Dólar com. 5.6069
IBovespa 0.84
15 de abril de 2021
min. 25º máx. 29º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Operação desarticula organização especializada no tráfico de drogas em Anadia e Maceió
04/03/2021 às 13h10

Política

Covid-19: novas restrições no Rio são preventivas, afirma prefeito

Bares e restaurantes passam a ter horário reduzido a partir de amanhã

Tânia Rêgo/Agência Brasil

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse hoje (4) que as novas medidas restritivas adotadas pela administração municipal são uma forma preventiva de combater a covid-19. Afirmou que não houve registro de aumento de casos, nem de óbitos, mas foi identificada uma tendência de alta nos atendimentos na rede de urgência e de emergência de pessoas com síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave, que antecedem a notificação de um caso de covid-19. 

Hoje, a prefeitura do Rio publicou nesta quinta-feira decreto com novas medidas de isolamento social para combater a pandemia. Entre elas, figura a proibição de permanência de pessoas em vias e áreas públicas das 23h às 5h. Também foi determinado que bares, lanchonetes e restaurantes devem fechar, para atendimento presencial, a partir das 17h. Esses estabelecimentos só poderão funcionar das 6h às 17h, podendo atender a um número máximo de clientes correspondente a 40% de sua capacidade instalada.

“Essas medidas têm um objetivo principal: evitar que se repita em 2021 o genocídio de 2020, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro”, disse o prefeito, durante a apresentação das novas medidas de restrição e da nona edição do Boletim Epidemiológico, destacando que, em 2020, a capital teve taxas de mortalidade e de letalidade acima de São Paulo, a maior cidade do país e que tem o dobro da população do Rio. Paes afirmou que os dados dos atendimentos, ainda que sem confirmação da contaminação, são os que mais o preocupam. “Quando a gente olha para esse dado aí, ele é um dado que liga um sinal de alerta. É um dado que vem me incomodando e a todos da prefeitura desde o finalzinho da semana passada. Daí eu ter intensificado o debate com os especialistas sobre esse tema. Nosso objetivo é nos antecipar para que possamos manter os números baixos [da doença] que estamos tendo este ano”, garantiu.

Fatores

Paes afirmou que quatro fatores serviram de base para a adoção das medidas que entram em vigor hoje às 17 horas e vão valer até o fim da próxima quinta-feira (11). 

Além dos dados científicos sobre o aumento de atendimentos nas unidades de saúde de pessoas com sintomas da doença, foi considerado o agravamento do cenário que vem ocorrendo no país e, especialmente no entorno, com os estados de Minas Gerais e São Paulo. 

Outro fator levado em consideração foi a nota técnica do Boletim do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado na terça-feira (2), alertando de que, pela primeira vez desde o início da pandemia, foi verificado em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento de casos de covid-19 e óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais. 

“Há uma situação nacional que isso possa chegar ao Rio de Janeiro. Ainda não chegou e espero que não chegue” explicou. O quarto fator é a falta de respeito por parte da população às regras sanitárias e medidas restritivas já adotadas para evitar aglomerações, inclusive, com pessoas sem usar máscaras de proteção. 

“O que nós vemos, infelizmente, é uma irresponsabilidade”, afirmou Paes, isentando donos de bares e restaurantes, que segundo ele, têm colaborado.

Carnaval

O prefeito contestou a avaliação de que o aumento de atendimentos com sintomas da doença tenha sido provocado especificamente por causa de aglomerações no carnaval, que foi cancelado. Paes voltou a falar que boa parte da população seguiu as orientações de evitar concentrações e citou o fato deste ano não ter ocorrido a apresentação do Cordão da Bola Preta, que costuma reunir um número elevado de foliões. “Não tivemos o Bola Preta, nem [outros] blocos nas ruas. As pessoas colaboraram majoritariamente no carnaval. Algumas desrespeitaram, mas a maioria colaborou”.

Mapa

Embora o mapa da cidade mostre que Copacabana, na zona sul, seja a única das 33 regiões administrativas a permanecer em risco alto para a doença, na cor laranja, a prefeitura resolveu manter a capital nesta condição com todas as medidas restritivas que já estavam valendo. 

O Boletim Epidemiológico costuma ser divulgado às sextas-feiras, mas foi antecipado pela necessidade do anúncio das novas medidas. “Os números positivos que temos em 2021, o que nós queremos é que eles continuem positivos. Daí, a razão de boa parte das restrições que anunciamos hoje”, concluiu o prefeito.

Fiscalização

O prefeito do Rio anunciou que as ações para verificar o cumprimento de novas medidas serão analisadas ainda hoje, durante reunião com representantes das forças de segurança do estado, que dão apoio às fiscalizações, e da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop). 

“Essas medidas que estamos tomando hoje facilitam a fiscalização do município. Precisamos ter mais capacidade de agir. É muito difícil chegar com as medidas que temos que tomar e fiscalizar. São medidas concretas. Eu vi no domingo quiosques na Lagoa Rodrigo de Freiras, uma vergonha. Ninguém quer fechar quiosques, mas as pessoas estão se aglomerando ”, afirmou.

Lockdown

O prefeito disse que entende as dificuldades causadas  pelas medidas restritivas, mas reforçou que elas são necessárias para evitar que a situação se agrave e o município tenha que decretar lockdown (bloqueio total do comércio e outros setores). Afirmou, no entanto, que se não houver alternativa, isso será feito. 


Fonte: Agência Brasil

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]