Dólar com. 5.6191
IBovespa 0.48
15 de abril de 2021
min. 25º máx. 29º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Operação desarticula organização especializada no tráfico de drogas em Anadia e Maceió
13/03/2021 às 10h20

Blogs

A queda de um “quase mito”

Eu escrevi que Moro nada mais era que um juiz no cumprimento de seu dever, Renan Calheiros disse que ele era um “transgressor”. Renan estava certo.


Para refletir:

“O grande acontecimento do século foi a ascensão espantosa e fulminante do idiota”. (Nelson Rodrigues).


 Desde o início da Operação Lava Jato sempre fiz críticas ao “modus operandi” de procuradores e magistrados que estavam à frente da maior caça aos agentes da corrupção no país.

Muitas vezes fui alvo de críticas e insultos por não aceitar a condição de “mito” que foi outorgada ao juiz de Curitiba, por ignorantes fanáticos. Vi sempre nos protagonistas da Lava Jato muito menos operadores do Direito e muito mais péssimos atores de circo mambembe, em busca de “flash” e notoriedade.

O lado positivo da Lava Jato: Não se pode negar os aspectos positivos da Lava Jato, desmantelando o maior escândalo de corrupção da história da política brasileira. Nunca se imaginou ministros, governadores, senadores, deputados e os mais poderosos empresários presos e condenados. Bilhões dos cofres públicos recuperados, patrimônios bilionários sequestrados, mas em contrapartida pagamos um altíssimo preço, cuja conta vai demorar muito para fechar.

Percebe-se agora, depois de rompidos os segredos nas entranhas das conversas telefônicas entre os procuradores da operação e o juiz Sérgio Moro a podridão que sempre esteve presente em todos os movimentos, que não buscaram salvar o país da corrupção, mas a construção de um projeto de poder calcado na mentira, nos excessos e na construção de provas fictícias. Agiram como bandidos quando prenderam sem investigar, condenaram sem provas e o pior: criaram uma “corrente do mal”, que influenciou muito nas eleições presidenciais de 2018.

Os maiores erros da Lava jato

O ministro Luiz Roberto Barroso, dizia esta semana “Não precisei da violação da privacidade para identificar os erros cometidos e curiosamente esses erros se concentraram em uma pessoa. Eu não faria diagnóstico nem de má fé nem de impessoalidade, mas eu os encontraria  no vazamento das conversas  da ex-presidente Dilma com o ex-presidente Lula, eu situaria numa desnecessária  condução coercitiva, eu situaria em um Power Point de espetacularização na justiça, que eu não acho próprio e possivelmente na delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci”. 

Não se pode, entretanto, condenar simplesmente a operação, que se tornou um símbolo de nossa sociedade contra a corrupção e a impunidade. Nem também aceito a teoria conspiratória petista de afirmar que “a Lava Jato foi criada para prender Lula”. Os propósitos foram elevados, mas os atores é que desvirtuaram e se perderam no caminho das vaidades, do poder e da conspiração.

O pequeno Sérgio Moro

O juiz Sérgio Moro nunca foi grande de verdade. Um magistrado inteligente, preparado, quando de repente lhe cai no colo a grande chance de se tornar o paladino da moralidade no Brasil. Não perde tempo e assume o protagonismo da maior operação de combate à corrupção brasileira, reunindo um grupo seletivo de procuradores ao seu lado, igualmente preparados.

O maior de todos os seus erros foi quando demonstrou sua dimensão de “pigmeu” ao aceitar jogar fora 22 anos de magistratura e  o comando da Operação Lava Jato em troca da promessa do presidente, que ele ajudou e eleger, que seria galgado ao Supremo Tribunal Federal , após desempenhar o ridículo papel de ministro da Justiça, no qual se revelou um fraco, até que foi convidado a sair. 

Acabar com o que resta da Operação Lava-Jato para favorecer políticos e grupos econômicos poderosos significaria um grande retrocesso. Os brasileiros devem estar unidos para não permitir que o retrocesso se concretize em nosso país, que já deu o bom exemplo de que é possível combater a corrupção e recuperar parte do dinheiro público desviado.

De todos nós

A responsabilidade em relação a pandemia é de todos nós. Sociedade, governos, empresários, trabalhadores, velhos e jovens. Não é hora de reclamar

porque o seu estabelecimento teve restrições, está impedido da cerveja com os amigos, frequentar nossas lindas praias lotadas de gente sem máscara e por aí vai. Se todos cumprirmos com as regras de distanciamento, medidas sanitárias e os devidos cuidados, isso vai passar mais rápido. Se não cuidamos, todos esses prazeres poderão acabar de vez, com você contaminado, entubado e até morto. Pense nisso e também em seus pais, parentes e idosos vulneráveis.

O governo está fazendo a sua parte e a prefeitura também. A vacinação está crescendo e imunizando nossa população. Já estivemos mais longe e vai passar logo. Assuma a sua parte, seja consciente, preserve sua vida e a dos seus.

Arrumando a casa 

A Escola de Formação e Desenvolvimento de Pessoal (Prefeitura de Maceió), vinculada à Secretaria de Gestão, está passando por uma auditoria interna, após a constatação de uma série de irregularidades. O prefeito JHC determinou que fosse passado um “pente fino” por técnicos do órgão de Controle Interno. Só depois de concluído o trabalho, estará sendo retomada uma ampla programação de capacitações e treinamentos, voltados para as áreas de interesse dos servidores.

Marcelo Victor

O deputado Marcelo Victor, presidente da Assembleia Legislativa, tem tido um papel de muito destaque nas decisões políticas do presente e do futuro. Um jovem parlamentar, mas que já acumula uma farta experiência de liderança. De tradicional família palmeirense, (filho do ex-deputado Gervásio Raimundo) embora não tenha a cidade como seu foco político, estende sua penetração em vários importantes redutos eleitorais e a cada eleição aumenta o seu contingente de votos. Sabe o que quer e onde quer chegar, com sua maneira de ser, cumpridor da palavra e amigo de muita lealdade. Não tenho dúvidas de que Marcelo Victor vai caminhar ainda por longas e promissoras estradas da política alagoana.

Alexandre Ayres

Merece aplausos o papel desempenhado pelo secretário estadual de Saúde, Alexandre Ayres, neste momento de pandemia para os alagoanos. Colocou a pasta nos eixos, acabou com vícios que traziam prejuízos a administração (muitos causados por seus antecessores) e tem se dedicado 24 horas por dia, ao lado do governador, ao combate ao vírus e salvar vidas preciosas de alagoanos. Seu trabalho precisa ser reconhecido e destacado.

Pílulas do Pedro

Governador Renan Filho tem tido importante papel para colocar Alagoas na dianteira dos demais estados, no combate ao Coronavírus.

Na Assembleia, o deputado Davi Maia domina o plenário com pautas de interesse do povo alagoano.

Secretário, Lininho Novais, (Secom/Maceió) com excelente desempenho e relação com setores da imprensa.


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]