Dólar com. 4.9938
IBovespa 0.58
24 de fevereiro de 2024
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Vigilância Sanitária apreende 500 kg de produtos vencidos na Levada
09/12/2023 às 22h00

Blogs

Tiro no pé

Agência Senado

PARA REFLETIR

“O melhor remédio para a boa governança, ou, em outras palavras, o melhor remédio contra a corrupção é a prevenção” (ministro André Mendonça STF).

Tiro no pé

(BRASÍLIA) -Depois dos acontecimentos ocorridos aqui em Maceió, em relação a tragédia da Braskem é possível que os lideres de partidos aceitem indicar os membros para a participação na CPI proposta pelo senador Renan Calheiros. Será uma comissão que já nasce fraca e muito dificilmente produzirá algum efeito efetivamente positivo. Renan desejou montar um palco para aparecer e vai terminar com um tiro no pé, por suas ligações nada republicanas com a empresa causadora do desastre, atuando como seu diretor e como recebedor de ajuda financeira em campanhas políticas.

Protegendo a mulher

(BRASILIA)- A Câmara dos Deputados rejeitou texto do Senado e aprovou projeto de lei que cria o chamado Protocolo “Não é Não” a fim de prevenir o constrangimento e a violência contra a mulher em ambientes nos quais sejam vendidas bebidas alcoólicas, como casas noturnas, boates e casas de espetáculos musicais em locais fechados ou shows. De autoria da deputada Maria do Rosário (PT-RS) e outros, o Projeto de Lei 3/23 deixa de fora das regras do projeto os eventos em cultos ou outros locais de natureza religiosa.

Protegendo a mulher II

(BRASÍLIA) - Câmara dos Deputados aprovou também projeto de lei que aumenta a pena por lesão corporal cometida no âmbito de violência doméstica.

De autoria do deputado Helder Salomão (PT-ES), o Projeto de Lei 9905/18 estabelece que a pena será aumentada de 1/3 até a metade também se a lesão for cometida por razões da condição do sexo feminino ou for praticada na presença física ou virtual de descendente ou de ascendente da vítima (filhos ou pais e mães, por exemplo).

O estilo Paulo Dantas

Durante o desenrolar da crise causada pela ameaça de novos afundamentos na região afetada pela ação criminosa da Braskem, com trocas de insultos e acusações de todos os lados, o governador Paulo Dantas manteve uma postura firme cobrando e buscando medidas de contenção para minorar a situação das famílias atingidas. De imediato acionou toda estrutura do governo em um gabinete de crise e buscou o apoio de Brasília solicitando ajuda logística e recursos para a população em vulnerabilidade. Os demais atores preferiram se engalfinhar em uma disputa de egos e em busca de visibilidade eleitoral, o que em nada contribui com a demanda.

Flavio Dino, o cara

( BRASÍLIA ) - O Grupo Prerrogativas, coletivo que reúne advogados públicos e privados, defensoras e defensores públicos, professores universitários, magistrados aposentados e membros do Ministério Público aposentados, veio a público manifestar total apoio à indicação, pelo Presidente da República, do nome de Flávio Dino de Castro e Costa para a vaga do Supremo Tribunal Federal deixado pela aposentadoria da Ministra Rosa Weber. Foi funcionário público, como servidor da Justiça do Trabalho e advogado. Primeiro colocado no concurso para juiz federal, em 1994, Flávio Dino integrou a magistratura federal por 12 anos, tendo sido Presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil – AJUFE. Foi, também, o primeiro secretário geral do Conselho Nacional de Justiça, além de deputado federal, governador e senador e professor em duas Universidades Tá bom ou quer mais?

Olho na corrupção

(BRASÍLIA) - A lei das Estatais (13.303/16) trouxe um freio na bandalheira e desvios de finalidades nas atividades de empresas públicas, principalmente nos Conselhos de Administração. Houve uma mudança de comportamento em termo de eficiência e redução de risco de corrupção. Os resultados foram tão positivos que deputados e senadores resolveram apostar na retirada de alguns artigos que barram o processo danoso de agentes públicos fazerem parte desses Conselhos. O STF está julgando essas mudanças que atrai corrupção desenfreada na administração pública.

Por Alagoas

O senador Rodrigo Cunha (Podemos) assumiu a presidência do Senado Federal e do Congresso Nacional, com a viagem do presidente Rodrigo Pacheco para a participar da COP 28, em Dubai. Não sentou no “trono presidencial”, e preferiu ir à luta sendo útil a Alagoas, no exercício do destacado cargo, viabilizando importantes demandas diante da grave situação provocada pela tragédia da Braskem, que atingiu milhares de famílias de Maceió.Com o prefeito JHC a tiracolo, percorreu gabinetes e conquistou pautas positivas.

Tão bonzinho

O deputado José Wanderley, sempre “carrega nas tintas” quando se trata de defender Renan Calheiros. Saiu em defesa do “chefe” e disse que “Renan teve a coragem de nacionalizar a discussão” (propondo uma CPI para o caso Braskem) e que “quando deputado estadual se posicionou contra a sua instalação”. Esqueceu o deputado de dizer que não passaram muitos anos e o então deputado mudou de lado e se aliou aos poderosos da Petroquímica, chegando até ser diretor da empresa. Quanto à CPI ressalte-se que Calheiros quase sempre não é movido por boas intenções.

Se os políticos de Alagoas, brigassem pelo povo o quanto brigam por poder e dinheiro, seria muito bom.

Será que a Assembleia Legislativa e Câmara e vereadores souberam do episódio da Braskem?


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2024 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]