Dólar com. 5.2885
IBovespa -2.07
20 de setembro de 2021
min. 21º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Educadores sociais destacam atuação na passagem do dia nacional neste domingo (19)
28/07/2021 às 19h30

Economia

Confiança do empresário do comércio de Maceió sobe 14,25% em dois meses

Se em julho de 2020, período de paralisação parcial das atividades, o indicador marcou 70,7 pontos, em julho de 2021, com maior flexibilização, alcançou 113 pontos

Divulgação

Após doze meses oscilando entre recuperação e queda, o indicador que mede a confiança do empresário do comércio na capital alagoana cresceu 14,25% entre os meses de junho e julho (junho – 6,47% e julho – 7,31%), conforme sinaliza a pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio AL, em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Com esse desempenho, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) demonstra tendência de crescimento após a queda vista em maio, quando marcou 98,9 pontos; o menor resultado de 2021.

Com a recuperação, o indicador marcou 113 pontos neste mês de julho. Em termos comparados, na variação anual, o indicador está 59,8% acima do registrado no mesmo mês de 2020, quando fechou em 70,7 pontos. “Vale lembrar que na época vivíamos um momento crítico de paralisação parcial das atividades econômicas causada pelo agravamento da pandemia de Covid-19 nos primeiros meses de 2020, apresentando, portanto, índices muito abaixo da média”, avalia Victor Hortencio, assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL), que também atribui o desempenho à maior flexibilização nos horários de funcionamento das atividades comerciais.

Subíndices

A análise do Icec considera os subíndices que o compõe: Condições Atuais do Empresário do Comércio, Expectativas do Empresário do Comércio e Intenções de Investimento. Em julho, os três tiveram aumento.

O de Condições Atuais do Empresário do Comércio subiu 14,6%, sendo puxado por seus índices secundários, como o de Condições Atuais da Economia (32,3%); o de Condições Atuais do Comércio (10,2%); e o de Condições Atuais das Empresas Comerciais (7,3%).

No que se refere ao subíndice de Expectativas do Empresário do Comércio, houve o crescimento foi de 1,9%, destacando-se a expectativa positiva para o indicador Economia Brasileira, com crescimento de 5,6%. Ainda de acordo com os dados da pesquisa do Instituto Fecomércio, este índice é o que está em melhor posição melhor entre os outros indicadores formadores do índice geral Icec, com média de 146,4 pontos.

Para o economista, o segundo semestre de 2021 se inicia com indícios de recuperação econômica no tocante à expectativa do empresário do Comércio. “Após um período profundamente crítico de incertezas e de colapso da saúde mundial, a vacinação em massa iniciada em janeiro de 2021, junto com os programas federais e estaduais, começou a mostrar seus reflexos positivos”, avalia Hortencio, acrescentando que mesmo com índices recordes de desemprego (de 14,7%), o mês de maio apresentou, em Alagoas, saldo de empregabilidade positivo de 2.725 vagas, somado ao crescimento de 5,5% do volume de vendas do varejo naquele mês.

Como reflexo, o índice de Investimento do Empresário do Comércio teve incremento de 9,6%. Dentre seus três pilares secundários, o indicador que mensura a contratação de funcionários foi o que mais sofreu impacto positivo, aumentando em 21,4%. Também tiveram aumento, embora mais tímidos, as intenções de nível de investimento (3,2%) e a situação atual dos estoques (3%).


Fonte: Ascom Fecomércio/AL

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]