Dólar com. R$ 3,308
IBovespa +0,25%
15 de dezembro de 2017
min. 22º máx. 31º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Semed oferta 600 vagas para Projovem Urbano 2018

Blogs

O terror do palácio do governo

22.09.2017 às 18:19
Agência Alagoas


Para refletir“Se você quer algo novo, você precisa parar de fazer algo velho.”

(Peter Drucker)


O terror do palácio do governo

Em uma análise matemática e isenta está longe de ser confortável a situação do governador Renan Filho com relação a sua reeleição em 2018. No interior sua avaliação é favorável com uma boa vantagem, o que é natural por ter o controle da máquina administrativa, que ao mesmo tempo é uma “máquina de fazer votos”. Acontece que nem tudo são flores e os palacianos se mostram assustados com alguns fatos: as intenções de votos precisam melhorar, pois o percentual não é confortável, os índices de rejeição ao governador também são consideráveis em praticamente todos os municípios e o mais grave: está, por enquanto, disputando sozinho, uma vez que não há nenhum adversário com  candidatura lançada.

O governador sabe que quando a campanha começar pra valer, no próximo ano, vai ter pouco o que mostrar diante do muito que prometeu nos palanques e nos programas do horário eleitoral. Durante seu mandato continuou fazendo promessas não cumpridas fato que tem levado seu governo ao descrédito diante do eleitorado.

Nas bastassem os problemas citados há uma lista de escândalos envolvendo vários órgãos do governo estadual, nenhum deles ainda esclarecidos a exemplo do rombo de mais de 300 milhões da Secretaria de Saúde, a fraude no Mestrado da Universidade Federal de Alagoas, envolvendo altas figuras da administração estadual e que continuam sob investigação, mas mantidos nos cargos, há denúncias de fraudes em licitações e outros desvios de conduta em confronto com princípios morais e legais. Como justificativa o governador apenas culpou a imprensa.

Outro ponto preocupante entre os aliados palacianos é a presença inevitável ao lado do governador da figura emblemática de seu pai, senador Renan Calheiros, candidato também à reeleição, com uma rejeição estratosférica e com mais de 17 denúncias de corrupção no Supremo Tribunal Federal. Claro que ele será a pauta principal dos debates na disputa.

Há uma preocupação maior agora no palácio República dos Palmares. Quem será o adversário a ser enfrentado? Torcem para que seja alguém em condições de ser derrotado, mesmo diante de tanta adversidade. Tremem, têm pesadelos, e noites insones apenas com a possibilidade de surgir um nome: Rui Palmeira, prefeito de Maceió, que ainda não decidiu se é candidato, preferindo cuidar dos problemas de sua administração.


Malandragem na cultura

(BRASÍLIA) – Estive na audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara sobre a aprovação de contas de beneficiários da Lei Rouanet considerados inadimplentes. Na ocasião foi verificada no sistema informatizado do Ministério da Cultura “a aprovação em massa” de projetos de proponentes devedores desde 2002. 

O secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, José Paulo Martins, explicou que o ministério trabalha desde abril com uma instrução normativa que não permite a inadimplentes terem acesso a novos recursos da Lei Rouanet.

Além disso, segundo ele, as novas propostas. terão a prestação de contas feita em paralelo à execução dos projetos. José Martins informou também que o ministério está empenhado em analisar quase 15 mil projetos da prestação de contas pendentes.

"Há um mutirão que envolve várias pessoas, é um trabalho cuidadoso. Sofremos por tentar entender as dificuldades que o proponente teve e dar condições para que ele possa até o último momento fazer sua defesa”, disse.


No governo petista

O maior descontrole de liberação de verbas ocorreu justamente durante os governos petistas Lula/Dilma, quando foram liberadas fartamente verbas a artistas e empresas culturais sem obedecer a critérios der avaliação adequada.

Ouvia de um deputado na ocasião: “ entre os devedores de prestação de contas estão muitos desses artistas que vivem a gritar “fora temer” e defender quem lhes facilitou a vida e lhe deu milhões do dinheiro público para fazer festas”, O governo promete agir com rigor contra todos os artistas que burlaram a Lei de benefício cultural.


Prefeitos responsáveis

Alguns prefeitos alagoanos com maior acesso a mídia e também pela importância dos seus municípios, têm sobressaído como exemplos de administradores eficientes, enfrentando a crise e a situação em que encontraram os seus municípios e colocando as finanças e os serviços públicos em dia. Mas nessa mesma condição existem inúmeros administradores de cidades menores e menos expressivas fazendo o mesmo trabalho, só que com muito mais dificuldade e também méritos. Segundo dados oficiais são mais de vinte municípios alagoanos que têm demonstrado sinais de recuperação econômico/administrativo e criando potencial para, mesmo em tempos de crise, crescer, pagar em dia e cumprir com a legalidade e a moralidade. Que os demais sigam o mesmo caminho.


Desembargador voltando

Por decisão da maioria dos votos de seus conselheiros, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deliberou essa semana, o arquivamento de uma das ações pela qual responde o desembargador Washington Luiz Damasceno Freitas.

Ação arquivada trata de uma liminar, de 2015, que teria sido concedida ao prefeito de Joaquim Gomes, Antônio Barros, que havia sido afastado do cargo por decisão da Câmara de Vereadores daquele município. De acordo com a denúncia, o desembargador teria determinado o retorno do prefeito em troca de apoio político ao deputado Inácio Loiola, seu irmão.

Há uma grande possibilidade de que as outras duas ações tenham o mesmo caminho e o desembargador retorne ao plenário do Judiciário em breve.


Falou Dona Raquel

(BRASÍLIA) - Em seu discurso de posse, no qual prometeu firmeza e coragem no combate à corrupção, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dividiu a mesa com três políticos suspeitos do crime que pretende enfrentar: os presidentes da República, Michel Temer (PMDB), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Além deles, também estava à mesa a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia.

Caberá a Raquel pedir o encaminhamento ou a suspensão das investigações contra Temer, Maia e Eunício no Supremo, além de centenas de outros políticos com foro no tribunal. Em sua fala, de cerca de 10 minutos, Raquel defendeu a harmonia entre os poderes como requisito para a “estabilidade da nação” e se comprometeu a atuar para que ninguém esteja acima ou abaixo da lei no Brasil.

Além de pedir proteção divina para sua nova missão, a procuradora-geral citou uma frase do Papa Francisco sobre a necessidade de se combater a corrupção: “A corrupção não é um ato, mas uma condição, um estado pessoal e social, no qual a pessoa se habitua a viver. O corrupto está tão fechado e satisfeito em alimentar a sua autossuficiência que não se deixa questionar por nada nem por ninguém. Construiu uma autoestima que se baseia em atitudes fraudulentas. Passa a vida buscando os atalhos do oportunismo, ao preço de sua própria dignidade e da dignidade dos outros”.

DE UMA FRASE NA INTERNET: O Democratas (partido) está muito mais para “demo” do que para “cratas”. Perdeu a identidade.

RUI PALMEIRA é o senhor do seu tempo. Não adianta pressão e especulação. E ele sempre soube escolher o momento adequado. Até agora deu certo.

CONSELHEIRO Otávio Lessa, mesmo enfrentando dificuldades, vai construindo uma pauta positiva na Escola de Contas, coisa que não acontece com o próprio Tribunal.

ATENÇÃO há algo no ar, além dos aviões de carreira na Secretaria Municipal de Saúde de Maceió. Aguardemos.

Postado por Pedro Oliveira

O caminho da Uncisal

08.09.2017 às 11:52
Rosângela Wyszomirska - Agência Alagoas


Para refletir “Todo homem que se vende recebe mais do que vale” (Barão de Itararé).


O caminho da Uncisal

Na próxima quarta feira, dia 13, a Uncisal – Universidade de Ciências da Saúde estará realizando em segundo turno a eleição para escolha de seu novo reitor que vai substituir a atual reitora, professora Rosângela Wyszomirska, na alta cúpula da importante e tradicional instituição de ensino superior na área médica alagoana. A reitora atual vive um péssimo momento de sua trajetória na administração pública. Recentemente foi conduzida coercitivamente pela Polícia Federal, sob suspeita de desvios de milhões dos cofres da Secretaria Estadual da Saúde, da qual era titular. O governador do estado e o governo como um todo nada disseram em sua defesa, pelo contrário, indiretamente jogaram a culpa na execrada auxiliar, que tem se mantido leal e nada revelou sobre os atos criminosos cometidos contra o dinheiro da saúde, dos remédios dos hospitais e da vida de milhares de pessoas que precisam de atendimento e não encontram, diante do estado deplorável em que este governo transformou o setor. A reitora apresentou uma candidata à sua sucessão e essa naturalmente se “contaminou” com as graves acusações e por pouco não é derrotada no primeiro turno. Vai para a segunda disputa ainda mais fragilizada, diante de um candidato que representa o antagonismo da atual gestão  da Universidade. A chapa favorita e que deve vencer a disputa, com uma grande vantagem, é liderada pelo professor Henrique Costa, tendo como vice a professora Ilka Soares. Uma dupla de docentes respeitados pela ética e pela capacidade de realizar as transformações que há muito tempo clamam alunos, professores e pessoal administrativo, numa crescente insatisfação com os rumos que tomou a administração. O professor Henrique Costa é conhecido por suas ideias transformadoras e voltadas para a valorização dos servidores, que precisam ser incentivados e reconhecidos, a qualidade do ensino para dar uma formação digna e abrangente e a qualificação dos professores. Pesa a seu favor também, sua posição contrária a qualquer política de privatização de hospitais e terceirização dos serviços fins da área de saúde.

Conheci a instituição em 1981, ainda Escola de Ciências Médicas, quando ocupei uma vaga no seu Conselho de Administração, na companhia de renomados mestres como Delza Ghitai (reitora da UFAL), Alberto Cardoso, Pedro Teixeira. Sempre foi uma entidade respeitada e “construtora” da memória cientifica de Alagoas. Com o tempo cresceu e se transformou em Universidade, mas o próprio tempo tratou de destruir muito desse conceito.

Surge agora a esperança de que  esse tempo seja retomado, para uma efetiva reconstrução de um dos maiores patrimônios da educação superior de Alagoas. 


Maceió iluminada

A iluminação da capital deu um salto de qualidade nos últimos tempos. A administração tem cuidado não apenas dos corredores turísticos, dos principais logradouros, mas também e com todo cuidado de bairros periféricos regiões mais afastadas e até nas grotas da cidade. Essas ações são boas não apenas para embelezar e iluminar mais as ruas, praças e avenidas, mas também no sentido de oferecer melhores condições de segurança à população. No comando dessa nova frente de iluminação o talento e liderança do jovem empresário Frederico Lins, presidente da SIMA (Superintendência municipal de Energia e Iluminação Pública). Vêm mais ações por ai.


Em defesa do Judiciário

(BRASÍLIA) – Aqui em Brasília assisti ao contundente discurso da abertura da Reunião Preparatória para o XI Encontro Nacional do Poder Judiciário, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse esta semana que há movimentos que procuram enfraquecer a figura do juiz e que só o Poder Judiciário pode levar o Brasil a um porto seguro.

“Que nós estejamos atentos para atos de grandeza. Mas também muito atentos para movimentos recentes que procuram minimizar, enfraquecer a figura do juiz, a instituição do Poder Judiciário. Há várias estratégias para se chegar a esse ponto”, discursou Fux, sendo interrompido por aplausos do público, que lotou um auditório do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), palco do evento organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

“De sorte, que a primeira reação é através de atos de grandeza, sem dúvida alguma. E a segunda é termos a consciência de que a situação que está aí leva o Brasil ao naufrágio e só o Poder Judiciário pode levar a nossa nação a um porto seguro”, completou o ministro.

Pelo menos a plateia presente ao evento não só aplaudiu muito o ministro mas literalmente o cercou para cumprimentar após sua fala. Presentes, magistrados, empresários, professores da área de direito e poucos jornalistas.


O terror dos pequenos partidos

(BRASÍLIA) - O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou depois de muita discussão o texto principal da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 282/16, do Senado, que veda coligações para eleições proporcionais e cria uma cláusula de desempenho para o acesso de partidos ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda em rádio e TV. A proposta, relatada pela deputada Shéridan (PSDB-RR), teve 384 votos favoráveis e 16 votos contrários, em votação em primeiro turno.

O presidente interino da Câmara, deputado André Fufuca, comemorou o avanço de parte da reforma política, depois de semanas de impasse. “Independentemente do resultado que nós iremos ver ao abrir as urnas, esta Casa é vencedora. Esta Casa não se furtou a ser pai da sua própria decisão, a ser pai do seu próprio destino”, disse.

A votação foi realizada depois de um acordo de procedimento feito entre os líderes dos principais partidos. Pelo acordo, a análise da proposta só será retomada depois que os deputados decidirem sobre outra PEC da reforma política: a PEC 77/03, relatada pelo deputado Vicente Cândido (PT-SP), que altera o sistema para eleição de deputados e vereadores e cria um fundo público para o financiamento das eleições.


Próximas etapas

O líder do PP, deputado Arthur Lira (AL), explicou que a ideia é votar a PEC 77 (sistema eleitoral) em primeiro e segundo turnos na semana que vem e, depois, os destaques à PEC 282 (coligações e cláusula de desempenho).

Já o líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), ressaltou que o acordo entre os partidos trata apenas do rito de votação. “O acordo foi feito preservando as posições políticas de cada partido. Não se fez acordo sobre o mérito, por exemplo, do sistema eleitoral: são posições bastante antagônicas que vão se apresentar na próxima terça-feira”, disse.


Legendas de aluguel

A discussão sobre a proposta de vedação às coligações nas eleições proporcionais e regras de desempenho para acesso ao tempo de rádio de televisão, no entanto, evidenciou as discordâncias sobre o texto. Embora os deputados que discursaram em Plenário tenham ressaltado a necessidade de diminuir a fragmentação partidária e enxugar a quantidade de partidos, não houve acordo sobre a fórmula ideal.

Para o líder do Psol, deputado Glauber Braga (RJ), é possível acabar com as chamadas “legendas de aluguel” sem prejudicar pequenos partidos ideológicos com a cláusula de desempenho proposta. “Se tem partido pequeno não ideológico que se vende é porque tem partido grande que compra. Nós defendemos partidos programáticos e ideológicos, que sejam escolhidos por aquilo que eles representam”, disse. ( com informações de Agência Câmara)


Conta Gotas

BOMBA de efeito retardado plantada na Previdência Estadual. Ao explodir o efeito será devastador.

O PREFEITO RUI PALMEIRA começa a dar sinais que se “o cavalo passar selado ele monta” - De uma velha raposa política que completa: Ai é só caminhar para o abraço e comemorar a vitória.

PALMEIRA DOS INDIOS esquentando os tambores da aldeia rumo a  sua Festa Literária em outubro. Curadoria de Carlito Lima.

Postado por Pedro Oliveira

Culpa da Imprensa

01.09.2017 às 10:10

Para refletir:As polícias não podem resolver problemas sociais e de formação cultural”. (Ricardo Mota, sobre aumento da violência em Alagoas).


Culpa da imprensa

Faltou maturidade ao governador Renan Filho ao criticar a imprensa alagoana, pela pauta negativa que tem sido constante, atingindo sua administração. E olhe que a mídia local, por motivos óbvios, tem sido bastante generosa na exploração dos fatos. Um exemplo que salta aos olhos foi a recente matéria do “Diário do Poder”, que levanta suspeita de desvios de finalidade no gasto de 10 milhões de reais, somente em uma locadora de carros de um amigo da família Calheiros. O assunto quase não foi tratado nos maiores veículos. Na verdade o governador tem tido uma comunicação capenga, ouve pouco e principalmente quem deveria ouvir. É muito ruim o sussurro dos áulicos palacianos, que covardemente apenas aplaudem, para agradar o chefe. Seria muito mais apropriado e aceitável o governador convocar uma coletiva e olhando nos olhos explicar de saída três assuntos que dominam a opinião pública o colocando em desaprovação: 1) a questão do rombo milionário na Secretaria de Saúde, 2) a situação de “estado de coma” do Hospital Geral do Estado, 3) a notícia sobre o espantoso pagamento de 10 milhões de locação de veículos a uma locadora. Nada a temer se tem a convicção que não errou. Passaria a pauta a limpo, tiraria as dúvidas e restabelecia a credibilidade em sua gestão atualmente sob desconfiança. Resta uma pergunta: Tem condições de fazer? Faça-o.


Gilmar Mendes solta o verbo

(BRASÍLIA) - O ministro Gilmar Mendes, que se encontra em Bucareste, participando de um evento internacional de Direito, enquanto aqui em Brasília ele é o assunto mais pautado, por suas decisões e opiniões contraditórias, concedeu por telefone uma entrevista polêmica ao jornalista Josias de Sousa, da Folha de São Paulo e afirmou que o pedido de suspeição que tenta afastá-lo do caso sobre o empresário de ônibus Jacob Barata Filho se baseia “num falso escândalo.” Para ele, o real objetivo da iniciativa do procurador geral da República Rodrigo Janot é fazer um “patrulhamento por concessão de habeas corpus.” Disse que o Ministério Público quer “botar medo nas pessoas que concedem habeas corpus”.


Sobre Rodrigo Janot

”Qual é a especialidade do Janot? Você não sabe. É direito constitucional? Não. É direito penal? Não. O maior ponto do currículo dele é ter sido presidente da Associação dos Procuradores”.

Podiam ter entregado a Procuradoria-Geral ao Vicentinho - deputado federal do PT, ex-sindicalista da CUT. (Ministro Gilmar Medes)


Sobre o Ministério Públlico

Basta olhar. É que as pessoas estão com poucos olhos críticos. No primeiro embate com uma massa de dinheiro, dois procuradores ficaram no chão (Ângelo Villela e  Marcello Miller). Isso considerando apenas o que a gente sabe. Ainda podem aparecer mais coisas. E vão aparecer. (Ministro Gilmar Mendes)


Sobre a Lava Jato

O que está acontecendo hoje é uma prisão sistemática. Na verdade, está começando antes. Se você olhar os casos da Lava Jato, as prisões estão começando antes da condenação na primeira instância. Se você olhar o Zé Dirceu, desde a prisão preventiva, ficou na cadeia. Marcelo Odebrecht, Gim Argello, Antônio Palocci e coisas do tipo. Então, você já tem até sentença e o cara continua preso. No fundo, o que nós dissemos que era segundo grau  transformou-se numa decisão de primeiro grau. Ou até antes disso. Não foi isso que o Supremo decidiu. (Ministro Gilmar Mendes).


Quintella & Beltrão

Alagoas não conta apenas com dois ministérios no governo de Michel Temer, mas diferente do passado tem na representação o peso de dois deputados federais, Maurício Quintella e Marx Beltrão, com total prestigio junto ao presidente da República que por gratidão e simpatia quer ver ambos muito bem colocados nas eleições do próximo ano. A dupla tem jogado bem e com vitórias alcançadas em todas as partidas da política e dos resultados em benefício de Alagoas. Maceió tem recebido atenção especial em várias áreas de desenvolvimento o que acontece também em grande número de municípios do interior. No decorrer do tempo, até o final do atual mandato presidencial, deverão acontecer investimentos de peso não apenas nos setores abrangidos pelos fortes Ministérios do Turismo e dos Transportes, Portos e Aviação Civil, como em áreas vitais como educação, saúde e desenvolvimento, nas quais o presidente Michel Temer já assegurou a ambos a disponibilidade total em ajudar Alagoas. Com essa banca toda Mauricio Quintella e Marx Beltrão serão os grandes contrapontos das eleições de 2018. Podem anotar.


Rodrigo Maia: O poderoso

(BRASÍLIA) - Mesmo substituindo Michel Temer, que está em missão oficial na  China, no comando do país, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tomou a frente das negociações sobre a reforma política, no vácuo de lideranças que marca a semana um tanto quanto esvaziada. Como Temer levou na comitiva presidencial o primeiro vice da Casa, Fábio Ramalho (PMDB-MG), sobrou para o segundo vice, André Fufuca (PP-MA), a missão de concluir a votação da reforma política, que se arrasta há meses sem ter alcançado qualquer consenso. Aos 28 anos e em seu primeiro mandato, Fufuca é visto pelos próprios pares como alguém sem a devida experiência para conduzir uma votação desse porte, e ficar à frente da missão. Resultado: Maia ocupa os dois espaços ao mesmo tempo (comanda o país e a Câmara).

Acumulando atribuições durante a semana, Rodrigo Maia utiliza a residência oficial da Câmara para se reunir com líderes partidários e discutir a pauta – uma tarefa que, em tese, caberia a Fufuca como presidente interino. Fufuca também participa das reuniões, mas, com papel secundário no jogo político, resta-lhe executar tarefas administrativas, enquanto os parlamentares mais experientes conduzem os trabalhos legislativos.

E assim Rodrigo Maia (O Botafogo das delações na Lava Jato) de repente se tornou o homem com maior poder no Brasil. E poder dobrado, feito tapioca.


Um aeroporto pra chamar de meu

O prefeito Gilberto Gonsalves, fez um apelo inusitado apelando para os ministros do Transporte e do Turismo (Mauricio Quintella e Marx Beltrão), ao prefeito de Maceió, Rui Palmeira e até à imprensa, para que “ ao se reportarem ao Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, frisar que o mesmo está localizado no Município de Rio Largo”. Vai ficar difícil, senhor prefeito atender a sua, até justa, reivindicação. Ninguém diz que ‘desceu no aeroporto de Guarulhos, mas em São Paulo, como também não é usual dizer “pousei no aeroporto de Confins”, mas Belo Horizonte. É uma questão de hábito e jamais mudará. Já imaginou um turista, ou mesmo em uma viagem a negócio o passageiro dizer: “Vou para Rio Largo” (nome de cidade que nunca ouviu nem falar)? Se contente prefeito em receber os tributos que cabem ao seu munícipio, por direito, mas jamais ouvirá a voz sonora do comandante dizendo: “Senhores passageiros estamos em procedimento de descida no Aeroporto Internacional de Rio Largo”. E para todos será sempre o Aeroporto de Maceió.


Conta Gotas

RENAN CALHEIROS é o campeão em numero de processos de denúncias por corrupção no STF. Palmas para Alagoas.

ELEIÇÕES EM ALAGOAS – 1978/2016 – Livro de Marcelo Bastos que será lançado hoje, às 19 h, no auditório da Associação dos Magistrados. Recomendo a leitura.

ALAGOAS, até que enfim, na pauta positiva da imprensa nacional, com a realização da Feira Literária do Pontal da Barra. Parabéns ao curador Carlito Lima.

Postado por Pedro Oliveira

Tal pai, tal filho

25.08.2017 às 14:30
Reprodução

Para refletir: “Ao conceder uma honraria a um condenado por roubar os cofres públicos, Alagoas se expõe ao ridículo nacional”.


Tal pai, tal filho

Praticamente vi o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, nascer. Estava com seu pai no interior (1976) quando tivemos que voltar às pressas, pois Suzana tinha entrado em trabalho de parto. Minha ligação com a família sempre foi muito próxima, independente de qualquer vinculo institucional que sempre mantivemos. Acompanhei de perto seu caminhar vitorioso pelas avenidas da vida. A infância e adolescência entre Maceió e Brasília, a vida acadêmica com louvor e especialização em Direito Tributário e Finanças Públicas e a sua vontade insistente em servir a Alagoas. Recebeu de berço os ensinamentos que moldaram o seu caráter, de pais que lhe transmitiram o vigor de um lar com dignidade, respeito ao outro e a honestidade como lema.

Em 2006 foi eleito deputado estadual obtendo 21.752 votos, sendo o primeiro colocado em sua coligação. Lembro que durante o seu mandato eclodiu o escândalo da “Operação Taturana” que teria desviado R$ 302 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa. Rui Palmeira foi um dos poucos parlamentares não envolvidos no escândalo, que resultou inclusive na prisão e no afastamento do mandato de deputados estaduais. E foi veemente defensor da apuração rigorosa dos fatos, mesmo diante da pressão dos envolvidos nos crimes apontados pelo Ministério Público. Teve um mandato atuante mesmo em um parlamento esfacelado.

Em 2010 optou por concorrer às eleições ao cargo de deputado federal tendo sido um dos mais votados, sendo o parlamentar alagoano mais jovem na história da Câmara dos Deputados. Teve um mandato brilhante e sempre voltado para o interesse público. Defendeu as Reformas Tributária e Política, em prol da desoneração do setor produtivo e do aperfeiçoamento do sistema político brasileiro, assim como também cobrou mais investimentos em Alagoas por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. Sempre atuante e atento aos desvios de conduta de agentes públicos votou contra a flexibilização e contra o segredo nas licitações das obras do governo preparatórias para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, não compactuando com a alteração feita na Lei 8.666, contrariando o governo petista que muito queria essas flexibilizações, com o intuito de desviar verbas, como em outras obras. Ao concluir seu mandato foi considerado entre os vinte parlamentares com melhor avaliação no país.

Um político ético

Eleito e reeleito prefeito de Maceió (2012 e 2016) tem uma administração muito bem avaliada e mesmo com parcos recursos tem transformado a paisagem urbana e realizado obras significantes para a acessibilidade da população. Quer fazer muito mais e está bem perto disso com o incremento de recursos prestes a entrar nos cofres municipais.

Diferente da maioria dos administradores públicos brasileiros Rui Palmeira pode ser apontado como um político que preserva a ética e tem sempre suas ações voltadas para o interesse público. Não há quem aponte um ato seu que o desabone ou fira os princípios da moralidade no trato com a coisa pública. Cobra dos auxiliares idêntico cumprimento do respeito à legalidade e a moralidade dos seus atos. Em seu primeiro período de administração e no

decorrer do segundo mandato não pode ser apontada a comprovação de nenhum escândalo. Coisa rara nos tempos de hoje.

Rui para o governo?

Ai está uma pergunta que por enquanto fica sem resposta. Sabe-se apenas uma coisa: é o nome mais temido pelo governador Renan Filho para o confronto nas próximas eleições. Ele confessa o seu desejo de continuar administrando Maceió e fazendo as transformações e avanços que prometeu e está cumprindo. Mas há um fato a ser considerado, que são as pesquisas o apontando em confortável posição em cidades do interior e a grande dianteira em Maceió, mesmo sem ter sua candidatura lançada ou admitida. As principais cabeças da oposição continuam insistindo na candidatura de Rui Palmeira. Mas por enquanto ele prefere não se adiantar. Certamente, como é uma de suas características, vai decidir na hora e lugar que ele mesmo escolher. Mas não pode demorar muito.

Histórias para mostrar

Supondo-se que Rui Palmeira decida ser candidato a governador a oposição avançará acelerado para conquistar a cadeira e a caneta hoje em mãos dos Calheiros. Sabe-se que o pleito de 2018 terá no embate o foco trazido pela Operação Lava Jato – o combate à corrupção - como o principal ingrediente da efervescência, com força maior até mesmo que as tradicionais promessas e propostas de governo. No seu palanque e nas suas aparições no Horário Eleitoral vão aparecer juntos Rui e o seu pai Guilherme Palmeira. Imaginemos o que dirá o apresentador: “Aqui está o candidato Rui Palmeira, um exemplo de político e administrador, ficha limpa, um grande prefeito da capital, com uma folha de serviços prestados, tem história digna de vida e origem exemplar. Ao seu lado está o pai Guilherme Palmeira, o político mais ético de Alagoas, deputado estadual, secretário de estado, governador, senador, prefeito de Maceió, ministro do TCU, uma personalidade inatacável, sua biografia o mostra como um dos mais influentes políticos do país, sua conduta o coloca na condição do político mais honrado da história de Alagoas”.

E os outros dirão o que?

Conhecendo eleições

Na próxima sexta feira, na Escola Superior da Magistratura, o professor e pesquisador político, Marcelo Bastos, estará nos brindando com o lançamento do seu livro “Eleições em Alagoas - 1978 a 2016. Trata-se de uma obra super recomendada não apenas para políticos, mas para profissionais , estudantes e quantos se interessem em conhecer os fatos e números da política alagoana nas últimas quatro décadas . O livro é uma narrativa real, isenta e feita por quem entende e se dedica ao estudo da ciência política em seus diversos contextos. O autor é um especialista na matéria e sabe , como poucos, mostrar os fatos e fazer uma análise dos acontecimentos. Marcelo Bastos, que foi meu aluno de Direito Administrativo, é um empreendedor de sucesso. Recomendo a leitura do seu livro.

Dose dupla

Ouvia de um especialista em política local a seguinte colocação: - A situação do governador Renan Filho só não é mais crítica nas pesquisas porque ainda não apareceu efetivamente uma candidatura de oposição. O previsível desastre da figura comprometida do pai (Renan Calheiros) somado à marca negativa do anunciado aliado Partido dos Trabalhadores vai pesar muito e com

certeza o combate a corrupção vai ser a tônica principal da campanha de 2018. É muito provável que o eleitor alagoano derrame sua ira indignada condenando os dois partidos, PMDB e PT a uma derrota fragorosa. Embora se saiba que em política nenhuma verdade seja verdadeira.

Conta Gotas

O FARSANTE Lula em sua verborragia trocou o nome da cidade de Penedo por “Toledo”. Falhou com a história e com o povo penedense. Efeito 51?

O DEMOCRATAS, partido que vem definhando a cada dia, mostrou esta semana uma propaganda no rádio e TV pífia, hipócrita e mentirosa.

AGUARDEM para breve um “furacão” na política alagoana. Pode mudar a cara e o corpo das eleições em 2018.

ALGUÉM tem noticia do inquérito que apura a fraude no Mestrado da UFAL, patrocinada por importantes agentes do governo estadual?

UNCISAL SUSPEITA. Assembleia quer acompanhar eleição para reitor,

Postado por Pedro Oliveira

Homenagem ao “doutor” marginal

18.08.2017 às 17:23
Reprodução/Rede Nova

Para refletir: A economia de Alagoas ameaçada por “acordos” espúrios. Seremos um Rio de Janeiro amanhã?


Homenagem ao “doutor” marginal

Em plena campanha presidencial, mesmo condenado à prisão por corrupção, o farsante Lula vem percorrendo vários estados do Nordeste, em uma maratona que visa mobilizar seus seguidores e ganhar a mídia nacional com suas verborragias e ataques aos que o condenaram diante de tantas e insofismáveis provas de sua condição de chefe da maior quadrilha que assaltou os cofres públicos do país. O Partido dos Trabalhadores, responsável pela programação escolheu alguns locais, onde existe maior aceitação da candidatura putrefata, para que houvessem homenagens prestadas por Faculdades e Movimentos Sociais de esquerda e infelizmente, por sua condição de extrema pobreza e burrice eleitoral, Alagoas foi um dos eleitos. A pobre e descredenciada Universidade Estadual (UNEAL), comandada por elementos da “esquerdopatia” tresloucada, foi a instituição apontada para executar a ordem de laurear as falcatruas de Luiz Inácio. O “magnifico reitor” tupiniquim (pobres dos reitores de universidades de verdade) empolgou-se com a missão a cumprir e orientou a “comandita” para conceder o titulo de “doutor honoris causa” que será entregue em solenidade pública com ares de comício eleitoral.

É a velha e manjada história à qual nos submetemos por nossos equívocos políticos-eleitorais, com péssimas escolhas e pagando o preço de sermos exibidos na mídia suja nacional, expostos como um povo atrasado, sem educação e qualquer noção de honestidade. É assim que somos vistos pelo país que se indigna com o mar de corrupção que nos afoga.

Confesso que me abala o coração e treme a alma quando sou indagado por onde ando Brasil afora: - Você é da terra do Renan Calheiros? Tento mostrar que ele não é digno de Alagoas, que o nosso povo é bom e condena suas atitudes e maneiras de fazer política, mas ai vem o troco – “mas são vocês que o elege, sempre e repetidas vezes”. Engulo a vergonha e desconverso. Vou dizer o que diante dessa implacável constatação?

Infelizmente seguiremos em frente alvos de chacotas e vergonhas explícitas que nós mesmos construímos. Diante desse tenebroso quadro só poderemos mudar nossa imagem através do voto consciente de cada um alagoano, nos libertando de anos de atraso e escolhas políticas que nos condenam. No próximo ano teremos a oportunidade de fazer essa mudança de cenário, mas será que faremos? Cabe a cada um de nós o destino que seguiremos.


Gastando nosso dinheiro

BRASÍLIA – Esta semana a principal pauta aqui em Brasília é o escândalo envolvendo ministros do Tribunal de Contas da União e vergonhoso gasto do dinheiro público com viagens e mordomias inaceitáveis. O pior que tudo isso acontece no órgão superior que deveria cuidar da gastança do dinheiro do país pelos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Não cumpre o seu papel institucional e também não faz com que os demais cumpram. Volta, diante desse novo escândalo, a pauta de extinção dos Tribunais de Contas, por sua real desnecessidade de existir. A matéria, já apresentada e arquivada nas gavetas sujas do Congresso Nacional, tende a receber uma moção com milhares de assinaturas de brasileiros inconformados com a bandalheira nacional. Os ministros do TCU, que deveriam dar o exemplo e combater a imoralidade, já gastaram só este ano mais de 500 mil reais com passagens e diárias. Fiz contato com a assessoria de imprensa do TCU e obtive algumas informações.


As viagens imorais dos ministros

(BRASÍLIA) - Doze dias em Paris e Lisboa com tudo pago. Dez dias na Austrália, sem custo nenhum. Dois meses inteiros nos Estados Unidos pra fazer um curso pago com dinheiro público. Esses são só alguns exemplos de viagens recentes dos ministros do Tribunal de Contas da União (TCU). Em 2017, o campeão de viagens é o ministro Aroldo Cedraz. Em seis meses, foram 61 dias viajando, 56 deles no exterior. Onze dias nas Bahamas, 17 em Lisboa, 13 em Viena, 12 em Amsterdã e quatro em Bogotá. Foram mais de R$ 72 mil em diárias e passagens bancadas com dinheiro público. A justificativa é sempre a participação em seminários internacionais. O problema é que esses eventos costumam durar dois ou três dias. Cedraz ficou 12 dias na Holanda para um evento da ONU que durou apenas um dia. Em dois anos e meio, ele ficou 171 dias no exterior, passando por 17 países.

Para Roberto Romano, professor de Ética e Filosofia na Unicamp, o abuso torna-se ainda mais grave porque o TCU é um órgão fiscalizador:

"É muito típico de um Estado que não é republicano, não é democrático, e no qual não impera a responsabilização dos operadores. São privilégios para magistrados, deputados, senadores, governadores etc. E, nesse caso, particularmente, é escandaloso porque se trata de pessoas que controlam o gasto do dinheiro público em nome do parlamento. Essa prática de fazer turismo com dinheiro do povo tem que acabar rapidamente."


Dom Quixote da imoralidade

(BRASÍLIA) - Considerando deslocamentos nacionais e internacionais, o ministro Augusto Nardes, relator das pedaladas de Dilma Rousseff, foi o que mais viajou desde 2015. Ele esteve 264 dias fora de Brasília, o que dá quase nove meses. Muito mais que os colegas, já que, em média, cada ministro passa 41 dias do ano viajando. Nardes visitou 11 países nos últimos 30 meses.

De acordo com o próprio TCU, só neste ano Nardes passou 50 dias em trânsito, 29 deles no exterior, em países como Peru, Equador, Argentina e México. Os registros do tribunal indicam que o ministro também ficou 14 dias nos Estados Unidos para um congresso na Universidade da Pensilvânia que durou apenas dois dias.

"Sou o mais requisitado para fazer palestras. Estou me sacrificando porque acredito que é possível refundar o Brasil com nova estrutura na melhoria da governança. Sacrifício pessoal. Aliás, já foi apelidado de 'Dom Quixote da governança'. Os outros ministros me apelidaram."

O ministro Bruno Dantas faz viagens longas. Em julho deste ano, ficou 15 dias em Roma. No ano passado, passou dois meses inteiros nos Estados Unidos para fazer um curso que custou R$ 130 mil - pagos, claro, com dinheiro público. Em 2015, ele já tinha passado um mês completo em solo americano, a um custo de R$ 80 mil.

O ministro Vital do Rego está há menos de três anos no TCU e já visitou Rússia, Austrália, Egito, Polônia e Suíça. (Informações – assessoria TCU para a coluna e CBN).


Alagoas: futuro preocupante

Um importante evento está com agenda para o dia 31 de agosto, no auditório do Sindicato dos Urbanitários e certamente vai dar o que falar. Trata-se do Seminário Renúncia Fiscal em Alagoas e o Desmonte dos Serviços Públicos.   A abordagem central será da renúncia fiscal com o novo acordo com os usineiros, proposta da Lei de Teto do Gasto, que prevê elevação da alíquota previdenciária de 11% para 14%, a privatização da Casal e Eletrobrás, para que seja aprovada a rolagem da dívida para 20 anos.

O professor José Menezes, coordenador do Núcleo Alagoano da Auditoria Cidadã da Dívida e professor de Economia da UFAL ressalta que por trás da proposta de rolagem, o Estado ficará sem pagar a dívida pública por três anos, mas que todos os serviços serão cobrados após o término do período. “O seminário abordará quem irá se beneficiar com o endividamento do Estado”, questionou, acrescentando que a realização aglutinará os servidores públicos federais, estaduais e municipais. Varias entidades preocupadas com o futuro sombrio que ameaça a economia alagoana estão engajadas na realização do evento.

Seremos um Rio de Janeiro amanhã?


Conta Gotas

PARA ficar livre de Lula e não manchar sua imagem o prefeito de Penedo, Marcius Beltrão, encontrou uma providencial viagem ao exterior. Fez bem.

PALAVRAS de um sábio político local: “Rui Palmeira leva uma grande vantagem diante de outros. É honesto, tem história digna e tem pai”. Muita verdade.

Uma pergunta que viralizou esta semana: - O magistrado que considerou ilegal a greve dos servidores do TC há quantos anos não tem reposição salarial?

Postado por Pedro Oliveira

Fica Temer!

04.08.2017 às 10:50
Reprodução/TV Câmara

“Indecisão e o medo são as armas dos covardes... O sofrimento e a angustia, o preço” (Miguel de Cervantes).


Fica Temer!

(BRASÍLIA) - Com uma margem favorável menor do que a previsão, o plenário da Câmara dos Deputados rejeitou o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para autorizar a análise de denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), por corrupção passiva, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Antes mesmo do encerramento da votação, os parlamentares da base aliada já comemoravam o resultado assim que foram alcançados 159 votos contrários ao prosseguimento das investigações. Considerando-se o número de parlamentares que registraram presença, as ausências, os votos da oposição, da base aliada e dos dissidentes do governo, não haveria mais condições de se alcançar os 342 votos necessários para a continuidade da análise da denúncia no STF, como determinam a Constituição e o Regimento Interno da Câmara. Anunciado o resultado o placar eletrônico mostrou 263 votos contra a denúncia, 227 a favor, 19 ausências e duas abstenções.


Ausência do povo

Diferente de outras recentes manifestações da população um pequeno grupo  se reuniu em frente ao Congresso, para acompanhar a votação. O ato aconteceu a poucos metros do prédio do Parlamento, que foi isolado e teve esquema de segurança reforçado, restrito à imprensa, aos parlamentares e a servidores.

Centenas de policiais acompanharam os manifestantes, que levaram um carro de som ao local. A cavalaria da Polícia Militar do Distrito Federal reforçou o cerco no centro do poder. A manifestação, promovida por movimentos sociais, entidades e sindicatos favoráveis ao afastamento de Temer, foi considerada um fiasco, pelos próprios organizadores.


Como votou Alagoas

A bancada alagoana na Câmara dos Deputados empatou nos votos a favor e contra o presidente Temer. Todos, acredito, votaram por suas convicções, ideologias ou orientação partidária. Agiram de acordo com a imposição ou opção de cada um e não há o que se criticar um lado ou outro, mas apenas se respeitar o direito do parlamentar em se posicionar no exercício de seu mandato. Alagoas votou assim: Com Temer: Mauricio Quintella, Marx Beltrão, Arthur Lira e Cicero Almeida; Contra: Paulão, Ronaldo Lessa, JHCaldas e Carimbão.

A única posição destoante, mas previsível, foi a do deputado Pedro Vilela, que para confirmar sua ideóloga tucana fugiu da votação. Não teve coragem suficiente para assumir o voto. Mas será sempre assim. 


Mudando o jogo

Esta semana circulou com força informações que levam a um acordo com vistas nas eleições do próximo ano para “arrebentar” o jogo político na disputa majoritária. Há sim a possibilidade de uma união somando Renan Calheiros e Benedito de Lira para o Senado e o governador buscando a reeleição. Mesmo diante do que têm mostrado as pesquisas mais recentes é uma chapa para revolucionar e incendiar a fogueira da politica local.

Fala-se que o senador Biu de Lira estaria incomodado com o ritmo lento e indeciso da oposição e os dois adversários o acolhem de braços abertos. Assim é o jogo da política, ganha os mais espertos.


Precatórios de novo?

Os famosos e cobiçados créditos trabalhistas que movimentaram muitos milhões, encheram os bolsos de gente graúda da administração estadual, fez uma casta privilegiada ganhar muita grana e frustrou milhares de servidores que ficaram apenas na ilusão, voltam à tona recheado de notícias nada abonadoras. Os corredores da Secretaria da Fazenda Estadual estão abarrotados de informações contraditórias e suspeitas, a imprensa está investigando a nova safra de “esquemas” em torno da compra e venda desses títulos. Confrontado, o secretário da Fazenda saiu pela tangente, com um bom lero-lero. Esse filme eu já vi e não gostei. 


O tempo é o dele

 O prefeito Rui Palmeira faz muito bem em não querer falar de política agora, para cuidar dos muitos problemas que sua administração enfrenta. A situação de alguns setores da capital é crônica e a atual gestão os vem enfrentando com austeridade e compromisso com o interesse público. O prefeito é citado como exemplo de administrador responsável e essa pauta o tem colocado como um dos políticos mais bem avaliados da atual safra. Rui Palmeira, na hora certa e na sua hora, vai definir os rumos de seu caminhar e tem amplas probabilidades de sucesso. Precisa corrigir erros repetidos de alguns setores de sua administração que o tem atrapalhado mais que ajudado, principalmente e pontualmente: Saúde, Educação e Trânsito. O resto ele tira de letra.


Exemplo seguido

O prefeito Eduardo Tavares, desde os primeiros dias de sua administração, mostrou que faria diferente, tirando o município de Traipu das páginas policiais e estabelecendo um mandato voltado para solucionar os graves problemas  de um povo sofrido e castigado por desastrosas gestões que o antecederam.

Algumas de suas primeiras medidas de austeridade chamaram a atenção da imprensa e também de alguns prefeitos que têm lhe feito visitas em busca de informações de como fazer certo. Oriundo do Ministério Público, onde exerceu o maior cargo da categoria, como procurador geral de justiça, trouxe para a administração do município o mesmo víeis de zelo com a moralidade e a legalidade, juntos com o empreendedorismo. Seguindo seu exemplo outros prefeitos já começam a adotar postura semelhante. Entre os seguidores da moralidade está o jovem prefeito de Pilar, Renato Filho, que enviou para a Câmara Municipal um projeto que cria a  “Lei Municipal Anticorrupção”.


São todos iguais

Primeiro na linha de sucessão presidencial após o impeachment de Dilma Rousseff, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é proprietário de um escritório que foi utilizado por cerca de quatro anos pela Odebrecht, cujo “Departamento de Operações Estruturadas” distribuía propina e caixa dois para dezenas de políticos importantes – e, segundo delação de executivos da empreiteira, tinha o deputado entre os beneficiários, identificado como “Botafogo” nas planilhas de repasses ilegais. Atualmente, o escritório de Maia, que se diz “leal” ao presidente Michel Temer, é ocupado por uma empresa do BTG Pactual, recentemente envolvido em escândalos de corrupção. As informações são do site The Intercept Brasil.

A reportagem informa ainda que o ex-prefeito do Rio de Janeiro e atual vereador do município, Cesar Maia (DEM), pai e mentor político do deputado, manteve registrada no endereço, nos 1990, a Factóides & Factóides Promoções e Marketing, empresa em sociedade com a mãe e uma irmã de Rodrigo Maia.  Resumindo: eles são todos iguais.


Conta Gotas

TUCANO que é tucano não vota SIM e também não vota NÃO. Simplesmente foge.

BOMBA de efeito devastador pode ser detonada a qualquer momento na política local. O estrago será feio.

ESCOLA DE GOVERNO de Alagoas vem declinando muito em suas atividades fins. Falta apoio ou competência?

MUITAS críticas contra a Secretaria Municipal de Saúde de Maceió. O que estará acontecendo? Vamos apurar.

Postado por Pedro Oliveira

Lições de Moralidade

28.07.2017 às 11:04
TCE/AL - Divulgação

Para refletir:A corrupção dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios (Barão de Montesquieu).


Lições de moralidade

Em tempos de Lava Jato, escândalos na administração pública e do descrédito da população diante da lama que invade suas instituições e os poderes constituídos, o Ministério Público de Contas de Alagoas dá sinais evidentes de que nem tudo está perdido e mais uma vez se destaca por medidas de austeridade. Desde sua reformulação, com a entrada de novos procuradores aprovados em concurso público, o órgão que compõe o plenário do Tribunal de Contas do Estado ganhou notoriedade pela postura de seus jovens e destemidos integrantes e pela maneira diferente de fazer gestão pública. Agora mesmo realiza pela terceira vez processo seletivo para o preenchimento de cargos comissionados

Para o subprocurador-geral Gustavo Santos, titular da 4ª Procuradoria de Contas, “O número de inscritos superou a nossa melhor expectativa. O nível dos candidatos foi o melhor possível, muitos com mestrado e doutorado. Não há dúvidas que essa fórmula de seleção, além de implementar os princípios constitucionais da impessoalidade e eficiência, é apta a selecionar o melhor material humano para a administração pública”, declarou o procurador.


Investindo em cidadania

Promover o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, estudantes de escolas públicas, por meio de ações educacionais que favoreçam a inclusão social e ampliem a consciência cidadã, contemplando a formação de educadores sociais. Esse é o objetivo do projeto implantado na cidade de Palmeira dos Índios, a partir da última terça-feira (25), graças ao trabalho desenvolvido pelo promotor de Justiça Rogério Paranhos em parceria com o Banco do Brasil e a Rede de Proteção à Infância e à Juventude. Cerca de 100 crianças e adolescentes são beneficiados e a escolha deles se deu por meio de um processo criterioso de avaliação.

O programa AABB Comunidade consiste em uma proposta de complementação educacional, baseada na valorização da cultura do educando e de sua comunidade. Essa complementação é efetivada por meio de atividades lúdicas desenvolvidas em torno de áreas como saúde, esporte e linguagens artísticas, possibilitando a construção de conhecimentos e o acesso à cidadania.


Recado dado

O porta-voz do partido Rede em Alagoas, Átila Vieira, respondeu ao leviano e irresponsável ataque do presidente do PT/AL, Ricardo Barbosa, (especialista em carona eleitoral) contra a ex-vereadora Heloísa Helena, classificando de “lamentáveis, tendenciosos e próprios dos que continuam a defender corruptos de estimação”.

“Ao contrário dele, que preside uma legenda contaminada pela corrupção que roubou a fé, a ética e recursos públicos do país, Heloísa tem moral, autoridade política e legitimidade pública para falar em nome dos que abominam a corrupção, seja esse crime em que partido ou governo resida”.

“A Rede Alagoas vê com indignação a agressão gratuita do petista Ricardo Barbosa, de novo lamentando que ele continue a ser usado por forças políticas de Alagoas para tentar atingir – inutilmente – a história de honradez de Heloísa Helena na política brasileira”, finalizou.

Na verdade mesmo eles estão com medo de uma candidatura de Heloisa e a serviço dos “patrões” alagoanos, que todos conhecemos.


A falência do “Democratas”

Um dos maiores exemplos da falência do atual modelo político brasileiro está no partido Democratas e sua decadência de moral e estrutura nos últimos anos. Nascido um dos partidos mais fortes, com a liderança de expressivas  figuras nacionais como Marco Maciel, Aureliano Chaves, Guilherme Palmeira, Jorge Bornhausen e José Sarney, como Frente Liberal foi protagonista de grandes momentos da história da politica.

O velho e respeitado PFL sempre se destacou na defesa da democracia. Com sua transformação em Democratas,  começou a se descaracterizar e fugir dos seus princípios fundamentais e se igualar aos outros. Hoje o que resta dos Democratas? Um partido à beira da falência absoluta, sem lideranças expressivas, e fadado a total extinção. Hoje é quase um nanico , daqueles que se  prostituem a cada eleição.

Perdeu a identidade, não apenas diminuiu de tamanho, sua expressão sumiu, suas estrelas se apagaram é um partido sem luz – pecou pela incoerência, falta de lideranças  e oportunismo


O mapa do Biu

Na eleição em 2010 para o Senado aqui publiquei uma nota na qual dizia que o então deputado Benedito de Lira não tinha qualquer chance de vencer com uma “candidatura inviável em vários pontos” a disputa. No dia em que saiu a coluna (sexta feira) recebi um telefonema do candidato, meu amigo pessoal,  convidando para um café no domingo para conversarmos. Nada falou do comentário, mas eu sabia qual seria a pauta do nosso encontro. No local e hora combinados nos encontramos. Durante nosso encontro pediu licença e abriu um bem organizado “mapa político” de sua autoria. Foi me mostrando pontualmente cada base eleitoral, em cada município, quais lideranças o apoiavam e o que tinha feito para ajudar cada um desses locais apontados. Sai dali convencido das amplas chances de sua eleição e assim foi. Eis que surge agora a disputa para renovação de seu mandato. Todos e as pesquisas mostram uma desvantagem entre ele e alguns dos prováveis candidatos. Confesso que não me arrisco a dar nenhum palpite até que veja de novo o “mapa do Biu”.


Conselho de mãe

(BRASÍLIA) - Mariangeles Ibarra Maia foi além de qualquer atitude padrão de uma mãe preocupada. A chilena enviou uma mensagem ao seu filho, presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mandando-o “não conspirar” contra o presidente Michel Temer, de quem é sucessor direto. 

O aviso foi enviado em meio a acusações de que Maia poderia estar articulando secretamente para substituir o peemedebista no cargo. As notícias sobre a “conspiração” causaram mal-estar entre os dois.

“Você me ensinou que eu tenho de ser leal, e assim eu sou”, teria escrito o parlamentar do DEM quase cinquentão – ele tem 47 anos – à mãe zelosa. Em entrevista à Globonews na terça-feira passada, o presidente da Câmara contou ter mostrado a mensagem materna a Temer, como garantia de sua fidelidade.

Quem conhece Mariangeles não se surpreendeu com o estilo, agora tornado público, de mãezona rigorosa com o filho crescido.


Conta Gotas

DEPUTADO Bruno Toledo tem sido uma grata revelação na Assembleia Legislativa. Com posições independentes e firmes tem acuado o governo em várias frentes.  O menino promete.

PEGOU RUIM para o governador suas declarações sobre o preço dos combustíveis por aqui. Seus marqueteiros mais uma vez erraram feio.

OS FRAUDADORES do Mestrado da UFAL continuam impunes e mandando em suas respectivas áreas de comando. Até quando?

De uma autoridade médica: - O Hospital Geral (HGE) está apodrecido, abandonado e fazendo vitimas. É irresponsável se falar em construção de outro em Maceió. Esse povo enlouqueceu.

Postado por Pedro Oliveira

Começou o jogo político

14.07.2017 às 17:56
Imagem: Reprodução

Para refletir:

Mulheres machistas” – Senador Cassio Cunha Lima sobre as senadoras que bagunçaram no plenário.

A política alagoana tomou embalo novo esta semana com a reunião das lideranças maiores dos partidos de oposição ao governo do estado. O grupo resolveu mostrar sua cara e dar os primeiros passos efetivos em busca de ganhar as eleições em 2018. As pesquisas têm mostrado a real possibilidade de candidaturas de sucesso na base oposicionista que conta com nomes de peso na consagração das urnas. Do outro lado o líder maior, Renan Calheiros, amarga um processo de rejeição nunca visto em sua longa carreira politica, marcado por denúncias de corrupção, fato que literalmente lhe coloca em posição desconfortável na disputa para o Senado, se colocando em algumas pesquisas em quarto lugar. O governador Renan Filho, embora com a “caneta na mão” e dono da máquina pública de fazer votos, sofre danos colaterais intensos pela falta de políticas públicas de seu governo. Pesa contra ele “o prometido e não cumprido” durante a campanha política que o elegeu. O seu governo é lento, desorganizado e um tanto desacreditado. Certamente essa pauta de “falta de palavra” será usada nas eleições aonde ele chega fragilizado. Não bastasse e inércia do governo, respinga no governador o estigma do pai, com denúncias pesadas e ele próprio envolvido e denunciado pelo Ministério Público Federal.

“Temos uma boa e recheada pauta para a campanha, não bastasse as que fatalmente o governo já carrega nas costas. Ninguém acredita mais no que eles dizem e o desgaste vai ser grande daqui por diante”. Me dizia uma dessas lideranças oposicionista.

O grupo de oposição conta com fortes nomes para a disputa majoritária, com reais chances de vitória. Entre estes o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, considerado o nome mais forte para disputar o governo, apesar de não ter decidido ainda se será mesmo candidato. Tem boa avaliação e é “ ficha limpíssima” , item muito valioso na turbulência da politica , em tempos de corrupção generalizada. Tem também outros nomes de peso a exemplo do ministro Mauricio Quintella, ex-governador Teotônio Vilela Filho, senador Benedito de Lira, além de uma provável e reforçada candidatura do ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Cartas na mesa. O jogo vai começar.

Fora Maia

(BRASÍLIA) - Grande expectativa em Brasília na delação premiada que está sendo negociada com o ex-deputado Eduardo Cunha e que pode sair a qualquer momento. Por outro lado o PT e seus aliados trabalham aqui em duas frentes: a primeira a saída de Michel Temer da presidência da República, tendo como segunda pauta a entrada imediata de Rodrigo Maia e de imediato denuncias exigindo renúncia do provável presidente também por corrupção, acreditando que a delação de Cunha ( segundo ele mesmo declarou) vai atingir em cheio mais um presidente.

O interesse petista é apostar no caos absoluto no país com o objetivo de abrir caminho para eleições antecipadas, com Lula como candidato.

Lideranças petistas têm procurado partidos de esquerda e outros nem tanto já visando o que poderá acontecer em meio a tanta confusão na politica nacional. Por outro lado se planeja sucessivas manifestações de rua, com engajamento dos movimentos sociais de esquerda, com o objetivo de conturbar ainda mais o clima de beligerância diante do envolvimento de todos em denúncias de corrupção.

Senadoras agridem a ética

(BRASÍLIA) - As senadoras Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) ainda podem se tornar alvo de ação no Conselho de Ética por terem ocupado, com o objetivo de barrar a reforma trabalhista, a Mesa do plenário do Senado.

Para o senador José Medeiros, há quebra de decoro na ação oposicionista. “A conduta abusiva das senadoras que se negaram a deixar a Mesa Diretora, repita-se, visou, única e exclusivamente, a obstrução ilegal e a continuidade da sessão, cuja Ordem do Dia previa apenas a discussão do projeto de lei ao qual eram contrárias”.

No início do protesto, quando subiu à Mesa Diretora para presidir a sessão o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), esbarrou na linha de frente formada pelas colegas. Ao perceber que elas não deixaram o posto de comando dos trabalhos, pegou o microfone que estava instalado na roupa de Fátima Bezerra e exclamou: “Está encerrada a sessão e não tem som enquanto eu não sentar na presidência da Mesa”, disse Eunício, que depois determinou o desligamento das luzes do Senado.

Para o senador Benedito de Lira (PP-AL), o caso envolvendo as senadoras pode abrir precedentes na Casa. “Vai virar moda essa palhaçada. Eu tenho 20 anos nestas duas Casas e nunca vi um episódio como esse. Eu nunca vi um episódio dessa natureza. Essa arrogância e ao mesmo tempo essa falta de respeito do PT, dessas três senadoras que ocuparam a Mesa no Senado Federal”, ressaltou.

Já o senador Cassio Cunha Lima resumiu sua opinião em duas palavras: ”Senadoras Machistas”.

Caos no SAMU

Antes modelo de gestão eficiente e desde sua criação muito bem avaliado, o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), vem nos últimos anos, perdendo sue credibilidade e decaindo na qualidade dos serviços prestados à população. Mal gerenciado sucessivamente e relegado a “plano inferior” pelo governo do estado, tem sofrido inúmeras críticas pela população desassistida .

Denúncias de falta de condições de trabalho para os profissionais de atendimento, sucateamento dos equipamentos e outros graves problemas foram denunciados ao Ministério Público. E o mais grave: as denúncias partiram dos servidores do órgão, mostrando as deficiências e o caos em que se encontra o serviço.

São muitas as irregularidades encontradas comprometendo seriamente os serviços prestados à comunidade. A situação é de extrema gravidade, principalmente por se tratar de salvar vidas da população.

O Ministério Público certamente não vai tolerar tamanha irresponsabilidade com a vida do povo, principalmente aqueles que mais precisam.

Chato e metido

O secretário estadual da Fazenda, George Santoro, é conhecido, é conhecido dentro do governo como “o chato”. Segundo uma fonte palaciana “metido a besta, acha que sabe tudo, chega a impor suas ideias junto ao governador, que se submete a ele”. A maioria dos integrantes da cúpula do governo não o tolera e na sua secretaria serve de piadas entre os servidores que também não gostam dele.

Não conhece Alagoas, mas finge bem que é um especialista em “generalidades”. Esta semana saiu com críticas à administração municipal de Maceió, em declaração grosseira, inconsequente e irresponsável. Ganhou mais um posto: além de chato se mete onde não deveria.

Conta Gotas

RENAN CALHEIROS “Para que se possa olhar o cenário futuro com mais nitidez, precisamos saber quem será candidato, quem estará na presidência da República e, falando do quadro atual, por mais pavoroso que seja, quem estará solto”.

NO AGRESTE três administrações municipais se destacam por ações positivas de governo. Palmeira dos Índios, Traipu e Igaci. O resto é “meia boca”.

DELMIRO GOUVEIA e Piranhas, no Sertão, avançam bem mais que os demais municípios no item administração de resultados.

NA ZONA NORTE os maiores destaques vão para Barra de Santo Antônio e Paripueira.

Postado por Pedro Oliveira

2018 já começou

07.07.2017 às 12:23
Ilustração

Para refletir:Se o povo brasileiro acreditasse mais na força que tem, não existiriam tantos políticos corruptos no Brasil.


2018 já começou

É ruim, muito ruim em todos os sentidos, essa prática da podre política. brasileira  em manter os palanques armados de eleição a eleição. Em meu livro “Brasil 2006 – A História das Eleições”, eu já digo isto: “aqui quando se apura os votos das últimas urnas já começa uma nova eleição”. Pior do que isso só essa excrescência do instituto da reeleição, que é criminoso, deturpado e desigual. Geralmente os anos eleitorais são muito negativos para as administrações. A máquina estatal emperra, as ações de governo viram verdadeiras “máquinas de fazer votos” e quem paga é sempre o mais fraco: o povo. E o que fazer se todos os anos de um mandato de governador e prefeito passam a ser também “anos eleitorais”?

Acho criminoso e irresponsável para um prefeito ou governador deixar de lado políticas públicas, responsabilidade social, desenvolvimento e outros itens significativos para sustentar antecipadamente uma campanha, usando a máquina pública e o poder como instrumentos eleitorais ilegais e imorais.

Acho patético quando vejo setores da mídia comprometida ou a serviço de alguém cobrar do prefeito de Maceió o anúncio de uma candidatura ao governo do estado, quando ainda nem chegamos ao ano eleitoral oficialmente e este se encontra envolvido com problemas maiores de administrar uma capital sem recursos e com muitos problemas endêmicos, relegados por seus antecessores. Rui Palmeira tem empreendido uma política de resultados austera, bem avaliado pela população de Maceió, com reflexos no interior e isto o faz, sim um nome de peso para a disputa ao governo, porém é leviano querer que ele se declare candidato antes do tempo. Pode ser ou pode não ser. A hora e o momento haverão de esperar.

O prefeito de Maceió tem se mostrado um administrador capaz de oferecer melhores condições de vida à população, principalmente a mais carente. Sua administração é considerada uma das mais transparentes entre as prefeituras das capitais brasileiras.

No item responsabilidade com a coisa pública Rui Palmeira tem dado lições, a exemplo de sua atitude elogiada em não realizar as festas de São João, diante do desespero de tantas famílias desabrigadas pelas recentes chuvas. Descontou segmentos interessados e provocou a ira insana de opositores, mas  agiu com olhos voltados para a legalidade e a moralidade. Sua atitude recebeu aprovação do Ministério Público e dos órgãos de Controle Externo.

Por fim o apelo aos políticos, à mídia tendenciosa e especulativa para que deixem o prefeito trabalhar e aguardemos o 2018 chegar. A hora de fazer política chegará e ai vamos  quem tem “feijão no emborná”.


A capital de Cultura

A autoestima do palmeirense chegou às alturas e subiu feito foguete em comemoração. Tudo resultado de uma festa junina digna dos  áureos tempos em que Palmeira dos Índios liderava como uma das principais cidades do interior do Nordeste. Milhares de pessoas lotaram os locais onde uma programação intensa e de qualidade era oferecida gratuitamente a população. Fez-se uma festa bonita, com muitas atrações e com um orçamento perfeitamente adequado para o momento de dificuldade.

Terminada a festa vieram os cumprimentos ao prefeito Júlio Cezar e sua equipe e agora os preparativos intensos para a realização da maior festa literária do estado ainda este ano. É Palmeira dos Índios assumindo o seu legítimo legado de capital alagoana da cultura.


Voos escassos e caros

(BRASÍLIA) - O senador Benedito de Lira criticou a falta de oferta de voos para as regiões Norte e Nordeste do país. Para ele, a malha aérea nacional apresenta “fragilidade” e as populações dessas regiões, que são mais periféricas, acabam sendo mais afetadas.

“São muitos problemas. Destaca-se a precariedade com que são tratadas essas regiões do país. Muitas capitais têm pouca ligação direta com Brasília, fazendo-se necessário um número interminável de conexões”.

Segundo o senador alagoano, as rotas que ligam o Norte e o Nordeste à capital do país operam em horários inconvenientes e as passagens são muitos caras. Ele observou que os passageiros muitas vezes precisam custear despesas como hospedagem e alimentação devido à necessidade de passar por conexões.

O senador lamentou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) “concorde” com essa situação, e pediu às empresas aéreas que ofertem horários mais flexíveis e oportunos.


Operando mudanças

O município de Traipu viveu anos de gestões desastrosas, cujos administradores estavam sempre nas páginas policiais dos jornais e televisões, sem menção a qualquer item positivo. A sua população sofreu continuamente até que resolveu apostar e mudou elegendo o ex-procurador geral do Ministério Público, Eduardo Tavares para a prefeitura. Em seis meses o município alcançou avanços inimagináveis e sua transformação é muito evidente. Perguntamos ao prefeito qual a receita para tanto sucesso. E ele nos disse: ”Poderíamos destacar o extremo zelo pelo dinheiro público, com todas as contas pagas em dia, com o sagrado recolhimento do INSS e outros insumos, com o aumento dado aos professores de forma integral, com gratificações mensais dadas aos garis, margaridas, coveiros etc. Além  de tudo isso, com as contas em dia, rigorosamente”.


Fazendo mais

Continua Eduardo Tavares: ”Oferecemos três  curso pré-vestibular para a comunidade e enviamos dois ônibus, diariamente, para Arapiraca para os universitários estudarem. Temos vários programas agrícolas em ação e estamos lutando para colocar a educação e a saúde nos eixos.  Esse ano iniciaremos a realização de concurso público para todas as categorias, inclusive para os cargos de procurador, controlador e ouvidor. Estamos iniciando os trabalhos para a construção da Casa da Cultura e deveremos fundar o Museu do Império e inaugurar o Terminal Turístico.


Gestão descomplicada

“Uma gestão desse nível não pode constar da relação de inadimplentes. Quando assumimos a prefeitura, estávamos  com 11 itens no CAUC. Hoje estamos fora. Somos o único município de Alagoas que conta com Código de Ética e Código de Conduta dos Servidores. Não queremos ser melhor do que ninguém. Mas, indubitavelmente, fazemos tudo da maneira mais correta possível, ainda assim sinto um pouco de vergonha de estar político. Sou mesmo é membro do Ministério Público”. Destaca o prefeito de Traipu.


Em defesa dos menores

Com o tema “27 anos do ECA: Cenário da Infância e Adolescência em Alagoas”, está programado para o próximo dia 13 de julho, no auditório do Ministério Público do Estado de Alagoas , um seminário direcionado aos profissionais da rede de atendimento à criança e ao adolescente, onde serão discutidos temas de relevância e que podem resultar em ações mais eficazes na instituição.

O seminário deverá reunir promotores de Justiça, representantes dos Poderes Judiciário e Legislativo, da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT), do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA), conselhos municipais, além de outras instituições e entidades.

A abertura do evento será feita pelo procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto.

 

Conta Gotas

ANTECIPAR as eleições para agora é irresponsável, leviano e criminoso. Por que não vão trabalhar?

QUANDO serão presos os principais atores da Operação Lava Jato? Aqui temos alguns deles esperando.

PERGUNTAR não ofende. E as destacadas figuras do estado que fraudaram o Mestrado da UFAL, quando serão denunciadas?

TEM PREFEITO que assumiu em janeiro e já quer entregar o cargo. Imaginou que o “pote” era bem mais recheado.

Postado por Pedro Oliveira

Todos Culpados?

30.06.2017 às 00:01
Reprodução/NBR


Para refletir: Tudo parado na administração estadual. Incompetência ou safadeza mesmo?


Todos culpados?

(BRASÍLIA) - Esta semana depois de ser denunciado por corrupção passiva no Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Michel Temer resolveu sair da defensiva e atacou o grupo do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, responsável pela denúncia, na tentativa de desqualificar a delação premiada do Grupo JBS que o levou a mais grave crise de seu governo. Repetindo por diversas vezes que tem “formação de jurista”, Temer apontou fragilidades na denúncia e mencionou um dos procuradores que, há até pouco tempo, trabalhava com Janot na Procuradoria-Geral da República (PGR) e depois foi contratado pela JBS. A reação de Temer à conduta de Janot foi preparada em um auditório do Palácio do Planalto, com transmissão ao vivo na emissora de televisão oficial do governo, a NBR.

Antes de citar o nome do acusado, Temer disse que o faria porque seu nome havia sido “usado deslavadamente na denúncia”. “Marcelo Miller, homem da mais estrita confiança do senhor procurador-geral. [...] Ele abandona o Ministério Público para trabalhar na empresa que faz delação premiada com o procurador-geral!”, acusou Temer, acrescentando que Marcelo sequer cumpriu a quarentena imposta a membros do Ministério Público Federal (MPF). “Ele ganhou, na verdade, ganhou milhões em poucos meses”.

Para Temer, abriu-se um precedente perigosíssimo no Direito Penal com a denúncia de Janot. “Se fosse só o aspecto jurídico, eu não estaria fazendo esse pronunciamento. Eu o faço em função da repercussão política”, reclamou o presidente, dizendo-se vítima de “ataque injurioso, infame”. “Nunca vi o dinheiro [mala de R$ 500 mil, constante da denúncia], não participei de acertos para cometer ilícitos. Onde estão as provas concretas sobre o recebimento desses valores”, ironizou, voltando a carga para Joesley Batista, o empresário que o colocou na situação de denunciado no STF. (Com informações do Congresso em Foco)


Paulão em ação

O deputado Paulão (PT/AL) tem feito muito mais por Palmeira dos Índios do que os políticos locais e à frente dos seus colegas de bancada. Na realidade, mesmo diante de sua importância eleitoral, um dos maiores colégios de votos do estado, a terra xucurus tem recebido , quando recebe, apenas migalhas dos que ali vão buscar apoio para a eleição. Em todos os anos de seu mandato o deputado petista tem dirigido para o Hospital Regional Santa Rita significativa parcela de suas emendas parlamentares. O hospital tem vivido nos últimos anos uma situação de pré-falência, mesmo com sua importância para toda a região. Nada recebe além dos repasses obrigatórios por parte do governo federal. O governo de Alagoas não dá nem um telefonema de solidariedade.


A ética seletiva

O senador José Medeiros (PSD-MT) criticou a ética seletiva do PT, que questiona as palestras do procurador da República, Deltan Dallagnol, mas que nada fala sobre a propina recebida pelo ex-presidente Lula por intermédio de palestras fictícias.

No caso das críticas a Michel Temer feitas pela oposição, José Medeiros lembrou que foi o PT quem o escolheu para compor, na condição de vice-presidente, a chapa encabeçada por Dilma Rousseff à presidência da República.

- A saúde em todo o Brasil está arrebentada, os municípios estão quebrados, os governadores estão quebrados. Quebraram o país. E agora eu ouço um filósofo vir aqui e dizer: ‘Só tem um jeito de salvar o Brasil: é a população ir para as ruas e pedir a volta do presidente Lula. Só o presidente Lula tem capacidade'. Meu Deus do céu é cada uma que a gente tem que ouvir aqui - disse o senador.

José Medeiros afirmou que falta ao PT a autocrítica necessária para reconhecer os erros cometidos durante os 13 anos de gestão do partido.

Ele disse esperar que Lula participe das próximas eleições para que o projeto de poder do PT seja derrotado nas urnas.


Agindo com responsabilidade

O secretário municipal de Gestão, Reinaldo Braga, tem sido um dos destaques na administração da capital. Da linha de frente do prefeito Rui Palmeira tem conduzido a pasta com muita capacidade e também responsabilidade com a coisa pública. Competente negociador tem mantido um canal permanente com os servidores municipais, tratando as demandas com rigoroso critério, mas com o olhar voltado para a valorização dos funcionários da prefeitura em suas diversas categorias.


Me engana que eu gosto

Um dia depois de manter encontro reservado no Palácio República dos Palmares o deputado Francisco Tenório (PMN) teve a ideia brilhante de propor na Assembleia Legislativa um aumento de salário para o governador sob uma pífia e manjada justificativa: “merece ter um aumento”.

Na verdade não se justifica aumentar o salário polpudo do governador quando este vem alardeando que o estado está crise. E o pior: a maneira hipócrita de tentar mostrar que foi iniciativa do deputado e não uma ordem sua para obter o aumento. Coisas de Alagoas de hoje.


Fica sozinho

O deputado Ronaldo Lessa (PDT/AL) pode levar um tremendo tombo nas próximas eleições por conta de sua “instabilidade partidária”, coisa que o acomete a cada eleição. Iniciou uma suposta negociação para embarcar no navio do governador que ao que parece foi abortada por enquanto. Com seu gesto ameaçou o prefeito Rui Palmeira e seus aliados de debandar a um custo mais vantajoso e parece  não conseguiu.

Com eleições sempre em episódios circunstanciais já perdeu vários embates por causa de sua arrogância e pequenez política.

Os principais caciques da política local têm sempre um pé atrás e não confiam no deputado que está sempre à procura de se dar bem.


Collor vem ai

Uma pessoa conversou com o senador Fernando Collor em Brasília e obteve dele a informação de que poderá, sim, disputar o governo do estado no próximo ano. Com um carisma irretocável, imensa capacidade de “fazer votos”, principalmente entre as camadas mais pobres, disputaria com amplas chances de vitória e sem correr risco em seu mandato no Senado, onde tem cadeira cativa até 2022.

Ao que se sabe encomendou pesquisa própria e os dados lhe dão confortável posição com possibilidade real de desbancar o governador do “trono”.

Ai alguém completou: Com certeza não ouvirá nenhuma acusação vinda do palanque do governador, uma vez que esses estarão na mesma vitrine podre da Operação Lava Jato e até outras acusações mais graves.


Conta Gotas

OS FRAUDADORES do mestrado da UFAL continuam mandando e bancando áreas vitais do governo. Procura-se ética e probidade.

DE UM ESPECIALISTA em política: O novo é Mauricio Quintella, Rui Palmeira, Marx Beltrão. O velho é Renan Calheiros, Renan Filho e outros, pelas práticas recorrentes. Entendeu?

MUITAS RECLAMAÇÕES nos serviços prestados às comunidades pela Secretaria Municipal de Saúde. É bom o prefeito ficar de olho.

MILTON HÊNIO Gouveia e Antônio Carlos Gouveia. Pai e filho. Patrimônios de uma moralidade tão em falta hoje em dia. Alagoas do bem agradece.

Postado por Pedro Oliveira


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2017 Press Comunicações S/S
Avenida Hamilton de Barros Soutinho, 1866 - Jatiúca - Maceió-AL
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]