Dólar com. 5.6191
IBovespa 0.48
15 de abril de 2021
min. 25º máx. 29º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Operação desarticula organização especializada no tráfico de drogas em Anadia e Maceió
23/03/2021 às 16h00

Blogs

1 ano de pandemia: o primeiro ano do resto de nossas vidas. No jornalismo também?

 

O primeiro ano do resto das nos­sas vidas. Acho que dá pra dizer que, ao completarmos um ano do primeiro caso de coronavírus no Brasil, temos a sensação do primeiro ano de um nova vida, muito diferente do que qual­quer um de nós poderia ter pensado em viver quando estava lá ven­do os fogos de artifício na virada de ano para 2020 ou mesmo no carnaval do ano passado que, aliás, foi nes­sa mesma época há um ano. Temos experimentado de tudo. Saudade, restrição, solidão, lidado com a morte e as narrativas da perda. Passamos a usar termos novos, a falar de comorbidades, variante, IFA e respirador, como quem falava de qualquer outro tema cotidiano. Vimos a disputa entre notícias falsas, remédios que não cu­ram, receitas que não combatem co­ronavírus e vimos também vacinas serem produzidas em tempo recorde. O ano de 2020 trouxe a pandemia e a vacina. E como contamos tudo isso?

 
Usamos o que já tínhamos, con­tando histórias e distribuindo informações nas redes sociais. Ouvimos podcast. Descobrimos ferramentas que não conhecíamos como as reuni­ões virtuais por Zoom, Meet, Teams. E o jornalismo? O que foi feito dele nesse ano do resto das nossas vidas? A desacreditada narrativa que vinha sendo bombardeada junto com as grandes empresas que no Brasil concentram a produção. O começo da pan­demia trouxe um novo vigor à nar­rativa jornalística. Programas foram criados nas emissoras de TV dando espaço para que o jornalismo pesquisasse e explicasse, simultaneamente, o que era coronavírus, que se escreve-tudo-junto, que causa a Covid, que é no feminino. Informou às pessoas como usar máscara, que tipo, de que jeito, como usar álcool gel, com que frequência, como abraçar, porque não abraçar, a diferença entre isolamento e distanciamento social e por aí foi. Gráficos, números, entrevistas com autoridades, máscaras em todos os repórteres e, enfim, a retomada de certo protagonismo.

As análises, que aproximaram os jornalistas dos especialistas, dos ci­entistas e dos profissionais de saúde, se juntaram às instruções que são repetidas até hoje sobre como proceder na pandemia. Mais que isso, o jornalismo voltou a lembrar que precisava contar histórias. E justamente num tema que, por um lado, não per­mitia acesso fácil a certas narrativas como aquelas que aconteciam nos hospitais, cemitérios e nas casas das pessoas. E por outro, passou a ser um assunto que, aos poucos, podia ser contado por todo mundo.

 
Durante parte de 2020, para sair das falas oficiais das autoridades e mostrar para as pessoas que havia risco real de adoecimento e morte, os jornalistas precisaram chegar às UTIs, como fez o repórter Yan Boechat nas matérias do hospital Santa Maggiore, em São Paulo, ou nos hospitais de Manaus, na primeira onda da Covid, em abril. Ou quando acompanhou diariamente a rotina de cemitérios em São Paulo e constatou o au­mento de sepultamentos, a abertura de covas coletivas e viu famílias contarem o que estavam passando com a perda de parentes para a Covid-19.

 
A reportagem de outros jornalistas também contou com uma nova forma de ter acesso às histórias. Pes­soas que antes seriam fontes de in­formação e também leitores passaram a produzir conteúdo a pedido dos jornalistas porque acessar o interior de hospitais era difícil e arriscado. Ve­mos ainda hoje vídeos gravados por médicos falando da rotina de trabalho e do agravamento do quadro de contaminação no país. Vídeo de familiares a respeito das condições de atendimento e das consequências da pró­pria doença ou da explosão de casos nas portas dos hospitais. Muitos são produzidos diretamente para jornalistas utilizarem como fonte e como apu­ração das suas reportagens. Outros, já na esteira da difusão da produção audiovisual, chegam ao público direto do cidadão para os usuários de redes sociais e são comentados depois pelos jornalistas.


E aí entro num novo momento do jornalismo na pandemia. Depois dessa inovação da mediação, da produção de conteúdo e da apuração sem a presença do jornalista, com seu simultâneo aumento e perda de acesso, dependendo do ponto de vista que se olha, em que lugar está o jornalismo um ano após o início da pandemia no Brasil? Essa inovação, o desafio, a frustração, a busca de novo protagonismo e de interesse das pessoas permanece em alta ou voltamos a um lugar morno como estava antes? Não se trata de uma análise mais detida e detalhada do processo e as respostas talvez sejam híbridas. Há avanços que permanecem acontecendo, especialmente uma retomada e um realinhamento da narrativa jornalística e do discurso científico, que nunca esteve em oposição, mas que neste momento aparece ainda mais como aliado, tentando defender quase a mesma noção. A confiabilidade. De que o ponto de vista mais confiável para lidar com a pandemia de Coronavírus e vencê-la é a orientação da ciência. Enquanto a linha mais confiável para conduzir narrativamente e traduzir a linguagem da ciência em relação à pandemia é a narrativa jornalística. As notícias falsas, boatos e soluções milagrosas ou narrativas fantásticas não colaboram nem para o combate ao vírus nem na construção da democracia e na defesa da cidadania. Então, este alinhamento parece claro. As reportagens sobre as vacinas explicam os pormenores de eficácia, enquanto os cientistas são as principais fontes para comprovar a explicação.

 
Na falta de uma condução das informações, dados e avaliações centralizadas pelo governo federal, veículos tradicionais de comunicação se reuniram num consórcio para levantar e divulgar dados diários da pandemia. A colaboração não alcançou a produção, mas chegou ao menos aos dados objetivos sobre o andamento da contaminação.

 
Ao contar histórias, o jornalismo não tem ido adiante. Dados gerais, ações, reações dos governos e instruções sobre os cuidados para evitar o vírus e, no máximo, o acompanhamento das atividades que reabrem ou fecham. Vimos histórias serem contadas nos colapsos que estão ocorrendo em 2021 como a segunda onda em Manaus, o agravamento da situação em Santa Catarina e vários outros lugares. Mesmo assim, elas sempre começam a ser contadas a partir dos celulares das vítimas, das famílias ou dos médicos. Não é incomum, inclusive, que a gente veja os relatos ou indicações de subida de casos primeiro nos nossos grupos de WhatsApp e não nas reportagens. Então o primeiro ano do resto das nossas vidas impactou muito mais nas nossas vidas do que ainda fomos capazes de narrar. O jornalismo não alcançou ainda a dimensão dessa transformação na vida das pessoas e nem traduziu isso na transformação necessária do seu próprio exercício. Talvez pela rigidez da estrutura narrativa e de produção que tinha até agora. Talvez porque a transformação ainda esteja em curso assim como os acontecimentos da própria pandemia.


Chegamos a um ano sem esperar que chegássemos a tanto e também sem saber até quando vamos com isso. E nem como sairemos de tudo isso, pessoalmente e como sociedade. Mas talvez seja importante pensar que sairemos disso contando histórias. E o jornalismo, repensando sua própria forma de narrar, chegando mais perto das pessoas, mexendo nas suas próprias estruturas enrijecidas pela tradição e pelo tempo, quem sabe possa colaborar para essa narração e a compreensão do que estão ainda vivendo. Como já avisou Hannah Arendt sobre a capacidade das narrativas em lidar com os traumas, talvez narrar não deixe de ser alguma forma de cura.

(Texto publicado originalmente por objETHOS.) *É jornalista e pesquisadora associada do objETHOS
*Publicado na edição 45 da Revista Painel Alagoas


Painel Opinativo

Espaço para postagens de opinião e expressão dos internautas

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]