Dólar com. 4.8785
IBovespa 0.58
23 de maio de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Serviço de bordo em voos nacionais começa a ser retomado neste domingo
25/04/2022 às 07h37

Geral

Cientista política analisa quadro partidário após janela

Luciana Santana, cientista política - Arquivo/Sandro Lima

Por Carlos Amaral

Os personagens da política alagoana com mais expressão nacional atualmente são o senador Renan Calheiros e o deputado federal Arthur Lira. E foram eles que deram a tônica das migrações de legenda durante o período da janela partidária em 2022. É o que aponta a cientista política, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Luciana Santana.

“É possível perceber na reconfiguração partidária da Assembleia Legislativa dois movimentos, especialmente em relação a alguns candidatos que, de alguma maneira são estratégicos dentro do xadrez político em Alagoas. De um lado, Arthur Lira e de outro, Renan Calheiros. Então, a gente consegue perceber nessas mudanças de partido, o aumento da força do MDB na Assembleia Legislativa, o que não é pouca coisa. A gente teve uma migração muito grande rumo ao MDB, um cenário muito diferente do resultado das urnas de 2018. Isso tem a ver com o rompimento entre Arthur Lira e Marcelo Victor, que é o homem forte dentro da Assembleia e contribuiu com esse processo de articulação e viabilizou esse volume de migrações para o MDB”, comenta Luciana Santana.

A cientista política ainda ressalta que o crescimento da bancada emedebista na Casa de Tavares Bastos garante a continuidade do governo Renan Filho até dezembro de 2022.

“No âmbito da Assembleia Legislativa, a gente tem o MDB muito mais e, consequentemente, é isso vai garantir a continuidade do governo Renan Filho com um governador-tampão, eleito por essa Casa e, sendo do MDB, vem forte para a disputa proporcional em 2022”, analisa Luciana Santana.

Contudo, a professora da Ufal ressalta que o PP está mais forte para as eleições deste ano do que pode aparentar o saldo da janela partidária.

“Esse ano, o PP, apesar de não apresentar força nessas mudanças, o partido está como grande apoiador de outras legendas que acabaram ganhando musculatura política na janela partidária. O União Brasil é um exemplo disso e, a depender de como for a campanha para governador com o Ro­drigo Cunha como candidato, a gente deverá ter um fortalecimento grande dessa base que conta com o PP entre os principais apoia­dores”, diz Luciana Santana.

Já em relação à Câmara dos Deputados, a cientista política aponta que o PP terá crescimento em relação à eleição de 2022.

“Na Câmara, eu vejo um movimento, provavelmente, diferente e a gente vai ter um fortalecimento maior do PP. Acredito que isso é mais acertado, tendo em vista o cargo que ocupa, hoje, o deputado Arthur Lira [presidente da Câmara dos Deputados]. Um dos objetivos dele este ano é, além de reeleger, é ter um volume muito maior de votos e ter mais apoiadores do PP. Isso é uma estratégia, inclusive, em âmbito nacional de ampliar a força do ‘centrão’ na arena legislativa nacional, especialmente na Câmara dos Deputados”, analisa.

“Diferentemente do movimento que a gente vê na Assembleia Legislativa, na Câmara dos Deputados, a bancada federal tem muito mais movimentações pró-PP e sua base, partidos aliados, que o próprio MDB que, para mim, nessa esfera, ainda é uma incógnita  sobre o que vai acontecer na eleição de 2022”, completa Luciana Santana.

Já em relação às mudanças na bancada de Alagoas no Senado, Luciana Santana diz não enxergar mudanças substantivavas em termos partidários.

A cientista política, no entanto, ressalta a percepção de fragilização política do PSDB.

“O PSDB sofre uma fragilização muito grande, mas isso não ocorre só em Alagoas. O partido já teve governador em Alagoas, por mais de um mandato, que já foi um dos principais partidos de Alagoas, em termos de prefeituras, mas que se encontra em situação bastante delicada. O fato de Jó Pereira poder ser a vice de Rodrigo Cunha não melhora a condição do partido em Alagoas. Não consigo perceber que o PSDB terá avanço na bancada federal de Alagoas”, comenta Luciana Santana. “E no Senado, o partido não apresenta nome e deve ser um apoiador do indicado pelo PP”, completa.


Fonte: Painel Alagoas

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]