Dólar com. 5,218
IBovespa 2,00
13 de agosto de 2020
min. 23º máx. 25º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Apresentadores pré-candidatos devem se afastar da função em rádio e TV
12/07/2020 às 16h24

Blogs

Eis aqui o prefeito de Maceió

“Existe uma deformação lastimável na consciência política coletiva do nosso povo: o povo adora ser enganado”. (Renée Venâncio)

Teremos este ano uma eleição completamente atípica, para prefeitos e vereadores, por vários fatores, sendo o primeiro deles a realização do pleito em plena pandemia do Coronavírus. O calendário eleitoral foi alterado para que o primeiro turno seja realizado em 15 de Novembro e as cidades onde haja segundo turno que este ocorra em 29 do mesmo mês. Nisso tudo há uma enorme expectativa: como estarão as condições de saúde pública? E se com o fim do isolamento social o vírus se expandir e a contaminação aumentar? Supondo que dê tudo certo quais as providências para a preservação dos eleitores, as aglomerações nas filas de votação, o contato com as urnas eletrônicas, entre mesários e eleitores e outros cuidados necessários à defesa individual? Uma coisa é certa em minha visão: a abstenção será recorde em todo o país. 

Em Maceió, pelas previsões reais a disputa será voto a voto. Com muitas dificuldades para os candidatos em campanha por conta da pandemia e o contato com eleitores. Diferente de eleições anteriores outro fato que vai pesar o que é positivo, é a imoral compra de votos e os famigerados “cadastros eleitorais” elemento fundamental para as “quadrilhas” que elegem bandidos. Mas eles darão um jeito. São “especialistas”.

Para a prefeitura três nomes de peso, tornando impossível antecipar qualquer avaliação pelo menos até o momento. 

Eis eles: Ronaldo Lessa, João Henrique Caldas e Alfredo Gaspar. Qualquer nome fora os três é “figuração”. Fortes o suficiente para um enfrentamento com resultado imprevisível. 

Para os leitores mostro nesta edição o perfil de cada um dos candidatos.

Cartas na mesa. O jogo vai começar e é pesado. Que ganhe o melhor para Maceió.

Ronaldo Lessa 

Considerado um dos melhores prefeitos de Maceió (1992/1996) fez sua carreira política deslanchar por sua atuação eficiente e contestatória. Carismático e bom orador empolga a população principalmente as de mais vulnerabilidade. Foi vereador por Maceió, deputado estadual com uma passagem marcante no plenário da Assembleia Legislativa. 

Em 1998, já filiado ao PSB, torna-se governador de Alagoas, eleito ainda em primeiro turno, reelegendo-se em 2002. Obteve uma vitória histórica enfrentando todos os caciques da política alagoana e a grande maioria das bancadas da Assembleia Legislativa e do Congresso Nacional. Implantou mudanças estruturais importantes em seu governo. Valorizou o servidor público e dialogou sempre com as lideranças de classe. Deixou obras importantes a exemplo do Centro de Convenções, um equipamento de incremento ao turismo há muito reclamado, melhorou o sistema rodoviário e teve uma política de gastos responsável. Corajoso, enfrentou setores com viés político no Judiciário e Ministério Público, que o perseguiram covardemente. Isso lhe custou algumas ações, a maioria sem a mínima procedência. Fez um governo empreendedor, mudou a feição da Educação, Saúde e Assistência Social. Cometeu um erro no seu relacionamento com prefeitos e lideranças políticas do interior e por conta perdeu a eleição para o Senado para Fernando Collor, quando todos já contavam com uma vitória certa.

Em 2014 foi eleito deputado federal, onde desempenhou um mandato com eficiência, sendo considerado como o melhor desempenho entre a bancada alagoana. Candidato à reeleição em 2018 obteve uma excelente votação, mas por pouco não conseguiu se reeleger, fruto controvérsias sobre a validade ou não de sua candidatura, uma vez que permaneceu “sub judice” até as vésperas da eleição, por mais equívocos do Poder Judiciário. 

Traído pelo governador Renan Filho, pois era o candidato natural do governo, reformulou seu grupo político e parte para a disputa com muita chance de vencer. 

João Henrique Caldas (JHC)

Filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). Foi o candidato a deputado federal mais votado nas eleições de 2018 em Maceió, obtendo 89.376 votos, conseguindo também ser o mais votado no estado cravando a marca de 178.645. Foi deputado estadual aos 23 anos de idade e se destacou com um mandato proativo 

Entre as ações desempenhadas, destacam-se a criação da Comissão de Ciência e Tecnologia, Parlamento Jovem, Comissão de Defesa do Consumidor e Contribuinte, Comissão Especial das Enchentes e denúncias de irregularidades que mais tarde culminariam com o afastamento da Mesa Diretora, então presidida pelo deputado Fernando Toledo (PSDB). 

Em junho de 2013, João Henrique apresentou documentos que indicavam possíveis irregularidades na movimentação bancária da Assembleia Legislativa. Segundo o deputado, R$ 4,7 milhões teriam sido sacados sem justificativa no ano de 2011. Foi eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019), quando se elegeu nas eleições daquele ano como Deputado Federal mais votado de Alagoas, conseguindo mais de 68 mil votos apenas na capital. Nas eleições de 2016, ficou em terceiro lugar como candidato a prefeito pelo PSB, obtendo 21,78% dos votos válidos (menos de 3% de diferença para o segundo colocado Cícero Almeida do PMDB) na disputa contra Rui Palmeira que obteve mais de 46%.

É considerado um parlamentar atuante e influente no âmbito do Congresso Nacional, com trânsito livre no Palácio do Planalto e Ministérios. Bem articulado, jovem com vasta experiência do processo legislativo e exímio negociador político.   

Alfredo Gaspar de Mendonça

Neófito na política é uma grande incerteza ainda no campo eleitoral. Vai fazer o seu primeiro teste em uma luta que será disputada palmo a palmo com fortíssimos adversários. Ao seu favor conta com uma grande vantagem; deverá ser apoiado pelo governador Renan Filho e o prefeito Rui Palmeira, o que já lhe garante bastante fôlego. Nisso tudo há um “senão”... O governador vai chegar às eleições com um índice de rejeição altíssimo. Suas ações equivocadas  na pandemia, as acusações de desvios de finalidades que virão à tona na campanha e sua perseguição aos servidores públicos poderão tirar muitos votos do candidato por ele apoiado.

Alfredo Gaspar teve uma carreira brilhante no Ministério Público Estadual, aonde chegou ao mais alto cargo de procurador geral de justiça. Líder nato, defensor intransigente da moralidade pública é a representatividade do político modelo ideal. 


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]