Dólar com. 4.7624
IBovespa 0.58
26 de maio de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Vazamento no sistema produtor de Marechal Deodoro mobiliza equipes da BRK
25/01/2022 às 16h27

Geral

Ufal: Conselho Universitário debate retorno presencial para março

Após muitas intervenções e intensa participação no chat, a decisão foi adiada para a próxima terça-feira,1º de fevereiro

Divulgação

Na sessão ordinária do Conselho Universitário (Consuni), convocada para esse dia 25 de janeiro, quando a Universidade Federal de Alagoas (Ufal) completa 61 anos de criação, a pauta sobre o retorno presencial mobilizou a comunidade universitária. A sala virtual ficou lotada e a audiência no canal do Youtube chegou a cerca de 500 participantes ao vivo. 

O reitor Josealdo Tonholo abriu a sessão parabenizando todas as pessoas que constroem a Ufal, na passagem de mais um aniversário, e destacou o papel que a universidade cumpriu no enfrentamento a pandemia de Covid-19, não só em Alagoas, mas com estudos que foram referências para as tomadas de decisões em nível nacional. “Os pesquisadores da Ufal se desdobraram para contribuir com a superação dessa grave crise sanitária que custou tantas vidas”, ressaltou o reitor. 

Antes do início do debate, foram feitas algumas apresentações de estudos para fundamentar a discussão.  A professora Sarah Dominique Dellabianca Araújo, da Faculdade de Medicina da Ufal, médica infectologista e atuante na linha de frente do combate à Covid-19 no Hospital da Mulher, apresentou uma análise do cenário da pandemia e elementos para avaliar a viabilidade de retorno presencial das atividades. 

Sarah destacou o problema das variantes do vírus Sars-cov 2, como a Delta e a Omicron. “O mundo já esperava o surgimento de novas variantes, em virtude do atraso vacinal. No nosso caso, ainda tivemos o agravante do surto de Influenza, causando um cenário preocupante, e a demora das autoridades sanitárias do governo para deliberar que as duas vacinas poderiam ser aplicadas concomitantemente”, questionou a infectologista. 

A professora ressaltou ainda que os riscos são altos. “Hoje o cenário não é favorável para ambientes que promovam aglomeração. A omicron é muito mais transmissível. Temos que ponderar com cuidado sobre o retorno das aulas presenciais e vamos precisar garantir os cuidados para isso. A máscara de pano, por exemplo, não é segura para a variante Omicron. Vamos precisar usar a cirúrgica, com troca a cada 4 horas, ou ainda melhor a N95”, informou Sarah. 

O geógrafo Esdras Andrade, do grupo de Trabalho sobre a Covid-19 do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente (Igdema) informou que no Brasil, um terço da população ainda não está imunizada. O professor apresentou os dados do documento sobre a sazonalidade de vírus respiratórios, coberturas vacinais contra a COVID-19 e perspectivas da pandemia, produzido pelo Governo de Alagoas, no início de janeiro. “E ainda temos que considerar o apagão de dados no Ministério da Saúde, que prejudicou bastante a análise de dados”, ponderou o pesquisador. 

Ainda foram apresentadas informações das pró-reitorias sobre as ações nesse período de distanciamento social de todas as atividades que foram mantidas. O pró-reitor de Graduação,  Amauri Barros, colocou os dados levantados numa pesquisa realizada pelo Colégio de Pró-reitores de Graduação (Cograd). “Estamos com 73% das universidades ainda em ensino remoto, planejando a retomada das aulas presenciais para março e abril”, relatou o pró-reitor. 

A vice-reitora, Eliane Cavalcante, que está à frente das testagens de Covid-19 nos servidores que estão comparecendo aos setores, falou da preocupação com a retomada das aulas e a circulação dos estudantes. “Para vocês terem uma ideia, na Reitoria, numa bateria de testes, 70% dos resultados foram positivos. Queremos discutir uma perspectiva viável de retomada, mas com segurança. Mesmo que a mortalidade seja menor após a vacinação, é preciso ter cuidado”, ponderou Eliane. 

Uma das falas mais comentadas no chat, foi a do professor João Araújo, diretor da Faculdade de Nutrição (Fanut), que integrou o grupo de trabalho Observatório da Covid-19. “Se o objetivo é evitar colapso no sistema de saúde, temos que considerar que hoje estamos com 80% de ocupação dos leitos destinados aos casos de crise respiratória aguda. Neste momento, seria uma irresponsabilidade voltar. Mas o modelo de ensino remoto é exaustivo para todos, professores e estudantes, e já estamos há três períodos letivos nessas condições”, refletiu o professor. 

João Araújo defendeu um cuidadoso planejamento para o retorno das aulas presenciais no semestre letivo 2021.2, em março. “Teremos que contar com testagens periódicas e para isso precisaremos estabelecer parcerias com as secretarias de Saúde. Seria uma boa medida montar uma unidade de vacinação dentro da Ufal, que atendesse à comunidade universitária e ao entorno”, propõe o professor. 

Falando em nome do Diretório Central dos Estudantes (DCE), a estudante Thatiana Machado destacou que foi importante suspender em março de 2020, assim que foram registradas mortes pela Covid-19 no Brasil. “Mas os estudantes querem o retorno em março deste ano, de forma segura, com distanciamento e todos os protocolos sanitários. Já chegamos a uma saturação com o ensino remoto, com dificuldades de aprendizagem e até adoecimento psicológico”, ressaltou a líder estudantil. 

O presidente da Associação dos Docentes da Ufal (Adufal), Jailton Lira, ressaltou a necessidade de aprofundar o debate sobre o retorno. “É fundamental essa discussão no Consuni, mas também vamos convocar uma assembleia dos docentes para avaliar nossa posição. Podemos definir a possibilidade de retorno mediante os critérios sanitários, em março. Mas se próximo a essa data for registrada uma taxa alta de contaminação e risco de colapso da rede de saúde, precisaremos suspender”, ponderou Jailton. 

Victória Mecenas, estudante da Fanut e uma das representantes discente no Conselho Universitário, disse que durante a sessão estava acompanhando no chat o anseio dos estudantes de voltar ao ensino presencial. “Precisamos ter esse norte, com incentivo à vacinação no campus, protocolo de biossegurança, passaporte vacinal e muito planejamento. Mas fica evidente o esgotamento dos estudantes com as aulas online”, declarou a estudante. 

Após mais algumas falas ponderando todos os riscos e as probabilidades de retorno, a sessão ordinária foi suspensa. A continuidade deste debate está marcada para a próxima terça-feira, dia 1º de fevereiro, às 8h30, quando os conselheiros devem deliberar. “Estamos disponibilizando os documentos apresentados. No retorno desta sessão não faremos mais apresentações, precisaremos ser propositivos e tomar uma posição”, finalizou o reitor Josealdo Tonholo. 


Fonte: Ascom Ufal

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]