Dólar com. 3,888
IBovespa -1.98
21 de agosto de 2019
min. 22º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Banco Central vende dólares das reservas pela primeira vez em dez anos
13/04/2019 às 12h40

Cultura

Moradores de Suzano lembram um mês do massacre em escola

Parque Max Feffer onde serão realizados atos para lembrar um mês do massacre da Escola Raul Brasil - Wanderley Costa/Secop Suzano

Para marcar um mês do massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil, a prefeitura de Suzano promove hoje (13) uma solenidade no Parque Municipal Max Feffer. A programação ocorrerá até as 17h, com eventos culturais e recreativos.

Para o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, a celebração tem o objetivo de enaltecer a paz e a união das famílias. “Queremos levar mensagem de paz a todo o mundo e homenagear as vítimas e seus familiares. Vale destacar que não será uma festa, mas, sim, uma cerimônia de homenagem a todos que foram atingidos direta ou indiretamente com a fatalidade na escola. Convidamos a todos para participarem desta solenidade”, disse o prefeito. A estimativa é que 15 mil pessoas participem dos eventos.

Massacre em Suzano

Passados 30 dias do ataque, três homens foram presos pela polícia de São Paulo, suspeitos de ter negociado armas e munições com os atiradores. Um adolescente foi apreendido, no mês passado, suspeito de ter participado do planejamento do atentado. A Polícia Civil e o Ministério Público do estado continuam as investigações sobre a participação de um outro menor de idade e buscam ainda pessoas que fizeram apologia ao crime nas redes sociais.

O ataque à escola, ocorrido na manhã do dia 13 de março deste ano, foi feito por dois ex-alunos da escola – Guilherme Taucci, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos – encapuzados e armados. Antes de invadir a escola, eles mataram um comerciante, que era tio do adolescente. Na escola, cinco alunos e duas professoras morreram, além dos dois atiradores. O ataque deixou 11 feridos.

Os aparelhos celulares dos envolvidos no ataque foram rastreados e analisados, o que ajudou a polícia a chegar aos suspeitos. Um deles, um mecânico de 47 anos, que foi detido no último dia 10, em Suzano, com um revólver e munição, pode ter negociado armas e munições com os atiradores.

Os outros dois, um vigilante particular e um comerciante, também são suspeitos de ter vendido armas e munição. Eles foram presos, na última quinta-feira (11), em flagrante. A conclusão do Ministério Público é que os atiradores adquiriram as armas por meio das redes sociais.

Segundo o MP, o adolescente apreendido pode ter sido o mentor intelectual do crime. O advogado do jovem, porém, nega que ele tenha ligação com o crime. 

Uma equipe multidisciplinar do Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo (Imesc), que é vinculado à Secretaria de Justiça e Cidadania de São Paulo, foi a Suzano na quinta-feira (11) para fazer uma avaliação física e psicológica de 11 alunos feridos durante o ataque à Escola Raul Brasil. Os peritos produzirão laudos sobre a avaliação integral do dano pessoal sofrido pelas vítimas.


Fonte: Agência Brasil

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]