Dólar com. 5.1318
IBovespa 0.58
24 de abril de 2024
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Nova vacina contra a covid-19 chega à população em 15 dias
25/02/2024 às 14h00

Blogs

Tirando privilégios

Agência Senado


PARA REFLETIR

A nomeação da esposa do ministro Renan Filho para o TC – um dos maiores deboches já praticados por um político local. Ninguém superou Calheiros Filho. (Ricardo Mota)


Tirando privilégios

O senador Flávio Dino, ex-ministro da Justiça, decidiu apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com os privilégios de juízes, promotores ou militares que cometerem delitos graves. A proposta do senador é que nesses casos a pena seja a exclusão do serviço público. Hoje, magistrados quando flagrados na corrupção ou em qualquer outra atividade criminosa são aposentados compulsoriamente sem perdas salariais. Militares do Exército são encaminhados para a reserva e garantem pensões vitalícias para esposas e filhos.

Ditadura derrotada

“Não, não concordo. E, enquanto eu estiver vivo, isso não acontecerá." Estas teriam sido as palavras ditas pelo capitão-paraquedista Sérgio Ribeiro Miranda de Carvalho, conhecido como Sérgio Macaco, a seu superior, o brigadeiro João Paulo Burnier em 12 de junho de 1968. Na mesa de Burnier estava um ousado plano que deixaria pelo menos 10 mil mortos no Rio - e a culpa seria atribuída "aos comunistas".

Burnier previa explosão de bombas em alvos específicos como lojas, agências bancárias e a sede da embaixada americana e tinha uma lista de 40 personalidades de oposição que deveriam ser sequestradas e lançadas, de avião, no meio do oceano - entre os nomes, o cardeal d. Helder Câmara, o ex-presidente Juscelino Kubitschek e o ex-governador da Guanabara Carlos Lacerda.

A bomba do Riocentro, em 1981, planejada para explodir, matar e causar pânico incriminando a esquerda, foi o início da derrocada da Ditadura Militar. Como o capitão Sergio Macaco, muitos heróis brasileiros, confrontaram a repressão assassina,

Meu amigo palaciano

Tenho um velho amigo cuja nossa relação nasceu no ano de 1988, quando cursei minha pós-graduação em Ciências Políticas, na Universidade de Brasília, lá se vão 36 anos , voltei para Alagoas e ele, após passar algum tempo na África e Europa, onde fez seu Doutorado e ao retornar passou a ser professor  na própria UnB, na qual estudamos. Desempenhou funções destacadas no Congresso Nacional e alguns Ministérios, assessorou, diretamente, 2 presidentes da República e recusou um convite pra assumir o cobiçado cargo de ministro do Tribunal de Contas da União, pois segundo ele, ainda muito moço, não queria uma função que tolhesse suas inquietudes e o tornasse um “burocrata de elite”.

Hoje, já aposentado formalmente, suas opiniões e conselhos permeiam o palácio do planalto, o senado e o Itamaraty. Ninguém sabe como ele das entranhas do poder em Brasília. Por ele sei até noticias de Alagoas. É ou não uma fonte abundante?

Mamata religiosa

(BRASÍLIA) - Está na Câmara dos Deputados o projeto de lei que dispensa líderes religiosos de pagar impostos sobre valores recebidos em razão das suas atividades, independentemente de regulamentação pelo Poder Executivo.

Segundo a proposta, a isenção de tributos se aplica a valores recebidos de instituições religiosas por pastores, padres e similares mesmo em condições diferenciadas.

Vá um pobre assalariado pedir algo parecido, que é capaz até de ser preso, como “subversivo”

Justiça reprovada

(BRASÍLIA) - Não nos bastasse o deplorável nível de nossos políticos que serve de galhofas, memes e indignação nacional, quer seja pelo comportamento aético e nada republicanos, estamos nós alagoanos agora diante de mais um espetáculo a nos rebaixar diante de todos. O Conselho Nacional de Justiça acaba de classificar o Judiciário de Alagoas como o mais ineficiente entre todos os estados. Lentidão processual, taxa alarmante de erros nos processos judiciais, problemas como documentos faltantes, informações incorretas ou falsas.

O cenário aqui é caótico: Em com 31,2% das ações apresentando falhas graves e prejudiciais às partes envolvidas.

Água é vida

O senador Renan Filho, quando governador privatizou a água e feriu a vida dos alagoanos, que hoje sofrem as consequências de uma ação irresponsável e até criminosa. Os únicos a comemorar foram os prefeitos que receberam milhões pelo negócio que “deu com os burros na água”, literalmente. Agora começam a estourar os problemas com serviços precários e as populações revoltadas.

Governadora agredida

Um áudio em que o presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, Álvaro Porto, diz que a governadora Raquel Lyra falou “merda” em seu pronunciamento na retomada dos trabalhos no Legislativo pernambucano continua gerando polêmica.

O diretório nacional do PSDB, partido ao qual Porto e Lyra são filiados, repudiou os comentários e afirmou ter havido uma “agressão” contra a governadora. O deputado poderá sofrer sanção disciplinar. Eles imaginam que tudo podem.

Pílulas do Pedro

Audiência pública, promovida pela vereadora Teca Nelma, transformou o plenário da casa em “picadeiro de circo”.

O senador RENAN Calheiros vai maldizer a hora em que propôs a criação da CPI da Braskem. 


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2024 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]