Dólar com. 3,888
IBovespa -1.98
18 de julho de 2019
min. 18º máx. 28º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Lava Jato diz que decisão de Toffoli impacta investigações
11/03/2019 às 14h58

Blogs

Brasil e Venezuela. Algo em comum


Por Sérgio Henrique da Silva Pereira*

Oposições. De um lado, os que amam Juan Guaidó e odeiam Nicolás Maduro. De outro, os que amam Nicolás Maduro e odeiam Juan Guaidó. No Brasil, não é diferente. Os que amam Lula e odeiam Jair Messias Bolsonaro; e os que amam Jair Bolsonaro e odeiam Lula.

Juan Guaidó e Jair Messias Bolsonaro representam uma "oxigenação" na política, nas instituições democráticas. Um "novo país" após os "destronados ex-governantes". Assim são as promessas.

Contemporaneamente, a Venezuela está dividida. Uma possível guerra civil pelo caos político. Os militares e civis venezuelanos apoiam Nicolás Maduro. Maduro ganhou democraticamente, pelo sufrágio. Juan Guaidó perdeu; há civis defendendo sua "vitória" nas urnas — dizem que as eleições foram fraudadas.

Esse apoio a Guaidó, contudo, não é absoluto. 32% dos entrevistados disseram “não saber” se apoiam ou não, enquanto 27% reprovaram o autoproclamado líder venezuelano. A situação ruim de Nicolás Maduro, contudo, é evidente: 76% rechaçam o seu governo e 78% querem a sua destituição do posto.

A pesquisa também sondou os participantes sobre seus posicionamentos ante uma possível “ação decisiva” dos Estados Unidos no país. Aqui, os venezuelanos foram claros e 80% deles se disseram contrário ao cenário no qual o governo de Trump intervenha no país. 
Não é a maioria que apoia Juan Guaidó.

Internacionalmente, temos Brasil, EUA e outros países, em apoio a Juan Guaidó; China e Rússia apoiam Nicolás Maduro. Num vislumbre, pelo prisma das doutrinações ideopolíticas, China e Rússia são "comunistas", assim como Venezuela. Consequentemente, "comunistas" apoiam "comunistas". Países democráticos, como Brasil, EUA, União Europeia, não estão reconhecendo a legitimidade de Maduro.
Nas redes sociais, "venezuelanos estão passando fome". No Brasil não parece que milhões de brasileiros não passam fome. Em alguns lugares, a comida do dia pode vir de algum lixão (aterro sanitário) ou de algum contêiner de lixo. Mães venezuelanas veem para o Brasil e, sem condições, trabalham como "garotas de programa", infelizes pela ditadura na Venezuela. Quando é uma cidadã brasileira em tal condição, o patriotismo brasileiro surge e "uma mulher sem caráter que quer vida fácil".

Quando se fala "militares em apoio ao presidente Maduro" surge "o apoio é pela corrupção". Ou seja, o "toma lá, dá cá". Nos relatórios da Comissão da Verdade  a corrupção também agraciou os militares. Em relação aos dissidentes, tanto na Venezuela quanto no Brasil alguns militares foram contra o (s) governante (s). O oficial Rubén Alberto Paz Jiménez foi contra Maduro. No Brasil, alguns militares foram contra outros militares. 

Os EUA dizem que Maduro é um ditador. Extraordinariamente, Donald Trump, atual presidente dos EUA, age como um ditador ao desacreditar os meios de comunicações, de querer proibir, quem ele não gosta, alguns jornalistas "perguntam demais". No Brasil, a IV frota norte-americana estava na costa nordestina esperando as atuações dos militares brasileiros. 
Ou seja, caso estes não fizessem nada, os canhões das frotas fariam.

Se há uma ditadura na Venezuela pelos anos de Maduro no poder, como explicar modificações nas leis nos países democráticos para o governante poder ficar mais tempo? Por exemplo, reeleger-se para o segundo mandato. Claro, toda máquina estatal irá funcionar para mostrar os grandes feitos do governante. Na ruptura deste poder, quem não está no poder procura empresário para custear comícios, panfletos, etc. 

No final, quem está no poder fará qualquer coalizão, mesmo contra os princípios ideológicos próprio ou partidário, para se manter. Quem está fora do poder, também fará de tudo para ter o poder. Seres humanos querendo poder. 

Há seres humanos com boas intenções de ajudar? Sim. O problema está no pensar rígido quanto à ideologia entranhada na alma. A flexibilização às ideias é fator primordial para uma boa governabilidade. Não é possível dar recursos sem ensinar como obtê-los, por si mesmo.No Brasil, nas eleições de 2018, os "fake news" tomaram conta das mídias. Cada ideologia sendo aplicada para garantir vida boa. Ora, nenhuma democracia humanística é possível quando há "fake". A dignidade humana não é um meio para se alcançar "vitórias democráticas".

*É Jornalista, professor, escritor, articulista, palestrante, colunista. 
*Publicado originalmente na edição nº 26 da revista Painel Alagoas


Painel Opinativo por Opinião & Expressão

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]