Dólar com. 5.6154
IBovespa 0.19
28 de outubro de 2021
min. 23º máx. 30º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto
11/10/2021 às 09h40

Blogs

Os “paninhos” de Alê Silva em “mimimi” bolsonarista

A deputada federal Alê Silva (PSL/MG), que se define como “conservadora”, diz que as críticas ao veto do presidente ao projeto que previa a distribuição gratuita de absorventes íntimos para estudantes de baixa renda de escolas públicas e pessoas em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema, são “mimimi”, e sugeriu às mulheres que não têm condições de comprar o produto que usem “paninho” no lugar dele.

“Sou do tempo em que usávamos paninhos, que a cada mês eram lavados e passados para serem novamente usados. Não tinha mi, mi, mi, aínn o governo tem que me dar, escreveu a deputada no Twitter. “Por que em 13 anos de PT nunca houve a distribuição "gratuita "de absorventes? Por que apenas dois países no mundo aderiram à prática?", emendou a parlamentar.

Se aos 47 anos de idade, a deputada bolsonarista usava paninhos em sua adolescência ao contrário dos absorventes íntimos, era uma opção dela, certamente, nunca uma necessidade! Convenhamos! Os absorventes íntimos começaram a ser produzidos no Brasil em 1945, já o  o.b., primeiro absorvente interno lançado no País, chegou às prateleiras em 1974. Ou seja, Alê Silva, que nasceu em 1974, não tinha como não conhecer a existência do produto desde que começou a menstruar.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 4 milhões de mulheres vivem sem acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas no Brasil. A dificuldade para comprar esse tipo de produto tem sido chamada de pobreza menstrual. Ainda segundo a ONU, uma em cada quatro jovens brasileiras falta às aulas no período menstrual. Elas perdem cerca de 45 dias letivos por ano.

A tendência é que o congresso nacional derrube o veto do presidente.

Aleluia!

Em tempo: A deputada Alê Silva pode continuar a usar seus paninhos, lavá-los e passá-los mensalmente, é bem o “mimimi” que a falta de noção nas políticas públicas para mulheres representa no atual governo.

A posição da deputada não é conservadorismo, é desumanidade.

Vai vendo, Brasil!


Ponto Final por Redação

 Blog Político

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]