Dólar com. R$ 3,318
IBovespa -0,82%
28 de junho de 2017
min. 24º máx. 27º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Governistas criticam denúncia da PGR contra Temer; oposição promete obstrução

Blogs

Proibir o Funk, é a solução para o Brasil avançar?

23.06.2017 às 10:51

Em meio ao caos, surge a solução para todos os nossos problemas. Vamos proibir o Funk! Afinal, proibindo um ritmo popular que dá voz a quem se vê sem poder de fala há tanto tempo, além de gerar renda a diversas famílias, conseguiremos avançar com o país.  Será mesmo?

A proposta, que tem como autor Marcelo Alonso, após atingir mais de 20 mil assinaturas no site do Senado foi encaminhada para a relatoria da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

Você que está lendo isso, pode até não gostar de Funk e não querer nem ouví-lo. Direito seu, você está apenas praticando seu direito de ser livre, nada mais justo. Mas, aí, ai te pergunto: por que os jovens que gostam do dito estilo musical devem ter sua liberdade cerceada?

Que estado gigantesco é esse que estamos criando? Se até o que ouvimos, o estado quer ter poder de decisão, aos poucos perderemos todo o resto de liberdade que ainda temos.

Propostas como essa muito me lembram da censura existente na Ditadura Militar e, ao mesmo tempo, muito me assustam. Temos que respeitar a liberdade de expressão do nosso povo, mesmo que não concordemos com o que for dito.

Afinal, como Voltaire diria: "Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las”

Postado por #pensarjovem

Avisem ao Congresso que nosso sistema não é o parlamentarismo...

16.06.2017 às 16:39

É inegável que quando se quer se consegue derrubar um presidente no Brasil. Estão ai Collor e Dilma pra contar historia. Mas a pergunta que se deve fazer é: quando quem quer? 

Collor caiu porque os caras pintadas existiam? Quem derrubou a Dilma foi o MBL ou o Vem pra rua? Me parece ingênuo achar que nós, o povo, derrubamos eles. Por mais que seja importante mostrarmos nossa opinião e o que queremos, infelizmente não somos nós. Nossos ex presidentes foram derrubados pelo próprio Congresso, eles saíram por não terem base para governar. Nada mais normal, se nosso sistema fosse o parlamentarista. 

Precisamos avisar aos nossos "representantes", se assim podemos chamar, que em 1993 negamos através de um pebliscito o sistema parlamentarista, infelizmente, diga-se de passagem. Que eles derrubem os presidentes sempre que esses derem motivos, mas que com motivos.

E a pergunta que faço agora: porque Temer ainda não caiu? Pelo mesmo motivo que os outros saíram; eles quem decidem.

Postado por #pensarjovem

Quanto vale o Brasil?

01.06.2017 às 10:39

Joesley Batista detém uma fortuna de 3,1 bilhões de reais, segundo a revista Forbes. É dono do maior frigorifico de carnes do mundo e possui grande parte da JBS, que controla marcas como a Friboi, Seara, entre outras.

Não só o país, mas todo o mercado parou para assistir a delação de Joesley que apresentou provas contra o Aécio e Temer. E aí alguém decidiu não ficar parado, decidiu, na verdade, ganhar dinheiro. Um dia antes da delação, uma empresa comprou muitos dólares e com a queda provocada pela própria delação, no dia seguinte, se fez muito dinheiro. Adivinha qual era a empresa? JBS, claro. 

Nesse país dá pra ganhar dinheiro com tudo, menos com o trabalho honesto. E quanto vale o Brasil eu não sei, mas fazer todos nós, cidadãos brasileiros, de palhaços, certamente não tem preço.

Postado por #pensarjovem

Roupa tem idade?

25.05.2017 às 13:13

Estive pensando, a mulher não pode usar a roupa que quiser quando tiver seus 60 anos pelos mesmos motivos que não poderia aos 6. 

A única e determinante diferença é que nosso poder de escolha é ceifado por nossa sociedade, que assume assim o papel dos pais que determinam o que seu filho pequeno deve ou não fazer, neste caso vestir.

Que problema teria uma senhora de 70 anos vestida em uma mini saia ou usando um vestido coladinho de veludo que viu sua blogueira favorita, esta com 20, divulgando. Possivelmente você deve ter pensado algo como: ’o problema é que eu acho feio’. Neste momento te indago a seguinte pergunta: ‘quem deveria se importar com seu conceito de feio ou bonito?’.

Charles Chaplin foi sábio ao afirmar que não se mede o valor de um homem pelas suas roupas ou pelos bens que possui, o verdadeiro valor do homem é o seu caráter, suas idéias e a nobreza dos seus ideais. Então se você assim como eu, acredita que nosso conceito de feio ou bonito só deveria refletir para dentro de nossas próprias vidas te convido a parar um pouco e pensar o porque da mulher mais velha não poder sair na rua usando roupas que na teoria seriam de jovens.

Afinal, na etiqueta da roupa só se encontra o tamanho e não a idade máxima de quem deve usa-la.

Postado por #pensarjovem

Dia do Fico

18.05.2017 às 18:00

Ao ser solicitada por Portugal a volta de Dom Pedro I, no ano de 1822, ele se dirige a nação e  proclama: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico".

 Quase 200 anos depois, ao ser questionado pelo STF , Temer se dirige a nação e anuncia: "Não renunciarei. Repito: não renunciarei."

Situações semelhantes com uma ampla diferença: a vontade popular.

 Em 1822, Dom Pedro fica para atender a vontade de seu povo, dando passos em direção a independência.

Agora, em 2017, Temer fica pelo poder, pelo foro privilegiando e pela prepotência em acreditar que o pais está em suas mãos.

Postado por #pensarjovem

As verdades, no tempo da internet

15.05.2017 às 12:00

No século XXI, a nossa juventude está sendo exposta a uma grande quantidade de informações sobre os temas mais diversos e de maneira cada vez mais rápida. Em face disso, este blog surge devido ao desejo de me posicionar diante dos fatos e questionamentos existentes na vida dos jovens.

''Não há como contestar que a internet nos trouxe grandes vantagens. A facilidade de acesso à informação, a facilidade com que podemos ignorar as distâncias... Lembro-me de que, quando era jovem, passava muito tempo na biblioteca tentando ler cem livros para encontrar um pedacinho de informação de que precisava. Agora, basta pedir para o Google. Em décimos de segundo ele dá milhares de respostas. Um problema foi eliminado: nós não precisamos passar horas na biblioteca. Mas há um novo problema. Como vou compreender essas milhares de respostas?''— Questiona Zygmunt Bauman, sociólogo polonês.

Atrevo-me a tentar responder Bauman e digo que nunca conseguiremos compreender nem metade dessas informações, por mais que nos esforcemos. Afinal, nossa sociedade vive ao redor de diversas “meias verdades”, onde tudo se torna verídico ou não, a depender da circunstancia que lhe é atribuída.

Pois bem, utilizarei esse espaço para tentar passar um pouquinho das “meias verdades” as quais acredito.

Postado por #pensarjovem


#pensarjovem por Cibele Moura

Graduanda em Direito, presidente da Juventude do PSDB da Barra de Santo Antônio

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]