Dólar com. 4.8238
IBovespa 0.58
25 de maio de 2022
min. 23º máx. 32º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Governo do Estado vai decretar situação de emergência devido às fortes chuvas

Blogs

Alexandre Ayres

28.08.2021 às 18:56


PARA REFLETIR

“Se o presidente não parar com essa pulsão de morte, cada vez mais as pessoas irão às ruas, pelo desespero e pelo agravamento da doença” (Senador Renan Calheiros),

Alexandre Ayres

Conheço o jovem secretário de Saúde, Alexandre Ayres, do tempo em que no início de sua caminhada no mundo jurídico fazia parte de um grande escritório de advocacia alagoano. Participou de um Curso de licitação que ministrei no Ministério Público Estadual, se destacando como um dos melhores alunos. Conversei com ele em alguns intervalos e pressenti ali um jovem com futuro brilhante. O tempo passou e surpreso vejo o seu nome anunciado como o gestor maior da saúde estadual. Pensei comigo mesmo – mas que guinada brusca para um profissional de direito! – mas não duvidei um minuto de que diante da situação crítica pela qual passava o setor, seu nome daria resultados positivos. A crise implantada não parecia poder ser resolvida por um experiente médico, o mal não era clínico, mas sim de gestão.

Alexandre Ayres logo após assumir mostrou que chegou para mudar. Fez transformações, modernizou as estruturas, valorizou os servidores, ampliou a rede de atenção à saúde, construiu hospitais e unidades de atendimento.

Na pandemia o protagonismo

Com a chegada da pandemia a vida do secretário virou de cabeça para baixo, exigindo sua integral dedicação, sacrificando a família, projetos pessoais e colado ao governador, com foco da detenção do vírus e de salvar vidas de alagoanos. O trabalho da dupla Renan Filho/Ayres colocou Alagoas no protagonismo nacional da vacinação, gerando matérias da grande imprensa, destacando a eficiência e os resultados positivos do combate ao Covid 19. Na capital e no interior não faltaram atendimentos dignos e vacina n o braço, quando a maior parte do país ficou sem seringas , a gente tinha estoque adquirido com recursos próprios.

Quando a política atrapalha

Exposto a grande visibilidade midiática , por conta do seu papel de “gestor da pandemia”, com seu carisma pessoal e sua maneira cordata e tratar a todos, logo o seu protagonismo se estendeu interior afora, recebendo o reconhecimento por parte de prefeitos, lideranças políticas e profissionais de saúde e daí para seu nome começar a ser veiculado como provável candidato em 2022 não demorou. Com essa evidência sua figura começou a fazer sombra em redutos de alguns políticos, que incomodados buscam destruir a sua reputação.

Se existem erros ou dolos na Secretaria de Saúde que sejam apurados e buscados culpados. Duvido que Alexandre Ayres seja conivente com qualquer desvio de finalidade ou qualquer crime de responsabilidade no trato com a coisa pública.

O secretário é neófito na política, não é um profissional, deve agir com sua consciência e não deve temer esse tipo de acusações, mas procurar responder de forma clara e seguir em frente, pois o caminho é longo e cheios de pedras.

Sem risco

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou não acreditar em nenhum tipo de ruptura democrática. Segundo ele, é preciso uma autocontenção dos governantes para dar mais estabilidade institucional e gastar menos energia com assuntos que não interessam à sociedade.

Lira disse ainda que os militares não apoiam nenhum tipo de ruptura e que, neste momento, é importante apaziguar os ânimos e não ultrapassar os limites constitucionais.

“Não teremos nenhum tipo de ruptura, os militares são conscientes que são protetores da Nação e não de qualquer projeto. Temos que ter autocontenção, temos feito muitas conversas e nossa função exige isso”.

Marx Beltrão

O deputado Marx Beltrão tem rodado o interior de ponta a ponta e não é fazendo turismo. Cuida de asfaltar sua caminhada com vistas as eleições do próximo ano. Exímio articulador, costura apoios políticos importantes, A exemplo do prefeito Júlio Cezar, de Palmeira dos índios, além de outros nos quais tem alocado recursos para ajudar as administrações de aliados. Com uma atuação de destaque na Câmara Federal, transita na Esplanada dos Ministérios com desenvoltura. Resta a pergunta: reeleição ou majoritária

JHC vai ou não vai?

Mesmo que sua avaliação siga em ascensão dificilmente o prefeito de Maceió toparia uma candidatura ao governo nas próximas eleições. Não é amador e é ele que tem construído sua trajetória, planejada e estudada passo a passo. Sabe que se aventurar largando o mandato para o qual foi eleito e consagrado, causará um enorme rombo em sua credibilidade eleitoral. Sabe também que tem capilaridade para a disputa, mas no momento adequado.

Viverá um momento delicado desde as composições com aliados e pode até emplacar um candidato para ganhar. Desde que não seja o senador Rodrigo Cunha, que por seu mandato pífio, sofre o desgaste de mais da metade dos votos que obteve na última eleição. Pesquisas informais indicam, que a cada dez eleitores 6 não repetiriam o equívoco do voto.

Tempo digital

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei das deputadas Soraya Santos (PL-RJ) e Margarete Coelho (PP-PI), que permite a realização de convenção partidária online. Segundo o texto aprovado, as convenções precisam seguir a certificação de todos os requisitos exigidos na legislação eleitoral e em estatutos dos partidos.

O relator, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), apresentou parecer favorável à proposta, que ainda depende de análise pelo Plenário. De acordo com Zuliani, “é preciso reconhecer que as fronteiras físicas à comunicação e à deliberação coletiva foram drasticamente reduzidas por soluções tecnológicas ao longo das últimas décadas”.

Pílulas do Pedro

Governador Renan Filho teve encontro com Lula em Natal (RN). Conversaram reservadamente sobre Alagoas, política e também 2022.

Secretário Alfredo Gaspar, todas as semanas se desloca ao interior para levar empreendimentos e segurança para as populações.

Legislação eleitoral vai castigar militar aproveitador que usa farda para se eleger.

Postado por Pedro Oliveira

Renan Calheiros, o relator

21.08.2021 às 15:53


PARA REFLETIR

O senador Renan Calheiros defendeu a convocação do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, para depor ao colegiado e chamou de “ridículo” o desempenho do general.

Renan Calheiros, o relator

O senador Renan Calheiros mais uma vez assume a condição de protagonista no Congresso Nacional, após algum tempo submerso desse papel, desde sua derrota na disputa para a presidência da casa, há dois anos. Hoje sua figura contraditória é a mais comentada na imprensa do país, superando os presidentes da Câmara e Senado. O senador alagoano de Murici, nasceu predestinado ao sucesso na política. Por onde passou, desde deputado estadual, federal, ministro e no longo período que reina no Congresso Nacional seu papel sempre está no topo.

Renan além de exímio articulador, tem um domínio da pauta política como poucos da história política contemporânea. Amado e odiado na mesma proporção, segue em frente colecionando mais vitórias do que derrotas.

A volta com a CPI

 Após seu período “sabático” emergiu como relator da CPI da Pandemia, para desgraça do presidente da República e sua camarilha apodrecida de acusações em todas as vertentes do crime. No seu estilo clássico de bater sem pena, tem liderado todos os lances da CPI conduzindo o colegiado a desvendar uma avalanche de falcatruas, praticadas por integrantes do governo e pelo próprio presidente Jair Bolsonaro. Os trabalhos da comissão vão se aprofundando e a cada lance aparecem novos indícios de fraudes, corrupção e crimes de responsabilidade.

Segundo fontes da própria CPI as provas colhidas já caberiam um processo de impeachment para deixar vago o palácio do planalto, mas o relator continua garimpando fatos e atos para o seu veredicto, que é aguardado por uma nação indignada e que já perdeu.

Relatório quase pronto 

A proporção que as atividades da comissão vão caminhando o relator vem preparando o seu relatório que segundo informações já está com mais de mil páginas, dividido por fatos e depoimentos colhidos e investigados. E o próprio Renan Calheiros diz: “Vamos trabalhar para tentar apresentar o parecer final na segunda quinzena de setembro. Eu não sei se conseguiremos, mas eu vou efetivamente me dedicar a isso”.

No relatório preliminar que está sendo redigido e que tive conhecimento de parte, muita gente as quais estão imputados crimes como, charlatanismo, prevaricação, advocacia administrativa, atuação contra a ordem sanitária e corrupção.

O papel da CPI

Não caberá aos membros da comissão punir os crimes apontados, nem tampouco ao relator. Aprovado o relatório com indiciamento daqueles que praticaram os mais variados crimes contra o povo brasileiro, esses deverão ser denunciados pelo Ministério Público e condenados Judiciário que não poderão virar as costas para a barbárie que contabiliza quase 600 mil mortes, por negligência, negacionismo e genocídio.

Procuradora “cientista”

A Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou, ao Supremo Tribunal Federal (STF), argumentos colocando em dúvida a eficácia do uso de máscaras contra a covid-19, e defendendo um suposto direito do presidenteJair Bolsonaro de comparecer em eventos públicos sem a proteção.

"Nesse contexto de incerteza sobre o grau de eficácia do equipamento, embora seja recomendável e prudente que se exija da população o uso de máscara de proteção facial", escreveu a subprocuradora-geral Lindôra Araújo,

Para a PGR, o presidente não cometeu nenhum ilícito durante a viagem. As aglomerações geradas durante o evento presidencial não teriam a ver com o presidente. Aí o gado segue...

Assunto encerrado

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, interrompeu um repórter ao ser questionado sobre o apoio do presidente Jair Bolsonaro à chamada PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do "voto impresso".  Lira respondeu que o assunto está "encerrado".

“Não vou tratar desse assunto porque esse assunto já está encerrado no Congresso”. Está correto Arthur Lira.

Capacitando desde o início

A Câmara dos Deputados aprovou esta semana Medida Provisória que determina que os órgãos e as entidades públicas deverão incluir em seus planos de capacitação ações para habilitar seus servidores a ocuparem cargos em comissão e aprovados em concurso.

Aqui em Alagoas essa prática de preparação de servidores oriundos de concursos públicos ou cargos de comissão já foi implementada pelo Instituto Cidadão, instituição especializada em formação de agentes públicos e tem sido aplicada com sucesso na administração.

O programa torna possível o servidor ao ingressar no serviço público, ter conhecimento das atribuições de seu cargo, deveres e direitos e receber um farto manancial de informações para o desenvolvimento de suas funções na administração.

Não para

Governador Renan Filho tem tido uma atuação impecável nesses tempos de pandemia. Não se descuida um momento de suas bases sólidas implantadas na saúde alagoana não deixando faltar. O contato com Brasília é permanente em busca de mais vacinas e insumos. Esta semana quando o país inteiro reclamava a fata de seringas e as vacinações paravam, por aqui não faltou nada, sem depender do Ministério da Saúde. Ontem em Palmeira dos Índios, o governador deu início a construção de um grande hospital, para atender a região Agreste. Aqui é assim, vão bem a saúde, a educação e as estradas para o povo viajar e escoar a produção. Quando se quer, se faz.

Pílulas do Pedro 

Na disputa para a OAB aparece o nome com força e apoios para ocupar o cargo de presidente. Vagner Paes.

Avaliação do secretário Alexandre Ayres está nas alturas. Não adianta discurso vazio para tentar desconstruir seu trabalho.

Postado por Pedro Oliveira

Braskem, crime sem castigo

14.08.2021 às 13:40


Pela primeira vez assisti ao documentário “A Braskem passou por aqui. A catástrofe de Maceió”. Recomendo a todos que assistam, mas previno que é chocante, impactante e com muita emoção e revolta do começo ao fim. O filme é o retrato vivo, bem contado e traz a verdadeira história da destruição de quatro bairros.

O autor da obra é o cineasta e ativista Carlos Pronzato, premiado internacionalmente por várias obras e teve o apoio do Sindicato dos Servidores Públicos Federais da Educação Básica e Profissional no Estado de Alagoas, entidade representativa dos docentes e técnicos administrativos do Instituto Federal de Alagoas.

A tragédia foi observada após um tremor de terra ocorrido em fevereiro de 2018 no bairro do Pinheiro, onde surgiram as primeiras rachaduras. Contudo, após um ano, outros bairros apresentaram o mesmo problema, como o Mutange, Bebedouro e Bom Parto. Ao estudar as razões do problema, o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) identificou que a extração de sal-gema, feita durante quatro décadas pela Braskem, sem a fiscalização das autoridades públicas, foi a causa do desastre

Vítimas esquecidas, terra ferida

O desastre dos bairros de Maceió, já conhecido internacionalmente, maior que as barragens de Brumadinho e Mariana, em desalojamento de famílias, danos ambientais e prejuízos a pequenos estabelecimentos, tem recebido quase nenhuma atenção dos poderes públicos, apáticos e inertes ao processo de indenizações das vítimas e negociações com a empresa responsável pelo bárbaro e hediondo crime.

Política e demagogia

Nunca os escombros dos bairros afetados foram tão visitados como na última eleição. Olhando para a imensidão de casas destruídas, usando de cenário para discursos demagógicos, cada candidato gravou para seu guia eleitoral, bradando fingida emoção, articulada por seus marqueteiros, na busca de angariar votos no desespero e na dor de milhares de pessoas. Passadas as eleições calaram-se as vozes, sumiram os palanques e carros de som, como haveria de ser, tratando-se de políticos.

Quando os poderes de se calam

As queixas são unânimes entre as vítimas da tragédia, espalhadas pelos quatro cantos da cidade, alguns em casas de parentes, outros em imóveis alugados, comerciantes que perderam seus negócios, pessoas que deixaram suas vidas para trás, sonhos interrompidos cruelmente. Estão abandonados pelos políticos, pelo Ministério Público e Poder Judiciário. E fazem a pergunta: que poder é esse da maldita Braskem, que roubou vidas e patrimônios e nada lhe acontece?

Uma imprensa que cala

No documentário sobre o repugnante crime da Braskem o jornalista Joaldo Cavalcante, autor do livro “Salgema, do erro à Tragédia”, faz várias intervenções, com as quais nos conduz à barbaridade e irresponsabilidade, com mais clareza. Ressalte-se , Joaldo é um dos poucos da imprensa alagoana, com coragem e o espírito voltado para o interesse público, a abordar com profundidade o tema e sair em defesa dos atingidos. Os veículos convencionais (jornais, televisões e rádios), em sua maioria se calam, junto com aqueles das redes sociais. As únicas “matérias” publicadas são as propagandas da Braskem. Aí dá pra imaginar os “negócios”.

No fim, a destruição

Toda essa destruição ocasionada pela ganância da Braskem está registrada sob a visão do cineasta. Ao longo da construção do documentário, Pronzato conta o quanto se impressionou ao ver inúmeros imóveis desocupados.

 “É impressionante. Conseguimos driblar os tapumes para entrar nos imóveis. Não conseguimos entrar nas minas. É impressionante. E a noite piora, porque não conseguimos fazer entrevistas.

Durante os percursos encontramos uma cidade perdida. Apenas da compensação da Braskem, os moradores perdem sua história. Teve gente que nasceu no local e perdeu tudo, é muito triste. Isso por causa da negligência de uma empresa, pois tinham tudo para prever a tragédia. Nunca tinha visto algo do tipo”, afirmou o cineasta ao se deparar com uma “cidade perdida, um cenário de guerra”.

Fosse em um país onde a lei seja cumprida e os direitos da sociedade respeitados, os responsáveis há muito estariam presos e pagas todas as indenizações, inclusive os danos causados ao patrimônio público e ao meio ambiente. (Fonte de pesquisa Sintietfal).

Pílulas do Pedro

Enquanto os moradores expulsos dos bairros afetados choram suas dores, políticos frequentam a Braskem, para tomar cafezinho e se confraternizar.

O que está acontecendo nos poderes que ninguém foi punido pelo hediondo crime da Braskem? Ai tem coisa.

Postado por Pedro Oliveira

Bolsonaro: um presidente indigno do Brasil

07.08.2021 às 18:00


“Um político divide os seres humanos em duas classes: instrumentos e inimigos”. (Friedrich Nietzsche).


Jair Messias Bolsonaro vai entrar para a história como o pior presidente que o país teve desde a instalação da República, no ano de 1889, com o alagoano Marechal Deodoro como primeiro mandatário. Pela cadeira passaram figuras emblemáticas, intelectuais, militares, ditadores, malucos, alguns honestos, outros ladrões e culminou com 14 anos de mando do Partido dos Trabalhadores, nas administrações Lula e Dilma Rousseff, enxotada do cargo pelas trapalhadas irresponsáveis cometidas. Um Brasil indignado e cansado da roubalheira foi para uma eleição com a firme disposição de tirar o PT do poder, fosse a qualquer preço, a pagou pra ver. 

De repente aparece um capitão reformado, eleito diversas vezes deputado federal, sempre por meios transversos, integrante da banda podre do Congresso Nacional, que vociferou mais alto que os demais concorrentes, indo ao encontro do grito sufocado na garganta dos brasileiros “fora Lula”, “Fora PT”. Não imaginavam o tremendo equívoco que estavam cometendo. 

Carregado por uma campanha cafajeste, calcada em fake news e guerra suja nas redes sociais, foi crescendo nas pesquisas e acelerou quando uma “facada suspeita”, ainda hoje sem comprovações, o fez ir para o segundo turno, justamente em um embate contra o PT. Travou-se a luta do mal contra o mal, aí. diante da dúvida, 57 milhões de brasileiros optaram pelo desastre que não conheciam, coisa bem pior que toda a corrupção petista. Esta não conseguiu destruir a nação, mas a opção vencedora caminha para destruir o Brasil, sua democracia e sua história. 

O Brasil quer impeachment 

Nunca também na história do Brasil um presidente teve tantos pedidos de impeachment dirigidos à Câmara dos Deputados e também ao Supremo Tribunal Federal igualmente ao atual. 

Recordista em pedidos de impeachment, Jair Bolsonaro foi alvo de um “megapedido” por sua saída do cargo que reuniu acusações de mais de 100 denúncias.

O pedido imputa-lhe 23 crimes previstos na lei 1.079/50, conhecida como Lei do Impeachment. Entre eles, cometer ato de hostilidade contra nação estrangeira, tentar dissolver o Congresso Nacional, atrapalhar investigações, violar o direito à vida dos cidadãos na pandemia, incitar militares à desobediência à lei e não agir contra subordinados que agem ilegalmente.

O último é ligado às denúncias em torno da compra da vacina indiana Covaxin. O caso veio à tona depois que o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) disse ter denunciado irregularidades ao mandatário, mas este não determinou a investigação sindicatos, associações e coletivo.de subordinados e políticos aliados.

A culpa por mais de 500 mil mortes

Todos sabem que o governo   desde o início negou e até hoje não admite a gravidade da pandemia no Brasil. Esse governo demonstrou desde o primeiro dia do Coronavírus ser um grande aliado do vírus. Jair Bolsonaro é o maior aliado do vírus no Brasil, porque desde o começo negou a ciência e toda orientação mundial, não só da ciência, mas toda a experiência exitosa no mundo. É por isso, sim, que ele está cometendo crime contra a humanidade. Sim, ele tem responsabilidade pelas mais de 500 mil mortes que estamos vivendo neste país”.

Na entrega do pedido de impeachment coletivo na Câmara dos Deputados a dirigente partidária e vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos ressaltou o papel da frente ampla num momento de gravidade política vivido pelo país. “É por isso, que se junta essa frente ampla, de vários parlamentares e várias entidades que refletem esse momento na história. Não é a primeira vez que a nação se une, nós fizemos isso quando lutamos pela anistia, nós fizemos isso quando lutamos juntos para derrubar a ditadura. E mais uma vez estamos juntos numa grande frente ampla para gritar em alto e bom som: Basta e fora Bolsonaro!”.

Bolsonaro, um mentiroso

A ninguém é desconhecido que o presidente tem compulsão pela mentira. Mentiu muito durante a campanha, a ponto de ganhar uma eleição calcada em fake news, mentiu ao não cumprir quase nenhuma promessa do que prometeu fazer após eleito e continuou mentindo durante todo o seu governo. E agora reage, cinicamente, se achando ofendido porque o ministro Alexandre de Moraes o incluiu no chamado inquérito das fake news pelos repetidos ataques ao sistema eleitoral brasileiro. Berrou o patético presidente - “Isso é uma acusação gravíssima. Ele abre apura e ele pune?”. Seria gravíssimo se as palavras fossem dirigidas a um presidente de verdade e vergonha. Mas contra Bolsonaro é apenas uma constatação.

Ninguém é de ninguém

Uma eleição em Alagoas nunca esteve tão embrulhada como essa que vem por aí. Se em 2018 faltaram candidatos ao governo, agora tem até demais. O problema é que cada um é candidato dele mesmo e poucos reúnem as condições eleitorais para tanto. Com esse clima a bola está no pé do governador Renan Filho e quem for o seu “ungido” terá muito mais chance de ganhar a parada, que promete ser animada.

Rafael Brito

Ele é tido e mantido como o “coringa” do governo estadual. Chegou na Agência de Desenvolvimento e arrumou a casa, cuidou do turismo e da economia e construiu avanços nunca alcançados para os setores vitais da Alagoas. Aí o governador se empolgou e resolveu testar em uma das áreas mais difíceis e problemáticas, a Educação. Rafael Brito em pouco tempo já conseguiu mudar completamente o perfil da pasta. É ágil, competente e empreendedor em suas ações. Fez em poucos meses o que alguns não conseguiram em anos. E vai fazer muito mais.

Uma dupla e tanto

Na administração do prefeito JHC não tem grandes estrelas. Em certos setores, inclusive no entorno do chefe, há uma certa mediocridade e muito fuxico. Entre o secretariado que é mediano, porém duas figuras sobressaem: Lininho Novais (Comunicação) e Mirian Monte (Cultura), fazem a diferença diante dos demais. Ambos extremamente profissionais, sempre mais preocupados com o prefeito do que com suas próprias imagens. Uma dupla que faz acontecer e o prefeito aparecer. 

Pílulas do Pedro

O senador de segunda classe insiste em ser candidato a governador. Mesmo sem ser convidado.

Codevasf na mira de órgãos de controle externo, com prováveis ações de improbidade. Pode chegar aí o japonês da Federal.

São tantas obras para inaugurar, iniciar e tantos projetos lançados para os municípios, que o governador dá sinais de esgotamento. Mas aguenta. 

Postado por Pedro Oliveira

Em quem pensa o governador?

31.07.2021 às 11:20


PARA REFLETIR

“Encontrou-se, em boa política, o segredo de fazer morrer de fome aqueles que, cultivando a terra, fazem viver os outros”.(Voltaire).

Já caminham, embora ainda por estradas incertas, as tratativas para as eleições que vão acontecer no próximo ano. Partidos da base aliada do governo e da oposição começam e se posicionar em confabulações, ainda blindadas por segredos, para definir principalmente as chapas majoritárias (governo e senado) que deverão se enfrentar em um dos pleitos mais concorridos da nossa história política.

Embora ainda sem a definição de um nome para chamar de seu, o lado do governo se mostra com muito maior densidade que qualquer outro opositor, por conta do percentual natural de quem está no poder e amparado na excelente administração do governador Renan Filho, que é avaliado como um dos melhores gestores dos últimos tempos, com elevado conceito a nível local e nacional.

O governador tem se sobressaído, quando a maioria dos seus colegas sofre desgastes, por conta de uma administração de resultados positivos. A própria pandemia o colocou no topo da avaliação positiva, pelo seu protagonismo a nível nacional. Teve coragem e se arriscou politicamente ao adotar medidas amargas na prevenção e adoção de restrições sociais, bateu de frente com setores empresariais e classistas, que tiveram que se render para evitar a propagação do vírus.

Construindo em plena crise 

Em plena crise construiu e equipou hospitais e bases de saúde, muito importantes para combater a pandemia (o único governador que entregou hospitais novos e totalmente equipados no país). Na educação está fazendo uma revolução de obras e valorização dos profissionais, escolas reformadas, construídas e ampliadas, prontas para a retomada das aulas presenciais. Na infraestrutura rasgando e duplicando estradas, incentivando e atraindo novos investimentos no turismo, gerando empregos e rendas. 

O funcionalismo está recebendo dentro do mês trabalhado, outro fato inédito, além de ainda conceder aumento de salários e a realização de concursos em todas as áreas da administração. 

No meio do caminho, uma pedra

Se houvesse a possibilidade de um terceiro mandato, caso a legislação eleitoral permitisse, o governador seria imbatível e sem concorrentes à altura de um embate. Desfez completamente a “maldição do segundo mandato” quando tem o segundo período de administração mais bem avaliado que o primeiro. 

O problema é que Renan Filho, com todo esse acervo eleitoral que carrega, está tendo dificuldade em escolher o seu sucessor. Cometeu o pecado de sempre: não preparou um nome para lhe suceder e não se vê em seu entorno nenhum nome que se diga: esse é o cara! 

Não que não tenha a seu lado nomes preparados para a missão e tem vários, mas o problema é fazer desse nome um potencial aglutinador de votos em tão pouco tempo.

Na lista entre outros Maurício Quintella, Rui Palmeira, Alexandre Ayres, Alfredo Gaspar, Rafael Brito, José Wanderley, apenas para citar alguns.

De filho pra mãe

A mãe de Ciro Nogueira, Eliane Nogueira (PP-PI), tomou posse  como senadora, no lugar do filho, que assumiu a Casa Civil do governo de Jair Bolsonaro. O mandato, do qual Eliane é primeira suplente, começou em fevereiro de 2019 e deve se manter até o início de 2027.

A senadora, que não tem experiência em cargos públicos, disse que vai dar continuidade ao trabalho realizado pelo filho é "uma grande honra e muita responsabilidade". Em 26 anos no Congresso, como deputado e senador, Ciro só aprovou dois projetos.

Ao assumir a Casa Civil, Ciro também abriu mão da presidência nacional do partido, que controlava desde 2013. O cargo será agora exercido pelo deputado federal André Fufuca (PP-MA), que anunciou a mudança em suas redes sociais.

Mais uma excrescência da podre política brasileira.

Confronto à vista

O filho do presidente Jair Bolsonaro, senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) foi confirmado como suplente na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Com isso, o parlamentar passa a integrar oficialmente o colegiado que tem apurado ações e omissões do governo no combate à pandemia do Coronavírus. A CPI retorna aos trabalhos na próxima semana.

Um confronto mais acirrado entre o filho do presidente e o relator da CPI, senador Renan Calheiros e também o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues é aguardado, agora que Flávio chega ao plenário da comissão, mesmo como suplente.

O ingresso de Flávio se deve à saída do senador Ciro Nogueira (PP-PI), que deixou o Senado para assumir o comando da Casa Civil. Ciro era titular da comissão e o movimento dele altera o bloco composto por MDB, Republicanos e Progressistas, com direito a três das 11 cadeiras no colegiado.

A hora do prefeito JHC

Prefeito JHC não para. Logo cedo parte para as diversas obras espalhadas por toda Maceió, vistoria, conversa com os operários, ouve os moradores, recebe abraços e cumprimentos, pelas melhorias nos bairros.

Diariamente comparece aos postos de vacinação, para acompanhar de perto, se reúne com as coordenações do combate à pandemia e se liga nas fontes para cobrar mais vacinas

No gabinete, entre telefonemas, recebe lideranças comunitárias, políticos e toca a pauta administrativa que é imensa

Publicamente tem falado pouco sobre o futuro, mas o tema é abordado sim, no privado. Está observando, costurando e conversando com possíveis aliados. Com aprovação em alta, não vai dar tiro no escuro. Sabe-se que em seu entorno existem insinuações de pretendentes e agregados, mas Caldas é matreiro e é profissional do jogo político.

Vai decidir na hora certa, quando chegar sua hora e o momento adequado.

Não pode entrar arriscando muito, sua proficiente caminhada vitoriosa, com nomes de densidade política duvidosa. Ou entra pra ganhar, do contrário é melhor só observar.

Pílulas do Pedro

Em eleição e futebol, o quesito “caráter” é irrelevante.

Uma pergunta que não quer calar. Onde andam os guardas de trânsito de Maceió? Férias coletivas?

CPI da pandemia voltando, com “pilhas novas” e pauta explosiva. Segura essa, genocida!

Postado por Pedro Oliveira

O golpe de Arthur Lira

24.07.2021 às 18:40

 

PARA REFLETIR

“Nada mais cretino e mais cretinizante do que a paixão política. É a única paixão sem grandeza, a única que é capaz de imbecilizar o homem”. (Nelson Rodrigues)

Disse recentemente que “Arthur Lira, só pensa em Arthur Lira” e nós alagoanos o conhecemos bem. Na política venceu por sua astúcia e enorme capacidade de articulação. Nasceu politicamente pelas mãos do pai, ex-senador e hoje prefeito da Barra de São Miguel (AL), Benedito de Lira, ganhou espaço próprio e hoje é o segundo na ordem sucessória da república, como presidente da Câmara dos Deputados, embora impedido de exercer o cargo de chefe da nação , por ser réu no Supremo Tribunal Federal, acusado de crime de corrupção( coisas da vida pública brasileira), além de processado por sua ex-mulher, por violência doméstica ( lei Maria da Penha). Conquistou a principal liderança do Centrão, que o presidente Jair Bolsonaro “alugou” a preço superfaturado, para lhe dar sustentação no legislativo.

O alagoano Arthur Lira tornou-se tão poderoso, que se acha capaz de dar um “golpe branco” para mudar o sistema de governo no país, propondo um esdruxulo e equivocado modelo a ser gestado por uma Emenda Constitucional, atropelando a própria Constituição Federal.

Ele quer, na verdade, criar um falso parlamentarismo, até porque o Brasil já adota um semipresidencialismo desde a promulgação da Constituição de 1988, quando conferiu atribuições ao Executivo e Legislativo que são típicas do parlamentarismo  A Constituição ainda dá poderes ao presidente para editar medidas provisórias, com força de lei e outras matérias eu podem ser modificadas pelo Parlamento.

A atuação do presidente se assemelha a de um primeiro ministro, tendo que se entender com o Congresso desde o inicio do seu mandato, até o final, na busca de manter uma maioria que lhe garantirá a governabilidade. Temos aqui um presidencialismo de coalizão, que nada mais é que o semipresidencialismo.

O que quer Dom Arthur?

Poder, mais poder, é o que busca o presidente da Câmara dos Deputados, com o Executivo ainda mais refém do que se verifica hoje. Lira e sua turma buscam, claramente, dificultar a vida do próximo presidente e já apostam que será Luís Inácio Lula da Silva, pode ter certeza. Com a adoção de um novo sistema o famigerado Centrão ganharia ainda maiores poderes, inclusive o de indicar o primeiro ministro.

Desde o início do ano Arthur Lira já assume os ares de primeiro ministro informal, impondo ao presidente Bolsonaro uma agenda retrograda, conservadora e cheia de suspeições.

Fico com a opinião do articulista Kennedy Alencar que pontua em sua coluna: “O desejo de Arthur Lira é dar um golpe parecido com o de 2016, quando Dilma foi derrubada com um impeachment, sem crime de responsabilidade. Seria um golpe “limpinho” com essa conversa fiada que valeria para 2026.

Davi Davino, o diferenciado

O deputado Davi Davino Filho é daqueles políticos que se pode antever um futuro vitorioso. Na última eleição chegou a bater na trave e por pouco não virou prefeito de Maceió se tivesse ido para o segundo turno. Meu primeiro contato com ele foi exatamente na campanha passada e confesso, me surpreendi com sua desenvoltura política. Além do que é atencioso, centrado e convence o eleitor se mostrando por inteiro. É diferente de tudo o que está aí, uma maioria de interesseiros que só pensam no voto e depois de eleitos sobem no pedestal, cercados de proxenetas, que os adulam enquanto estiver no poder. Anote esse nome: Davi Davino Filho e depois confira.

Renan Calheiros: o troco

O senador Flávio Bolsonaro está apavorado com a proximidade com que a CPI está chegando nas comprovações dos crimes do pai presidente. Em represália denunciou o senador Renan Calheiros, na PGR, por abuso de autoridade. Aí recebeu o merecido troco:” A democracia tem contornos às vezes de ficção.  mesmo quem foge dos promotores há anos sistematicamente pode ir à sede do Ministério Público Federal. No Brasil, até a milícia denuncia”. Disse o senador – Voto com o relator.

Alfredo Gaspar

O secretário Alfredo Gaspar, nasceu em berço de predominância jurídica e altos padrões de moralidade, uma tradicional família alagoana. Muito jovem ainda fez carreira no Ministério Público, do qual se tornou um dos mais destacados membros, chegando ao topo da carreira ao ocupar o cargo procurador geral de Justiça. Largou a sua brilhante carreira pelo desejo de servir à sua cidade e teve um desempenho atrapalhado por fatores que só a política local pode explicar. Mergulhou e logo ressurgiu como secretário de Segurança Pública, cargo que já havia ocupado com êxito. É inteligente, preparado e ama o que faz. Tem sido apontado, pelo seu extraordinário trabalho, como um dos melhores secretários do sistema de segurança do país. Seu cacife político está em alta e certamente o conduzirá para uma disputa eleitoral com chance de vitória.

Bolsonaro despenca

No rumo que vai, antes de terminar esse destrambelhado governo, o presidente Jair Bolsonaro não terá nem um ministro para chamar de seu. A cada dia perde mais força para o fisiologismo e o jogo sujo do Centrão. Agora mais uma vez descumpre promessas de campanha e se dobra diante das exigências do grupo mais nocivo da política nacional, cujos objetivos são os mais espúrios possíveis.

Com a popularidade em queda livre, Bolsonaro vai promover reforma ministerial para fortalecer sua base de sustentação no Congresso Nacional. Deverá puxar o senador Ciro Nogueira, presidente do Progressistas, para a Casa Civil e vai desmembrar o Ministério da Economia, recriando o Ministério do Trabalho.

Pílulas do Pedro

Prefeitura de Arapiraca dá péssimo exemplo e ainda agride cidadão, por reclamar falta de álcool gel nos locais de acesso ao público.

Governador gaúcho, Eduardo Leite, apoia Rodrigo Cunha para o governo de Alagoas. Ai pronto! Decidiu a eleição.

Cães e gatos estão passando fome e morrendo nas ruas de Maceió. Um mínimo de atenção à causa era bom, mas animais não votam.

Postado por Pedro Oliveira

Vergonha alagoana (mais uma)

De como o filho de Arthur Lira saiu de estagiário em restaurante de Brasília para influente personagem na publicidade do governo

17.07.2021 às 12:20

 

Não nos bastasse o tanto que nos envergonha a maioria de nossos políticos, muitos pendurados em processos de improbidade, corrupção e desvios de dinheiro público, mais uma aparece levando Alagoas a ser destaque na imprensa nacional, com suspeitas de falcatruas no governo Jair Bolsonaro, que mostra claramente, que é tão vulnerável ao atravessar a linha da moralidade quanto os que o antecederam .

O filho do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que nunca atuou no ramo de imprensa ou publicidade, surge de repente como sócio de uma empresa de representação de veículos publicitários que, por sua vez, prestam serviço para órgãos públicos. Arthur Lira Filho tem como sócia, no negócio, Malu Cavalcante, filha de Luciano Cavalcante, (outro conhecido alagoano e fiel escudeiro dos Liras) braço direito, secretário parlamentar e coordenador de campanhas do deputado.

Sem nenhuma experiência n o ramo o filho de Lira e sua sócia, que também nada entende do ramo de imprensa e publicidade estão faturando muito dinheiro, inclusive com clientes como a Caixa Econômica Federal e alguns ministérios, além de outros órgãos do governo federal.;

Completando a trama a empresa Mídia Nova Representações, não tem sede, site e até e-mail. O endereço que consta do registro do CNPJ é de um apartamento residencial na Asa Norte de Brasília, onde a sócia do filho de Arthur Lira mora com os pais. Mostrando, claramente, o nível de embromação em uma empresa com grandes verbas publicitárias, sem funcionários, instalações próprias, apenas de fachada.

O empresário Arthurzinho

Quando criaram a empresa, Malu era recém-formada em Direito e Arthur Filho estava estagiando em um restaurante em Brasília. Segundo pessoas que atuam no mercado de publicidade em Brasília e não quiseram ser identificadas por temer represálias, Arthur é visto frequentemente em agências que possuem contratos milionários com o governo, como a Calia e a Propeg.

Indicações no Congresso e CBTU

Segundo o site Congresso em Foco (Brasília) Luciano Cavalcante, o todo poderoso assessor de Lira e pai de Malu, é considerado o braço direito do deputado. Ele trabalhou por anos com o ex-senador Benedito de Lira, pai do atual presidente da Câmara e aparece em várias fotos junto aos dois. Cavalcante, inclusive, participa de eventos representando Lira.

Natural de Atalaia, em Alagoas, ele empregou a esposa, Gláucia, e a filha Malu nos gabinetes de Lira filho e Lira pai, como assessoras parlamentares. Gláucia atuou no gabinete de Arthur entre 2015 e 2016 e hoje possui um cargo de gerência na superintendência da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Maceió (Onde os Liras têm o comando total). O superintendente, aliás, é Carlos Jorge Ferreira Cavalcante, cunhado de Gláucia.

A nomeação da esposa e do irmão de Luciano em cargos na CBTU é curiosa. Arthur Lira se tornou réu no Supremo Tribunal Federal acusado de receber R$ 106 mil de propina do então presidente da companhia, Francisco Colombo.

Kaká Gouveia no TJ

Antonio Carlos Melro Gouveia é um nome que Alagoas conhece e respeita por sua origem e história de vida pessoal e profissional. Filho do médico Milton Enio de Gouveia, o grande expoente da nossa pediatria e das letras alagoanas, Kaká Gouveia, como é conhecido na intimidade, mesmo muito jovem, tem uma extraordinária folha de serviços como agente público e político. Secretário de estado, dirigente de órgãos públicos, deixando sua marca de eficiência e austeridade por onde passou, membro e presidente do Conselho Estadual de Segurança pública juiz do TRE, advogado brilhante, com vitoriosa atuação é um dos nomes apontados para ocupar a próxima vaga de desembargador a ser aberta no Tribunal de Justiça. Com sua escolha a corte será honrada com o nome certo para a dignificante função.

Renan Filho: batendo recordes

O governador Renan Filho deixará o seu mandato profícuo marcando alguns recordes históricos em comparação com todos os antecessores. Estradas asfaltadas e duplicadas, construção de hospitais e outros equipamentos de saúde, melhoria e expansão da educação. Não bastasse essa longa pauta vai bater também o recorde na realização de concursos e contratação de pessoal. por meio da Secretaria do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), divulgou o edital que rege o concurso público para o provimento de 3 mil vagas na Secretaria de Estado da Educação (Seduc).Das 3 mil vagas ofertadas, 483 são para a área de pedagogia, sendo 342 para a Educação Especial e 141 para indígenas que têm especialidade nos anos iniciais do Ensino Fundamental. As demais vagas para professor contemplam 14 áreas de atuação. A remuneração inicial prevista para os novos servidores é de R$ 2.433,95.

Acontecerão também concursos nas áreas de saúde e segurança pública. Quem planta colhe.

Mandato pífio

Ninguém desconhece a pequenez do mandato do senador Rodrigo Cunha, que se tornou o maior equívoco do voto dos alagoanos, hoje candidato, com certeza não seria eleito. Figura apática dentro do Congresso Nacional, insiste em se justificar de sua inercia com projetos midiáticos e inexpressivos a exemplo dessa tal “lei do nome limpo”. Se as pessoas não têm dinheiro para necessidades básicas, imagine para “negociar” dívidas. O senador se dispõe a emprestar?

Mudando a educação

Um amplo e arrojado projeto está sendo desenvolvido pelo Instituto Cidadão, voltado para o aperfeiçoamento e atualização pedagógica de toda a rede de ensino municipal, de acordo com as diretrizes do Ministério da Educação. Um seminário voltado para instrutores, monitores e capacitadores será realizado na próxima semana, na plataforma on-line da instituição especialista em capacitações para gestões públicas, em preparação para a realização do amplo projeto com foco em gestores escolares, professores, pedagogos, pessoal administrativo das escolas municipais. O primeiro município a ser contemplado será Palmeira dos Índios, por iniciativa do prefeito Júlio Cezar, objetivando modernizar e adequar o setor educacional para o futuro.

Pílulas do Pedro

Prefeito JHC se dirigiu ao acampamento dos sem tetos, em Jaraguá e olho no olho, prometeu soluções para a situação.

E aqueles políticos continuam tomando cafezinho com a Braskem e fazendo discursos demagógicos para o público.

Cardiologista José Wanderley é um candidato que todos querem chamar de seu. Tem destino e vocação.

Postado por Pedro Oliveira

O governo está podre

10.07.2021 às 18:48

 

O governo do presidente Jair Bolsonaro, diante das graves denúncias de corrupção no Ministério da Saúde, possivelmente não sofrerá nenhum processo de impeachment. dificilmnente o presidente da Câmara, o seu aliado, Arthur Lira pautará a matéria para ser votada, além do que não existe o clamor das ruas em tamanho suficiente para forçar a ser votado o impedimento.

Não se tem dúvidas de motivações suficientes para botar o Jair e sua tropa pra fora do Palácio do Planalto, por diversos crimes cometidos, a começar pela morte de mais de 500 mil brasileiros, por seu negacionismo e até deboche da situação gravíssima que a pandemia provocou.

Os ataques sistemáticos do presidente às instituições, suas agressões a jornalistas, seu comportamento visivelmente desequilibrado já seriam motivos suficientes para afasta-lo.

Há sim, um envolvimento do presidente e sua família com diversos crimes, claramente evidenciados em atos praticados por seus filhos.

Não se poderia esperar outra coisa de um cidadão despreparado, tosco e com um passado nebuloso, eleito em uma circunstancia de um antagonismo petista que o povo trocaria por qualquer coisa e trocou.

Teremos, no entanto, daqui por diante um governo apodrecido e enfraquecido, sangrando até o seu final, sob o domínio da escória da política brasileira e só Deus sabe o que acontecerá daqui por diante, quando pode acontecer tudo, inclusive nada.

Aulas voltando

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, defendeu a volta às aulas presenciais nas escolas públicas em todo o País, respeitando os protocolos decorrentes da crise sanitária. Ele foi cobrado por integrantes da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados sobre Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) do governo junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) questionando Lei 14.172/21, que destina R$ 3,5 bilhões para a conectividade nas escolas.

Sobre as providências para o retorno presencial, o ministro disse que além do protocolo sanitário, foram destinados recursos para a compra de insumos para as escolas e foram abertos cursos de capacitação online para professores.

Durante a audiência pública, a deputada Adriana Ventura (Novo-SP), reforçou a importância da volta às aulas, e citou a defasagem no aprendizado por conta da pandemia do coronavírus. "Acho sim que a gente tem que priorizar vacinação de professores, de toda a comunidade escolar, tem que ter protocolo de segurança para não colocar ninguém em risco, mas escola pública tem que estar aberta, porque é só através da escola pública que a gente dá igualdade de oportunidades, principalmente para os mais pobres", argumentou.

Internet nas escolas

O ministro Milton Ribeiro negou que seja contra a conectividade das escolas, mas concordou com a ação junto ao STF por temer que, para cumprir a lei, precisasse retirar recursos de outras políticas públicas. "Em termos gerais, a Adin discute a ofensa a princípios orçamentários, em especial por não observar o teto de gastos, que pode interferir na estruturação e custeio de outras ações governamentais", justificou.

Presidente da Comissão de Educação, a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) reclamou do questionamento ao STF, já que, segundo ela, a aprovação da lei foi fruto de acordo com o governo.  "A nossa preocupação é que o volume de recursos investidos é muito distante do necessário. Não é para entregar um computador, não é para entregar um chip, mas precisa vir com arcabouço pedagógico para que possa ter efeito na aprendizagem", defendeu.

O ministro Milton Ribeiro informou que haverá investimentos de R$ 320 milhões em conectividade em 2021. Ele acrescentou que existem R$ 5 bilhões do Salário-Educação que também podem ser utilizados por estados e municípios para esse fim.

Falta um nome

O governador Renan Filho deixará para a história a marca de uma das melhores gestões da história de Alagoas. Investiu pesado na Saúde, Educação e infraestrutura. Deixa uma rede hospitalar muitas vezes maior e mais eficiente do que encontrou, o mesmo acontecendo na educação. Rasgou e duplicou estradas, dando aos alagoanos uma malha rodoviária de fazer inveja aos demais estados, melhorou a situação dos servidores e está sendo protagonista nacional em ações de combate à pandemia da COVID. Com essas credenciais teria tudo pra fazer o seu sucessor, sem dificuldade. Porém no caminho aparece uma pedra, ou melhor, falta um nome. Segue o governador o mesmo caminho da velha política alagoana: ninguém foi preparado, lapidado e moldado para ser candidato e o governador chamar de seu. Mesmo cercado de bons nomes, auxiliares competentes e políticos hábeis, até agora nenhum conseguiu musculatura suficiente para encarar uma eleição majoritária, mesmo passados mais de seis anos de "treinamentos", o bastante para entrar em campo a ganhar a partida.

O abandono da causa animal

Gostaria de saber quando nossos gestores (estado e municípios) irão se sensibilizar o grave problema que enfrenta a causa animal. Esta semana fomos expostos ao escândalo nacional, quando o programa Fantástico (rede Globo) mostrou uma clinica veterinária em Maceió, na qual prevaleciam os maus tratos e até torturas de animais. Não vi uma nota sequer de algum órgão público dando conta das medidas tomadas ou explicando à população detalhes do acontecimento criminoso.

Impressiona a quantidade de cães e gatos abandonados nas ruas e praças de Maceió, famintos e doentes, alguns cuidados e alimentados por moradores de rua e pessoas da causa animal. Para se ter um exemplo somos uma das poucas capitais a não possuir um hospital veterinário, mantido pelo poder público, que tem obrigação de cuidar.

JHC na cabeça

Embora nem queira falar sobre o assunto o prefeito de Maceió aparece em todas as pesquisas como o nome mais apontado para a eleição de governador, que ocorre no próximo ano. O alcaide é bom de voto, tem jogo de cintura e é aprovadíssimo em sua gestão, mas teme deixar o mandato pela metade, sabendo que pode prejudica-lo eleitoralmente e ainda correndo um natural risco. Do seu lado o nome com maior densidade é o do vice-prefeito e ex-governador Ronaldo Lessa, com um potencial eleitoral robusto. O prefeito certamente não apostará no nome do senador Rodrigo Cunha, muito enfraquecido, dado ao frustrante mandato que decepcionou seus eleitores e não mais repetirão o voto equivocado.

 
O prefeito JHC dorme tarde e acorda cedo para dar conta das demandas da administração e comandar pessoalmente duas campanhas de saúde: Covid e Influenza, com pontos de vacinação por toda a cidade.

 Na CPI da pandemia ninguém se entende e isso é péssimo Pode levar para a grande pizza.

 A família Bolsonaro está mais enrolada que novelo de linha. Onde passa deixa o rastro de suspeitas.
Postado por Pedro Oliveira

Brasil, o país dos “vivaldinos”

03.07.2021 às 15:54

 

Para refletir:“O presidente da República, que é um contumaz veiculador de fake news, ele agora está com amnésia”. (Renan Calheiros, relator da CPI da Pandemia) 

Lamentavelmente somos um país no qual se dá melhor o “vivaldino”, o malandro, o mau caráter. Literalmente em nossa história o mocinho é derrotado pelo vilão. Vejamos, por exemplo, a situação de alguns políticos safados, investigados, processados e alguns até presos por crimes como lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, estelionato, evasão de divisas, peculato e outros tantos. Um Brasil ingênuo e esperançoso começou a acreditar que tudo tinha mudado ao assistir a prisão de ministros, governadores e até ex-presidentes, além de grandes e milionários empresários, na deflagração da Operação Lava Jato (a maior caça aos corruptos da história da política do país). Não levou muito tempo e a própria operação foi desmoralizada pelo Poder Judiciário, escancarando à nação sua fantasiosa história de mentiras, parcialidade e partidarismo político. Seu líder maior, antes transformado em herói, o juiz Sérgio Moro, movido pela vaidade e desejo de poder, teve sua vida virada pelo avesso e descobriu-se que não passava de um interesseiro, em defesa de um lado, igualzinho aos que condenou e perseguiu. Teve suas principais decisões anuladas pelo STF, que também se mostra uma corte de faz de contas, com ministros denunciados por corrupção, vendas de sentenças e outros crimes, jamais imaginados se perpetrarem em um tribunal superior, onde se supõe ser cenário de altas e republicanas decisões.

E os bandidos como estão? Livres, leves e muitos soltos. As investigações provaram o roubo de bilhões dos cofres públicos, dinheiro destinado a programas sociais, merenda escolar e hospitais para salvar a vida de miseráveis. Em uma visão humanística cometeram “crimes hediondos”. De uma coisa se tem certeza: os soltos e os presos, todos e suas famílias estão ricos. Fica aqui então uma dica para os que querem entrar para a política: Aqui o crime compensa e vale à pena roubar.

O povo contra

A manifestação de grupos ligados aos movimentos LGBT e da população de Maceió na frente da Câmara de Vereadores, esta semana, mostrou a insatisfação da sociedade contra a concessão do título de cidadão honorário de Maceió, para o presidente Jair Bolsonaro. Os vereadores que se atreveram a aprovar a aberração receberam em troca a indignação pelo deplorável ato e já foram ameaçados de ter seus nomes lembrados em próximas eleições. Um dos principais defensores da indecente aprovação, vereador Leonardo Dias (sempre ele) foi vaiado, ao chegar à Câmara, pateticamente, com uma bandeira nacional nos ombros. Os vereadores contrários a homenagem foram aplaudidos pela população.

Fazendo cultura

Quem falou que Maceió não teria São João? Teve sim e dos bons. A criatividade, solidariedade e consciência de que pra tudo se dá um jeito, levaram a Prefeitura da capital, através da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) realizar uma programação virtual entre os dias 23 e 29 com apresentações de grupos quadrilhas, trios e bandas de forró. A festa, produzida com esmero e profissionalismo fez com que fosse considerado um dos mais animados festejos juninos do Nordeste. As atrações se apresentaram em lives transmitidas por canais virtuais e assistidas por numeroso público. Em tempos de pandemia e com restrições de aglomeração os músicos e grupos culturais alagoanos tiveram a oportunidade de se apresentar para o público que improvisou em casa as festas de São João. Parabéns à secretária Mirian Monte e sua competente equipe pelo profissionalismo e brilhantismo da realização. 

Tempos nebulosos

Perguntado sobre possibilidade de haver clima para um eventual processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, respondi que não faço a mínima ideia do que poderá acontecer, mas alguma coisa haverá de acontecer, diante desse caos absoluto, abalando muito a estabilização institucional do país.

O assunto faz-me lembrar uma palestra que assisti, em Brasília, proferida por uma procuradora da PGR e eu lhe perguntava: o Brasil tem jeito? E ela me respondia: “tem que ter, mas terá que chegar a uma grande e extremosa convulsão, para aí então renascer”. Percebo que esse tempo pode estar chegando. 

Isso é muito ruim para o país. Nosso foco deveria ser a pandemia, o combate ao desemprego. Temos uma nação de desempregados.

Se percebe, claramente, uma antecipação do calendário eleitoral. Há uma incerteza muito grande. Particularmente não acredito em impeachment. Não podemos brincar de botar e tirar presidente. Não creio que haja mudanças bruscas. Mas consequências para o ano que vem, virão sim, muitas. O governo Bolsonaro acabou, sua popularidade vai definhar. Se o que faltava era a indicação de corrupção, temos aí uma fartura de acusações, suspeitas e provas, como uma bomba no colo de um presidente irresponsável, tosco e negacionista. É aguardar para conferir.

Alagoas liderando

Para se somar às boas notícias conquistadas pelo governo do estado, mais uma para comemorar. Alagoas liderou a criação de novas empresas na região Nordeste e figura em quinto lugar no ranking nacional. Somente entre janeiro e abril de 2021, foram abertos 14.125 novos empreendimentos no estado. O número registrado no último boletim do Mapa de Empresas do Brasil representa um aumento de 51,2% na taxa em relação ao mesmo período do ano passado. A estatística alagoana tanto lidera como supera a média regional, que ficou em 39%, de acordo com painel divulgado no último sábado (26) pelo Ministério da Economia por meio do Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração.

Todas essas conquistas são frutos do trabalho e da capacidade de fazer acontecer do governador Renan Filho e uma equipe de craques aguerridos. Vamos em frente.

Pílulas do Pedro

Patrícia Mourão, com certeza tem muito a contribuir para o turismo de Maceió. Tem capacidade e experiência.

Senador Marcos Rogério (DEM/RO) se transformou em mero ventríloquo do Planalto, nas sessões da CPI. Um ridículo.

Prefeito JHC não abre mão. Todos os dias visita os postos de vacinação para checar o trabalho. Sempre cumprimentado com euforia pela população.

Postado por Pedro Oliveira

Nosso primeiro corrupto

28.06.2021 às 09:20

 

Para refletir: “Talvez tenhamos errado ao pedir ao presidente para usar máscara. O certo mesmo seria focinheira ou bridão de argola”. (Senador Renan Calheiros).

Nosso primeiro corrupto

Em 1549, desembarcou no Brasil o primeiro funcionário público ficha-suja de nossa história. Pero Borges foi nomeado ouvidor-geral, cargo equivalente ao de ministro da Justiça, apesar da mácula em seu currículo: seis anos antes, fora condenado em Portugal por desvio de verba para construir um aqueduto - o roubo inviabilizou a obra.

Ele chegou a ser julgado e afastado do serviço público por ter embolsado metade do custo do aqueduto - ou um ano de seu salário. Veio para o Brasil como parte de sua punição, mas com poder (o ouvidor-geral podia até condenar índios e escravos à morte), gordo salário e pensão para a mulher se manter em Lisboa. Ai já a justiça da corte ensinava ao Brasil a maneira correta de julgar políticos e pessoas influentes. O nepotismo e o tráfico de influência também têm origens nessa época. As nomeações estavam "quase que exclusivamente" ligadas ao fato de "ter ou não o progenitor (do pretendente) servido à Coroa" e eram vinculadas a casamentos e ligações familiares.

As pessoas compravam os cargos ou recebiam do rei como forma de premiação por algum serviço, então acabava-se criando a ideia de que se podia usá-los a seu dispor".

Vemos então que a corrupção nasceu quando o Brasil também nascia e daí por diante foi apenas aperfeiçoando. Os mensalões, o roubo por parte de agentes públicos e principalmente por políticos são práticas mais que centenárias e que vão seguindo no princípio da hereditariedade. Aqui é assim: o avô roubava, foi sucedido pelo pai e depois pelos filhos se locupletando.

Não importa de onde venha a grana podre eles roubam. Dos hospitais, das escolas, dos miseráveis famintos e mais recentemente da pandemia que matou mais de 500 mil e prefeitos, governadores, ministros e outras autoridades são suspeitas de se apropriar. 

A morte dos Seresteiros

A cultura de Maceió, não bastasse o marasmo que a domina permanentemente, leva um baque de extrema gravidade com o fim das atividades de um de seus principais incentivadores, o grupo conhecido como “Seresteiros da Pitanguinha”. Responsável pela animação de grandes carnavais e muitas atividades festivas em nossa capital e ponto de reunião dos amantes da boa música, contribuiu imensamente para o brilhantismo das nossas atividades culturais de qualidade.  Sua diretoria fez publicar uma nota oficial, onde entre outras coisas diz: “enfim, sai de cena a Seresta da Pitanguinha, sem violões, cavaquinhos e percussão. Apenas seu estandarte faz evoluções provocadas pelo vento frio e forte da última caminhada.

Pelas ruas da Pitanguinha, seus cantores acompanham o cortejo, mudos, em respeito aos milhares de mortos, vítimas deste mal tão devastador, que sufocou e matou também nossos sonhos”.

As consequências da pandemia e o roubo de todos os seus instrumentos musicais, em sua sede, foram o golpe mortal para os Seresteiros da Pitanguinha. A coluna lamenta e presta uma homenagem aos dois ícones, que durante anos conduziram, com amor e muita dedicação o grupo cultural, os seresteiros chefes Emmanuel Fortes e Alfredo Gazzaneo, aos quais Alagoas muito deve. 

Além de queda, coice

Não bastasse as dores de cabeça que a CPI da pandemia, no Senado, tem causado ao presidente da República, aparece a real possibilidade da instalação de uma outra, desta vez na Câmara dos Deputados 

As denúncias de possíveis irregularidades no processo de aquisição da vacina indiana Covaxin começaram a movimentar também a oposição na Câmara dos Deputados, que já fala em tentar protocolar também ali uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito, que estão chamando de CPI da Corrupção na Saúde.

O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), informou que os partidos contrários ao governo Jair Bolsonaro irão representar ao Ministério Público Federal e ao Tribunal de Contas da União para que sejam apuradas as denúncias.

Os líderes de oposição na Câmara dizem também que irão convocar o ministro da Justiça, Anderson Torres, para apurar se o presidente Bolsonaro levou o caso até o ministério e se a Polícia Federal abriu inquérito para investigar tais irregularidades. O deputado Luiz Miranda (DEM-DF), irmão do servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, afirmou que alertou o presidente sobre irregularidades no processo de compra e que o presidente lhe dissera na ocasião que acionaria a Polícia Federal.

“As denúncias de corrupção na importação da Covaxin são gravíssimas. É preciso esclarecer quais medidas foram tomadas após a comunicação dos fatos ao presidente da República e quem são os envolvidos no esquema. Por isso, vamos representar ao MPF, ao TCU, convocar os ministros da Justiça e da Saúde e coletar assinaturas pra CPI da Corrupção na Saúde”, afirma Alessandro Molon.

Alagoas ganha novo hospital

O Hospital Regional do Alto Sertão (HRAS), em Delmiro Gouveia, foi entregue esta semana pelo governador Renan e o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres.

"A entrega desse hospital coloca um ponto final na saga que sempre foi a vida da população sertaneja, que era tratada em outras regiões de Alagoas e até em outros Estados brasileiros, que fazem divisa com essa parte de Alagoas", lembrou Renan Filho.

Prevista para dezembro, a entrega do HRAS foi antecipada em razão da pandemia da Covid-19 e começa a funcionar nesta terça-feira (22).

"Estamos abrindo o hospital agora, nesse momento, pelo senso de urgência que essa pandemia impõe a todos. Agora teremos leitos de UTI e clínicos para tratar Covid no Sertão, bem como todos os exames disponíveis, especialmente o mais complexo deles: a tomografia computadorizada, que também será feita aqui no Hospital do Alto Sertão", assegurou o governador.

Mais uma ação louvável, do governador Renan Filho que assume o protagonismo nacional como o estado que mais tem feito durante o período de combate a pandemia

Pílulas do Pedro

Cuidar muito da tecnologia digital e relegar o humano, não é apenas burrice, mas também criminoso.

Há quem aposte que Bolsonaro agora cai. Eu acho que não, mas fica podre.

Se os servidores estaduais não receberem este mês com as regras de previdência mudadas os culpados serão os deputados.

Postado por Pedro Oliveira


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2022 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]