Dólar com. 5.2684
IBovespa 0.58
16 de abril de 2024
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Setur divulga lista de municípios validados no Mapa do Turismo Brasileiro
28/01/2017 às 15h47

Geral

Trabalho escravo no mercado da moda é tema de debate no Rio de Janeiro

Pesquisadores e profissionais da moda se reúnem neste sábado (28), no Museu de Arte do Rio (MAR), na Praça Mauá, para discutir a exploração nas cadeias produtivas da indústria têxtil na data em que se lembra o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo.

Com o título de Esquenta Fashion Revolution Rio, a iniciativa tem como objetivo promover o consumo consciente e a reflexão sobre as cadeias produtivas que estão por trás do que é consumido atualmente. Na mesa de debates “Escravos da Moda”, a procuradora do Trabalho Guadalupe Couto abordou a questão do trabalho exploratório na indústria têxtil.

“O evento é para conscientizar as pessoas sobre a existência de trabalhador submetido à condição análoga de escravo na indústria têxtil. Temos na cadeia produtiva de grandes grifes a exploração de trabalhadores como escravos. São submetidos a condições degradantes, sem água, sem moradia em condições dignas, sem equipamentos de proteção, sem salários e sem os direitos trabalhistas. Muitas vezes submetidos ao cerceio da liberdade de ir e vir, são mantidos presos nas oficinas e submetidos a jornadas exaustivas”, disse a procuradora.

Segundo a procuradora, as pessoas submetidas à condição análoga à escravidão na indústria moda no Brasil são, principalmente, brasileiros, bolivianos, peruanos, além de outros cidadãos latino-americanos em grave situação de vulnerabilidade, que acabam se submetendo ao trabalho degradante.

O evento, promovido pelo Fashion Revolution Brasil, conta com as parcerias do Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro (MPT-RJ), da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos e da Cáritas RJ. Além das mesas de debate, estão programados um bazar de troca com o projeto Excambo, cinedebate com exibição do documentário The True Cost, e oficinas de reciclagem.

O Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo foi escolhido em homenagem aos auditores fiscais do trabalho Eratóstenes de Almeida, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e ao motorista Ailton Pereira de Oliveira, assassinados quando investigavam denúncias de trabalho escravo na zona rural do município de Unaí (MG) no ano de 2004. A data foi oficializada em 2009.


Fonte: Agência Brasil

Todos os direitos reservados
- 2009-2024 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]