Dólar com. 3,888
IBovespa -1.98
12 de novembro de 2019
min. 24º máx. 31º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Evo Morales chega ao México e denuncia golpe de estado na Bolívia
20/09/2019 às 11h30

Geral

Culto ao corpo: Até onde vai o fascínio pelo 'corpo perfeito'?

Ter cuidado com o corpo é fundamental tanto para a saúde como para ter uma vida duradoura. Contudo, o que antes era uma preocupação 'saudável', atualmente é, em muitos casos, um problema

obsessão por um corpo perfeito ganha cada vez mais ênfase nesta nova era do digital, onde o corpo ideal está constantemente presente nas redes sociais. As cirurgias plásticas são uma das formas de obtê-lo, mas elas também podem se tornar um vício.

Segundo Luiz Toledo, cirurgião plástico, a lipoaspiração e a lipoescultura são os procedimentos estéticos mais procurados, porque “permitem alterações significativas na forma do corpo, retirando gorduras localizadas que não saem com dietas e exercícios, e com cicatrizes muito pequenas”.

Estas cirurgias são procuradas sobretudo por “pacientes que querem melhorar as mamas (aumento ou diminuição) e o abdomen, principalmente depois da gravidez, no caso das mulheres, ou por pacientes que precisam de cirurgias pós-bariátricas, necessárias após uma grande perda de peso".

É possível melhorar praticamente qualquer zona do corpo onde exista excesso de gordura - abdomen, cintura, costas, pernas, braços ou pescoço. Mas quando estas cirurgias estéticas começam a ser em exageradas? Para o especialista, “quando o/a paciente perde o senso do que é normal e começa a procurar cirurgias para problemas que mais ninguém vê ou nota”.

A obsessão em querer ficar igual aos famosos pode chegar ao extremo, se os médicos continuarem a operar o que o paciente exige. Nestes casos, “é preciso saber dizer que não e tentar convencer o paciente a aceitar a opinião do especialista". 

Por isso é fundamental que as cirurgias estéticas sejam realizadas por um bom cirurgião plástico, capaz de perceber e identificar estas situações, que possua formação de especialidade completa e que seja membro das principais sociedades médicas da área, pois “é uma boa indicação de que os problemas, se ocorrerem, serão raros e minimizados e que o cirurgião tem a competência para os resolver”.


Fonte: Notícias ao Minuto

Todos os direitos reservados
- 2009-2019 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]