Dólar com. 5,360
IBovespa 0,23
28 de maio de 2020
min. 24º máx. 32º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Hospital de Emergência do Agreste tem capacidade ampliada para 57 leitos destinados à Covid-19
06/04/2020 às 11h15

Economia

CMN proíbe aumento de remuneração de administradores de bancos

Medida visa enfrentar efeitos da covid-19 na economia

O Conselho Monetário Nacional (CMN) vedou temporariamente a distribuição de resultados e o aumento da remuneração de administradores das instituições financeiras. O Banco Central (BC) informou que a medida faz parte de um conjunto de medidas adotadas para enfrentar os efeitos da covid-19 na economia.

O BC acrescentou que a medida evita “o consumo de recursos importantes para a manutenção do crédito e para a eventual absorção de perdas futuras”. As vedações serão aplicadas aos pagamentos referentes às datas-bases compreendidas entre hoje (6), data da entrada em vigor da resolução do CMN, e 30 de setembro de 2020.

Segundo o BC, o dinheiro retido não pode “constituir obrigação futura, nem serem vinculados de qualquer forma a pagamentos de dividendos no futuro, garantindo assim a disponibilidade de reservas no sistema pelo período de incidência das vedações”.

O BC ressalta que as instituições financeiras apresentam níveis confortáveis de capital e de liquidez, bem acima dos requerimentos mínimos estabelecidos. “Porém, dada a incerteza da magnitude do choque provocado pela covid-19, julga importante adotar, de forma proativa, requisitos prudenciais complementares mais conservadores. A prerrogativa de vedação à distribuição de resultados e ao aumento da remuneração de administradores é um dos instrumentos previstos pelo Comitê de Supervisão Bancária da Basileia”, diz o BC.

Depósito a prazo com garantia especial

Na reunião extraordinária realizada hoje, o CMN também autorizou o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) a elevar o valor máximo do Depósitos a Prazo com Garantia Especial (DPGE). Com a mudança, o valor máximo garantido do total de créditos de cada pessoa sobe de R$ 20 milhões para R$ 40 milhões.

Segundo o Banco Central (BC), a mudança faz parte das medidas preventivas adotadas pela autarquia e pelo CMN “para assegurar a manutenção da liquidez do Sistema Financeiro Nacional em momento de maior aversão a risco no contexto atual de incertezas quanto ao desdobramento da crise de saúde pública de importância internacional relacionada à covid-19”.

“O DPGE é um depósito a prazo com garantia do FGC e tem como objetivo assegurar liquidez (recursos disponíveis) às instituições de menor porte em ambiente de maior aversão a risco”, explicou o BC.


Fonte: Agência Brasil

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]