Dólar com. 4.7624
IBovespa 0.58
26 de maio de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Defesa Civil Nacional alerta para chuvas intensas no litoral do Nordeste
25/01/2022 às 18h00

Geral

MPT/AL instaura procedimento promocional para buscar inclusão da aprendizagem na reforma do Ensino Médio

Lei 13.415/2017, que deve começar a entrar em vigor no ano letivo de 2022, ampliou a carga horária da educação básica de 800 horas para 1.400 horas; alteração inviabilizaria o contrato de aprendizagem no contraturno escolar

Divulgação

O Ministério Público do Trabalho (MPT) solicitou que a Secretaria de Educação de Alagoas e o Conselho Estadual de Educação informem, no prazo de 10 dias, se foram editados atos normativos para a inclusão de atividades práticas de aprendizagem no itinerário de formação técnica e profissional de jovens. O objetivo do MPT é evitar que jovens contratados na condição de aprendiz sofram prejuízos diante das mudanças estabelecidas pela reforma do Ensino Médio, que deve começar a entrar em vigor neste ano. 

Na última quarta-feira (19), a procuradora do MPT Cláudia Soares – titular regional da Coordenadoria de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância) – determinou a abertura de Procedimento Promocional para buscar, em conjunto com o Estado, as medidas necessárias contra impactos negativos ao desenvolvimento da aprendizagem. A Lei 13.415/2017, conhecida como Reforma do Ensino Médio, ampliou a carga horária da educação básica de 800 horas para 1.400 horas, o que inviabilizaria o contrato de aprendizagem no contraturno escolar. 

A procuradora Cláudia Soares esclarece que o objetivo do Ministério Público do Trabalho é inserir a carga horária da aprendizagem no itinerário formativo do aluno, a fim de compatibilizar a educação de qualidade e a profissionalização. Ela defendeu a importância do ensino integral e da aprendizagem profissional, ao lembrar que esses são direitos fundamentais dos jovens que devem ser conciliados. 

"Como já ocorre em outros estados, estamos atuando no sentido de compatibilizar a educação de qualidade com a profissionalização, que são direitos fundamentais dos jovens. Assim como a educação em tempo integral é um importante passo para ampliar a qualidade do ensino, a aprendizagem é uma saída para que jovens em vulnerabilidade social se qualifiquem e adquiram habilidades e vivências do mundo do trabalho", explicou Cláudia Soares. 

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) publicou uma nota técnica, em dezembro, que traz recomendações aos órgãos de educação dos estados e esclarece os possíveis impactos causados pela reforma do Ensino Médio. A nota também destaca, dentre os pontos, que "na realidade social brasileira, a política de aprendizagem profissional é atualmente a mais bem sucedida forma de conciliar educação, profissionalização e renda para grande parcela dos adolescentes e jovens, em especial em maior vulnerabilidade social". 

Em nota divulgada na última segunda-feira (24), o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador de Alagoas (Fetipat/AL) também reforçou seu posicionamento pela defesa da aprendizagem. No documento, o fórum ressalta que a educação integral e o direito ao não trabalho são direitos de atuação prioritária para a Rede de Proteção da Criança e do Adolescente, mas lembra que a aprendizagem profissional é um mecanismo de obtenção de renda, de qualificação e de inserção protegida no mercado de trabalho – especialmente para adolescentes de baixa renda, sendo necessário pensar na compatibilização do direito à educação de qualidade e a manutenção dos contratos de aprendizagem realizados no contraturno escolar. 

Aprendizagem 

A aprendizagem profissional, instituída pela Lei 10.097/2000, afirma que empresas de médio e grande porte devem contratar jovens entre 14 e 24 anos como aprendizes. 

Segundo dados do Boletim da Aprendizagem do Ministério do Trabalho e Previdência, há em vigor no país 461.548 contratos de aprendizagem ativos, dos quais 99,83% de aprendizes ainda estão no ensino básico e 61,74% possuem idade inferior a 18 anos. 


Fonte: Ascom MPT/AL

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]