Dólar com. 4.9703
IBovespa 0.58
01 de março de 2024
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel STF adia julgamento sobre revisão da vida toda do INSS
22/11/2021 às 11h20

Blogs

IBGE revisa alta do PIB de 2019 de 1,4% para 1,2%

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revisou de 1,4% para 1,2% a alta do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019. Essa revisão decorreu, principalmente, da incorporação de novos dados sobre o impacto econômico do rompimento da barragem de Brumadinho, em 25 de janeiro de 2019.
Com isso, a queda da Indústria extrativa mineral foi ajustada de -0,9% para -9,1%.  Com a taxa de crescimento de 1,2%, o PIB foi estimado em R$ 7,389 trilhões em 2019. Já o PIB per capita (por habitante) chegou a R$ 35.161,70, com alta de 0,4% frente ao ano anterior.
O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.
Os dados oficiais do PIB brasileiro são tradicionalmente revisados 2 anos após o período de referência, a fim de apresentar um retrato mais detalhado da situação econômica do país. Segundo o IBGE, a revisão "agrega novos dados, mais amplos e detalhados, do IBGE e de fontes externas".
A taxa de 1,2% em 2019 foi a terceira alta anual consecutiva, após avanços de 1,3% em 2017 e 1,8% em 2018. O IBGE destacou, porém, que "essas altas foram insuficientes para reverter a queda acumulada no biênio 2015-2016 (6,7%)".
Entre os grandes setores, serviços tiveram alta de 1,5% e a agropecuária cresceu 0,4%. Já a indústria caiu 0,7%. Segundo os dados revisados, 9 dos 12 grupos de atividades econômicas registraram crescimento ou estabilidade, enquanto Indústria de transformação (-0,4%), administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,4%) e indústrias extrativas (-9,1%) tiveram retração.
O consumo das famílias, que responde por 63,7% do PIB, cresceu 2,6%. Já a despesa de consumo final do governo caiu 0,5%.
Em 2019, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) subiu 4% e a taxa de investimento (15,5%) cresceu 0,4 pontos percentuais, em relação a 2018, atingindo o patamar de 2016.
A revisão do PIB de 2019 deve provocar também ajustes na série de resultados trimestrais. O IBGE divulgará no dia 2 de dezembro o resultado do PIB do 3º trimestre. No 2º trimestre, a economia brasileira caiu 0,1%, segundo a leitura inicial.
Em 2020, o PIB do Brasil registrou uma queda de 4,1%. Foi o maior tombo desde o início da série histórica atual iniciada em 1996, segundo divulgou no começo do ano o IBGE.
A projeção atual do mercado financeiro para o resultado do PIB de 2021 é de uma alta de 4,94%, segundo o último boletim Focus do Banco Central. Para 2022, a previsão é de crescimento de 1,20%. Mas as estimativas têm sido revisadas para baixo e parte dos analistas já fala em estagnação e até mesmo em retração em razão da disparada da inflação e da elevação das incertezas fiscais e políticas.

*Publicado como editorial na edição 53 da revista Painel Alagoas


Painel Opinativo por Diversos

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2024 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]