Dólar com. 5.6093
IBovespa -3.39
28 de novembro de 2021
min. 24º máx. 30º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Música clássica, MPB e afoxé povoam cultura no Jaraguá

Blogs

Abraço, Ação e Reação

02.07.2021 às 16:10
Fotografia e Arte - Reynaldo Gama Jr - reprodução

Em sombrios tempos plenos de adversidades e desafios, confirmar que solidariedade faz diferença e reforça a fé, inclusive nos seres humanos, é preciso para sobreviver. 

Não bastassem os problemas naturais da vida, também em Maceió, vivemos as consequências da pandemia do Coronavírus e os danos causados pela paralisação de todas as atividades, com prejuízos e tristeza. Comprovadamente, isolamento social é condição essencial para conter a propagação do mortal vírus, e obviamente, a Escola de Ballet Eliana Cavalcanti foi diretamente afetada pela interrupção de suas aulas, que movimentam o setor há + de 4 décadas. 

Não bastasse, o afundamento do solo causado por mineração, comprometeu de vez a reabertura da Escola, mesmo após o controle da pandemia, já que o prédio construído especificamente para aulas e ensaios de ballet teve sua estrutura comprometida. E confirmando que todos precisamos de todos, dezenas de pessoas, entre alunos, ex-alunos, amigos, fãs… se reuniram no último dia 19,  para compartilhar solidariedade e apoio, num simbólico abraço no edifício do Ballet, e entre os + ativos articuladores dessa ação, o talentoso fotógrafo Reynaldo Gama Jr., que convidou vários amigos para participar desse momento de carinho com Eliana, que renovousuas  forças após se sentir literalmente abraçada. 

Gama Jr. se sentiu tão feliz em ter podido agregar valor nessa causa que fotografou a Escola e interferiu na imagem, causando incrível sensação e real ilusão de ótica. Com essa obra, com a qual repercuto o abraço, reforço os agradecimentos de Eliana, suas bailarinas/professoras e do próprio Gama Jr. diante de tanta energia recebida. 

Então é isso, como ninguém é alguém sem outro alguém e sendo impossível viver sozinho, nem ser triste ou feliz, essa reação foi principalmente ação. Afinal, todos precisamos de todos, sempre. 

Viva a Vida, a Cultura, a Arte. Ah! para conferir a postagem do abraço, 

https://painelnoticias.com.br/blogs/felipe-camelo/191236/d-de-danca-despejo-destruicao-dor


Postado por Felipe Camelo

D de Dança, Despejo, Destruição, Dor

Ballet Eliana Cavalcanti - 40 anos

16.06.2021 às 15:52
reprodução

Comprovadamente, nenhuma sociedade evolui sem educação e cultura. 

Entre as atividades artísticas mais praticadas, a dança, e entre suas diversas linguagens, o ballet sempre atraiu crianças e adolescentes, afinal, muito além de aprender a dançar, socialização, disciplina, postura, equilíbrio, fortalecimento e expressão corporal, postura, entre vários outros benefícios das aulas de ballet, inclusive para quem não pretende se profissionalizar. 

Desde cedo, escolas de ballet fizeram parte da minha vida. Não, eu nunca fui aluno de dança, mas familiares, amigas e conhecidas estudavam nas escolas que sempre movimentam Maceió, inclusive com os espetáculos que produziam atraindo grandes públicos. E claro que eu ia aplaudir. 

Entre as escolas de ballet, Eliana Cavalcanti sempre foi sinônimo de excelência, conseguindo que diversos de seus alunos seguissem carreira como bailarinos. 

Sua trajetória e evolução confirmam sucesso com a incrível marca de 48 ininterruptos anos, formando seres humanos para a vida, desde que inaugurou sua sede própria na bairro Pinheiros, há praticamente 4 décadas. Em suas barras, inúmeros profissionais da dança foram formados por Eliana, e estão espalhados, dançando pelo mundo. 

"Alguns seguiram carreira como bailarinos e outros abriram suas próprias escolas. Aqueles que não se tornaram bailarinos, sempre se mostraram gratos pelo período que frequentaram a escola. Tem saudades das aulas, dos ensaios, dos espetáculos e daquele espaço que só lhes deu alegrias. Garantem que o ballet foi importante nas suas formações como pessoa e profissionais, ainda que em outras áreas de atuação", me disse Eliana.

E tudo ia bem até que a mineração em Maceió causou afundamento do solo, provocando inúmeras e perigosas rachaduras em casas, edifícios,  inicialmente no Pinheiro, e a Escola de Ballet Eliana Cavalcanti foi também, e infelizmente, "condenada", interditada. O problema foi se agravando, atingindo outros vários bairros, vitimando milhares de maceioenses. 

Abaladíssima, Eliana segue desabafando comigo: "Na verdade, isto parece um grande e desgastante pesadelo, que espero, chegue logo ao fim. Toda essa destruição causada pela Mineradora Braskem me afetou financeiramente e emocionalmente. Eu me senti expulsa do meu porto seguro. Ali eu tinha uma escola construída  especialmente para tal e um apartamento confortável, no qual morei por muitos anos e, ultimamente, morava a minha filha. Com a conclusão dos estudos realizados pela CPRM,  acerca da dura realidade que nos atingia, atônita, procurei desesperadamente um local para dar continuidade à nossa escola. Em 2019, alugamos duas salas dentro do Colégio Monteiro, e em 2020, achei um lugar mais amplo, na Gruta de Lourdes. Fiz uma grande reforma, sem qualquer ajuda da Braskem, e sem receber verba para os aluguéis, pois ela só dá auxilio-aluguel para moradores. Inauguramos o novo espaço em fevereiro e, em março, fechou tudo por causa da pandemia. Hoje, fragilizada, com vários sinais de estresse, sinto- me nocauteada e com as forças exauridas. Tive uma reunião com a Braskem há poucos dias. Como eles não levam em consideração o tempo da empresa no bairro e outras coisas mais, já recebi uma oferta que ficou muito aquém das minhas expectativas". 

E Eliana segue confessando a tristeza que é compartilhada por centenas de amigos, principalmente alunos e ex-alunos, que estão se mobilizando para abraço simbólico, às 16h do próximo sábado, dia 19, em frente ao nº 440 da 

Rua Ranildo Cavalcante, na Gruta de Lourdes (a mesma rua da Academia Cena e da Clínica NOT, e vizinha à Cross Fit Corais). Prédio esse que, "Desde fevereiro de 2019 que estamos pagando aluguel, quando tínhamos nosso imóvel próprio, construído especialmente para dança. Em junho do 2020, assinamos o termo de posse para a Braskem, pois assim exigia o acordo entre o Ministério Público e a Braskem. Já se vão dez meses desse acordo e dois anos de sofrimento. Essa demora é cruel; é desumana!".

Assim, confirmo solidariedade e reforço apoio, afinal, essa causa é além de justa. Então, quem se solidariza com o problema será muito bem vindo, já que todos os cuidados com a pandemia serão respeitados e praticados.

Ah! Capturei fotografias e cartazes de vários espetáculos, de diversas épocas, no perfil do Ballet Eliana Cavalcanti no Facebook, ilustrando esta publicação.   

Postado por Felipe Camelo

Sangue é Vida, Doe

No Junho Vermelho, Dia Mundial do Doador de Sangue

14.06.2021 às 19:32
Reprodução

Ontem, numa matéria na TV, a repórter falou que em alguns países, o isolamento social já foi relaxado, com seus cidadãos já vacinados contra o Coronavírus e seus hospitais não estão mais superlotados. No final da matéria, ela disse que o sonho de todos é ter de volta a "vida normal". 

Não creio que o ideal é a volta do estilo de vida que estávamos tendo ultimamente, numa corrida desenfreada para consumir e acumular bens, poder. É numa pandemia como essa que mais precisamos uns dos outros. Como sempre digo, é impossível ser feliz, ou triste, sozinho. Como também digo, ninguém é alguém sem outro alguém. 

Venho tristemente constatando que os seres estão cada vez mais desumanos. Ganância e egoísmo tem feito estragos mundo afora. Aqui no Brasil, não tem sido diferente. Num país com tão dolorosas e injustas desigualdades sociais, acumular sem compartilhar é prática comum desse capitalismo selvagem. 

Até vejo e festejo voluntários que se disponibilizam, se doam e agregam outros solidários seres. Mas, infelizmente, são muito poucos, diante do volume de carências. Ultimamente, campanhas seguem acontecendo o ano todo, na intenção de chamar atenção para tão importantes causas. Cores são definidas e escolhidas para destacar essas campanhas. Incrível é que já temos meses "com mais de uma cor", e neles, mais de um movimento ganha foco. 

Ainda bem que temos essas abnegadas pessoas que não esmorecem diante da pouca participação da população em benefício dos que são vítimas de muitas enfermidades.

Agora mesmo, desde o último dia 1º, Junho Vermelho chama atenção para a constante necessidade de atrair doadores de sangue, tentando deixar os estoques dos Bancos de Sangue com quantidade suficiente para atender a demanda. No país inteiro, poucas bolsas de sangue nas geladeiras, pondo em risco muitas vidas. 

Este 14 de junho é definido como o Dia Mundial do Doador de Sangue, e o Hemocentro de Alagoas vem se desdobrando para realizar coletas externas em Maceió, no Polo Industrial de Marechal Deodoro e em União dos Palmares.  De hoje ao próximo sábado, 19, quem doar sangue recebe boné especial da campanha. Quem se sensibilizou e quer doar, todas as informações, no https://www.saude.al.gov.br/hemorrede-publica-de-alagoas/

Postado por Felipe Camelo

100 anos de Charme

10.06.2021 às 15:30
Reprodução

Como já publiquei, minha família materna se formou em Porto de Pedras, onde passei todos os verões da minha infância e adolescência. Era a chance de conviver com tios e primos, inclusive com os que moravam e moram em Recife.

Temos até hoje, um casarão construído pelo meu bisavô em 1920, ele que participou ativamente da vida política da região. Fico lembrando o quão encantado e apaixonado sempre fui,  por tudo lá. A história de meus antepassados, nossa linda casa, a subida ao farol, a vista do cemitério, as enormes tartarugas que sempre apareceram na praia, as frutas, as comidas com coco, a imensidão da Crôa do Tubarão, que se tornava infinita com a maré baixa, os circos que se apresentavam na cidade, a travessia de balsa pra bica de Japaratinga, os inesquecíveis blocos de carnaval, passear de bicicleta pelos coqueirais... tudo segue bem vivo na minha memória e no meu coração. 

E essas lembranças todas fluíram agora com as comemorações pelos 100 anos de sua emancipação política. Extensa programação nesses últimos dias, com participação do governador Renan Filho, que esteve lá ontem para solenidade oficial, marcando o Centenário. Outra forte lembrança, o primo Zizo, batizado José Aluísio da Cunha, que foi prefeito por vários mandatos e se mantém pleno e lúcido aos 103 anos de feliz idade, em eterna lua de mel com prima Hilda, num casamento de quase 80 anos, que gerou + 3 gerações, e entre os netos, Márcia, casada com Henrique Vilela, prefeito reeleito com a quase totalidade dos votos, em incontestável aprovação popular. 

Aos 60 anos, confesso que só aumenta minha vontade de me tornar oficialmente cidadão e morador porto-pedrense, e creio mesmo que esse sonho será realizado. Mas, enquanto isso não acontece, sigo aqui, apaixonado pela cidade que me conquistou desde a infância, no Litoral Norte de Alagoas. Torço para que se desenvolva, proporcionando qualidade de vida para seu povo, do qual me sinto parte. E que não perca o charme que só as cidades cuja natureza é bem preservada possuem.

Parabéns, Porto de Pedras, inclusive pelos 100 anos de independência!!! 

Postado por Felipe Camelo

Jornalismo de Verdade...

...Sério e Transparente

09.06.2021 às 16:32
Arte de Afrânio Aquino / Reprodução

Única espécie animal dotada de inteligência e raciocínio (sic!), seres humanos se comunicavam com gestos, grunhidos, gritos, iniciando assim a interação entre eles e outras comunidades. 

A história confirma que desenhar nas pedras foi evolução na comunicação, há incríveis 8.000 anos antes de Cristo. Por volta de 3.100 anos a.C, egípcios criaram caracteres para se comunicar utilizando hieróglifos. Surgia a 'grafia'. 

Desde então, a comunicação não parou de evoluir, e nesse processo, chegamos aos meios digitais, ultrapassando o tempo e a distância. Lembro que, quando entrei na Ufal para estudar Jornalismo, não existiam computadores por aqui. Para ajudar nos trabalhos, a boa e velha máquina de datilografia. Minha vó Afra me ensinou como teclar utilizando todos os dedos, o que me ajuda muito, até hoje. 

Em 2021, impossível viver sem equipamentos tecnológicos, e com eles, o alcance do Jornalismo cresceu incomensuravelmente, inclusive como fundamental ferramenta que garante a Democracia e facilita a transmissão de informações verídicas. Notícias precisam ser checadas e divulgadas com seriedade e transparência. E essas técnicas se aprende nas universidades. Tão importante quanto o dom e o talento para escrever, saber como escrever e transmitir é importantíssimo, para que a notícia seja publicada com a mais profunda lisura. Matérias mal trabalhadas podem causar sérios problemas para as pessoas e para a sociedade como 1 todo. 

Trabalhei muitos anos com fotografia e jornalismo impresso, até que, em 2018, me "vi" demitido da Gazeta de Alagoas entre dezenas de profissionais, e qual foi minha felicidade quando recebi convite de Eliane Aquino e Ricardo Leal para trabalhar com eles, publicando coluna em 2 páginas na revista Painel Alagoas, com total liberdade de pauta, claro. Na diagramação, o 3º integrante do comando editorial, Afrânio Aquino, filho de Eliane, enteado de Ricardo e grande parceiro meu. 

Foi exatamente ele, Afrânio, quem sugeriu que os 3 criassem canal digital de comunicação, isso entre 2009 e 2010, quando em 1º de junho, oficialmente, o portal Painel Notícias entrou no ar, reunindo blogueiros dos mais diversificados seguimentos e atividades, e entre eles, a incrível Heloisa Helena, que agregou valor, atraindo internautas e seguidores. Assim como o blog de HH, outros também tinham muitos acessos, como o sobre coisas absurdas, curiosidades e "cultura inútil", editado por Ricardo, assim como 1 sobre Mundo Animal, que chamava atenção inclusive para a importância de adotar e cuidar de animais abandonados. Também fez muito sucesso "A palavra do Pastor", que reproduzia com exclusividade textos de Dom Antônio Muniz Fernandes, Arcebispo Metropolitano de Maceió. Medicina e música também tinham seus blogs próprios, garantindo pluralidade de pautas.  A própria Eliane Aquino publicava sobre jornalismo, assim como Meg Oliveira, que garantia muitos 'cliques', com inteligência, carisma e charme.  

Seguiram produzindo até que publicaram bombástico furo jornalístico  que causou alvoroço em Alagoas na eleição de 2010. "O candidato Fernando Collor havia descumprido orientação do Tribunal Regional Eleitoral e poderia ser preso assim que descesse do helicóptero  no qual sobrevoava o estado, em campanha. Claro que essa notícia colocou definitivamente o portal entre os + acessados e mudou o resultado da eleição. . 

Em 2017, Eliane e Ricardo receberam proposta para editar jornal semanal  que ganhou Painel como nome próprio. 

Com as voltas que o mundo dá, em janeiro de 2018, numa conversa do trio, Ricardo teve a ideia de transformar o jornal numa revista impressa e mensal, e em abril,  era realidade. Foi quando recebi o feliz convite para integrar a equipe. Atualmente, no Portal, Painel Fashion, Painel Jurídico, Painel Opinativo, Painel Político, Ponto Final, Agro Notícias, com exclusividade  de Maurício Picazo Galhardo,  Etcetera de Ricardo Leal, Receitas e Cestas, de Claudia Garcia, Pedro Oliveira, outro respeitado nome no jornalismo, e esse blog que edito aqui. 

E assim, informando com responsabilidade, seguimos confiantes que o bom jornalismo sobreviverá nesse triste momento em que o Brasil vive essa criminosa "onda" de notícias falsas, e constantes ataques que os profissionais da Imprensa vem sofrendo com imperdoável violência dos apoiadores e do próprio presidente da República, que, envolvido em muitas suspeitas, denúncias e escândalos, tenta evitar que a população seja bem informada, crie suas próprias opiniões e decida sobre que futuro queremos para todos nós, e para o Brasil, principalmente.

Por tudo isso, motivos não nos faltam para celebrarmos esses 11 anos do Painel Notícias, agradecendo a participação de todos os colaboradores, e principalmente aos internautas/leitores por acreditarem em nosso sério e profissional Jornalismo. Juntos, venceremos essas "fake news" e sobreviveremos nessas pandemias,  viral e ideológica. 

Postado por Felipe Camelo

"Pra família Xotear"

EP Cazuadinha

02.06.2021 às 18:20
Reprodução

É público e notório que Alagoas é berço de inúmeros e diversificados talentos artísticos, seja em que linguagem for. Na música, em todos os ritmos, não nos faltam sucessos. 

Claro que, com o alcance planetário via internet, desde cedo, a criançada já vai descobrindo o que gosta, o que quer. Comprovadamente, música é estímulo, modo de se expressar e se comunicar. A influência é além de ampla. Expressões linguísticas, brincadeiras, figurinos, adereços e acessórios... viram objetos de desejo dessa turminha que desde cedo, querer ter vida própria.

E foi geral a felicidade dos "pequenos" quando, em 2013, surgiu a 1ª banda infantil alagoana, e Cazuadinha já chegou chegando. Com roupas brilhantes e coloridas, linguagem lúdica e de fácil interação com os carismáticos personagens  que rapidinho conquistaram. 

Eu, confesso que sou fanzaço do grupo capitaneado por Roberta Aureliano, criadora e vocalista que incorpora Pingoo, que lidera a musical trupe e atrai gente de todas as idades. 

Também sou encantado pelos inúmeros espetáculos gratuitos que sempre realizam, agregando valor em nobres causas.  Se eles não param desde o 1º show, é impensável não pensar neles nas populares festas nordestinas, principalmente nas festas de São João e São Pedro, e, assim como todos os artistas, vem tentando sobreviver nessa pandemia. 

E numa certeira atitude coletiva da banda, concretizaram a realização de incrível ideia, lançar álbum EP "Pra família Xotear", que será lançado nessa próxima 6ª-feira, dia 4, em suas plataformas digitais. Claro que fiquei tão feliz com a notícia que coloquei na pauta do blog, e lendo tão completo realise,  resolvi publicar na íntegra, agradecendo ao jornalista e assessor Maylson Honorato. 

Assim, aqui abaixo, todas as informações da banda infantil queridinha de Alagoas, tim-tim por tim-tim. Acesse e divirta-se, se esbalde. 


Grupo infantil alagoano faz primeiro lançamento oficial nas plataformas digitais nesta sexta-feira (4)

Com a pandemia ainda impedindo as festas juninas presenciais, a maior banda infantil de Alagoas resolveu presentear crianças de todas as idades com um EP especial de São João. “Pra Família Xotear” estreia nesta sexta-feira (4) em todas as plataformas digitais e faz dois convites para os ouvintes: manter viva a criança que existe dentro de cada um e armar o próprio arraial dentro de casa.

“Estamos com muita saudade de fazer a festa com todo mundo junto, de fazer nosso tradicional show de forró, que teria este ano sua 4ª edição, mas não vamos ficar parados e nem desanimar. A Banda Cazuadinha preparou o EP com muito carinho e sei que vai contribuir para que a gente encontre esperança na alegria e na união”, comenta Roberta Aureliano, artista que no palco dá vida à Pingoo, voz da Banda Cazuadinha.

Com 5 faixas originais, o EP resgata a festa junina matuta que a gente adora, sem deixar de lado a alegria contagiante e arrojada da Banda Cazuadinha. Das 5 músicas, 4 são autorais e apenas uma, “Brincadeiras”, é uma releitura de um clássico da época junina. O disco poderá ser acessado gratuitamente pela plataforma digital preferida de cada usuário, como Spotify, Deezer, Apple Music, Tidal e YouTube Music.

O pré-save do disco já está disponível e pode ser acessado por meio do link: https://onerpm.link/5579597537 .

ALEGRIA EM MEIO AO CAOS

Para Izabelly Sena, produtora-executiva da Banda Cazuadinha, foi a sagacidade dos artistas do grupo que fez o disco sair do campo das ideias. Sem eventos desde o início da pandemia, a produtora evidencia que lançar um álbum é um movimento arriscado e que exige, antes de tudo, amor e comprometimento.

“Nosso EP ‘Pra Família Xotear’ vem para alegrar um pouco nossos dias e o 2º São João sem poder estar juntinho e fazendo o que mais amamos com nossos fãs. Estamos dando o nosso melhor em meio a esse caos que o setor de eventos e o mundo vêm passando. E é com muito esforço e alegria que estamos trazendo essas músicas para todas famílias poderem se divertir um pouco dentro de casa”, diz Sena, que faz um pedido aos fãs da banda.

“Precisamos que nossos fãs, clientes e apoiadores nos ajudem a espalhar esse CD. Contamos com os alagoanos e todos que amam a Cazuadinha e que estão espalhados pelo Brasil inteiro. É com muito carinho que a Cazuadinha vem, há 8 anos, se reinventando e construindo sua história. Estamos aqui para mostrar e fazer arte, precisamos de valorização e atenção para esses artistas. Levamos o nome de Alagoas e de Maceió por onde passamos. Vamos continuar a espalhar amor, arte, alegria e conhecimento, mas, para isso, precisamos do seu apoio”, conclui a produtora.

PRA FAMÍLIA XOTEAR

Amparado na premissa de que ser criança é um estado de espírito, o EP “Cazuadinha - Pra Família Xotear” convida todas as famílias para armarem o próprio arraial e fazerem a festa dentro de casa. Com músicas contagiantes e que prometem animar a criançada, o primeiro lançamento oficial da Banda Cazuadinha traz a alegria como carro-chefe e convoca todo mundo para cultivar a energia das festas juninas e das tradições nordestinas.

As composições do disco são assinadas por Roberta Aureliano (Pingoo) e Paulo Keita (Homem Vaca), que afirmam que o resultado final da produção é uma explosão de animação.

SOBRE A BANDA CAZUADINHA

Considerada a maior banda infantil de Alagoas, a Banda Cazuadinha já conta 8 anos de história e surgiu com a proposta de redescobrir a magia das matinês infantis. O grupo ganhou notoriedade quase instantânea e circulou por diversos estados brasileiros, como Distrito Federal, Mato Grosso, Espírito Santo, Pernambuco, Sergipe, entre outros. Em 2019, a banda se apresentou no carnaval de Salvador (BA), no Circuito Barra-Ondina, ao lado da cantora Gilmelândia.

A Cazuadinha foi criada por Roberta Aureliano, que acredita que, apesar de a banda ser essencialmente infantil, todos acabam se divertindo nos shows.

Para acompanhar a Cazuadinha, basta seguir os perfis oficiais da banda. No Instagram é @BandaCazuadinhaOficial; já no YouTube, basta buscar por "Cazuadinha Oficial". Pré-save: https://onerpm.link/5579597537

Postado por Felipe Camelo

A Vida como o Sol

01.06.2021 às 23:24

Num profundo suspiro, me lembro que hoje é o 1* dia do último mês do 1ºsemestre do 2021, o que comprova o que sempre digo, repetindo Osho, “seja feliz aqui e agora”, e complemento, o daqui há pouco pode não existir. Já já, 2022. 

Quando cheguei aos 60, como eu, recentemente, percebi a velocidade com que tudo aconteceu. É incrível.  E com o alcance interplanetário dos meios de comunicação, parece que o cronômetro disparou geral. Ainda mais agora, isolado em casa há mais de ano, tempo não tem faltado, inclusive para pensar no tempo. Nesses meses todos, com milhares de pessoas morrendo mundo afora, vítimas do pandêmico Coronavírus, muitas lembranças de muita gente, conhecidas, amigos sem proximidade, outros bem chegados, parentes, e até os que não conheci, todas essas mortes tem me deixado bem triste. Me sensibilizo pelas famílias, e principalmente pelos que estão, literalmente, dando a vida para salvar outras, são os profissionais das várias áreas envolvidas na linha de frente do combate ao Covid19. 

Como jornalista, é impossível não me informar, e todos os fatos me interessam. Principalmente porque tudo é interligado. Como não me indignar, por exemplo, com a brutal ação da Polícia Militar de Pernambuco no último sábado, deixando também 2 cidadãos com tiros nos olhos. Irônica simbologia, já que cegar a população é a proposta do Estado. Num momento como esse, com a Ciência garantindo que é preciso haver distanciamento social para estancar a contaminação, é impossível dizer “eita, eu não sabia”, principalmente porque a Imprensa transmite tudo em tempo real, em todos os meios de comunicação, que são muitos, muitas mídias. Então me digam, como pode alguém participar de festas, festões e festinhas, se arriscando e pondo as vidas de muitas outras pessoas em risco e achando que está tudo bem? Fico horrorizado vendo postagens de batizados, aniversários, e outras reuniões sociais. Mesmo que só estejam os mais próximos familiares, há perigo e o risco não compensa. O custo-benefício é altíssimo, impagável. No noticiário, aglomerações de “sem-máscaras” não faltam, sejam em cidades pequenas ou em grandes capitais. É assustador o número de pessoas que negam o vírus como se fossem imunes ao contágio. 

Impossível também não comentar o péssimo desempenho do governo federal, que segue agravando as consequências do negacionismo. Como ficar calado diante da irresponsável ideia de trazer para o Brasil essa maldita copa de futebol, que vai promover inúmeras transmissões do vírus, que só reforça e confirma a macabra intenção de promover contaminação “de rebanho”, que vitima muito mais gente que os fiéis seguidores/eleitores. Mesmo que não tenha público nos jogos, terá aglomeração nas ruas, nos lugares onde haja televisão, e todos os movimentos típicos de competições esportivas. Classifico hediondo esse indiscutível crime contra a humanidade através das vidas de milhares de brasileiros. Não é hora de arriscar a vida com a desculpa de celebrá-la. As variantes do vírus são tão perigosas que  infectam até quem está se cuidando. É implacável. Os números de mortes não param de crescer, principalmente pela lenta vacinação coordenada pelo Ministério da Saúde. 

E muitas lembranças me vieram hoje quando soube do falecimento de Jovino Omena, querido da vida toda, cuja família é amiga da minha por gerações.  Educado, culto, inteligente, elegante, discreto, sempre foi. Além de ser casado com Izinha Baltar Omena, com quem tenho também laços familiares. A tristeza, ainda mais dolorosa pela impossibilidade de participar presencialmente de velórios e sepultamentos, momentos de carinho e conforto entre os enlutados. 

Na nome de Jovino e de todos que partiram, esse pôr do sol que fiz hoje, aqui da laje de casa. Ele que se põe aqui e nasce do outro lado. É o ir e vir da Vida. 

Que Jovino siga no Caminho da Luz, assim como todos os que partiram nessa pandemia. 

Postado por Felipe Camelo

Múltiplas Pautas

27.05.2021 às 17:27

Não vou pedir desculpas aos 'terraplanistas', mas como o mundo é, comprovadamente redondo, a cada volta, em cada ciclo, mudanças e atualizações. 

Já chamei atenção para esse fato em vários textos publicados, como hoje também. E nessa postagem, diversos assuntos interligados entre si. Para falar a verdade, a ideia surgiu quando encontrei no meu arquivo sempre vivo, essa foto que fiz recentemente em Porto de Pedras, cidade que é berço de minha família materna, que amo, frequento desde que nasci, e que pretendo que seja meu lar, definitivamente até meu derradeiro "suspiro". 

Outro dia, precisei ir até lá com meu irmão Fábio para resolver uns documentos no cartório, e obviamente, ir ver o casarão de nossa família, construído em 1920. Quando íamos saindo, essa cena, claaaro, me chamou atenção, por vários motivos. E tive que registrar,óbvio. E hoje, ela própria me indicou a pauta. As pautas. 

Mas voltando ao 1º parágrafo, importantes objetos perdem a validade e caem em desuso, principalmente se for equipamento tecnológico. 

Impossível não lembrar de como vivíamos na época em que surgiram os 'orelhões''. Lembro de amigas que tinham saquinhos na bolsa, só para as pesadas fichas. Esses telefones eram a salvação, principalmente para quem não parava em casa. Quando surgiram os celulares, logo pensei no que seria dos públicos, e não foi surpresa seu desaparecimento quase completo. 

Creio mesmo que tudo na vida tem que ser reaproveitado, ganhando releitura e novas funções E qual foi minha alegria com este genial reaproveitamento na função 'limpeza urbana', nesse caso, reutilizado em cima de carrinho de mão para recolher maior quantidade de lixo e folhas secas. 

Fiquei também feliz por observar que o gari estava duplamente protegido, contra a pandemia do Coronavírus, com a máscara usada corretamente, mas também contra raios solares, tão perigosos quanto o Covid19. Notei também suas alvas luvas, que imagino ser capricho da zelosa e carinhosa esposa do servidor porto-pedrense.

Sem querer, acabei pensando e comparando esse humilde trabalhador, que mesmo não tendo graduação universitária, tem consciência de que precisa mesmo se proteger de qualquer mal que possa lhe afligir, enquanto vejo aqui em Maceió, conhecidos que, mesmo diplomados, se recusam ao uso desse simples equipamento de segurança sanitária individual, que, comprovadamente, salva. Ainda hoje, indo e voltando do supermercado, vi pessoas dirigindo caríssimos carrões, com os rostos 100% descobertos.

Mas enfim, a ideia não é falar de ignorantes, mas de quem sabe o real valor da vida, que gosta do que faz e que quer fazer bem feito. Então, aplaudo também quem sabe reutilizar objetos, evitando produzir mais lixo poluente. Disso, o mundo também já está cheio. 

Ah! Não posso encerrar sem chamar atenção também para o lamentável fato de que essa pandemia está muito longe de nos deixar viver, em paz. Portanto, se puderem, fiquem em casa e se precisarem sair, máscaras o tempo todo (eu mesmo, uso 1 sobre outra), evitem contato físico mantendo distanciamento das pessoas e pratiquem empatia, se coloquem no lugar de outros, para que consigamos nos livrar desse desconhecido e mortal vírus. 

E por falar nele, confirmo minha tristeza por todas as mortes, especialmente a do icônico compositor e sambista mangueirense, Nelson Sargento, que, pelo inesgotável talento e correção na vida, merecia ser Nelson Almirante, Nelson Brigadeiro ou Nelson General. Com certeza, infinitamente melhor que esses todos que estão aí, ajudando no desmonte do Brasil. 

Postado por Felipe Camelo

Como o Sol, a Vida

25.05.2021 às 18:59
Vida que segue, como o sol

Como já escrevi, repito, não consigo me sentir feliz sabendo que muita gente vem sofrendo nesses últimos meses. Alguns por terem sido infectados pelo Coronavírus, outros por terem perdido parentes e amigos nessa pandemia, como eu, que venho sentindo as partidas de queridos, inclusive de gente quem nem conheço pessoalmente, mas, por empatia como quem vem sendo vítimas do mortal Covid19, sou solidário e compartilho a tristeza de quem vem 'perdendo' os seus. Não necessariamente por causa desse desconhecido vírus.

Confesso e me desculpo com os internautas deste portal  por não ter publicado matérias diárias, como sempre fiz. Tem dias que não consigo, ou por tristeza ou por imprevistos que me tiram do "ar". 

Nesses últimos dias, a partida do arquiteto Paulo Mendes da Rocha, arquiteto brasileiro respeitado internacionalmente. Assim como a de Eva Wilma, que me deixou bem triste. Também senti a morte de Bruno Covas, que faleceu muito jovem, vítima de câncer, assim como a protagonista de Mulheres de Areia. Sem falar nos milhares de seres humanos que não conseguiram vencer essa pandemia. 

Ontem, quando soube do falecimento de dona Aída Lins Antunes, entrei em contacto com seu filho, e amigo querido, Edgar Antunes Neto, para confirmar minha solidariedade. 

Como em 1999 estive em coma por muito tempo, incluindo parada cardíaca e tudo, minha visão da vida e da morte ganhou outro entendimento e compreensão. E disse-lhe que vejo a morte como o pôr do sol, que some de onde estamos, mas surge do outro lado, me fazendo crer que a vida não começa na maternidade nem termina no cemitério.

Impossibilitado de comparecer ao sepultamento, subi na laje daqui de casa para me sentir mais perto do Céu e de Deus, e enquanto orava, o astro-rei me proporcionava emocionante espetáculo, devidamente registrado, claro. Coincidentemente, enquanto dona Aída era sepultada, o sol se punha, aliviando minha tristeza. 

Acabei demorando para descer da laje e não postando nada ontem. 

Mas hoje, compartilho o show da despedida do sol ontem, e hoje, ele aqui, reforçando amizade e carinho com a família de dona Aída, viúva do dr. Edgar Antunes Filho, com quem foi casada por felizes 67 anos, gerando 7 filhos, 17 netos e 14 bisnetos. Especialmente com seu filho Edgar Antunes Neto, queridíssimo, casado com minha amiga Jacqueline, 1 das pessoas + doces, solidárias e gentis que tenho a honra de conviver.  Sentimentos que seus 3 filhos herdaram na genética.

Com certeza, dona Aída segue em evolução no Caminho da Luz, e que sua família, com Fé. 

Vivo na torcida para que esse ciclo do globo terrestre se conclua e que outro se inicie, pleno de amor ao próximo como amor próprio. Afinal, ninguém é alguém sem outro alguém, me fazendo ter outra certeza, é impossível ser feliz ou triste sozinho. Assim, com a forte, positiva e operante beleza do sol , desejo que empatia e solidariedade sejam os sentimentos + praticados nesse caos que aflige mundo afora. 

Amém!!!

Postado por Felipe Camelo

Em Harmonia com a Natureza...

... Somos Seres do Meio Ambiente

13.05.2021 às 18:47
Qualquer reunião, é sempre sob a craibeira, seja que motivo for...

Nesse 133º dia de 2021 no calendário gregoriano, 13 de maio é marcado como o dia em que princesa Isabel assinou a Lei Áurea em 1888, mas infelizmente, ainda vivemos num Brasil onde ainda existem pessoas que se acham melhores que outras por terem dinheiro e poder, e perpetuam relações trabalhistas análogas à escravidão. Assim, infelizmente, não há reais motivos para se celebrar a data nesse país que mantém o absurdo e imperdoável ranço escravocrata. 

Sem deixar de falar no preconceito, social e principalmente racial que segue presente nesse Brasil atrasado e em pleno retrocesso, em todos os sentidos. Mas vamos resistir e avançar, com Ordem e Progresso, sem esquecer a Paz e o Amor. 

Mas hoje, além desse histórico assunto, tenho mais dois para abordar. 

Como já publiquei aqui no blog e em outras mídias, eu e todos os outros moradores do loteamento Gurgury, em Guaxuma, estamos envolvidos numa negociação com a Prefeitura de Maceió para evitar que se construa estação elevatória de esgoto aqui entre nossas casas, especificamente numa linda e importante Área Verde que reúne diversas espécies da tão sofrida Mata Atlântica, natural habitat de muitos animais, incluindo uma solitária raposinha, sempre vista por aqui.

Com as construções de muitos  condomínios aqui no litoral norte de Maceió, tanto de casas quanto de enormes edifícios, e a duplicação da AL101Norte, animais de várias espécies têm aparecido aqui. Não são poucos os cassacos que aparecem atrás de mangas, sapotis, bananas... que cultivo aqui no jardim. Como tenho cadela naturalmente caçadora, a grande maioria deles vira presa e acabam mortas. Claro que é horrível a cena, principalmente quando são fêmeas e são mortas pela Toda, minha filha de quatro patas, e sem raça definida. 

Outras espécies também perdem seus locais de moradia e acabam assustando os moradores, como jiboias, por exemplo. Há umas 3 semanas, uma vizinha teve dois gatos devorados por uma dessas cobras, que vem vagando sem ter onde ficar. Infelizmente, essa devoradora de felinos não foi encontrada, o que provocou medo em todos por alguns dias. Outro dia, uma jiboia morreu atropelada atravessando a pista. 

Na última 3ª-feira, uma foi encontrada numa casa aqui perto da minha, mas não sabemos se era a mesma ou outra. O Batalhão Ambiental da Polícia Militar foi acionado para capturar e levar para a sede do Ibama, de onde será reintroduzida em alguma área onde viva tranquila, preservada e protegida. 

Vieram Nelo, Araújo e Anderson Góes, que se mostraram preocupados com o bem estar da jibóia, evitando aglomeração de curiosos, o que pode estressar o animal. Rapidamente, conseguiram colocar na viatura e levá-la, para a segurança e tranquilidade de todos os envolvidos, principalmente a cobra. 

Gostaria de ter postado essa captura ontem, mas ai entra minha 2ª pauta, completamente interligada com o resgate da despejada jiboia "sem lar". 

Como já postei aqui e alguns companheiros jornalistas também já publicaram matérias sobre a área verde que temos aqui no loteamento. 

Além de ser morada de aves, mamíferos, répteis... é também proteção natural contra poluição sonora e do ar, provocada pelo trânsito, que deverá aumentar com a duplicação da rodovia, naturalmente rota de muitos ônibus e  caminhões, principalmente. Mudança no projeto original da obra, avançaria sobre a área verde, destruindo-a. 

Nos mobilizamos, e o governador Renan Filho e seu secretário Mozart Amaral se mostraram sensíveis ao pedido de se preservar nossa "florestinha", ou "matinha" como carinhosamente a chamamos. É fato comprovado que, com os desmatamentos, os animais ficam perdidos pelo mundo, vagando sem terem para onde ir, onde encontrar moradia, abrigo e comida É óbvia a realidade. Claro que não somos contrários ao 'desenvolvimento' e crescimento das cidades, mas tudo tem limite. Até água demais faz mal. Concordam???

Mas voltando ao fato de que eu pretendia postar ontem a captura da enorme jibóia de uns 2 metros, não consegui, porque eu precisei ir registrar a entrega de relatório assinado pelo Engenheiro Civil e Sanitarista Cleodon de Vasconcelos Leite da Silva e pela também Engenheira Sanitarista  e Ambiental Sílvia Carla Gomes da Silva, pernambucanos contratados (e pagos com arrecadação dos moradores do Gurgury) para estudar e apontar outras opções de possíveis e adequados locais para se construir estação elevatória de esgoto fora de nosso loteamento. Fizemos cota para pagar o trabalho dos engenheiros, que passaram 2 dias aqui estudando "in loco", para apresentar robusto laudo técnico. A Prefeitura nos deu até ontem, dia 12,  para apresentarmos o estudo, o que impossibilitou edição e postagem de matéria aqui no blog. E felizmente, conseguimos cumprir o prazo.

Na comissão de moradores, Lindair Amaral, Louise Texeire, Vinicius Palmeira e eu, e como nossos interlocutores junto ao prefeito JHC, o vice Ronaldo Lessa e seu assessor Judson Cabral, e ontem, ainda tivemos a sorte de encontrar na sede da prefeitura os secretários Francisco Sales, Nemer Ibraim e Lívio Lima, que nos atenderam, Louise e eu, que precisamos voltar lá para entregar o protocolo do processo,. e os encontramos. 

Explicamos em detalhes, que todos os moradores do loteamento não somos contra obras de saneamento, mas radicalmente contrários ao desmatamento da área verde para a construção da obra que, com certeza, compromete nossa qualidade de vida, principal motivo para morarmos aqui, garantindo tranquilo e harmonioso estilo de vida, em pleno convívio com a natureza. 

Já havia escurecido quando saímos da prefeitura, em Jaraguá, mas felizes e confiantes de que, com a ajuda do Sales, Ibrahim, Lívio, Ronaldo e Judson, o prefeitos se mostrará sensível e concordará em construir  essa "bendita" estação elevatória de esgoto fora da Área Verde, conforme a necessidade e vontade da comunidade. 

Claro que não posso deixar de citar e agradecer a boa vontade, entendimento, visão e apoio do dr. Carlos Eduardo Monteiro, ativo Defensor Público, cuja força tem sido fundamental. 

Mas enfim, estamos muito confiantes de que nossa Área Verde será preservada e que a Prefeitura de Maceió concluirá as obras de saneamento do litoral norte, sem comprometer nosso bem maior, nosso maior e melhor investimento, o estilo de vida que queremos, precisamos e merecemos. 

Assim, nesse post de hoje, misturo a jiboia capturada e salva, e os registros que fiz ontem na prefeitura, com nossos interlocutores com o prefeito JHC, aqui acima citados, confirmando gratidão, em meu nome e de todos os moradores do loteamento Gurgury, que seguimos felizes. 

E com certeza, os animais também. 

Ah! Regularmente, recolhemos o lixo que é jogado na rodovia e que se acumula na área verde, onde criamos trilha para passeios e contemplação da natureza, cujas árvores, como craibeira e pau-brasil, serão identificadas por placas que estão sendo criadas pela publicitária Paula Amaral, da Agência de Conteúdo Estúdio Coletivo. Aproveito para reforçar o convite para que maceioenses possam conhecer a Área Verde do Gurgury/Guaxuma. Afinal, além de nossa, é também vossa

Postado por Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

 Jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]