Dólar com. 5.2417
IBovespa 0.58
26 de junho de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Atrações de vários estilos musicais vão esquentar o sábado junino em Maceió
24/05/2022 às 09h43

Geral

Maceió se prepara para o período de chuvas intensas

Prefeitura realiza ações para atenuar efeitos danosos do outono/inverno em ruas e barreiras

Célio Júnior/Secom Maceió

Por Marcos André

A chegada do outono coloca os meteorologistas dos grandes centros urbanos em alerta. É que o inverno se avizinha e com ele, os riscos de enchentes e deslizamentos de encostas causadas pela chuva. Em Maceió, a Prefeitura criou o grupo Previne Maceió, ainda em 2021, para atuar de forma programática na redução dos danos e aumentar o tempo de resposta às catástrofes climáticas.

O Previne Maceió é coordenado pela Defesa Civil. O órgão conta com uma sala de monitoramento, que acompanha em tempo real a situação climática da capital, com o objetivo de alertar e ajudar as famílias a saírem das casas, quando houver risco iminente de desabamento – através do serviço de envio de mensagens (SMS).

“Nossas equipes estão em monitoramento constante em as todas as áreas que tiveram notificações de ocorrências e vamos executando ações externas para assegurar a diminuição de desastres”, acrescentou Abelardo Nobre, coordenador da Defesa Civil Municipal.

As ações do Previne Maceió são permanentes, explica Caroline Sarmento. Ela é coordenadora interina de Planejamento e Prevenção e Redução de Risco da Defesa Civil e salienta que o órgão mapeia esses pontos de risco durante todo o ano e atua antes de iniciar o período chuvoso, para evitar que as pessoas que moram nesses locais corram riscos.

Além deste trabalho preventivo – e efetivo -, os técnicos vistoriam as áreas de encostas, a fim de sistematizar um diagnóstico das moradias e encaminhar as famílias para as pastas competentes. Até o momento, 159 pontos da capital receberam trabalhos pontuais e urgentes de proteção, que é a instalação de lonas.

A Defesa Civil explica que uma das medidas tomadas em caráter de urgência é a instalação de lonas em barreiras e encostas. Elas foram colocadas de forma temporária, até que as obras definitivas sejam realizadas pela Infraestrutura Municipal.

“Temos o bom exemplo do bairro Chã da Jaqueira, que foi todo contemplado com a aplicação de lona nas encostas e como resultado, não tivemos nenhuma ocorrência grave na região, com as últimas chuvas de março. Fernão Velho e Chã da Jaqueira também”, enfatiza Carolina Sarmento.

Já as encostas devidamente concretadas dão segurança à população. À exemplo do trabalho realizado na Grota Bom Jesus, no Benedito Bentes. Seus mais de 400 moradores que já não correm risco com a conclusão da encosta erguida pela Secretaria Municipal de Infraestrutura.

Mais duas localidades também receberam trabalho similar: grota São Rafael (Jacintinho) deve ser entregue ainda este ano; e a grota do Aterro (na Rotary) foi finalizada.

Os agentes realizaram um total de 733 vistorias técnicas e 412 encaminhamentos para outras secretarias. As ações já foram realizadas nos bairros Chã da Jaqueira, Jacintinho, Feitosa, Bebedouro, Fernão Velho, Novo Mundo, João Sampaio, Jardim Petrópolis e todo o litoral norte, de Ipioca até Cruz das Almas.

Trabalho integrado

Após o diagnóstico da Defesa Civil, a Secretaria Municipal de Convívio Social demoliu imóveis que corriam o risco de desmoronar. Já a Secretaria de Infraestrutura realizou obras de drenagem e desobstruiu as galerias de águas pluviais.

Em paralelo, a Su­pe­rin­tendência de Desenvolvi­mento Sustentável (Sudes) podou e supriu as árvores que ameaçavam cair.

As famílias que deixaram suas casas receberam aluguel social e foram cadastradas pela Secretaria Adjunta de Habitação para receberem moradia digna e segura. Em situação de emergência, a Secretaria de Assistência Social disponibiliza um abrigo, com estrutura mínima de estada – já concluída, no bairro do Poço.

Após a constatação e condenação da Defesa Civil em casas localizadas em encostas, a Seminfra atuará na remoção imediata dos imóveis. Cerca de 800 famílias já foram mapeadas pela Diretoria Social da Defesa Civil e deverão receber, temporariamente, R$ 500 por quatro meses de aluguel social.

Só este ano, foram realizados mais de mil atendimentos às famílias que moram em áreas de risco. Ao todo, 412 foram encaminhadas para os órgãos competentes e 325 destas famílias estão recebendo assistência do Município.


Fonte: Painel Alagoas

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]