Dólar com. 5.3506
IBovespa -1.1
21 de janeiro de 2021
min. 24º máx. 28º Maceió
pancadas de chuva
Agora no Painel Municípios começam a receber doses da vacina contra a Covid-19
23/11/2020 às 08h28

Geral

Turismo na pandemia: quem faz milagre é o santo de casa

São esperados cerca de 500 mil turistas durante o período de Verão em Maceió, segundo informa a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semtel); 10% da economia do estado vem do Turismo, diz Sedetur

Wesley Menegari/Ascom Sedetur

Por Carlos Amaral

A pandemia de covid-19 fechou fronteiras, distanciou pessoas e criou no planeta um clima de incertezas e de expectativas com o surgimento de uma cura – ou vacina – para a doença. Além disso, a crise global impactou a economia em todo o planeta, mas de maneira mais forte nos países em desenvolvimento. No Brasil, nação com singular desigualdade, o efeito da pandemia – exceto entre os multimilionários – não fez cerimônia alguma e atingiu a todos e obrigou a muitos setores a se redescobrirem para sobreviver. É o caso do Turismo. 

O Brasil é reconhecidamente um grande polo turístico que atrai viajantes de todo o mundo, mas, por conta das ações de isolamento para combater a pandemia, o interesse turístico volta aos de casa. A expectativa é que o turismo doméstico reaqueça o setor no Brasil e, claro, em Alagoas. Agora, vale o inverso da máxima sobre os santos de casa.

Para o Verão, período de alta temporada no Brasil e, em especial, no Nordeste, se espera que 500 mil pessoas visitem Maceió, reconhecidamente, uma das cidades mais bonitas do país. A estimativa é da Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer (Semtel), da Prefeitura de Maceió.

“A retomada do turismo em Maceió acompanha a tendência dos demais destinos brasileiros, com o turismo doméstico em evidência, principalmente o turismo regional. Além disso, a preferência dos viajantes tem sido por viagens de carro, para destinos próximos e que oferecem experiências ao ar livre, de contato com a natureza, que transmitam sensação de liberdade, com curtas distâncias e que adotam protocolos sanitários nos segmentos turísticos – critérios aos quais felizmente o destino Maceió atende”, pontua a assessoria de comunicação da Semtel. “Não à toa, a capital está entre os destinos mais procurados nas principais operadoras do país, como CVC, Azul Viagens e Decolar. Além das belezas naturais, diversidade de opções, facilidade de deslocamento, gastronomia e uma das mais modernas redes hoteleiras do Nordeste, Maceió se destaca pelo compromisso com a segurança sanitária, com a adoção do Protocolo Experimente Maceió em todos os segmentos turísticos, e pelo trabalho de controle da pandemia”, completa o órgão municipal da capital alagoana à Painel Alagoas. 

Já a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas (Sedetur) acredita que 70% dos serviços ligados ao setor no estado estejam em atividade neste fim de 2020 e começo de 2021, no comparativo com 2019. O órgão ressalta a importância do setor para a economia de Alagoas, com 10% do PIB local. 

“A expectativa é que já para o mês de dezembro, no período de alta temporada, Alagoas alcance 70% das atividades que englobam o setor do turismo em relação a dezembro do ano passado e, como consequência, a movimentação econômica relacionada ao segmento. O Turismo é uma cadeia dinâmica e a cada ano tem garantido um impacto financeiro maior para a economia alagoana – sendo responsável por 10% de todo o PIB do estado”. 

Assim como sua congênere municipal, a Sedetur também ressalta o turismo doméstico na retomada do setor nessa fase da pandemia de covid-19.

“Teremos uma mudança do perfil dos consumidores de caráter geográfico. Isso porque, neste momento em que o mundo se adapta à realidade de enfrentamento da covid-19, o turismo regional ganha um protagonismo inédito, com isso a atração de viajantes de regiões vizinhas se torna ainda mais expressiva e tem sido um dos principais focos das campanhas promocionais produzidas pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, a exemplo da campanha ‘Seu próximo Destino é Alagoas’”, diz a assessoria de comunicação da Sedetur. 

A expectativa positiva também contagia a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Alagoas (Abih), especialmente para o período das festas de fim de ano. 

“A hotelaria acredita em um aumento gradativo na ocupação, com grande expectativa do setor para os meses de dezembro e janeiro. Até o momento, a ocupação para estes meses está em 60% e 54%, respectivamente, mas deve aumentar. Alguns hotéis, entretanto, já registram 100% de ocupação para o Réveillon”, pontua a Associação que ressalta bons números assim que se iniciou flexibilização no isolamento social em Alagoas. 

“Tivemos bons resultados nos feriados prolongados dos meses de setembro (Independência do Brasil), quando a maioria dos hotéis retomaram as atividades, e outubro (padroeira do Brasil e Dia das Crianças) – ambos com uma taxa de 67%”, relata. 

Porém, a Abih pondera que os prejuízos financeiros ainda podem perdurar por mais algum tempo porque “o aumento da ocupação não significa retorno financeiro, já que as tarifas foram consideravelmente reduzidas para a temporada 2020/2021”. 

VOOS 

Desde o dia 1º de novembro, a Azul Viagens – operadora de turismo da companhia área Azul – iniciou uma temporada de voos fretados para Maceió. Até janeiro de 2021, serão 18 voos diretos nos fins de semana com origem de cidades do Sudeste, Centro-Oeste e também Nordeste do país. 

Os voos são realizados aos sábados e domingos e, os realizados em aeronave Airbus A320neo têm capacidade de 174 passageiros; os com os jatos da Embraer, 136 assentos. 

Leia mais:

Setor pode gerar 15 mil empregos em Alagoas durante retomada, aponta Sedetur 

Réveillon em Maceió: festa pública é incerta e setor privado garante celebração 


Fonte: Painel Alagoas

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]