Dólar com. 5,360
IBovespa 0,23
28 de maio de 2020
min. 24º máx. 32º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Hospital de Emergência do Agreste tem capacidade ampliada para 57 leitos destinados à Covid-19
06/04/2020 às 10h30

Política

Proposta suspende pagamento de dívidas de estados e municípios durante pandemia

O autor da proposta, deputado Eduardo Bismarck - Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 62/20 suspende o pagamento das parcelas mensais das dívidas de estados e municípios com a União enquanto perdurar o estado de calamidade pública, reconhecido pelo Decreto Legislativo 6/20.

A proposta, do deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE), vale para dívidas estaduais e municipais refinanciadas com a União e também para dívidas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Encargos por falta de pagamento não poderão ser cobrados e nem estados e municípios terem algum tipo de restrição de repasses. Os valores não pagos serão incorporados ao saldo devedor ao final do estado de calamidade pública.

Segundo Bismarck, o confinamento necessário afetará a arrecadação de estados e municípios e criará dificuldades para pagamento de obrigações fiscais.

STF

Alguns estados, como Bahia, Paraná e São Paulo, já pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender as dívidas. O ministro do STF Alexandre de Moraes já concedeu liminares a 12 estados para adiar o pagamento das parcelas da dívida pública à União por 180 dias.

De acordo com as decisões, neste período, os recursos que iriam para a União deverão ser usados em ações de combate ao coronavírus.

“Compete ao Parlamento dar uma resposta ao problema, para evitar inundar o STF com processos com o mesmo objetivo e para trazer isonomia de condições aos entes”, afirmou Bismarck.

O deputado lembrou que não condicionou a destinação dos recursos das parcelas não pagas para ações contra o novo coronavírus. “Competirá ao ente a decisão de como utilizar melhor seu orçamento, ainda que grande parte do valor, na prática, seja destinada a ações de saúde”, disse Bismarck.


Fonte: Agência Câmara de Notícias

Todos os direitos reservados
- 2009-2020 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]