Dólar com. R$ 3,209
IBovespa +0,56%
22 de janeiro de 2018
min. 26º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel PF diz que uso de algemas em Cabral foi necessário para garantir “segurança”
12/01/2018 às 09h30

Esporte

Presidente de clube da Copinha comenta denúncias de suborno a jogadores

Jovem atleta do Estanciano revelou esquema nessa quinta

Reprodução/TV Sergipe

O presidente do Estanciano, de Sergipe, negou a declaração do jovem atacante Daniel, que revelou detalhes sobre uma oferta de suborno que os jogadores do time dele receberam para “entregar” a partida contra o Itapirense, pela Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Sidney Araújo afirmou que tudo não se passou de um mal-entendido:

"Estou tranquilo, fiz as coisas pensando no clube. Recebi notícias que seria feito um esquema no Estanciano e que teria uma pessoa lá dentro que não era confiável. Fiz tipo um teatro, até dei uma de detetive, mas infelizmente as coisas não deram como a gente queria, mas eu tenho certeza que nestes três jogos não teve nenhuma situação irregular", afirmou. Ele ainda complementa dizendo que "aquilo ali foi um teatro pra colher o maduro, pra chegar a um objetivo maior".

"Porque eu tenho certeza absoluta que este rapaz fez coisas erradas, não digo no Estanciano, mas em outros clubes, mas não tenho provas pra chegar e afirmar. Hoje em dia você tem que ter provas concretas. Ele faz parte do grupo do Estanciano, mas quem trouxe ele foi a empresa Valdevan 90, que chegou pra fazer um estágio no clube. Não conheço este rapaz, não gostava dele, mas é um problema deles lá. Mas se tiver certeza vou apurar fatos, aí sim, vou entregar a polícia em São Paulo", relata.

Relembre as declarações de Daniel:

“A gente estava no hotel e soube que dois empresários queriam falar com a gente. Descemos, entramos no carro e começamos a conversar. Eles disseram que tinha proposta do time da China, que levaria a gente para lá. Mas em um momento começou a falar de pagamento para entregar o jogo. Nesse momento, comecei a gravar. É um momento difícil, dá um aperto na gente, que fica com medo, e fica ruim para o clube também”, disse o atleta, em entrevista à EPTV, afiliada da Rede Globo.

"Eles comentaram que dariam o dinheiro na nossa mão antes ou depois do jogo. Eram R$ 2 mil para perder. Se fizesse pênalti, davam mais R$ 500. Em nenhum momento chegamos a pensar em aceitar. Ficamos com medo. Pegamos a gravação e passamos para os nossos responsáveis", acrescenta Daniel.

A Federação Paulista de Futebol investigará o caso por meio de seu Comitê de Integridade.


Fonte: Notícias ao Minuto

Todos os direitos reservados
- 2009-2018 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]