Dólar com. 5.1399
IBovespa 0.58
16 de agosto de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel CNJ apura denúncias de assédio sexual contra juiz do trabalho de SP
06/08/2022 às 13h30

Geral

Varíola dos Macacos: saiba como acontece a transmissão, quais os sintomas e as formas de prevenção

Especialista do PAM Salgadinho esclarece dúvidas sobre a doença

Médico infectologista do PAM Salgadinho, Renee Oliveira. - Ascom SMS

Causada por um vírus chamado Monkeypox, a Varíola dos Macacos é considerada uma zoonose - doença infecciosa transmitida entre animais e seres humanos. Observando o avanço da doença no Brasil, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Maceió faz um alerta à população para os cuidados contra o vírus.

De acordo com o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS) de Maceió, até o dia 30 de julho de 2022, dois casos suspeitos de Monkeypox foram confirmados na capital alagoana. Segundo o CIEVS, os pacientes não necessitaram de internação hospitalar. Contudo, permanecem em investigação e isolamento domiciliar, aguardando confirmação laboratorial e sendo monitorados pelas equipes do CIEVS e da Vigilância Epidemiológica do Município.

Para esclarecer dúvidas sobre a doença (transmissão, sintomas, tratamento e prevenção), o médico infectologista do PAM Salgadinho, Renee Oliveira, ao falar com a Ascom SMS, traz explicações à população. Veja os principais trechos da entrevista.

Ascom SMS - O que é a Varíola dos Macacos?

Renee Oliveira - A Varíola dos Macacos é uma doença causada pelo vírus “Monkeypox”, pertencente à mesma família do vírus que causava a varíola - uma doença que foi extinta na década de 80. É uma doença que pode infectar tanto seres humanos quanto animais, ou seja, ela é uma zoonose.

Ascom SMS - Como acontece a transmissão?

Renee Oliveira - Inicialmente, a transmissão na África ocorria por meio do contato das lesões ou secreções humanas com o animal infectado. Atualmente, a transmissão ocorre de forma diferente, principalmente pelo contato pessoal e direto com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas contaminadas ou objetos infectados. Gestantes também podem transmitir a doença para o bebê através da placenta.

Ascom SMS - Quais são os sintomas?

Renee Oliveira - O período de incubação do vírus se dá por volta de 7 a 21 dias. Após esse período, o paciente apresenta febre alta, mialgia, fadiga, dor de cabeça, cansaço, dor nas costas e aumento dos glânglios linfáticos (uma caraterística da monkeypox que vai diferenciar de outras doenças, a exemplo da catapora). Uns dois ou três dias após o quadro febril, inicia o aparecimento das erupções (bolhas) na pele.

Ascom SMS - Qualquer pessoa pode ser acometida com a doença ou há um “perfil de infectados”?

Renee Oliveira - Qualquer pessoa pode pegar a doença, basta apenas fazer o contato com pessoas infectadas pela enfermidade.

Ascom SMS - Onde e quando procurar atendimento médico?

Renee Oliveira - A porta de entrada inicial para um pessoa infectada com monkeypox são as Unidades Básicas de Saúde, pois, na maioria das vezes, são quadros leves. Ao surgir os sintomas, o paciente precisa buscar o atendimento médico e realizar o isolamento, pois a transmissão acontece, predominantemente, pelo contato físico e secreções respiratórias.

Ascom SMS - Como é feito o tratamento da doença?

Renee Oliveira - O tratamento da varíola dos macacos é baseado no controle dos sintomas que o paciente apresenta. No caso das lesões, o paciente pode apresentar dor. Logo, é necessário tratar essas lesões para evitar infecções secundárias. Grupos específicos como idosos, crianças e pessoas imunocomprometidas podem encaminhar os sintomas para um agravamento da doença, havendo a possibilidade de ir à óbito, por isso é necessário um tratamento diferenciado para esse público.

Ascom SMS - Quais as medidas de prevenção contra a Varíola dos Macacos?

Renee Oliveira - Para prevenir a doença, é importante fazer o uso de máscara porque o contágio também se dá pelas gotículas das vias respiratórias. Também é necessário evitar lugares fechados, evitar contato físico por meio de relação sexual, beijos e abraços com pessoas que tenham lesões na pele, ou até tocar em feridas. Higienizar bem as mãos diariamente e também ao ter contato direto com objetos.


Fonte: Ascom SMS

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]