Dólar com. 5.1587
IBovespa 0.58
12 de agosto de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Call Center da Casal está temporariamente fora do ar nesta quinta-feira (11)
13/10/2021 às 07h30

Geral

Chegada da primavera aumenta casos de rinite alérgica

Inflamação da mucosa nasal atinge cerca de 40% da população mundial, segundo dados da Organização Mundial da Saúde

Dr. Gleydson Lima, otorrinolaringologista do Sistema Hapvida Maceió

Tosse, coriza, espirro, vermelhidão e lacrimejamento nos olhos. A chegada da primavera costuma intensificar os sintomas da rinite alérgica, doença caracterizada pela inflamação da mucosa nasal que, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge cerca de 40% da população mundial.

O pólen, liberado pelas flores, fenômeno típico desta época do ano, costuma ser o gatilho mais comum para o início das reações, que é capaz de causar sérios desconfortos respiratórios, em especial em pacientes mais sensíveis.

Crianças e adolescentes são as maiores vítimas da doença

Além do pólen, a rinite alérgica também pode ser provocada por outros agentes causadores, como poeira, fumaça, ácaro e até pelos de animais, conforme explica o otorrinolaringologista do Sistema Hapvida Maceió, Dr. Gleydson Lima.

"Apesar de acometer pessoas de todas as idades e ambos os sexos, as crises alérgicas são mais prevalentes em crianças e adolescentes. Geralmente, o quadro mais agudo da rinite costuma se estender por dois ou mais dias consecutivos", complementa o especialista.

Segundo o médico, se não tratada corretamente, a doença pode evoluir e gerar patologias mais graves, como asma, sinusite e até otite, que é a inflamação em alguma região do ouvido.

"Por isso, é muito importante diagnosticar e tratar precocemente a rinite alérgica. É mandatório o acompanhamento médico para evitar as crises e a gravidade delas", alerta.

Dicas que ajudam na prevenção

Dr. Gleydson dá algumas dicas que podem ajudar a prevenir crises de rinite alérgica. Durante a primavera, por exemplo, a principal recomendação é evitar situações em que ocorra maior exposição ao pólen. O otorrinolaringologista do Sistema Hapvida Maceió ressalta que as medidas não farmacológicas visam reduzir o contato do paciente com os agentes irritantes.

Confira outras dicas:

•  Lavar bem o nariz com soro fisiológico de uma a duas vezes ao dia;

•  Evitar secar roupas ao ar livre;

•  Manter as janelas de casa fechadas durante o dia;

•  Evitar ir a parques, principalmente em dias mais secos e ventilados;

•  Evitar executar trabalhos com jardinagem.

"A rinite alérgica não tem cura, mas tem tratamento, e o paciente pode viver sem os sintomas e ter uma vida normal. Por isso, procure sempre um especialista e realize acompanhamento médico", conclui o médico.


Fonte: Assessoria

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]