Dólar com. 5,360
IBovespa 0,23
28 de maio de 2020
min. 24º máx. 32º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Hospital de Emergência do Agreste tem capacidade ampliada para 57 leitos destinados à Covid-19
07/04/2020 às 16h15

Economia

Déficit público deve caminhar para R$ 500 bilhões, diz secretário

Para Mansueto Almeida, piora fiscal é forte, mas necessária neste ano

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse hoje (7) que o país deve fechar o ano de 2020 com um déficit primário de R$ 500 bilhões. De acordo com o secretário, o volume de recursos que o governo terá de injetar para combater a pandemia do novo coronavírus (covid-19) colocará o déficit muito acima do resultado negativo de 2019, que foi de R$ 61 bilhões.

“O buraco fiscal no ano passado foi em torno de R$ 61 bilhões e, este ano, estamos caminhando tranquilamente para algo em torno de R$ 450, R$ 500 bilhões de buraco fiscal”, disse Mansueto Almeida durante videoconferência organizada pelos jornais Valor Econômico e O Globo. “A piora fiscal é forte, mas é necessária neste ano, e vamos ter que aceitar isso de forma adulta”, acrescentou.

O secretário afirmou que o momento é de cuidar da saúde das pessoas e que também é preciso garantir renda para os trabalhadores mais vulneráveis, como os informais, que perderam por causa da pandemia. Para ele, as medidas adotadas até o momento pelo governo estão bem preparadas para os próximos três meses.

“É preciso proteger e dar renda a pessoas vulneráveis, pessoas que não estão podendo trabalhar neste momento e não por culpa delas”, disse Mansueto. “Se for preciso [adotar medidas emergenciais para] mais de três meses, a gente vai ter que sentar à mesa para ver o que fazer”.

Questionado sobre a ajuda emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais e a beneficiários do Bolsa Família, o secretário disse que os recursos ainda não chegaram devido à “dificuldade de entrega”. Segundo ele, outros países, além do Brasil, estão tendo dificuldades para executar as medidas aprovadas, devido à rapidez da crise.

“Todo mundo foi surpreendido pela velocidade desta crise que a gente está passando agora. Há um mês estávamos todos trabalhando, viajando, fazendo palestras sem saber que depois teríamos que ficar em casa”, disse Almeida, que citou o aplicativo criado pela Caixa Econômica para as pessoas se cadastrarem a fim de receber o benefício. “No Brasil quase todo mundo tem aparelho celular”.

Ele também citou a decisão do governo federal de recompor os fundos de Participação de Estados e Municípios (FPE e FPM). A estimativa é que sejam repassados R$ 16 bilhões para recompor as perdas causadas pela redução na arrecadação. O secretário afirmou que talvez a medida não seja suficiente, mas que o governo está estudando outras soluções para que os entes federados tenham capacidade de investimento após o fim da pandemia.

“A questão do investimento é uma preocupação legítima, mas é algo para o pós-crise, agora devemos nos concentrar na saúde e nas pessoas”, afirmou. “Tenho muito medo de esse debate acontecer agora, porque estão misturando coisas essenciais com coisas de curto prazo e o melhor, no momento, é se concentrar no curto prazo.”


Fonte: Agência Brasil

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]