Dólar com. 4.9617
IBovespa 0.58
28 de fevereiro de 2024
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Valdemar quer saída de assassino de Chico Mendes de diretório do PL
30/01/2023 às 10h20

Blogs

Genocídio na floresta

Ricardo Stuckert


PARA REFLETIR

“Tragédia que se abate sobre os povos Yanomamis é genocídio e crime premeditado” (Presidente Lula)


Governo Bolsonaro queria acabar com o povo indígena

Ao ver as cenas chocantes , mostradas fartamente até mesmo na imprensa internacional, com indígenas esqueléticos, prostrados e alguns quase à morte por fome, inanição e doenças que se espelharam por toda a reserva Yanomamis, em Rondônia, chega-se à conclusão que tragédia que atinge uma população de quase 30 mil brasileiros, foi provocada intencionalmente para dizimar os povos originários que ali habitam e são, na verdade os donos da terra.

Lula: crime premeditado

“Mais que uma crise humanitária, o que vi em Roraima foi um genocídio. Um crime premeditado contra os Yanomamis, cometido por um governo insensível ao sofrimento do povo brasileiro”, publicou o presidente Lula, nas redes sociais. Lula e comitiva com vários ministros estiveram em Roraima, para observar in loco a grave situação do povo indígena.

Lula reiterou que, em seu governo, “os indígenas serão tratados com dignidade”.

“Não haverá mais genocídios. A humanidade tem uma dívida histórica com os povos indígenas, que preservam o meio ambiente e ajudam a conter os efeitos das mudanças climáticas. Essa dívida será paga, em nome da sobrevivência do planeta”, completou o presidente.

Bolsonaristas criam fake

Sobre “índios venezuelanos”

Um dia após o governo federal decretaremergência em saúde pública de importância nacional no território Yanomami, sites bolsonaristas passaram a propagar a informação falsa de que a situação gravíssima não afeta brasileiros, e sim Yanomamis venezuelanos. A tese mentirosa é de que a fome e a miséria que vêm provocando a morte dos indígenas é culpa do governo comunista de Nicolás Maduro, e que os indígenas da Venezuela buscam atendimento de saúde no Brasil, país vizinho.

A noticia falsa foi logo rechaçada pela imprensa nacional, que logo veio a desmentir mais uma onda fake dos alienados bolsonaristas.

Esperando a morte chegar

A maior reserva indígena do Brasil, o Território Yanomami, vive uma crise sanitária e de segurança alimentar sem precedentes. O Ministério dos Povos Indígenas estima que ao menos 570 crianças tenham morrido de fome, desnutrição e contaminação pelo mercúrio em 2022.

A emergência humanitária é resultado direto dos cortes de recursos para a saúde indígena no governo de Jair Bolsonaro e da tomada das terras pelo garimpo nos últimos anos. O número de garimpeiros no Terra Indígena Yanomami passou de 20 mil em 2022, quase o tamanho da população de 28 mil povos originários na região.

"Nossos idosos, mulheres, crianças e jovens estão morrendo de contaminação de mercúrio."", denuncia Dario Kopenawa, vice-presidente da associação indígena Hutukara, uma das sete que representam as lideranças políticas locais.

"O governo Bolsonaro cortou recurso da saúde indígena e saúde do Brasil. Então isso enfraqueceu a desmobilizou bastante essa assistência da saúde pública

As culpas também da Justiça

Durante a pandemia de covid-19 e diante da inércia do governo federal, uma segunda ação civil pública foi ajuizada em 2020. Dessa vez, o MPF pediu que União, Funai, Ibama e ICMBio fossem condenados a apresentar plano emergencial de ações e respectivo cronograma para monitoramento territorial efetivo da Terra Indígena Yanomami. A ação também cobrou medidas para o combate a ilícitos ambientais e a expulsão de garimpeiros da região. No âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF), a retirada de garimpeiros e a proteção territorial da Terra Indígena Yanomami é tratada na ADPF 709, ajuizada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Acontece que diante da morosidade da Justiça brasileira as decisões são postergadas e o povo indígena segue morrendo.

Esta coluna é dedicada ao povo indígena Yanomami, vítima da insensibilidade humanitária do governo Jair Bolsonaro.

.


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2024 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]