Dólar com. 5,366
IBovespa -1,18
20 de setembro de 2020
min. 23º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Caixa: 770 agências estão abertas hoje até 12h

Blogs

Verde é Vida

16.07.2020 às 17:52
Fotos: Reprodução

Antigamente, não existia consciência da importância de se preservar o Meio Ambiente para preservar Vidas, inclusive humanas.

Tanto que expressões populares que faziam parte do vocabulário não podem nem devem + serem ditas, muito menos repetidas. Como “atrás de todo homem, 1 mulher”, por exemplo. Mulheres e homens estão lada a lado.

Outro absurdo que deve ser definitivamente abolido, “não presta, joga no mato”. Mas de jeito algum. + que crime contra a Natureza, é contra a Humanidade. Mato não é lixeira, e esta de “joga fora”, não tem fora, só tem dentro, no planeta. Já sabemos que, o que não presta, deve ser transformado e reaproveitado. No mato, só bicho. Solto, vivo, procriando, para assim, preservar a Vida.

Estamos vivendo triste momento no Brasil, com crimes ambientais de varias naturezas (sic!) sendo explicitamente praticados, escandalizando. E só se pode parar estes absurdos que vão, fatalmente, vitimar a população, com movimentos de união e inclusão. Esta “conta” é de todos nós. E nesta luta, não existe “indiretamente” envolvido, afinal, todos seremos afetados, consequentemente, diretamente.

Como agora, aqui no loteamento onde moro, o Gurgury, em Guaxuma. Claro que temos consciência da necessidade de ampliação da AL101Norte, mas fomos surpreendidos com a súbita informação sobre alteração no novo traçado do trecho 3, projeto apresentado em audiência pública realizada em 2016, e que vai afetar drasticamente a área verde que insistimos em preservar, inclusive por todas as espécies de animais que aqui habitam. Pau-Brasil e Craibeiras foram plantadas pelos moradores, entre árvores de diversos portes.

Assim, preocupados em manter esta área verde o menos afetada possível, moradores entregaram minuta aos secretários Mauricio Quintella e Mozart Amaral, com informações e sugestões, tentando evitar ou minimizar o problema. E na manhã deste dia 16, se reuniram com engenheiros da obra, que vieram fazer demarcações e explicar as citadas alterações. Nosso movimento é para ajudar num consenso e chegarmos ao entendimento de adequar a construção do muro que será construído para conter o aterro em função do desnível entre a rodovia e a rua ‘interna’, no Gurgury. Esta rua  Xavier de Araújo perderá, praticamente a metade de sua largura, passando a ser via de mão única, dificultando o fluxo dos moradores, que a utilizam também como área de laser e integração social.

Nesta reunião hoje de manhã, os engenheiros não souberam responder porque não houve nova audiência pública para apresentar estas drásticas alterações no projeto original. E deram a entender que não há possibilidade de qualquer nova alteração, esgotando qualquer diálogo.

Como cidadãos, merecemos atenção e respeito, principalmente se qualquer ação afeta nossas vidas. E agora, o que podemos fazer para manter este minúsculo pedaço de Mata Atlântica no Litoral Norte de Maceió??? É reforçar pedidos e solicitações oficiais, propondo conversas e entendimentos para se chegar ao “Bom pra ambas as partes”. Sigamos preservado o Verde e a Vida!!!

Postado por Felipe Camelo

Vivendo Sem “Chão”

15.07.2020 às 19:05
Fotos: Roberto Nobre/ reprodução

Entre meus amigos, Roberto Nobre é professor aposentado, e veio morar em Guaxuma há algumas semanas. Mas com a pandemia, assim como todos, só nos comunicamos pelo celular.

Hoje, Beto precisou sair, e no roteiro, acabou passando pelo Pinheiro. Como ele não passava por lá desde que começou o problema no solo do bairro, sua reação foi de incredulidade. Não foi surpresa porque matérias na Imprensa estão sempre atualizando o que acontece por lá. Mas o impacto presencial foi de prender o fôlego. Quarteirões vazios, nenhum ser humano, nem animais, carros estacionados nas ruas... nada. Literalmente 1 bairro fantasmagórico.

Padarias, lojas, lanchonetes, casas, edifícios dos + variados tamanhos, de 3 ou 4 andares, e prédios com uns 10 pavimentos, tudo, ele disse tudo, abandonado. E o pior, confirmando ganância e maldade, todas as construções destruídas. Invadiram e só deixaram as estruturas de concreto. Levaram portões, portas, janelas, grades, registros de energia e água, cabos e fios. Roberto foi dirigindo devagar, observando as ruas vazias, sem acreditar.

Temos amigos e conhecidos que moravam naquela área, ou suas respectivas famílias, e enquanto percorria o bairro, foi pensando em quem morava ali a vida toda, e vítimas deste trágico absurdo, tiveram que deixar seus imóveis e grande parte de suas histórias. Terríveis as consequências. Milhares de vidas literalmente abaladas, muito além das rachaduras nos imóveis. O emocional, dificilmente será recuperado plenamente, afinal, é inimaginável a sensação de deixar o lar e se aventurar sem saber do presente, muito menos do futuro.

Roberto é daqueles que registra tudo, fotografa sempre, mas me disse que, tão perplexo com o estado daquele bairro até então tão cheio de vida, que só observou que não havia feito 1 única fotografia quando já estava próximo do shopping Farol. Então, dali mesmo, fez estas 3 imagens e compartilhou.

E assim, naturalmente, surgiu esta pauta de hoje. Confesso suspirar profundo escrevendo este texto, tentando imaginar o sofrimento de todas as famílias removidas de suas casas, certas de que a vida não será + a mesma. Fatalmente!!!

Se mudanças voluntárias e programadas são trabalhosas e provocam ansiedade e insegurança, sair assim, “da noite pr’o dia”, correndo sérios riscos, ninguém merece.

Devidamente autorizado para publicar sua experiência e fotos, agradeço ao amigo Beto por compartilhar sua emoção com os internautas deste Portal.

Sigo na esperança para que todos os que tiveram suas vidas “sequestradas”, recebam seus devidos direitos, torcendo pela merecida tranquilidade.

Postado por Felipe Camelo

+ Livros, - Armas

14.07.2020 às 16:28
Imagens: Reprodução

 Incrível, coração acelera quando penso no que está acontecendo no Brasil sobre armar a população.

Nunca, tantos pedidos de registros de armas, e o problema é muito maior, já que muitas artimanhas “legais” (projetos de lei e decretos presidenciais) estão em andamento para facilitar a compra, a posse e o porte. Já aumentaram muito a capacidade de tiros, podendo sair por ai, com 1 fuzil, por exemplo. Como se fosse natural, circular com armas com este poder de fogo. Também foi liberada a compra de + munições, de todos os calibres. Números que assustam.

Para dificultar o controle, monitoramento e rastreamento, o governo federal quer acabar com a obrigatoriedade de armas e munições terem números de registro, informações fundamentais para se elucidar e esclarecer assassinatos. E poder rastrear este arsenal.

Com os ânimos exaltados por ideologia política, qualquer desavença iria fatalmente, terminar em tiros e mortes. E por falar em acirrados, a violência praticada por policiais militares, que vem aterrorizando, com agressões cada vez + violentas, vitimando cidadãos, esta liberação geral, armando a população só iria piorar a realidade. Viveríamos verdadeira guerra civil. Qualquer desavença entre vizinhos, ou no trânsito, seria ainda + violenta.

Minha preocupação, e quase certeza, é com o destino destas armas que, muito facilmente, acabariam nas mãos de criminosos. Como já acontece, com armas, inclusive do exército, indo armar a bandidagem, as milícias. Bandidos e milicianos seriam os principais beneficiados com esta bélica política. O modo de operação das milícias em algumas comunidades, seria ampliado. E cidades viveriam sob 1 espécie de poder paralelo, imperando a lei da bandidagem, que não permite contestação.

Outra grave consequência. Num país com tantos crimes de feminicídio, principalmente neste tempo de confinamento, agressões contra mulheres teriam ainda maiores os números de vítimas fatais.

Não esqueço também que, pelos preços, tanto dos equipamentos e dos documentos de legalização não seriam acessíveis aos cidadãos ‘comuns’ , e com o poder financeiro destas quadrilhas milicianas, seu poder de destruição não teria limites.

Entre as explícitas características desde governo federal, sua ligação estreita e cotidiana com estes matadores de aluguel, que extorquem a população, promovendo terror, é escancarada. Como é público e notório, muitas manobras estão em andamento para tornar oficialmente legal esta ampla e sinistra prática de exacerbar a masculinidade com armas.

Há poucos dias foram divulgados os resultados de pesquisas de opinião, produzidos por 2 dos + importantes e sérios institutos, e ambos os estudos comprovam que a maioria dos brasileiros não quer a população armada.

Basta acompanhar matérias publicadas pela Imprensa, este “liberou geral” só agravaria ainda + esta realidade. Com certeza, a população não seria beneficiada, favorecendo as ações de criminosos.

Confesso que desejo que esta flexibilidade do comércio de armas no Brasil seja barrada, que não aconteça, tanto que procurei escrever os verbos no “futuro do pretérito do indicativo”, me dando a sensação de que não será, e sim seria.

Nos estados dos Estados Unidos, onde o comércio bélico é + rígido, o número de assassinatos é muito menos que nos demais, onde qualquer criança cresce com total acesso aos rifles, revólveres...

Acredito que sem educação e cultura, e com o acesso livre às armas, o futuro do Brasil e dos brasileiros estaria completando comprometido. Sou do “menos armas e + livros”.

Postado por Felipe Camelo

Muito + que 1 disco de farinha com água

10.07.2020 às 19:41
Fotos acervo pessoal - reproduções

A danada é tão gostosa d+ que todos querem ser os criadores. Motivos tem, afinal, é desejada nos 4 cantos do mundo.

Ops! Vai parecer que sou terraplanista e que a terra tem cantos. Não, comprovadamente, nosso planeta é redondo, mas enfim, em qualquer lugar, todos amam pizza. É o prato favorito de idosos, adultos, jovens, principalmente das crianças. Mas enfim, há informações de que os egípcios foram os 1*s a misturar farinha e água. Gregos também reivindicam a invenção, mas o ‘disco de farinha’ com cobertura de queijo e iguarias ganhou o mundo quando chegou na Itália. Tanto que muita gente acha que ela é 1 prato tipicamente italiano.

Claro que chegou aqui no Brasil com os imigrantes e rapidinho, tornou-se queridinha. Foi aqui que ganhou muitas versões, numa infinita profusão de sabores, os + diversos, algumas exóticas. O certo é que todos adoramos. Tanto que ela ganhou 1 dia só dela. Hoje, 10 de junho, é celebrado o Dia Nacional da Pizza, e como tal, bastante comemorada.

Com esta “covídica” pandemia, não será possível reunir amores, famílias e amigos para incontáveis rodadas de pizza, mas, com criatividade, é possível.

Confesso que não consigo dissociar esta deliciosa e prática iguaria da Santorégano, inaugurada em Riacho Doce em 2006, e em 2 anos, já estava participando da Copa Brasileira de Pizzarias, quando apresentou a “Fresco Picante”, com berinjela curtida, pimentões coloridos, azeitonas, cebola, pimenta e outros temperos + folhas de rúcula e lascas de parmesão. Se classificou na etapa Nordeste e ficou com o 7º lugar na etapa Nacional, em SP. Em 2009, a charmosa pizzaria do Litoral Norte foi escolhida a “Melhor Pizzaria de Maceió” pela revista Veja.

Os anfitriões Anand Niyati & Almir Sakagami

Nestes quase 15 anos, mantém fidelidade de amigos e clientes não só pelos sabores mas também pelo ambiente  e serviço. Obviamente, nesta pandemia, adaptaram-se, com entrega em casa e com a opção pegue-leve. E a novidade, desde o último dia 4, seu estacionamento se transformou no 1º ‘cinema drive-in’ da cidade, numa parceria com o Arte Pajuçara, com as delicias do cardápio servidas nos 20 carros que recebe por sessão.

Escrevendo, salivando e pensando, quando bandalheiras políticas não são descobertas e seus autores punidos, disse-se “Acabou em Pizza”. Acho injusto. Acabar em pizza deveria ser celebração, quando tudo deu certo. Portanto, esta expressão deve ser dita num outro contexto. Concordam???

Postado por Felipe Camelo

Qual mata +???

09.07.2020 às 18:14
Imagens: Reprodução

Claro que o presidente da República e o Coronavírus são os assuntos + comentados nos últimos meses.

E não deixarão de ser nestes próximos. Polêmicas não faltam, principalmente pela política negacionista, tentando diminuir a gravidade da pandemia que vem provocando sofrimento e mortes mundo afora. Muitas mortes. E, infelizmente, depois dos Estados Unidos, somos o país com + vítimas. Pela comportamento das pessoas, promovendo festas enquanto muitos profissionais de Saúde, e demais envolvidos no combate ao vírus, arriscam suas vidas e de seus familiares na batalha contra o vírus, trabalho este que acaba vitimando muitos enfermeiros, médicos, condutores de ambulância...

Igualmente irresponsável e imperdoável a pressão em reabrir o comércio e as indústrias, arriscando seus trabalhadores, principalmente nos transportes coletivos, comprovadamente impossível manter o controle e o distanciamento em ônibus, trens e metrô. Seguindo o comportamento do presidente, muita gente se recusa a usar máscara, ele inclusive diz que é “coisa de viado”.

Estes ignorantes não estão arriscando somente as suas vidas mas a de muita gente, num comportamento egoísta e criminoso, provocando superlotação nos ambulatórios e hospitais, prejudicando, inclusive, pacientes com outras enfermidades. Na recente abertura de shopping e bares, principalmente, o que se viu foi inconsequente aglomeração de pessoas sem nenhum equipamento de proteção individual, e ao serem abordadas por fiscais da vigilância de saúde pública, agridem, literalmente. E ainda confirmam que seguem o exemplo “do meu presidente”.

E voltando ao próprio, creio que ele se infectou no começo da pandemia, mas não assumiu, tanto que se negou a divulgar os resultados de seus exames. E 1 pergunta que não quer calar: porque assumiu agora estar infectado?

Creio que foi pra justificar a produção de cloroquina pelo exército, por ordem sua, remédio comprovadamente ineficaz para este Covid-19 e com fatais efeitos colaterais, comprometendo a saúde cardíaca da população. Estes dias, 1 jovem de 17 anos, faleceu por ser “tratada” com cloroquina. Ele tem feitos diariamente 2 exames cardiológicos sem pagar nada por isso, claro, deixando a população que segue seus devaneios sem a mesma facilidade de ter cardiologistas ao dispor. Acredito que ele foi contaminado quando voltou dos Estados Unidos, e com seu irresponsável comportamento, deve ter infectado muitos.

Com a prisão de Fabricio Queiroz, e o depoimento de seu 01 no caso de roubo na Assembleia do Rio de Janeiro, este anúncio de sua contaminação diminuiu o destaque de seu filho depondo ao Ministério Público. Não acredito que o presidente tenha sido infectado agora, como disse. Tudo não passou de manobra para enganar o povo e a Imprensa. Bem ao seu estilo. Até a cena dele tomando o comprimido de cloroquina foi armação, assim como a tal facada que até hoje, não acredito ter sido real.

Só acho que a verdade prevalecerá, tudo será devidamente esclarecido e os culpados terão as merecidas punições.

O que me deixa + incrédulo é o fato de ainda ter quem acredite e apoie este desgoverno que só age em causa própria, focado em seus próprios interesses. Mas, quem puder, siga em isolamento, se protegendo e aos outros.

E nada de cloroquina, é tão letal quanto o Coronavírus e o próprio presidente. Que não demore, consigamos nos livrar deles todos. Literalmente, para sempre, amém!!!

Postado por Felipe Camelo

Mortal ignorância

08.07.2020 às 17:07
Felipe Camelo

Enquanto musgos e fungos crescem aqui no jardim, penso na Vida.

Desde pequeno, sempre fui muito observador, e curioso. Assim, nunca deixei de ler, ou de perguntar. O que eu não queria era ficar sem saber. Fosse o que fosse, qualquer assunto, qualquer tema, eu desejava me informar. E formar minha própria opinião. Não saber nunca foi vergonha pra mim, o que nunca quis foi seguir sem conhecimento.

Consequentemente, sou de pensar, nos detalhes, e eles logo me chamam atenção, principalmente quando o fato é óbvio. Só ligo os “pontos” e concluo  o entendimento.

Algumas vezes a conclusão é tão explícita que não é preciso ficar “remoendo” o assunto. Como agora, nesta pandemia que provoca tanto sofrimento e tantas mortes mundo afora. Principalmente no Brasil.

Assustadoramente, este Coronavírus é desconhecido, não há remédio nem vacina, e para combater, 2 certezas, o isolamento social e o uso de máscara são fundamentais, imprescindíveis. Com tecnologia, e acesso às informações, amplamente divulgadas em todos os Meios de Comunicação e Internet, não dá pra usar a desculpa “eu não sabia”. Então, com o mínimo de inteligência, instinto de sobrevivência, amor próprio e ao próximo, é para se ter certeza, não há outra opção. Comprovadamente, só assim para evitar contaminação.

E com o confinamento desde março, os dados oficiais não deixam dúvida, ainda estamos, infelizmente, muito longe de conseguirmos controlar este mortal Covid-19. Com certeza, se não tivéssemos ficado em casa, os números seriam ainda piores. Claro que a economia parou, prejudicando todos, indistintamente. Dos grandes aos pequenos, todos se abalaram. É clara também a pressão que gestores públicos vem recebendo para flexibilizar o fechamento do comércio.

Movidos pela necessidade de manter os negócios, e grande dose de ganância, estes que insistem em reabrir todos os seguimentos, não entendem que os riscos são enormes, já que é igualmente enorme o número de pessoas que também negam a pandemia, e se recusam a seguir as recomendações médicas e sanitárias, nacionais e internacionais. Será muito + seguro se aguentarmos + algum tempo, e realmente diminuir o número de contaminações.

Em todos os lugares que já tentaram reativar a antiga “vida normal”, o número de infectados e mortos aumentou, e novo confinamento está sendo necessário. Esta prematura reabertura é absurdamente irresponsável. Foram meses mantendo todo mundo em casa, e não adiantou nada, já que, por ignorância e ganância, todo o esforço está sendo inutilizado. Absurdas as imagens de gente se aglomerando para entrar em shopping, banco... como na última 5ª feira no Rio de Janeiro, com a reabertura de bares, que ficaram lotados, sem distanciamento algum, e poucas pessoas usando máscara. E são incríveis os vídeos postados, celebrando bebedeiras e farras. Igualmente criminosas as festas que acontecem Brasil afora, promovidas inclusive por políticos. Enquanto muitos envolvidos no combate ao vírus se privam de vida própria pra salvar os doentes, estes imbecis ficam provocando + contaminações, além de agredir fisicamente quem protesta contra estas criminosas e insanas atitudes.

E me choca tremendamente as agressões que vitimam os que estão trabalhando para evitar este suicida comportamento de se aglomerar sem nenhuma proteção individual.

Hediondo o caso de 1 médica que ficou num plantão de + de 48 horas e precisava descansar e dormir para no dia seguinte voltar ao hospital, e não conseguia por causa de 1 “balada” numa casa vizinha ao seu apartamento. Desesperada, perdeu o controle e acabou quebrando os vidros do carro de 1 dos que estavam na festa. Resultado, foi agredida por vários homens e com fratura e muitos machucados, vai ficar 3 meses sem poder trabalhar. E se não trabalha, não recebe pagamento.

Outro recente e lamentável caso, muito repercutido, o casal que foi abordar 1 fiscal da vigilância sanitária do Rio de Janeiro, quando a arrogante e ignorante mulher não gostou quando o fiscal se dirigiu ao seu marido como “cidadão”. Ela achou a expressão pejorativa e fez questão de frisar “cidadão não, engenheiro civil, formado, muito melhor que você”. Mas sabe ela que o fiscal é médico veterinário com Doutorado, e nem por isso, ele se gabou do título. Ora!!! Não existe profissão melhor que outra. Por exemplo, sem os faxineiros, o trabalho dos médicos não poderia ser realizado.

A vida é 1 corrente, e todos precisamos de todos, sem essa de se achar melhor ou pior. É, literalmente, atestado de ignorância, classificar a importância de qualquer função por seu ‘status’ social. É no mínimo, ridículo, cafona.

Então, acredito que, para sermos bem sucedidos nesta batalha contra o Coronavírus, precisamos manter o isolamento social e utilizar equipamentos de proteção individual, como as máscaras e a higienização pessoal. Sem estes básicos cuidados, nenhum esforço terá valido. Concordam???  Outro assunto que tem total destaque desde ontem é o resultado positivo no exame do presidente da República. Mas este, já é assunto para a postagem de amanhã. E repito, se puder, fique em casa, e se precisar realmente sair, use máscara o tempo todo. Por você e por todos.

A Vida agradece!!!

Postado por Felipe Camelo

Letras da Vida

06.07.2020 às 21:41
Estadão/Reprodução

Tempo voa mesmo. Cada vez + rápido. No começo dos anos 1980, transferi Jornalismo pra Faculdade da Cidade, no Rio de Janeiro, época em que a música popular brasileira ganhava reforço com a chegada de jovens talentos que logo mostraram qualidade e já chegaram fazendo sucesso, não só movimentando a noite carioca, mas rapidinho ganharam o Brasil.

Entre estes novos feras, Cazuza, claro, não só pelo carisma, ou performance, mas principalmente por suas letras, incrivelmente sentidas e profundas, corajosas, ousadas. Como ele. Não eram só gostosas de ouvir, mas nos faziam pensar. E concordar. Lembro muito bem de vários shows, alguns que terminaram em festas em casas de amigos em comum, ou nos bares do Baixos Leblon. Inesquecíveis.

Sua obra confirma o que sempre digo, é eterno quando é incrível e não quando dura a vida toda.

Como Lady Di, Elis Regina, River Phoenix, Leila Diniz, Amy Winehouse, Jimi Hendrix, Vera Arruda, Jim Morrison, Kurt Cobain, Cazuza marcou época, fez história e partiu. A dor foi profundamente sentida, e lá se vão 30 anos. Confesso que ele é bem vivo na minha memória. Diante de tantos e graves absurdos praticados no Brasil, demonstrando ganância, egoísmo, ignorância e cafonice me pego imaginando as reações que ele teria e traduziria em músicas. Lembro com detalhes de seu último show, já bem debilitado, mas sempre poético e ousado, quando baixou a calça e botou a bunda na cara do mundo.

Esta não seria minha pauta de hoje, até já estava escrevendo outra, mas lembrei de Cazuza e resolvi prestar esta homenagem. E afirmo sem medo de parecer exagerado (ops!), ele é 1 dos compositores que + me fizeram pensar com suas letras. E emocionar. Então, nesta postagem, pensei em reproduzir aqui 3 de suas icônicas poesias, que falavam do Brasil e dos brasileiros como se estivesse antevendo e prevendo o futuro que agora é presente.

Assim, minha reverência ao irreverente Agenor de Miranda Araújo Neto, + conhecido como Cazuza, que fez História. E marcou muitas, inclusive a minha.

O tempo não pára

“Disparo contra o Sol

Sou forte, sou por acaso

Minha metralhadora cheia de mágoas

Eu sou um cara

Cansado de correr

Na direção contrária

Sem pódio de chegada ou beijo de namorada

Eu sou mais um cara

Mas, se você achar

Que eu tô derrotado

Saiba que ainda estão rolando os dados

Porque o tempo, o tempo não para

Dias sim, dias não

Eu vou sobrevivendo sem um arranhão

Da caridade de quem me detesta

A tua piscina tá cheia de ratos

Tuas ideias não correspondem aos fatos

O tempo não para

Eu vejo o futuro repetir o passado

Eu vejo um museu de grandes novidades

O tempo não para

Não para, não, não para

Eu não tenho data pra comemorar

Às vezes os meus dias são de par em par

Procurando agulha num palheiro

Nas noites de frio é melhor nem nascer

Nas de calor, se escolhe: É matar ou morrer

E assim nos tornamos brasileiros

Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro

Transformam o país inteiro num puteiro

Pois assim se ganha mais dinheiro

A tua piscina tá cheia de ratos

Tuas ideias não correspondem aos fatos

O tempo não para

Eu vejo o futuro repetir o passado

Eu vejo um museu de grandes novidades

O tempo não para

Não para, não, não para

Dias sim, dias não

Eu vou sobrevivendo sem um arranhão

Da caridade de quem me detesta

A tua piscina tá cheia de ratos

Tuas ideias não correspondem aos fatos

Não, o tempo não para

Eu vejo o futuro repetir o passado

Eu vejo um museu de grandes novidades

O tempo não para

Não para, não, não, não não para”.

Cazuza e Arnaldo Brandão


Todo o Amor Que Houver Nessa Vida

“Eu quero a sorte de um amor tranquilo

Com sabor de fruta mordida

Nós na batida, no embalo da rede

Matando a sede na saliva

Ser teu pão, ser tua comida

Todo amor que houver nesta vida

E algum trocado pra dar garantia

E ser artista no nosso convívio

Pelo inferno e céu de todo dia

Pra poesia que a gente não vive

Transformar o tédio em melodia

Ser teu pão, ser tua comida

Todo amor que houver nesta vida

E algum veneno anti-monotonia

E se eu achar a tua fonte escondida

Te alcanço em cheio, o mel e a ferida

E o corpo inteiro como um furacão

Boca, nuca, mão e a tua mente não

Ser teu pão, ser tua comida

Todo amor que houver nesta vida

E algum remédio que me dê alegria”.

Cazuza e Frejat


Brasil

“Não me convidaram

Pra esta festa pobre

Que os homens armaram

Pra me convencer

A pagar sem ver

Toda essa droga

Que já vem malhada

Antes de eu nascer

Não me ofereceram

Nem um cigarro

Fiquei na porta

Estacionando os carros

Não me elegeram

Chefe de nada

O meu cartão de crédito

É uma navalha

Brasil!

Mostra tua cara

Quero ver quem paga

Pra gente ficar assim

Brasil!

Qual é o teu negócio?

O nome do teu sócio?

Confia em mim

Não me convidaram

Pra essa festa pobre

Que os homens armaram

Pra me convencer

A pagar sem ver

Toda essa droga

Que já vem malhada

Antes de eu nascer

Não me sortearam

A garota do Fantástico

Não me subornaram

Será que é o meu fim?

Ver TV a cores

Na taba de um índio

Programada

Pra só dizer: Sim, sim

Brasil!

Mostra a tua cara

Quero ver quem paga

Pra gente ficar assim

Brasil!

Qual é o teu negócio?

O nome do teu sócio?

Confia em mim

Grande pátria

Desimportante

Em nenhum instante

Eu vou te trair

Não, não vou te trair

Brasil!

Mostra a tua cara

Quero ver quem paga

Pra gente ficar assim

Brasil!

Qual é o teu negócio?

O nome do teu sócio?

Confia em mim

Brasil!

Mostra a tua cara

Quero ver quem paga

Pra gente ficar assim

Brasil!

Qual é o teu negócio?

O nome do teu sócio?

Confia em mim

Confia em mim

Brasil!”.

Cazuza / George Israel / Nilo Romero


“Blues da Piedade”

Agora eu vou cantar pros miseráveis

Que vagam pelo mundo derrotados

Pra essas sementes mal plantadas

Que já nascem com cara de abortadas

Pras pessoas de alma bem pequena

Remoendo pequenos problemas

Querendo sempre aquilo que não têm

Pra quem vê a luz

Mas não ilumina suas minicertezas

Vive contando dinheiro

E não muda quando é lua cheia

Pra quem não sabe amar

Fica esperando

Alguém que caiba no seu sonho

Como varizes que vão aumentando

Como insetos em volta da lâmpada

Vamos pedir piedade

Senhor, piedade

Pra essa gente careta e covarde

Vamos pedir piedade

Senhor, piedade

Dê lhes grandeza e um pouco de coragem

Quero cantar só para as pessoas fracas

Que tão no mundo e perderam a viagem

Quero cantar o blues

Com o pastor e o bumbo na praça

Vamos pedir piedade

Pois há um incêndio sob a chuva rala

Somos iguais em desgraça

Vamos cantar o blues da piedade

Vamos pedir piedade

Senhor, piedade

Pra essa gente careta e covarde

Vamos pedir piedade

Senhor, piedade

Dê lhes grandeza e um pouco de coragem”.

Cazuza e Frejat

Postado por Felipe Camelo

- [ ] Pensando e Repensando

02.07.2020 às 19:04
Felipe Camelo

Obviamente, muita coisa mudando no mundo e consequentemente, na minha vida nestes 2 últimos anos. Me parece que o globo está acelerado e deu + que 2 voltas.

Durante uns 20 anos editei coluna social em jornais impressos e revistas, além do trabalho ‘on line’ no blog. Detalhe, editando notas, tinha que dar todas as informações em pouco espaço, em poucas linhas. O que, quem, onde, quando, como... não pode faltar nada. Mas em poucas linhas, pouco espaço, eu ficava procurando sinônimos com menos letras, pra caber tudo, ia “enxugando” as notícias, dava muito trabalho. Quem lia não fazia ideia do trabalhão.

Com o isolamento provocado pelo Coronavírus, tempo inclusive pra pensar na vida e repensa-la. Eventos e festas movimentavam a agenda e as publicações, mas o seguimento paralisou as atividades antes de todos os outros. Nestes últimos meses, tenho a impressão que estamos vivendo 1 época na qual em todos os sentimentos estão + aflorados até então.

Como sempre fui muito observador, tudo e todos me interessam, principalmente o comportamento das pessoas, atitudes e pensamentos. E obviamente vou reagindo ao que vou lendo, vendo, ouvindo, pesquisando, perguntando, e vou assim, formando minha própria opinião.

Consequentemente tenho escrito muito, e neste repensar num novo formato de trabalho jornalístico, venho publicando aqui no blog meus comentários sobre o que + me toca. Muita coisa bacana, mas muita coisa barra pesada também.

Confesso que 1 informação vai se ligando em outras, provocando novos pensamentos e opiniões. Vou deixando o texto fluir, e quando sinto que está concluído, finalizo. Não estou fazendo diário de quarentena, só estou vivendo e observando a vida. E escrevendo. Infelizmente, algumas atitudes preconceituosas e violentas me aceleram o coração e, por instantes, descrer dos bons sentimentos humanos.

Mas este, é assunto de outra postagem. Sigo aqui cabeludo e barbudo, deixando 1 novo homem surgir desta pandemia, num outro formato, mas com a mesma essência. #estouemcasa #fiqueemcasa #usemáscara #égrave #vaipassar

Postado por Felipe Camelo

Novo Tempo Novo

01.07.2020 às 19:21
Felipe Camelo

Duração relativa das coisas que cria no ser humano a ideia de presente, passado e futuro”; “período contínuo no qual os eventos se sucedem." ; “determinado período considerado em relação aos acontecimentos nele ocorridos; época”. Procurei e encontrei estas definições de tempo num dicionário.

No momento em que vivemos, o tempo vai além do mundo cronológico.

Contrariando alguns, a terra é comprovadamente redonda, e a cada volta, ciclos se encerram e novos se iniciam. Com o circular dos cronômetros e relógios, e a acelerada que a vida provoca, tenho a impressão que o tempo está + curto, e + acelerado.

Confirmando esta sensação, com a tecnologia controlando o ritmo, parece que não teremos tempo para fazer tudo que “precisamos”, ou achamos que precisamos. Sempre tive a impressão de estar atrasado, por + que acelerasse. Tanto que mantinha 10 minutos adiantado no relógio, me dando certa folga e evitar chegar depois da hora marcada.

Eternamente cheio de compromissos, já cheguei ao recorde de 6 eventos numa mesma noite. Consegui, mas detestei e combinei comigo mesmo que não repetiria. Desde que deixei o jornalismo impresso e diário que tenho procurado ditar meu ritmo, eu mo controle do meu tempo. A 1a providência foi aposentar os relógios de pulso. E se precisar, tenho no celular.

Numa época em que consegui participar de grupo de biodança e meditação, li Osho, que chamava atenção para a respiração consciente e viver focado no ‘aqui e agora’, ensinamentos que sigo até hoje.  E assim vinha fazendo, até que em março ultimo, a vida deu 1 girada de 360 graus, com o aparecimento do Coronavírus numa mundial pandemia.

Doença desconhecida, sem remédios, vacinas ou tratamentos, e absurdamente rápida e contagiosa, a solução é o isolamento social, como única maneira de evitar + contaminações e mortes. Claro que máscaras funcionam como precaução, mas o seguro mesmo é ficar em casa, os que podem, claro. Quem trabalha com saúde e em setores de infraestrutura, é usar corretamente equipamentos de proteção individual e se cuidar.

Eu, 100% confinado em casa, com muito tempo pra pensar na vida, estava observando que hoje, entramos no 7* mês de 2020, mas com a impressão de que a o réveillon foi “outro dia”. Entramos neste 1* de julho, o 2* semestre, a 2a metade do ano.

Tava pensando, com a velocidade do cotidiano e a ocupação desenfreada do planeta, estávamos vivendo sem observar nosso comportamento e a vida que vivemos. Com o Meio Ambiente tão agredido e maltratado, nestes 3 meses com todos e tudo em outro ritmo, a Natureza vem se recuperando, apesar de ainda estar descontrolada. As constantes queimadas de florestas seguem destruindo e comprometendo a qualidade da vida. Ontem, fiquei horrorizado com o absurdo vendaval que passou ontem por vários estados do sul e sudeste.

Claro que fenômenos naturais existem, mas muitos são consequência das ações humanas (sic!). Neste momento em que devemos, e precisamos ficar em casa, vamos aproveitar pra pensar e repensar em como estamos nos comportando com nosso ambiente, incluindo fauna e flora e principalmente com os seres humanos. Egoísmo, ganância, avareza, soberba, preconceitos... não pode nem devem continuar como atitudes e sentimentos característicos da raça dita humana, inteligente, racional.

O que tenho visto é desolador, a grande maioria das pessoas só se preocupam consigo mesmas, e com os seus. A preocupação em acumular poder e riqueza é a maior das “pobrezas”. Lembrei de 1 pensamento meu, digo que ninguém é alguém sem outro alguém. É impossível ser feliz sozinho, nem triste. Pra mim, só é possível me sentir bem, se este bem for coletivo, compartilhado, como pão deve ser. Confesso que fico feliz quando vejo postagens de jantares maravilhosos, almoços caríssimos, num esnobe fausto, em + exemplos de ostentação. Tão ou + importante que ter, é aparentar, mostrar. Sinto tristeza e vergonha profundas.

Aproveito que estou confessando pensamentos pra confirmar que acho muito cafona não se preocupar com a coletividade, se achar melhor que os outros por ter muitos sobrenomes ou muitos dígitos no banco. O tempo passando, e tem quem se sinta feliz, sozinho, como se morasse numa redoma climatizada, com caríssimos móveis.

Este tempo passou, vamos nos antenar pra este novo momento, tempo de tratar bem, indistintamente. Não é tempo de exibir bens materiais, promover festas em plena pandemia, arriscando muitas vidas. É tempo de multiplicar gentilezas, com todos os seres vivos. Comprovadamente precisamos de todas as formas de vida, para que a Existência seja generosa com todos. Amplamente. É tempo de sermos conscientes em tudo que fazemos. Não dá para viver no “piloto automático”. É tempo de focar, ter atenção a nós mesmos e, principalmente, aos outros.

Precisamos usar o tempo a nosso favor, para não sermos suas vítimas. Nossas próprias vítimas. É tempo de solidariedade!!!

Postado por Felipe Camelo

Desumana Ganância

30.06.2020 às 19:26
Felipe Camelo

Neste pandêmico isolamento, muito tempo pra pensar na vida, e como já estou perto de inaugurar meu 60* ano, o que não me falta é história, incluindo detalhes de momentos que interagem com fatos recentes, através do túnel e do cronômetro. E muita coisa se explica, se reforça, como atitudes, conceitos e comportamentos ensinados na vida, e em casa, inclusive com exemplos.

Quando completei 18 anos, fui contratado para trabalhar numa secretaria da Prefeitura de Maceió, mas alguns meses depois, fui morar em São Paulo, e meu pai levou 1 procuração minha para rescindir meu contrato, confirmando que eu não poderia morar fora, recebendo salário sem trabalhar. Entre as lições de meu pai Rubens, está também me norteia até hoje.

Estava pensando que a ganância tem sido o sentimento + praticado. Poder e dinheiro transformam e desumanizam. Principalmente se foi dinheiro fácil de ganhar, mesmo não sendo fruto de trabalho real. Confesso que fico horrorizado com a quantidade de pessoas  que se aproveitam deste momento de tristes sofrimentos e mortes, para superfaturar e roubar dinheiro público que serviria para comprar respiradores e outros equipamentos hospitalares que salvariam milhares de vidas.

Com a bandidagem “coletiva”, e a certeza de impunidade, os golpes roubam trilhões que deveriam ser investidos na qualidade de vida da população, tão carente de tudo. Na verdade em todas as esferas políticas, jurídicas, policiais... muitas quadrilhas, e roubam muito, descontroladamente, as somas são astronômicas.

O que me deixa + incrédulo é a falta de empatia, humanidade e solidariedade destas pessoas que não se preocupam com ninguém. Gente morrendo de fome, doentes nas filas de hospitais e ambulatórios, enquanto este dinheiro todo indo parar em bolsos e bolsas de grifes de luxo.

Não bastasse, esta ganância promove 1 outro golpe. Com a Internet, e a ostentação destes bandidos, fica muito fácil descobrir as trambicagens. E não foram poucos os casos de gente que recebeu indevidamente o auxílio emergencial destinado aos que realmente precisam desta mísera ajuda.

De acelerar meu fluxo sanguíneo saber que fazendeiros, empresários, funcionários públicos, políticos, militares, presidiários, até deslumbradas “alpinistas sociais”, estão recebendo os R$600 e agravando ainda + o absurdo, postam descaradamente as provas da bandidagem, fazendo piadas, zoando da cara de todo mundo.

Como se fossem “superiores” e pudessem fazer qualquer coisa, sem precisar prestar contas, ou merecer punições. Desviar grana pública deve ser crime hediondo e inafiançável. O povo pagando imposto de tudo, sem ter o retorno que deveria receber, como saúde, educação, segurança, infraestrutura, saneamento... qualidade de vida. Se meu pai estivesse vivo, estaria horrorizado com tudo isso.

Lembrei que ele foi diretor geral do Detran durante muitos governos, e lembro que ele economizava tanto o dinheiro do departamento que os governadores comentavam que ele era o único na devolução do que não foi gasto. Lembrei também de seu pai, meu avô, José Farias de Almeida, que foi caixa do Banco do Brasil até se aposentar. Nunca teve outro trabalho nem quis outra função, tinha prazer no que fazia. E há alguns anos, encontrei 1 placa de prata, onde o banco o homenageava. Em toda sua vida profissional, nunca houve “diferença de caixa”, nunca houve nenhum erro em suas contas.

É como sempre digo, poucos os que se preocupam em escrever impecáveis histórias de vida, eternizando correção como pessoa, deixando os melhores exemplos. Eu, tenho todos os motivos pra agradecer. Mas confesso dificuldade em viver neste mundo de egoísmo, ignorância, ganância. Me esforço pra manter fé. Cansei. Quero fazer parte da maioria, da parte correta da vida. E você???

Postado por Felipe Camelo


Felipe Camelo por Felipe Camelo

 Jornalista formado no Rio de Janeiro. Em Alagoas, passou pelas principais redações de jornais e portais .Tem em sua história profissional a cobertura de vários eventos importantes festivos e culturais em Maceió e outras cidades. É um apaixonado por fotografia. Para Felipe, “fotografar significa congelar o tempo”.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]