Dólar com. 4.9617
IBovespa 0.58
28 de fevereiro de 2024
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Valdemar quer saída de assassino de Chico Mendes de diretório do PL
25/04/2022 às 09h40

Blogs

Entre cães e gatos

*Tânia Fusco

João, gato, é o decano – 14 anos de vida, 14 anos de dedicada e independente parceria. Com ele discuto assuntos relativos à família, angústias, alegrias, revoltas com a situação política (e outras mais) do país, que ele acompanha atentamente desde 2008. É particularmente inconformado com o golpe contra a Dilma. Não perdoa os coxas, não gosta de minions. É o comunista da família. Mas não divide o bifinho diário, nem o colo da dona. Ninguém é perfeito! 

Aliás, em tempos de mudanças de nominações para adequação ao politicamente correto, não se diz mais “dona”, mas “cuidadora”. Aceito, mas sob protestos. Quem cuida de mim é o João, não o contrário. Cuida tão bem que, se fico doente, cola em mim. Só sai de perto, depois da alta médica. 

Mano, com seus quatro anos de vida, é gato soberbo e também de esquerda. Rajado de amarelo e marrom, olhos esverdeados, sabe que é lindo e tira proveito disso exibindo-se nas janelas, nos sofás, no telhado. 

Com ele o assunto tem sido as desditas deste momento do mundo. Eu reclamo, eu protesto, eu xingo e ele, impoluto, mexe as orelhas quando concorda, pisca os olhos quando discorda. Acha absurdo, numa família de esquerda, tantos bens de consumo acumulados. Sempre que pode, manifesta a discórdia bagunçando gavetas e armários. 

Não faz amizade com os cachorros, também não trata como inimigo – mantém distancia regular, mas com simpatia. Assim garante a possiblidade de consenso ou acordo tático em favor de uma causa maior – tipo um bom pedaço de frango roubado, uma costelinha ainda carnuda esquecida num prato e/ou assemelhados. 

Mano, grande companheiro de bate-panelas fora-bozo, odeia jornais e novelas de TV. Só ocupa espaço na sala quando rola um filme, uma série. Entendo que acha os jornais parciais demais da conta e as novelas arrastadas. 

Quindim, gato malhado de cinza, com peito e patinhas brancas, foi batizado pela antiga “cuidadora”, arquiteta, como Galdi. Não emplacou. Desconhecendo a distinção do nome, a criança da casa trocou o Galdi pelo doce tradicional, que nada tem de cinza ou branco. Entre dois parceiros amarelos, o cinza é que é o Quindim. Coisas da vida.

Gato paulistano, seis anos de vida – quatro deles em apartamento -, Quindim foi deportado para o DF por contingências da pandemia. Fez a troca sem traumas, aturou a rejeição dos colegas gatos já estabelecidos na casa, fez respeitosa amizade com os novos compas cachorros e, sem cerimônia, desfruta do mundo novo – mais livre, com grama, árvores e muros, janelas sem tela e rua livre. 

Claro que, com tanta andança, perdeu peso. Longas paradas em frente aos espelhos, não deixam dúvidas que gosta do shape up to date – mais fitness, tipo “chassi de grilo” muito desejado nas academias. 

Quindim é o isentão da família. Veio de Sampa, pátria do PSDB, e trouxe no sangue o prazer de estar sempre no muro. Se a bateção de panela tá forte, ele encontra posição estratégica para apreciar e até miar alto. Como se aprovasse. Mas se vê algum vizinho desfraldando, orgulhoso, uma bandeira do Brasil em frente da casa, também vai lá. Se não for escorraçado, senta e desfruta da cena, como se concordasse com o enfeite, que expressa – sem dúvidas – a condição de minion. 

Falsinho. Não tá nem ai pra uns ou outros, desde que não lhe falte ração, sachê de bifinho e um leitinho morno no pires. 

Joaquim Pedro, mais conhecido como Joaquim, é um jovem e digno representante da raça Leão-da-Rodésia (Rhodesian Ridgeback). Cães de grande porte, pelo curto, avermelhado, e crista a lá moicano nas costas. Belos e dóceis. 

Com seu ano e dez meses de vida, e seus 70 cm de altura, Joaquim deveria ser o chefe da tribo quarentemada. Longe disso. 

Gentil, manso e medroso, Joaquim virou obediente súdito do decano gato João, a quem trata com respeito, paciência e lambidas. 

Joaquim adora uma prosa. É debatedor ideal para assuntos de difíceis. Presta uma atenção danada, mas não contradiz o interlocutor. Se digo que ele é lulista, segue empertigado em concordância tácita. Se disser o contrário, também não manifesta discordância. 

Quando brigo aos gritos com o noticiário da TV, Joaquim põe-se em pé e alerta, como que reforçando minha justa indignação. Sinto que pensa: melhor não contrariar! 

Carente profissional, como são todos os cachorros, quando bebê, Joaquim exigia atenção permanente. Coisa que nem o cativeiro da quarentena permite a nenhum cui-da-dor. Solução? Joaquim ganhou um cachorro pra chamar de seu – Cássio, vira-lata preto e branco, pequeno e atrevido, chegou bebê. (Na família de Corintianos, o nome, claro, é homenagem ao goleiro gigante do Timão). 

Formou parceria perfeita com Joaquim. Inseparáveis e, não tenho dúvidas, são intrinsicamente anarquistas – contrários a todo tipo de hierarquia e dominação. Rejeitam o Estado, o capitalismo, as instituições religiosas, o racismo e o patriarcado. Ai incluídos adestradores. 

Demonstram essa ideologia com eloquência e precisão. Devoram, rasgam, comem, destroçam todos os signos de poder, posse e dinheiro – plantas e gramados bem cuidados, objetos raros, livros, roupas, sapatos e óculos caros, cartões de crédito… 

Nas noites de lua cheia, baixa na dupla canina espirito de lobisomem, um quê de milícia. Com a ajuda do gato João, caçador nato, sem alarde, saem perseguindo, encurralando e matando saurês, coelhos, corujinhas desavisadas. Sempre os menores e mais fracos. Aos costumes. 

Fazer o que? Chorar. Sentir muito. Rezar para que os assassinatos não se repitam. 

Enquanto as portas seguem fechadas para a vida normal, sigo aliviando tensões e medos na companhia solidária da trupe, que soma cães e gatos – rivais históricos convertidos em parceiros. 

E ouso dizer. Poucos de nossos amores são capazes de, na alegria e na tristeza, expressar – sem submissão e só com olhar – tão sinceras juras de amor e de fidelidade eternos. Espantam solidão e lágrimas. São ótimos ouvintes. 

Com lugar comum. Sorry. Fazem a vida mais divertida, mais leve.

*É jornalista

*Publicado na edição 57 da revista Painel Alagoas


Painel Opinativo por Diversos

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2024 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]