Dólar com. 5.0903
IBovespa 0.58
12 de agosto de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Auxílio Brasil é pago hoje a beneficiários com NIS final 4
01/08/2022 às 11h40

Blogs

O crime de ser mulher

Adriano Machado/Crusoé

PARA REFLETIR -Encontrou-se, em boa política, o segredo de fazer morrer de fome aqueles que, cultivando a terra, fazem viver os outros. (Voltaire)


O crime de ser mulher

“Nós só conseguiremos alcançar a fraternidade, a solidariedade e a igualdade de oportunidades, quando nós, mulheres, deixarmos de andar atrás dos homens, para juntas com os homens, nos tornarmos protagonistas da história da humanidade” – a frase é da senadora Simone Tebet, pronunciada no plenário do Senado Federal.

Simone é mulher, mãe, professora universitária, com uma grande visibilidade política e pré-candidata a presidente da República. O machismo impiedoso aflorou dentro do seu próprio partido (MDB) com uma ala buscando impedir sua candidatura. Simone confrontou a política num país onde os donos do poder sustentam um sistema de dominação patriarcal.

A mulher parece estar sempre fora do lugar quando o assunto é política. Foi assim com Dilma Rousseff, Marina Silva, Heloisa Helena, Manuela D’Ávila e tantas outras. O Brasil é um dos países menos igualitários do mundo quando o assunto é mulher na política.

Leilão partidário

O partido Cidadania, foi  parido do antigo PPS e abortado de uma decisão oportunista de parte da executiva nacional do Partido Comunista - Seção Brasileira da Internacional Comunista (PCB) de dissolver o partido e fundar um novo. Nunca teve protagonismo por aqui, onde apostou nas composições vantajosas.

Em todas as eleições anteriores esteve ao lado sempre dos prováveis vencedores, satisfazendo a manutenção de seus dirigentes com cargos e benesses na administração pública.

Dois oportunistas

O ex-juiz Sérgio Moro nunca me enganou e repeti isto muitas vezes durante o seu “reinado” na Operação Lava Jato até a compra de sua dignidade, por Bolsonaro, com a promessa de um cargo que perdeu por mau comportamento.

Defenestrado por partidos políticos e após fraudar o domicílio eleitoral em São Paulo, se agregou em uma candidatura mambembe no Paraná, traindo o senador Álvaro Dias, que o apoiou. Sua mulher, Rosangela Moro, sai candidata a Deputada federal por São Paulo. Não passam de dois oportunistas.

Compra de votos

O delegado Thiago Prado pré-candidato a deputado estadual ocupou as redes sociais para denunciar a desenfreada compra votos nos vários redutos eleitorais de Maceió.

Na verdade, não trouxe nenhuma novidade. Na capital os tais “cadastros do voto” são velhos conhecidos dos candidatos e também da Justiça Eleitoral, que nunca fez nada para coibir.

Aras blindando Bolsonaro

Como era de se esperar o procurador geral da República, Augusto Aras, ao pedir o arquivamento de sete, das dez proposições de indiciamento contra o presidente da República, propostos pela CPI da Covid deixa em aberto apenas três ações de crime, inclusive beneficiando alguns de seus aliados.

A decisão equivocada de Aras deixou vários senadores irritados e já há a proposição de convocar o PGR para depor no Senado e explicar seus atos que livra Bolsonaro de crimes cometidos durante a pandemia.

O crime compensa

O ministro alagoano Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), restabeleceu os direitos políticos do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, que foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro em 2018, por supostamente ter participado de esquema de desvio de R$ 234,4 milhões de recursos da Secretaria de Saúde.

Também em outra sentença “caolha” restabeleceu os direitos políticos do ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, preso por improbidade administrativa.

Ambos serão candidatos nas próximas eleições e com muito dinheiro pra gastar. Aqui o crime compensa.

Somos os piores

Nos números da Justiça Eleitoral nós alagoanos somos, vergonhosamente, os campeões do analfabetismo no país, com um percentual de 10,52%, quando a média nacional é de 4,07%. Aproximadamente 244.677 eleitores no estado, não sabem ler e escrever.

Esses números contrariam muito as comemorações do ex-secretário de Educação, Rafael Brito (o tio Rafa) - candidato a deputado, de que a Educação avançou em sua gestão. Avançou sim, mas não tanto.

Pílulas do Pedro

Eleição em Alagoas está mais enrolada que carretel. A cada dia surge lances diferentes e inesperados.

Governador Paulo Dantas tem gasto muita sola de sapato e vai mantendo protagonismo se distanciando dos demais candidatos.


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]