Dólar com. 5,324
IBovespa 0,88
13 de julho de 2020
min. 24º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Brasil registra 631 mortes por covid-19 em 24 horas
28/06/2020 às 18h36

Blogs

Desejos que libertam


Desejo, para todas as pessoas LGBTQI+, que um dia a liberdade seja plena e sentida, que não precisem mais explicar ou buscar aceitação por sua sexualidade, que não precisem se esconder por medo do julgamento preconceituoso, pois, para eles, isto não vai mais existir.

 Desejo não ouvir mais comentários sobre a sexualidade de quem quer que seja, que possam exercer com plenitude seus desejos legítimos e naturais e que o amor possa ser cantado e explícito. Desejo que as mãos se entrelacem com naturalidade e os olhares que recaíam sobre si sejam de admiração. Que não seja mais necessário desafiar a sociedade vigente, porque a aceitação será lugar comum.

 Desejo verdade e reconhecimento nas suas qualidades como seres humanos, que a sua sexualidade não seja apontada como condição, que possam exercer o direito de ser e existir sem mais precisar se expor para acordar a humanidade. Que o mundo não se choque com um beijo e um abraço de amor. Que as minorias não recebam mais essa alcunha, que não precisem mais se reunir para pedir respeito por ser quem se é.

 Desejo naturalidade nas relações, que não mais seja murmurado a boca pequena a sua condição sexual e suas relações afetivas, que não  precisem mais explicar que sexualidade não se escolhe como um produto a venda.

Desejo que não mais precisem de palavras de ordem, de passeatas, de movimentos de apoio, pois tudo isto serve a quem precisa de reconhecimento. Neste momento isto não será nem cogitado, pois o respeito ao ser humano será vívido e sentido.

Desejo, um dia, não precisar mais fazer um texto falando sobre aceitação e respeito, pois, se o faço, é porque eles são precários e muitas vezes inexistentes. Desejo, mais que tudo, a realidade do trecho do poema Estatutos do Homem, de Thiago de Mello que ilustra este artigo, que a liberdade de ser o que se é, seja retirada dos dicionários, pois será palpável e real como luminosas manhãs de domingo.


Psicóloga Meg Oliveira por Meg Oliveira

Psicóloga Clínica, pós-graduada em Gestalt Terapia. Formação em Vegetoterapia, Psicoterapia Breve e Massoterapia. Atuando há 28 anos como Psicóloga Clínica. Procuradora aposentada do Poder Judiciário.

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]