da campanha da AME, que, além do pentacampeão mundial Cafu, mobilizará jogadores dos maiores times alagoanos, conscientizará torcedores com a distribuição de material gráfico e divulgará vídeos e cards nas redes sociais.

“É muito importante que os homens despertem para a importância de se combater a violência contra as mulheres, seja ela qual for. Essa campanha voltada ao público masculino que aprecia o futebol é um primeiro passo para que haja a diminuição da triste estatística que atribui o aumento de 30% dos casos de violência doméstica aos dias de jogos”, evidenciou Cafu.

Postado por Felipe Camelo

Vida e Tempo

03.01.2022 às 14:52
FC

Eita que já estamos no 3º dia de 2022, que deve seguir acelerado.

Com tecnologia, tudo sendo transmitido praticamente em tempo real, ao vivo, ampulhetas viraram cronômetros e disparados, confirmam que vivemos desenfreados. 

Mas enfim, se já celebrei meu 61º aniversário no último dia 11 de março, consequentemente, estou vivendo meu 62º ano de vida e depois de muitos anos editando coluna social, cercado de 1/2 mundo de gente, tendo inclusive estado em 6 eventos numa noite, tenho sentido vontade e necessidade de encerrar esse ciclo e iniciar outro, de preferência, num ritmo desacelerado, e + intimista. 

Sempre acreditei ser impossível viver sem saúde e amigos, incluindo família, obviamente. Entre minhas alegrias, manter amigos de infância e da vida toda, como 1 que “conheci” na maternidade, literalmente. Nasci dia 11 e ele dia 12, e nossas mães, ocupando quartos vizinhos na Paulo Neto. Crescemos vizinhos “de calçada” na Pajuçara, e na mesma turma no colégio, e quando nos encontrávamos, a mesma felicidade. Assim como esse, outros muitos, inúmeros, que vim “colecionando” nesses anos todos. 

Uns com + frequência, outros menos, mas nos identificamos amigos. Diversas turmas me agregaram. A do Marista, a dos vizinhos, 1 de Arapiraca, a dos meus primos, 1 de gays, 1 de fotógrafos, outra de jornalistas, 1 de artistas, 1 dos “cachorreiros”, outra, de colunistas… enfim, minha vida foi acontecendo com incontáveis amigos, que se complementam e formam minha existência.

Mas na verdade, essa postagem no 1º dia “útil” de 2022, é 1 mix de desabafo, pedido de desculpas e confirmação de que desejo tudo de melhor que houver nessa vida e em outras, crendo que ninguém é alguém sem outro alguém, pensamento meu que reforça que não podemos viver sozinhos.

Não nos bastamos. 

Relações, inclusive sociais, são essenciais. Sei disso, mas nesse final de ano, confesso que deixei que 1 desejo meu definisse como seriam meus últimos dias de 2021, ano que foi bem difícil e doloroso de “encarar”, por diversos motivos.

 Assim, “me ouvi” e fiz como achei que seria melhor pra mim. Passei o Natal e o Réveillon bem introspectivo, procurando interagir comigo mesmo, de maneira bem intimista, fugindo de “obrigações”, inclusive sociais. Não sei exatamente porque, mas não tive vontade de cumprir ritos, e assim, aproveitei que estava sem muita conexão tecnológica, passei alguns dias sem entrar em redes sociais. Nem mesmo aqui no blog. Não tive vontade e me atendi. Não quis me forçar e pela 1a vez, não desejei Feliz Natal nem Ano Novo pra ninguém, literalmente. 

Dias sem internet me fizeram bem, reafirmando para mim mesmo, que estar comigo é fundamental e necessário. “Conversar” com meu íntimo, rever, repensar, repercutir pensamentos e atitudes reforçou que estou certo. Nesse ano novo, quero seguir cercado por meus amigos, mas, principalmente, preciso estar comigo mesmo, me priorizar. Claro que não praticarei sentimentos mesquinhos, pequenos, como egoísmo, de pensar somente em mim. Esse não seria eu, mas pretendo, e vou, definir outro ritmo para minha vida. Afinal, creio que já vivi + da metade do meu tempo nessa existência, e esse “que me resta”, quero viver desacertado, priorizando os prazeres e não as obrigações.

Meu silêncio e ausência não significam falta de amizade ou carinho, de forma alguma. Pelo contrário. Me dar tempo serviu para reforçar minha energia e assim, estar + inteiro, + centrado.

E para ilustrar essa postagem, pensei nesta fotografia que fiz no raiar do dia 1*, no jardim do casarão de minha família materna em Porto de Pedras, cuja centenária grade simboliza que realmente me isolei. Mas não me tranquei. Tanto que já estou em Maceió, pondo a vida em dia, respirando pausadamente e profundamente, preenchendo meu ser com consciência, além de ar, claro.

Certo de que serei entendido, repito, Feliz 2022, desejando que todos vivamos com tempo, para os outros, e principalmente, para nós mesmos. 

Postado por Felipe Camelo

VelasTelas, além da Arte

15.12.2021 às 17:11
Rogério Gomes, Vera Gamma, Mirna Porto Maia, Werner Salles

Como todos os projetos idealizados por Mirna Porto Maia, aprovados por Lei de Incentivo à Cultura, e patrocinados pelo Magazine Luiza, VelasTelas 2020 cumpriu ontem seu cronograma, adiado pela pandemia. 

Mas na noite de ontem, no auditório da Escola Técnica de Artes da Ufal, na praça Sinimbu, palestra de contrapartida social reuniu artistas e parceiros para troca de opiniões, e já vislumbrar a próxima edição. Entre os presentes, Rogério Gomes, Vera Gamma, Joe, Lu Azul, Werner Sales, Davi Farias, Pollyanna Isbelo. 

Projeto único que insere obras de arte projetadas em alvas velas de jangadas, estacionadas na areia da maré baixa, compondo artisticamente a paisagem urbana, especificamente, na ponta da Ponta Verde, tendo o farol vermelho e branco valorizando ainda + a cena, atraindo nativos e turistas. Verdadeira exposição ao ar livre, com horários definidos pela maré e pela lua, mescla as + diversas linguagens, técnicas, estilos e épocas. 

Na verdade, a palestra virou conversa e trocas de depoimentos, sobre as experiências em suas participações nas várias edições e também ideias para serem postas em prática, agregando ainda + valor ao VelasTelas. 

Com certeza, vale aguardar para aplaudir. Ah! Povo de arte é estiloso todo, a aproveito para publicar aqui alguns dos detalhes que me chamaram + atenção. 

Como os pisantes e a capa que Mirna usava, assinados por Alina Amaral no projeto Renda-se, outro patrocínio Magalu, também sucesso com a coordenação de Fábio Elias Costa. 

Postado por Felipe Camelo

Patacho é Bandeira Azul

10.12.2021 às 12:58


Secretário Marcius Beltrão, a coordenadora nacional do Projeto Bandeira Azul, Leana Bernardi, a  1a dama Márcia Cunha, o prefeito Henrique Vilela, a presidente da Associação do Peixe-boi,Flávia Rêgo e a secretaria de Turismo Zélia Cavalcanti, quando hasteavam a Bandeira Azul no Patacho, agorinha.

 Aguardem cobertura completa na próxima 2a-feira, aqui neste blog. Entre as 22 praias que recebem o Selo Internacional de Sustentabilidade, a única alagoana. Que Porto de Pedras seja exemplo para outras comunidades…

Postado por Felipe Camelo

Bandeira Azul no Patacho

Única praia alagoana em 2021/2022

09.12.2021 às 10:50
FC

Desde que nasci, frequento Porto de Pedras, terra natal da minha família materna, que possuía vários sítios na região, inclusive na praia do Patacho. 

Com profunda felicidade, já que sigo apaixonado pela terra na qual meus bisavós formaram nossa família, vejo o Turismo chegando forte e preocupado em qualificar mão de obra local, gerando empregos e renda, inclusive. Respeito severamente praticado com o Meio Ambiente vem unindo nativos, empresários, turistas, ativistas, simpatizantes… na constante preservação do bem estar da natureza, incluindo fauna e flora. Tanto que o Patacho ganha + 1 estrela em seu currículo. 

Na verdade, o honroso Selo Ambiental e Sustentável, atestando reconhecimento internacional observando a educação e a gestão ambientais, a qualidade da água, e muitos outros itens que são comprovados anualmente, garantindo a excelência. O Programa Bandeira Azul é desenvolvido pela organização internacional não-governamental e sem fins lucrativos FEE (Foundation for Environmental Education). Se iniciou na França em 1985 e implementado em toda a Europa desde 1987, vem atuando em países não europeus desde 2001.  No Brasil, o Bandeira Azul é representado pelo Instituto Ambientes em Rede (IAR), membro da FEE desde 2005. Agora na edição 2021/2022, entre 22 praias brasileiras, apenas 1 alagoana, o Patacho, estrela na Rota de Charme do Litoral Norte de Alagoas, figura nessa prestigiada lista, entre as praias marinhas e com embarcações verdadeiramente empenhadas na sustentabilidade e na educação ambiental e social. 

Honra imensurável para fortalecer o Turismo inteligente, responsável e sustentável, devendo ser seguido como exemplo pelas comunidades de outras praias, de outras regiões da costa alagoana, inigualável em belezas naturais e, infelizmente, tão carente de cuidados, atenção e preservação. Vide o esgoto que estourou esses dias vitimando + 1 vez a belíssima enseada da Pajuçara. Que absurdos como esse não + aconteçam. Questão de sobrevivência humana, inclusive. Mas enfim, é celebrar o Selo Bandeira Azul no litoral alagoano. 

Assim, com motivos de sobra para vibrar com esse certificado internacional e seguir empenhados, trabalhando, o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcius Beltrão, e o prefeito de Porto de Pedras, Henrique Vilela. Na manhã de amanhã, o governador Renan Filho será devidamente representado pelo secretário Beltrão, 2* me confirmou Zélia Cavalcanti, ativa secretária de Turismo de Porto de Pedras, que também convidou todos os órgãos e entidades do seguimento, Imprensa e personalidades que batalham pela preservação, bem-estar e sobrevivência do Meio Ambiente.

 É, literalmente, cuidar da Vida, garantindo futuras gerações. Nesse dia 10, fazendo as honras da casa, com sua característica simpatia, a incansável Márcia Cunha Vilela, 1a dama Porto-pedrense. Alagoas de forma positiva e operante na vitrine do mundo. Espontaneamente. Merecemos!!! 

Ah! As fotos que publico aqui, fiz no Patacho em agosto passado, num momento de maré bem baixa, tão estonteante e maravilhosa quanto com o mar pleno d’água, e mesmo assim, verdadeira piscina natural que deve ser conservada intacta. 

ResponderEncaminhar

Postado por Felipe Camelo

Respeito ao Amém, ao Axé...

Sincretismo e Respeito

08.12.2021 às 11:05
FC

Tudo é questão de convívio, inclusive social, e para haver harmonia, respeito é, comprovadamente e sem dúvida, a principal base de relações. Assim, principalmente sobre religião, creio que a Força Superior é a mesma, e com certeza o amor, inclusive ao próximo, é o  foco. Em cada 1 delas, a forma de reverenciar, uns com cânticos e danças, outras + contidas, mas todas, realmente todas, devem ser praticadas respeitando umas as outras. Como hoje, por exemplo, sincretismo religioso total. 

Em 1999, sofri grave acidente no trânsito, e além da competente equipe médica no Hospital Veredas, muita gente mentalizando na minha recuperação. Não só família e amigos, mas soube de muita gente que não me conhecia pessoalmente, rezou por mim, por conhecer e curtir meu trabalho. Católicos, evangélicos, umbandistas, espíritas… até ateus me mandaram força. E quem sou eu para não respeitar todas essas crenças? Tenho santuário que interagem Nossa Senhora Aparecida, Sagrado Coração de Jesus, Padre Cícero,  Buda, Ganesha, Ogum Guiá, Yemanjá… e por falar na Rainha das Águas, cujo 8 de dezembro marca sua existência, reverencio com fervor, sempre agradecendo todas as bençãos e graças. Iemanjá corresponde a Nossa Senhora dos Navegantes, Nossa Senhora de Candeias, Nossa Senhora da Piedade, Virgem Maria, e a Nossa Senhora da Conceição.

Assim, daqui de Porto de Pedras, meus respeitos ao valoroso e corajoso povo do Candomblé da Umbanda, entre os quais me incluo, inclusive. Eu? Vou do Amém ao Axé, Colofé, Odoyá…

Postado por Felipe Camelo

Reunião de Pensadores

50 anos da Uneal com múltiplos lançamentos

07.12.2021 às 11:29
Reprodução

Triste da nação que é governada por negacionista ideologia, que nega e renega a Ciência, a Educação, a Cultura e a História, principalmente. Tentando se perpetuar no poder, querem manter a população na ignorância, para não pensar, questionar, opinar, combater. 

Mas a luz do pensamento não será apagada, graças inclusive, ao empenho, resistência e resiliência de intelectuais em não se entregar. Quanto + tentarem oprimir, + os pensantes se fortalecem. 

Aqui em Porto de Pedras, numa temporada de reformulação da vida, extrema e múltipla felicidade senti ao receber convites para sessões de autógrafos de alguns dos + brilhantes intelectuais de Alagoas. Sim, convites no plural, já que alguns autores enviaram carinhosas mensagens confirmando que contam com minha presença. Além do convite formal, que recebi da Editora da Universidade Estadual de Alagoas, que promove a partir das 7 e 1/2 da noite de hoje, 7 de dezembro, lançamento de 8 obras literárias que abordam da Literatura à Economia, todos com profundidade de informações. 

Em suas respectivas áreas, conhecimentos, descobertas, experiências próprias, pessoais e transferíveis, já que, com esses livros, compartilham e formam novos pensamentos, novos pensadores. 

Desde o início dessa ‘covídica’ pandemia, nenhum evento foi possível, obviamente para evitar que o Covid19 se espalhe, infectando e matando ainda + gente. 

Mas respeitando todos os procedimentos e cuidados, esse encontro de hoje será marco para a história de Alagoas, especialmente para a intelectualidade caeté, já que a nata da inteligência estará transformando o Complexo Cultural Teatro Deodoro num verdadeiro Olimpo, cuja energia não deixará dúvida: sim, existem cabeças pensantes na terra que era conhecida como “terra dos marechais”. Que eles me desculpem, mas esse evento que marca os 50 anos da Universidade Estadual de Alagoas (sendo a 1a instituição de ensino superior do interior do estado) faz do nosso estado, “Terra de Intelectuais”. Feliz pela histórica data, Odilon Máximo, orgulhoso reitor, que recebe com a fidalguia e simpatia de sempre. 

E confesso que tenho todos os motivos para estar presente neste múltiplo lançamento, inclusive por estar entre os jornalistas destacados pelo professor Luiz Sávio de Almeida e Elen Oliveira, que organizaram e reuniram depoimentos de jornalistas que narram como vêm enfrentando a pandemia. Mas como não estou em Maceió, festejo a data daqui mesmo, de Porto de Pedras. 

Assim, ao mesmo tempo que celebro esse ato intelectual de resistência e combate ao vírus ideológico que vem tentando retroceder o Brasil ao tempo da ignorância, me desculpo pela involuntária ausência, fato que me entristece, já que estar entre os + brilhantes mestres e pensadores alagoanos, me engrandeceria, mas, pelo fato desse grandioso evento está acontecendo, já confirma que há “luz no túnel”, e que esse momento de treva não empobrecerá nosso tão brilhante Brasil. Assim, complemento essa publicação reproduzindo na íntegra o realise que recebi da cinquentona Uneal. 

Com certeza, esta noite será verdadeiro rito de passagem, confirmando que Alagoas não deve nada a nenhum outro lugar, quando se fala em inteligência e produção literária, inclusive e principalmente. 

A editora da Universidade Estadual de Alagoas (Eduneal) lançará no dia 07 de dezembro, às 19h30, no complexo do teatro Deodoro, oito livros escritos por intelectuais e pesquisadores alagoanos. As obras versam sobre temas que vão desde economia à literatura. O primeiro evento de lançamento presencial desde o início da pandemia é gratuito e aberto ao público, respeitando todos os protocolos de segurança.

      Um dos lançamentos nasceu como fruto do esforço para documentar as passagem e consequências da pandemia de covid-19 por Alagoas como conta o organizador do livro“Jornalistas e pandemia memória da pandemia em Alagoas”, professor Luiz Sávio de Almeida “tomamos por objetivo deixar uma série de textos que ajudem a montar a memória da passagem deste cão com a dor de banda entre nós. Assim, foi assumida uma tarefa: ajudar a construir a memória desta tragédia pública na velha Alagoas”. O livro, organizado em parceria com Elen Oliveira, apresenta um recorte dos efeitos da pandemia em Maceió, a partir do olhar de 21 jornalistas em diferentes funções e perspectivas da profissão. 

       O professor Luiz Sávio de Almeida também lança duas obras: a segunda edição de “Alagoas: ensaio sobre a demografia de Alagoas do século XIX” e “Alagoas: ensaios sobre negros e escravos no censo de 1872”. Nos dois livros o pesquisador traz ensaios sobre a demografia e o censo histórico realizado pelo império em 1872 que foi um dos primeiros a ser usado como publicidade. Sávio analisa os números e dados como um discurso que descreveu e qualificou a sociedade. Um trabalho brilhante de interpretação dos números e dadossobre importantes aspectos da constituição e história de Alagoas.

       Mudanças na agroindústria canavieira nordestina 2000-2012 é o livro do renomado economista alagoano Cícero Péricles de Carvalho que analisa o processo de reestruturação produtiva do setor sucroalcooleiro entre o final da década de 1990 e 2012, com ênfase nas mudanças protagonizadas por Alagoas e Pernambuco, estados de maior produção sucroalcooleira da região Nordeste. A obra foi é resultado da parceria editorial entre a editora da Eduneal e a editora da Universidade Federal de Alagoas. 

       Na área histórica, a Eduneal lança “Contribuição para a história da presença holandesa em Alagoas”. Organizado por Roberval Santos, o livro traz à tona textos esquecidos, mas de notável contribuição intelectual de importantes personalidades do passado e documentos consagrados e dotados de informações referentes à presença holandesa em Alagoas. A obra constitui um esforço gigantesco para resgatar Alagoas da posição de coadjuvante nesta temática batava do século XVII e lhe dar o merecido protagonismo neste período do Brasil Colonial.

       Outra rica obra que retorna às mãos dos leitores alagoanos é “Alagoas percurso de cultura e tradição” da pesquisadora Carmen Lúcia Dantas. A reedição, que conta com fotos de Ricardo Lêdo, reúne um conjunto de dados, de informações históricas, de observações e estudos acumulados ao longo de décadas pela autora em suas pesquisas acadêmicas pelos municípios do estado. O conteúdo, ampliado e atualizado foi construído a partir de novas leituras, demandando a ressignificação de conceitos e perspectivas sócio históricas. O livro apresenta o mapeamento do estado abrangendo a territorialidade paisagística e humana, demarcando as múltiplas dimensões de cada região: a costeira de mar, de rios e lagunas, a zona da mata, do agreste e do sertão, num verdadeiro circuito pelos aspectos simbólicos e materiais desse universo alagoano.  

       Como grande destaque na área da literatura, a Eduneal traz “Contos reunidos” que reúne mais de cinquenta contos da renomada escritora alagoana Arriete Vilela. O livrotraz obras como “Grande baú”, “a infância”, prestigiada pela crítica literária nacional, textofundamental para compreender o tecer literário de Arriete Vilela recheado de poesia e lirismo. Outros textos aclamados como “Maria Flor etc”, “Tardios afetos” e “Farpa”estão presentes nessa coletânea que é referência para o leitor mergulhar no universo poético da maior escritora alagoana do nosso tempo.

No campo da educação a Eduneal traz o livro “Narrativas Poéticas: memórias de encontros na Educação Infantil”que de forma leve e significativa dá voz e visibilidade as práticas pedagógicas e aos profissionais da educação na primeira etapa da Educação Básica. São apresentadas significativas experiências desenvolvidas com bebês, crianças bem pequenas e pequenas na Educação Infantil tornando este encontro um modo de conhecer para ampliar horizontes acadêmicos no chão da escola e no ato de educar e cuidar. As narrativas infantis povoam as páginas deste livro apresentando-nos as marcas do vivido entre adultos e crianças em creches e pré-escolas públicas alagoanas.

ResponderEncaminhar

Postado por Felipe Camelo

Ser Pai é...

... Amar e Cuidar

03.12.2021 às 10:05
FC

Sempre adorei observar atitudes e comportamento, detalhes que fazem diferenças na vida. 

E cenas urbanas são prazer especial pr’os meus olhos e lentes. Como já publiquei, estou numa temporada em Porto de Pedras, recuperando e restaurando o casarão da minha família materna, concluído em 1920. 

Hoje cedo, quando abro as janelas da sala, esse pai ia passando protegendo sua cria do implacável sol. Com a criança presa ao peito, acho que dá pra imaginar o que é passar 9 meses com o pesado ventre. Comprovadamente, já passou o tempo em que o homem era principalmente o provedor. As tarefas em casa não são únicas e exclusivas das mulheres. 

Seja em que forma, formato ou fórmula, for a família, todos devem voluntariamente, ter ativa participação na educação, nos cuidados, no lazer, nos diálogos, em todos os momentos da vida e do crescimento de filhas e filhos. E dos netos e netas também, claro. Mas enfim, isso é ser humano, compartilhando com prazer os deveres da criação, da construção de novas gerações, evoluídas. 

Que todos sigam esse exemplo…

Postado por Felipe Camelo

Alagoana Artesanal

Caatinga Rocks, orgulho

02.12.2021 às 11:47
Rafael & Marcus Leal - arquivo pessoal-reproduções

Como já publiquei, estou numa temporada em Porto de Pedras, e hoje, me senti feliz com notícia compartilhada num grupo de jornalistas, postada pela querida e competente Flávia Farias e de autoria de Alexandre Afonso, sobre os irmãos Rafael & Marcus Leal, de quem fiquei amigo quando os conheci iniciando a produção de deliciosa cerveja artesanal Caatinga Rocks, e em muito pouco tempo, já eram destaque nacional como “A melhor cerveja artesanal do Brasil”. Seguiram investindo e trabalhando muito, tanto que a coleção de honrarias não para de crescer. Não só em quantidade mas principalmente, pela força e importância dos prêmios. Assim, celebro + esse sucesso, repercutindo na íntegra, o texto que a assessora de Comunicação da marca postou no grupo de whatsapp Imprensa Livre. Levanto brinde, orgulhoso de Rafael & Marcus, salivando, lembrando dos sabores assinados por eles, que mantém Alagoas na vitrine do mundo. Aqui, agora, texto de Alexandre Afonso.

Tim! Tim! Cervejaria alagoana recebe cinco medalhas em Santa Catarina

Promovido pelo Science of Beer Institute, o Brasil Beer Cup é um dos maiores concursos de análise e gestão sensorial de cervejas do mundo e contemplou com cinco (05) medalhas a cervejaria alagoana Caatinga Rock´s. O evento aconteceu no último final de semana, em Santa Catarina, recebendo inscrições de mais de 1.200 cervejarias de três países diferentes: Brasil, Uruguai e México.

Os rótulos da Caatinga Rocks receberam a medalha de ouro - com a “Alagoas Sour Ale” (Collab lançada em outubro em parceria com a Beeva Brasil), e medalha de prata com a English Pale Ale “Velho Chico” e a Sour Cactos IPA “Mandacaru Atômico”. O bronze veio com a “Serelepe” e a “Twist & Sour”, colaboração com a cervejaria Dádiva (SP). 

“É muito importante para nós essa premiação, sobretudo, porque mostra a consistência e qualidade do nosso trabalho, fruto de muita coragem e parceria, sempre incorporando o DNA da nossa região aos melhores estilos de cerveja" afirma o mestre cervejeiro, e CEO da Caatinga Rocks, Rafael Leal. 

Agora com mais cinco medalhas, a cervejaria se consolida como a mais laureadas do estado de Alagoas e uma das mais premiadas do Nordeste. “Acredito que nossas cervejas são reconhecidas por serem uma fusão honesta do clássico quarteto do mundo cervejeiro (água, malte, lúpulo e levedura) com a diversidade dos ingredientes de nosso estado, do Nordeste e do Brasil”, comenta, o também mestre cervejeiro, Marcus Leal.

Caatinga Rocks – Bar da fábrica

R. Dep. José Lages, 395 - Ponta Verde, Maceió - AL

Instagram: @caatingarocks

Postado por Felipe Camelo

PedeVerde, Leve Verde

18.11.2021 às 12:29

Como sempre digo, não confio nos que não gostam de idosos, crianças, animais e plantas. Assim, foi com extrema felicidade que fui conhecer recentemente o espaço que Bartô Almeida abre oficialmente hoje aqui em Guaxuma, PedeVerde. 

Desde às 10 da manhã desta 5a-feira, com deliciosa água de coco, incríveis e saudáveis plantas, muitíssimo bem nutridas com substratos naturais, em diferenciados vasos de cerâmica, prontas para valorizar qualquer ambiente, garantindo beleza, energia e alto-astral. Impossível não se sentir muitíssimo bem, num lugar pensado, planejado e executado para proporcionar bem-estar, não só para os clientes, mas principalmente, para as mudas que só faltam falar, agradecendo por tantos cuidados recebidos. 

Já foi o tempo que se precisava ter enorme jardim para ter saudáveis e exuberantes plantas. Pode-se ter em casa ou apartamento, o conceito e o clima “floresta urbana”, ou “urban jungle”, como dizem os + antenados e modernos. Todas tem a garantia de não serem vítimas de produtos químicos, que, inicialmente, promovem efeito, mas com o tempo, defeitos. 

Além de ter abençoadas mãos, paixão e jeito para cuidar das plantas, Bartô garante orientação para os + leigos, que gostam mas não entendem nada sobre como melhor cuidar e manter saudáveis plantas em casa. 

Com planejamento estético do artista plástico Agélio Novaes, difícil é querer ir embora da PedeVerde. 

Sabe aqueles lugares que te dão a impressão que estamos, literalmente, no paraíso?!?!? Pois garanto, é exatamente assim que você vai se sentir, como aconteceu comigo. Fui no começo da tarde, usando óculos escuros, e como achei que fosse voltar ligo pra casa, não levei óculos com lentes transparentes, e quando sai de lá l, fazia tempo que o sol havia ido iluminar o oriente. 

Confesso também que cheguei feliz em casa, assim como as plantas que vieram comigo. Elas que seguem indiscutivelmente lindas e plenas. Tenham certeza. Então, quem curte ter verde em casa, vai sair encantado. Comigo foi exatamente assim. 

Assim, PedeVerde, que também pode ser LeveVerde. 

A vida agradece!!!

Postado por Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

 Jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]