Dólar com. 3,888
IBovespa -1.98
18 de novembro de 2019
min. 24º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Justiça do Trabalho determina que a Equatorial cumpra acordos firmados antes da privatização da Ceal
11/09/2019 às 10h30

Geral

Estudo descobre como genes determinam se alguém é canhoto ou destro

Pela primeira vez, cientistas descobriram as regiões do DNA que determinam o lado dominante do corpo

Cientistas britânicos detectaram pela primeira vez as regiões do DNA que determinam por que algumas pessoas são canhotas. Os pesquisadores acreditam que essas áreas estejam ligadas também a habilidades de linguagem operadas pelo cérebro.

Para efeitos da pesquisa, foram analisadas informações genéticas de cerca de 400 mil pessoas do UK Biobank, um grande banco de dados sobre predisposições genéticas que começou a ser formulado em 2006.

Após examinarem as imagens cerebrais de nove mil pessoas, cujo perfil genético já havia sido avaliado, os cientistas notaram que tanto o lado direito quanto o esquerdo do cérebro que lidam com a linguagem operam de forma mais coordenada em pessoas canhotas.

Foi possível identificar também quatro regiões do DNA que determinam se uma pessoa é destra ou canhota. Segundo os pesquisadores, três dessas zonas influenciam genes que codificam proteínas relacionadas ao desenvolvimento do cérebro.

Além disso, os genes que indicam a nossa mão dominante (seja a esquerda, seja a direita) são responsáveis também pela formação do citoesqueleto, estrutura que mantém a forma das células em animais como caracóis e sapos.

De acordo com Gwenaëlle Douaud, coautora do estudo, já se sabe que as diferenças nos citoesqueletos de muitos destes animais são “eventos geneticamente induzidos muito cedo”.  Segundo a cientista, isso sugere que o desenvolvimento da dominância de certo lado do corpo começa a aparecer no cérebro já no útero.

Os estudiosos também identificaram que, pelas características genéticas, pessoas canhotas seriam menos propensas a ter Parkinson e mais expostas à esquizofrenia. Embora essa relação ainda não esteja confirmada, o estudo serve para reavaliar o caminho de pesquisas futuras sobre essas doenças.


Fonte: Notícias ao Minuto

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]