Dólar com. 5.6239
IBovespa 0.58
30 de novembro de 2021
min. 23º máx. 32º Maceió
sol com poucas nuvens
Agora no Painel Boletim Covid-19: Alagoas registra 19 novos casos e duas mortes
26/04/2021 às 12h30

Blogs

Pesquisa aponta desafios do home office após um ano de pandemia

 

Em um ano de pandemia, muitas empresas consolidaram o home office como modelo de tra­balho no país. Pesquisa da Workana, plataforma que conecta freelancers a empresas da Amé­rica Latina, mostra que, mesmo quando a pandemia acabar, a intenção de 84,2% dos líderes entrevistados é continuar com o trabalho remoto.


Para isso, eles acreditam que o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal é um aspecto a ser priorizado, e isso inclui a flexibilidade de horários.
Essa modalidade de trabalho, aponta o levantamento, levará a um trabalho mais orientado a objetivos e metas do que ao cumprimento de jornadas de trabalho fixas. Os líderes de empresas também destacam que outro fator no qual deverão trabalhar é a melhoria da tecnologia e conectividade dos funcionários que trabalham remoto.

 
O levantamento, feito com 2.810 profissionais CLT, freelancers e líderes de empresas na América Latina, sendo 42% so­mente do Brasil, aponta os principais desafios considerados na rotina do trabalho à distância. Além do equilíbrio entre vida pessoal e profissional e do trabalho com base em resultados e objetivos, a comunicação mais transparente e saúde mental são alguns dos desafios apontados na pesquisa.

 
De acordo com a pesquisa da Workana, 35,2% dos CLTs acreditam que, no futuro, o trabalho será mais flexível, e o sucesso será medido pelo resultado oferecido, e não pelas horas trabalhadas. Número bem parecido com o dos líderes de empresas, 38,6%, que também apostam que essa flexibilidade pode gerar um bom retorno.

 
De olho nessa tendência, é fundamental que os gestores orientem seus colaboradores pensando nos objetivos que eles têm a alcançar, e não apenas nas horas que precisam cumprir.

 
Até porque, mesmo atuando à distância, 42,6% dos colaboradores CLT consideraram sua produtividade excelente, 39,3% muito boa, 14,8% boa - contra apenas 3,3% que acharam regular ou ruim -, e 63,2% dos gestores disseram ter notado que os funcionários tiveram a mesma performance de quando estavam no escritório, ou aumentaram a produtividade com essa certa liberdade que o home office traz.

 
Os funcionários das empresas acreditam que é possível cumprir seus objetivos profissionais trabalhando de maneira remota. E as empresas estão começando a pensar nessa possibilidade como uma alternativa viável. Por outro lado, o benefício do home office é um valor que cada vez ganha mais for­ça e é levado em conta pelos profissionais no momento de escolher a empresa em que irão trabalhar.

*Publicado como editorial na edição 46 da revista Painel Alagoas



Painel Opinativo por Diversos

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]