Dólar com. 3,791
IBovespa 0.86
18 de março de 2019
min. 27º máx. 33º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Polícia identifica turco de 37 anos como suspeito de ataque na Holanda
16/07/2018 às 15h36

Blogs

A dita mole na alma dos outros é refresco


Ênio Lins

Nos últimos tempos, grassam lições profundas de analfabetis­mo político casadas com explí­citas defesas de algo que deveria envergonhar gente de todas as idades e classes sociais.

“Justificados”, princi­pal­mente, como remédio contra o roubo de recursos públicos têm vindo à tona declarações efusivas do tipo “saudades da ditadura”, “inter­ven­ção militar já” e coices do tipo.

Quando esses miasmas come­ça­ram, ainda timidamente, a serem expelidos dos brejos (especial­mente) da classe média, um PM postou a frase “Pela volta do regime militar já!” sob uma foto de colegas oficiais cujas proe­minentes barrigas, com botões amea­çando romper as casas das fardas, cintos estufados pelas panças, numa demonstração ulu­lante de bom humor e cidadania.

Não demorou para o humorismo da caserna ceder lugar ao terrorismo oral de uma ruidosa parcela civil. Da comédia à tragédia quanto tempo será necessário?

A ignorância de boa parte dessa barulhenta militância se ali­menta da crença de que sob o regime imposto entre 1964 e 1984 a corrupção teria sido varrida do Brasil. É o principal pilar dessa corrente. Erro crasso. 

A corrupção vadiou nas duas décadas da “Redentora”. É ver­dade que denúncias de rouba­lheira não apareciam nas man­chetes e, em seu lugar, se liam receitas de bolos (!). Publicar receitas e versos de Camões no lugar dos escândalos era uma das formas de protesto. A corrupção e os corruptos estavam prote­gidos pelo silêncio forçado pela censura à imprensa.

O insuspeito (para os coxinhas) UOL, pertencente ao grupo Folha de São Paulo, publicou em 1/4/2015 um resumo inte­ressante, apesar de tímido: “Dez escândalos de corrupção durante a ditadura militar”. A matéria listou o seguinte decálogo: Con­trabando na Polícia do Exército; A vida dupla do delegado Fleury; Roubalheira dos governadores biônicos; O caso Lutfalla; Mor­domias do regime militar; Caso Camargo Correia; Comissões da General Eletric; General Newton Cruz & Caso Capemi; Coroa-Brastel; Escândalo Delfin.

Mas a reportagem poderia listar 100, mil... a censura escondia toda a bandidagem feita pelos in­tegrantes das gangues econô­micas e políticas.

A BBC Brasil divulgou, em 2016, matéria sobre a corrupção das grandes empreiteiras durante o regime militar. Poderia ter falado mais sobre a cascata de dinheiro desviado com a construção de Itaipu binacional (obra super­visionada diretamente pelos militares brasileiros e paragua­ios). Em termos da Petrobras, poder-se-ia alguém lembrar dos casos onde a estatal foi presidida por generais, como Araken de Oliveira, nos idos de 1977...

Em resumo: sem falar dos crimes de tortura, prisões ilegais, entrega das riquezas nacionais... se ficarmos apenas no item “corrupção”, veremos que a histeria de quem leva às ruas os relinchos pela volta de uma ditadura militar e/ou civil como solução ética é urro de seres desinformados e/ou mentirosos deslavados. Um urrar muito perigoso, reconheçamos.

*É jornalista, chargista, e Secretário de Comunicação do Estado de Alagoas

*Publicado na página Opinião da edição 18 da revista Painel Alagoas


Fonte: Painel Alagoas


Painel Opinativo por Opinião & Expressão

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]