Dólar com. 5.4027
IBovespa 0.32
27 de janeiro de 2021
min. 24º máx. 28º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel MPAL e MPF recomendam que secretarias apresentem plano de ação sobre oxigênio medicinal

Blogs

Os canalhas das eleições

30.10.2020 às 18:54

PARA REFLETIR

A política talvez seja a única profissão para a qual não se julga necessária uma preparação. (Robert Louis Stevenson).

Os canalhas das eleições

Fico impressionado com a complacência da Justiça Eleitoral, por despreparo ou conivência com a prática deslavada de crimes praticados em épocas de eleição. Não é sem razão que um forte grupo parlamentar, incentivado pelo presidente da República, pretende acabar com tal organismo na vala estatal, por sua lentidão, incoerências e desnecessidade. Gasta-se bilhões com a manutenção de TREs, e TSE, quando quem faz o trabalho pesado são os juízes ordinários. Mas, meu mote não é esse e sim o impressionante número de candidatos comprando votos abertamente, como se fosse mercadoria legalizada para comércio. Os “cadastros” circulam nas ruas, nos bairros periféricos e grupos de WhatsApp, cujos atores, sem a menor cerimônia, discutem preços, nomes, e orientação para a aberrante fraude eleitoral. A esculhambação é tanta que já não se pergunta quais os redutos do candidato a vereador, mas direto: quantos cadastros possui? Alguns nem perdem tempo com propaganda, panfletos, adesivos ou mesmo mídias sociais. Basta investir uma grana preta na compra de votos cadastrados e a eleição está ganha. São os canalhas das eleições.

Canalhas das Fakes News

Há também um novo tipo de canalha, em voga nas últimas eleições e que se repetem em crescimento nas atuais. São aqueles que se escondendo no anonimato criminoso e covarde criam noticias falsas sobre os concorrentes, expondo vidas pessoais com mentiras, sendo esse tipo geralmente financiado em alta escala  por políticos inescrupulosos, cujos mandatos são conquistados à custa de ataques de baixo nível , São esses criminosos que estão sempre presente nos dias que antecedem o pleito e o fazem sem que nada lhe aconteça  mais uma vez pela demência  da Justiça Eleitoral. Por aqui o crime realmente compensa.

Um conselho: Engane você também os canalhas. Pegue o dinheiro e vote em outro.

Eleições em Maceió

Propostas e ações dos candidatos

A coluna segue com o espaço para os postulantes à prefeitura de Maceió, melhor situados nas pesquisas, onde possam apresentar suas propostas, falar aos eleitores e debater seus planos de governo com a população

Alfredo Gaspar

Transformar mercados e feiras em territórios de oportunidades
O candidato a prefeito pela coligação Maceió mais Forte, Alfredo Gaspar (MDB), ex-secretário de Estado de Segurança Pública e ex-procurador chefe do Ministério Público do Estado, fez nessa semana um giro pelos mercados públicos e feiras livres da capital, para abrir diálogo com feirantes e usuários e ver de perto a atual realidade dessas unidades. Em seu plano de recuperação e desenvolvimento da economia estão: a recuperação, a estruturação e o reordenamento desses mercados, com acesso ao microcrédito.
“Os mercados e as feiras são locais que geram muito emprego e renda, que queremos fazer algo diferenciado, como transformá-los em polos produtivos de pequenos negócios, por meio da economia e do consumo popular. Todas essas regiões onde se concentram esses mercados e feiras são regiões prósperas”, analisou.

A proposta do candidato é atuar fortemente na retomada da infraestrutura dessa rede negócios regionais, e transformá-la em um território de oportunidades. Em alguns casos, como o Mercado da Produção, a ideia é construir um novo espaço, depois de uma ampla consulta popular e com os próprios feirantes.

“Precisamos dar oportunidades as pessoas, e a prefeitura de Alfredo Gaspar estará sempre junta como parceira, para que essas localidades sejam um território de oportunidades. Também vamos apostar no microempreendedoríssimo para que se possa gerar mais emprego e renda”, finalizou Alfredo Gaspar.

Davi Filho

Crescimento é destacado pela imprensa

O crescimento do candidato a prefeito de Maceió, Davi Davino Filho, vem sendo atestado pelas últimas pesquisas. Até nos bastidores, onde se dá conta de que as campanhas, em suas pesquisas de “tracking” - rastreamento para consumo interno -, comprovam a curva ascendente da candidatura do PP. Blogueiros e analistas políticos alagoanos também destacaram, no curso da semana, o fato novo das eleições na capital.

“Gaspar esperava ‘disparar’, mas continua no empate, agora numérico, com o candidato do PSB. Davi cresceu 10 pontos em 15 dias e sua equipe avalia que ele pode crescer outros 10 pontos nas próximas duas semanas.”, destacou o jornalista Edivaldo Júnior, que escreve para o portal Gazetaweb.
“Mas, fato que parece evidente, só Davi Davino Filho está crescendo na intenção de votos, enquanto os seus maiores adversários vão perdendo pontos preciosos – desconsiderando a margem de erro”, comentou o jornalista Ricardo Mota, do portal TNH1. Pelo site Cada Minuto, o jornalista Lula Vilar também tratou do tema, ao apontar o crescimento de Davi e elogiar o seu programa eleitoral.
Andando por todos os bairros da cidade e apresentando, com desenvoltura e de forma objetiva suas propostas, Davi segue pregando mudanças e se posicionando no campo da oposição à gestão municipal em Maceió.

João Henrique Caldas (JHC)

Promover a requalificação do Mercado da Produção e a valorização dos trabalhadores

A requalificação do Mercado da Produção é uma demanda antiga dos trabalhadores e clientes que frequentam o local. Uma necessidade que não será ignorada por JHC em sua gestão como prefeito da capital e nem foi esquecida por ele enquanto deputado federal. “Não vamos permitir que o nosso mercado público seja um mercado apenas de troca de mercadorias, porque ali é um polo gastronômico, turístico, cultural e histórico da nossa gente. Quando o turista vier para Maceió, vai ver a cultura popular, saber como são os costumes, as relações e afetos. Temos um compromisso com os trabalhadores dos mercados e feiras e com os maceioenses”, reforça JHC.

Outro projeto de JHC que visa aumentar a circulação de turistas nos mercados públicos, é a criação do Circuito dos Mercados para envolver, de uma vez por todas, a integração entre a gastronomia do Mercado da Produção e a cultura do Mercado de Artesanato. Muitas vezes, quem visita a cidade é levado para bairros como o Pontal da Barra ou para a orla marítima, mas a capital alagoana tem muitas riquezas nos mercados e feiras, sendo fundamental investir nesses locais para alavancar o turismo e gerar renda.

O guia de turismo Henrique Leahy destaca a necessidade de fomentar a atividade turística nos mercados, respeitando a história desses locais. “A gente precisa trabalhar isso com um olhar diferenciado, com melhoria. Que a gente possa atrair as pessoas para visitar esse espaço, aliando a preservação e conservação do aspecto arquitetônico e paisagístico da cidade de Maceió”, explica Leahy.

JHC deixa claro que irá se cercar de especialistas, pessoas com soluções para os mercados e outros problemas vitais da capital. “Nós vamos discutir com todos eles. Nós vamos nos aprofundar e sem desculpas de recursos, de falta de espaço no orçamento, isso não pode servir para resolver um problema como esse, que é importante, que é urgente. Então nós vamos enfrentar o problema, arregaçar as mangas, pra gente pode mudar a realidade das pessoas”, conclui.  

Postado por Pedro Oliveira

Politização criminosa

26.10.2020 às 21:44

PARA REFLETIR

Desviar dinheiro da saúde em plena pandemia é mais que corrupção e chega bem próximo do assassinato” (ministro Luiz Roberto Barroso)

Politização criminosa

Mais uma vez a insensatez poderá provocar mais uma guerra política entre o presidente da República, governadores, especialistas, membros do governo e da oposição. Uma guerra cruel e criminosa cujos resultados sobrarão para o povo brasileiro, já no limite de sua tolerância, diante de mais de 150 mil mortes, paralização da economia e o desenfreado índice de desemprego. Um presidente paspalhão e despreparado, um terceiro ministro da Saúde desmoralizado e um bando de governadores e políticos sedentos pelo estabelecimento do caos, para desestabilizar esse arremedo de governo, tendo apenas como pauta resultados políticos. O povo que se dane! 

Mais uma vez, com toda certeza, vão empurrar a crise da compra de vacinas para o Judiciário (esse poder desmoralizado) mas que pela fraqueza de caráter dos políticos brasileiros, legisla, governa e julga.

Onde iremos parar?

Eleições em Maceió

Propostas e ações dos candidatos

A coluna segue com o espaço para os postulantes à prefeitura de Maceió, melhor situados nas pesquisas, onde possam apresentar suas propostas, falar aos eleitores e debater seus planos de governo com a população

Alfredo Gaspar

Mobilidade Urbana e Transporte Público como prioridades

O candidato do MDB à prefeitura de Maceió, Alfredo Gaspar, vem chamando a atenção da população pelos bairros que têm visitado, por percorrer ruas e avenidas de bicicleta. Ele tem aproveitado a visibilidade para destacar umas das prioridades de seus Plano de Governo: a Mobilidade Urbana e o Transporte Público em Maceió. Segundo ele, o crescimento da população, associado ao aumento da frota de veículo individualizados e a chegada dos aplicativos de transporte, exigem uma nova postura da gestão pública, a exemplo do que ocorre nas grandes e médias cidades brasileiras na busca da melhoria dos deslocamentos. 

O ponto de partida é o diálogo aberto com a população, premissa fundamental de uma gestão voltada para pessoas, onde será discutido, desenvolvido e implementado um Plano de Mobilidade Urbana Sustentável de Maceió para priorizar as ações junto aos munícipes. Destacam-se como propostas como a ampliação do número de ciclovias e ciclofaixas, realizando a conexão entre as infraestruturas cicloviárias existentes, visando consolidar uma malha que conecte as principais regiões e pontos de interesse de Maceió e a requalificação das calçadas nos acessos a equipamentos públicos com maior fluxo de pessoas, tornando a cidade mais inclusiva e segura.

Nesse setor, ele pretende: ampliar e modernizar os corredores com faixa azul para aumentar a velocidade operacional e reduzir o tempo médio de viagem; ampliar e modernizar a frota de ônibus visando a melhoria da qualidade e do conforto dos usuários; implantar nos principais corredores de ônibus o sistema de BRT e modernizar e construir novos terminais e abrigos de ônibus, dentre outras propostas. 

Davi Filho

Crescimento é a força que vem das ruas

Fato marcante do começo da semana foi o crescimento do candidato a prefeito Davi Davino Filho nas intenções de voto dos maceioenses. Pela pesquisa do Ibrape, que aplicou dois mil questionários na capital, de 14 a 16 de outubro, Davi saltou de 5%, pela aferição do Ibope, para 15%, após uma semana de guia eleitoral. 

Conforme avaliação do candidato da Coligação Força e Coração para Mudar Maceió, a população tem recebido bem suas ideias e propostas para a cidade. “A explicação para o crescimento vem das ruas. Por onde ando, sinto a força e a energia das pessoas, que demonstram entusiasmo com a nossa candidatura”, explicou Davi, que já assumiu o compromisso de implantar 20 Clínicas da Gente e dobrar as vagas nas creches e na educação infantil em Maceió.

“Vivemos numa cidade dividida por uma enorme disparidade social. Enquanto isso, prefeito e governador perderam muito tempo com picuinhas políticas e disputas de posição, prejudicando a gestão e a capital. É preciso mudar o jogo, unir forças aproveitar os canais em Brasília e fazer acontecer os projetos. O povo carente quer resultado e tem pressa”, justificou Davi Davino Filho. O candidato assegura que manterá a linha propositiva, qualificando o debate eleitoral.

João Henrique Caldas (JHC)

Compromisso com população afetada pela tragédia da Braskem

Dona Elza não é um número. Mulher, idosa, costureira, chefe de família, ex-moradora do Pinheiro, um dos bairros afetados pela mineração da Braskem. Ela conta com tristeza sobre a saída da região e relembra o quanto batalhou para reformar sua casa, que era de taipa. Anos atrás, fez empréstimo, desmanchou a casa e foi pra casa da mãe por dois meses, até finalizar a construção do novo lar. 

As histórias de dona Elza e do Pinheiro não podem ser esquecidas, assim como os outros três bairros - Bom Parto, Bebedouro e Mutange - atingidos pelos afundamentos. Segundo o último censo do IBGE, são 45 mil moradores nas localidades. O candidato a prefeito de Maceió, JHC (PSB), fortalece seu compromisso com cada vítima desse crime ambiental, que tem potencial para afetar toda Maceió.

“A crise não se encerra com a retirada das famílias, o impacto econômico e social causado pela migração da população também foi negligenciado pela Prefeitura. O atendimento na saúde, uma vaga na escola, o nosso trânsito, tudo muda numa situação dessas. Se a Prefeitura não acompanha, a cidade inteira sofre. Tenho esse compromisso independente de qualquer coisa, moral, como cidadão, hoje como parlamentar e prefeito ainda maior”, explica JHC. 

JHC acompanha a situação do afundamento dos bairros desde 2018, quando começaram as rachaduras. Desde então, trabalhou para diminuir o sofrimento das famílias afetadas. Em 2019, por exemplo, criou uma Comissão Externa na Câmara Federal para investigar a situação. O presidente da Braskem foi convocado e pouco tempo depois demitido da empresa. Representantes da população também foram ouvidos. 

O candidato incluiu a questão dos afundamentos em seu Plano de Governo. Esta parte do documento foi redigida em parceria com a Associação SOS Pinheiro, que representa moradores da região. As propostas incluem estabelecer estrutura específica vinculada ao Gabinete do Prefeito para tratar das pessoas atingidas e resguardar e defender os direitos da população afetada. Além disso, promover ações de reparação em nome do Município de Maceió pela inutilização de equipamentos públicos, dano material e moral.

Postado por Pedro Oliveira

Penedo: Uma afronta ao povo e a lei

Estátua de comunicador digital é rechaçada pela população

21.10.2020 às 12:00

Não sei de qual cabeça de bagre saiu a infeliz ideia de plantar uma estátua do blogueiro Carlinhos Maia, em um bairro da cidade de Penedo, ato com muita justiça rechaçado pela população que impediu a fixação do “monstrengo”, atentando não apenas contra a vontade do povo, mas também ferindo de morte a Constituição Federal e a legislação brasileira.

Sabe-se apenas que a genialidade foi gestada e parida na Prefeitura Municipal, onde certamente habitam quadrúpedes travestidos de administradores.

Primeiro pergunta-se quem é esse “magistral” Carlinhos Maia? Não passa de um cara sabido, que com suas manhas e vivacidade conquistou milhões de seguidores na internet, em um país de cultura rasteira e de educação primária, que o intitula como “influenciador digital” (Valha-nos Deus!).

Quanto a Prefeitura, ao permitir ou promover a atribuição de nome de pessoa viva a obras em locais públicos, viola princípios gerais da Administração Pública, em especial o da impessoalidade. No que diz respeito especificamente à denominação de obras ou homenagens em logradouros públicos, é incompatível com o princípio da impessoalidade a atribuição do nome de qualquer pessoa viva, sejam agentes públicos ou não.

A designação de nome pessoal a prédio público ou obra que faça parte da administração, implica promoção do indivíduo a quem identifique, à custa do patrimônio público. Promover particulares, contudo, não é nem pode ser finalidade buscada pela administração pública

A Constituição da República impôs de maneira expressa a observância do princípio da impessoalidade por parte do poder público. É patente, portanto, a incompatibilidade  da tresloucada ação do prefeito  de Penedo com o princípio da impessoalidade, expresso no artigo 37, parágrafo 1º, da Constituição da República.

Muito me admira que tal atitude de agressão ao povo e à lei tenha acontecido justamente na cidade de Penedo, de tradição cultural e representativa. A atitude fere também as famílias da tradicional sociedade penedense e seus filhos ilustres como Raimundo Marinho, Hélio Lopes, Ernani Melro, Freitas Cavalcanti. Adelmo Machado. Henrique Soares e tantos outros.

Uma homenagem equivocada, com fins eleitoreiros, rechaçada pelo povo e proibida por ser ilegal e imoral.   

Postado por Pedro Oliveira

Juízes que se acham Deus

18.10.2020 às 11:24


PARA REFLETIR: Ao revogar a regra que permitia a prisão de condenados na segunda instância, o STF formalizou seu casamento com a oligarquia corrupta. E virou personagem de um triângulo amoroso com o PCC. (Josias de Souza)

Juízes que se acham Deus

A soltura pelo STF do traficante André do Rap, abre uma ruptura entre as polícias e a justiça do país. Policiais, junto às suas associações de praças e oficiais já preparam uma greve nacional de repúdio ao STF, que acontecerá no próximo dia 27.O governo federal e o comando do Exército estão monitorando com preocupação. O Brasil vai ferver! A greve é para valer!

Na verdade ministros, desembargadores e juízes têm aberto um desrespeitoso confronto com a sociedade brasileira, que está no seu limite, diante de decisões esdruxulas, envolvimento de magistrados com a corrupção e formação de verdadeiras quadrilhas no Judiciário.

Temos assistido juízes de primeira instância em flagrante abuso de poder, interferindo na administração pública, na independência das Universidades, na autonomia de outros poderes, como se fossem “os senhores da razão”. É intolerável essa supremacia marginal que o Brasil repudia. Os senhores do Judiciário atentem para um fato: o povo está farto desses juízes que se acham Deus.

Alfredo Gaspar

Uma Maceió sustentável

O candidato Alfredo Gaspar defende, em seu Plano de Governo, uma Maceió Sustentável, que respeita as pessoas e o meio ambiente. Dentre as principais medidas anunciadas, está a ampliação do investimento no saneamento básico; a efetivação de um programa de desassoreamento da Lagoa Mundaú, em parceria com os governos estadual e federal, bem como junto à iniciativa privada, além de intensificar a eliminação das línguas sujas da orla marítima.
Um outro ponto fundamental é promover a educação ambiental nas comunidades, a fim de reduzir o nível de resíduos sólidos nos cursos d’água, que gera um impacto significativo no meio ambiente. Nesse sentido, vai buscar parcerias com os governos estadual e federal, bem como junto à iniciativa privada, para requalificar o Vale do Reginaldo e o Riacho Salgadinho, que são exemplos práticos do que citamos acima.

Para que as ações de Meio Ambiente tenham força, vai instituir o chamado IPTU Verde, que vai incentivar os imóveis residenciais, comerciais e institucionais a adotarem ações e práticas de sustentabilidade em suas construções. A gestão Alfredo Gaspar também vai promover projetos de Economia Circular, com aproveitamento econômico dos resíduos sólidos, incentivo à reciclagem e à geração de energia com rejeitosOs parques municipais e os espaços verdes serão revitalizados, estimulando a criação de espaços para estimular a disseminação de informações sobre a educação ambiental junto à população, como já explicado acima.

Ainda em relação à preservação, vamos criar o Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais para construir políticas impeditivas de maus tratos e abandono, buscando estabelecer parcerias junto a entes públicos e privados, a exemplo de abrigos, para desenvolver projetos que promovam a assistência veterinária e a saúde coletiva. Vamos também criar um Centro de Reabilitação e Adoção de Animais de Rua e implantar as Vans do Bem-Estar Animal, que vão prestar atendimento clínico veterinário a animais domésticos e resgatados.

Davi Filho

Rede de proteção social que funcione

Preocupado com a legião de pessoas enquadradas na situação de pobreza extrema em Maceió, o candidato a prefeito Davi Filho critica a municipalidade por não dispor de uma rede de proteção social eficiente. “O IBGE havia atestado, no fechamento de 2019, quase 600 mil pessoas nessa condição infeliz no Estado, com grande parcela na capital. Avalie agora com os reflexos da pandemia”, comentou o candidato.

Para iniciar a reversão desse grau de vulnerabilidade humana em Maceió, Davi Filho destaca as principais metas para inclusão social e cidadania, contidas em seu programa de governo. Além de incentivar a rede de assistência social entre órgãos da prefeitura, o candidato pretende lutar pela ampliação do atendimento com benefícios de transferência de renda, via convênios estadual e federal.
“Vou envolver a sociedade com programas de geração de renda e buscar a ampliação do Bolsa Família na capital”, entre outras medidas previstas. Davi aposta na força política de sua coligação, que tem presença forte no poder central. “Maceió vai precisar construir pontes, sair do isolamento e buscar apoio federal para investimentos, e meu grupo possui essas credenciais”, justificou.

João Henrique Caldas (JHC)

Cuidados especiais com a primeira infância

Maceió tem 86 mil crianças entre 0 e 6 anos, período conhecido como Primeira Infância. Do total, 8 mil vivem em famílias pobres ou extremamente pobres e que não estão inseridas no Programa Bolsa Família. JHC vai trabalhar para mudar essa realidade por meio dos investimentos e da criação do Plano Municipal da Primeira Infância, visando a garantia dos direitos desse grupo.
“Investir na primeira infância é uma das melhores estratégias para quebrar o ciclo da pobreza. A miséria não pode ser hereditária e cuidar das nossas crianças não é só uma necessidade, é uma obrigação do prefeito. Do ponto de vista do desenvolvimento social e econômico, a primeira infância é o investimento mais acertado. Seguiremos esse caminho para melhorar a vida dessas crianças e famílias.”, afirma JHC.

A cobertura de creches em Maceió para é de 30%, um indicador muito abaixo do recomendado pelo Plano Nacional de Educação, que é de 60%. Entre as propostas de JHC para a Primeira Infância está a ampliação no número de vagas nesses locais. Uma medida que não beneficia apenas a formação dessas crianças, como dá a possibilidade de os pais trabalharem com a certeza de deixá-las num espaço adequado.

“Trabalhar com foco nas necessidades é não só atender uma parcela significativa, de 10% da população local, é também evitar gastos sociais maiores e elevar os ganhos para toda a sociedade no futuro. Você cria um jovem mais seguro, mais independente, mais responsável. e isso reduz custos com reforço escolar, com saúde e principalmente, com segurança.”, finaliza JHC.

Marcelo Bastos pesquisa

O professor e analista político, Marcelo Bastos, comanda com competência o instituto MB Pesquisa e Consultoria, que nas últimas eleições tem acertado em cheio todas as previsões eleitorais. Nada fica a dever às grandes empresas do setor, que têm levado alguns furos em suas previsões na política alagoana.

Cochilando  Enquanto o TRE dorme, os candidatos a vereador na capital passeiam ao ar livre, com seus cadastros corruptos.

Uma bagunça  É voz geral quando se opina sobre o DETRAN de hoje e a austera e eficiente administração de Antônio Carlos Gouveia.

Vale tudo  Como previsto, o nível das campanhas na capital e interior é impróprio para menores de idade. Esquecem as propostas e preferem falar nas mães.

Postado por Pedro Oliveira

As eleições no quintal dos Calheiros

10.10.2020 às 14:00


PARA REFLETIR Existe uma deformação lastimável na consciência política coletiva do nosso povo: o povo adora ser enganado.

Povo alienado, politicalha feliz.

As eleições no quintal dos Calheiros

(Lauro Jardim - O Globo)

“As eleições municipais se tornaram uma dor de cabeça para a família Calheiros. Renan Filho exonerou mais de 50 pessoas ligadas ao seu vice-governador Luciano Barbosa na semana que passou.

Motivo: ele insistiu em entrar na disputa pela prefeitura em Arapiraca, segunda maior cidade de Alagoas, sem a anuência de Renan pai e filho.

Mas o motivo da irritação, que resultou até numa intervenção no MDB do município, passa longe de algum interesse relacionado a essas eleições.

Os Calheiros projetam 2022. Se Luciano for eleito prefeito, Renan Filho fica sem vice. Nesse caso, se ele mantiver o plano de se candidatar ao Senado em 2022 e se desincompatibilizar do governo seis meses antes do término do mandato, assume o presidente da Assembleia Legislativa.

Hoje, a Casa é comandada pelo grupo de Arthur Lira. Pai e filho não querem entregar o comando do estado ao inimigo deles.”

Opinião da coluna: mais uma vergonha para os alagoanos, expostos à mídia nacional tendo como protagonistas os mesmos de sempre, que acreditam que são os “coronéis” da nossa gente, tratada como “cambiteiros” das terras de Murici. 

Eleições em Maceió

Propostas e ações dos candidatos

A coluna segue com o espaço para os postulantes à prefeitura de Maceió, melhor situados nas pesquisas, onde possam apresentar suas propostas, falar aos eleitores e debater seus planos de governo com a população, onde não serão permitidas acusações ou troca de agressões entre os candidatos. 

Alfredo Gaspar

Universalizar atenção básica de Saúde

O candidato a prefeito pela coligação Maceió mais, Alfredo Gaspar (MDB), reafirmou que seu ponto de partida vai ser garantir a universalização do acesso a 100% das ações e serviços de atenção básica da saúde aos usuários do SUS, durante o seu mandato.

Outra medida na Saúde será a reestruturação do Complexo Regulador de Maceió (CORA), dando eficiência ao sistema e promovendo o acolhimento e acesso do usuário aos serviços, com celeridade, eficácia e alto grau de resolução aos atendimentos.

 “Cuidar da cidade é cuidar das pessoas e isso implica em cuidar da saúde. Vamos atingir os 100% de cobertura da Atenção Básica de Maceió para quem depende do SUS”, assegurou.

A universalização da atenção básica, segundo o que está colocado no Plano de Governo, “vai permitir que a população tenha acesso digno a exames e avaliações multiprofissionais visando melhorar a celeridade e eficácia à marcação de cirurgias e à realização de pequenos procedimentos, bem como a realização de mutirões para atender à demanda reprimida de consultas e exames”. 

Davi Filho 

Pacto por Maceió

Davi Davino Filho foi o primeiro candidato a prefeito a felicitar e manifestar apoio à OAB/AL e à Universidade Federal de Alagoas, pela iniciativa de criação do Pacto Por Maceió. As instituições pretendem estudar e discutir os problemas da capital, propondo soluções, sendo o primeiro objeto os bairros vitimados pela mineração da Braskem.

Conforme análise de Davi, Maceió já apresenta problemas crônicos de degradação ambiental agora agravados pelo desastre da extração de sal. “A cooperação é bem-vinda e de grande valia para a cidade”.

Davi Davino Filho entende que os bairros atingidos precisam de projeto de reconstrução, a ser coordenado pela Prefeitura de Maceió. “Eleito, vou liderar a feitura desse projeto, unindo esforços e mobilizando, as universidades, técnicos e os setores pensantes da sociedade, de modo a viabilizar o melhor para a população e o futuro da cidade’, concluiu.

João Henrique Caldas (JHC)

Banco da mulher empreendedora

A desigualdade de gênero é algo marcante em todo país, em Maceió não seria diferente. Dados do IBGE apontam que há uma diferença de renda mensal de aproximadamente 20% entre homens e mulheres na capital alagoana. Pensando nisso, JHC vai desenvolver o ‘Banco da Mulher Empreendedora’. A ideia é fomentar a atividade econômica e a emancipação das mulheres que desejam empreender de alguma forma. O projeto inclui autônomas, informais e MEI’s, ofertando crédito com juros abaixo do mercado e outros benefícios. O candidato à Prefeitura de Maceió entende que os incentivos são essenciais nos negócios e trabalhará nesse caminho. Desta forma, as mulheres vão ter mais um impulso para conquistarem a independência financeira, para serem ainda mais capazes de alcançar uma melhor qualidade de vida e atingirem mais igualdade. Nos últimos anos, o número de mulheres responsáveis pelo orçamento das casas aumentou. JHC reforça que incrementar a renda dessas chefes de família é fortalecer a autonomia delas, esse é um dos seus compromissos com a gestão da capital.

Além da conta

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) tem sofrido, nos últimos anos um grande desgaste perante a sociedade, por atitudes equivocadas dos que comandam o Conselho Federal. De entidade respeitada e combativa passou a atuar e se envolver em política partidária, com intenso víeis ideológico, geralmente contrário a maioria de seus associados. 

O exemplo desceu à planície e fez escola nas diversas secções regionais da entidade dos advogados. A OAB não pode e nem deve ter candidatos para chamar de seu, muito menos se envolver em falcatruas políticas como tem acontecido no interior do estado. Onde ficam a ética e a reputação da entidade?

Postado por Pedro Oliveira

A Covid manda notícias

02.10.2020 às 19:40


A política tem a sua fonte na perversidade e não na grandeza do espírito humano. (Voltaire).


De quem será a culpa?

E de repente um novo e brilhante dia surgiu em Alagoas! Hospitais “zerados”, UTIs sendo desinstaladas, máscaras no lixo, aperto de mão, beijos e abraços e muita comemoração pelo vírus que foi embora. Somos realmente um povo de muita sorte, com um governo bastante eficiente. (Calma gente, tudo isso não passa de uma ficção).

A verdade mesmo é cruel e nem sabemos como será o seu fim. As pessoas começaram a acreditar nessa história e ganharam as ruas, os bares, os shoppings, os políticos naquela de apertar as mãos e abraçar os eleitores em cada eleição, começaram a subir e descer grotas, favelas e periferia, onde muitos nunca foram , fazem caminhadas apinhadas  de gente, como a zombar da tragédia que já levou muitos dos nossos nos últimos meses.

A Europa faz advertências que o vírus está voltando em muitos países e o governo do estado comemora a chegada de voos vindos lotados, dessa mesma Europa, com turistas para conhecer nossas paradisíacas praias e saborear nossa culinária e quem sabe nos oferecer em troca dosagens do velho corona?

Dados do Ministério da Saúde apontam que o país tinha nessa última quarta-feira (30) 4.810.935 casos confirmados de covid-19. O número de mortes chegou a 143.952, sendo computados 1.031 novos óbitos nas últimas 24 horas.

Eleições em Maceió

Propostas e ações dos candidatos

Conforme prometemos a coluna estará até a eleição com espaço para os candidatos melhor situados nas pesquisas, onde possam apresentar suas propostas, falar aos eleitores e debater seus planos de governo com a população. É um espaço democrático (mais ou menos) onde não serão permitidos acusações ou troca de agressões entre os candidatos. Tive um encontro com os jornalistas desses comitês e estabelecemos um pacto que será cumprido por todos.

Alfredo Gaspar

Programa para recuperar perdas na Educação

O candidato a prefeito de Maceió, Alfredo Gaspar (MDB), anunciou no seu Plano de Governo e nas reuniões que tem realizado por toda cidade, a criação do programa “Super Ano Letivo”, que visa compensar os alunos da defasagem educacional provocada pela pandemia do Corona Vírus, que exigiu o fechamento das escolas municipais em Maceió.

O projeto vem acoplado “a ações como reformas e construção de novas unidades de ensino para ampliar o número de vagas e modernizar as instalações, incluindo áreas para práticas esportivas e espaços adequados para o cenário de pandemia e pós-pandemia”, diz um trecho do plano.

O Super Ano vai, ao mesmo tempo, garantir, ampliar os bons resultados alcançados pela Educação Pública do município, com a virada nos números do Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb). Em 2019, pela primeira vez, Maceió superou a média para os anos finais da grade curricular, atingindo 4.3, acima da projeção de 4.2 do Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb/2019). O resultado foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

“A chegada da Covid 19 e a indefinição sobre a volta às aulas agravaram a situação da Educação nos últimos meses. Praticamente, perdemos o ano letivo e agora teremos que retomar mais fortes, até mesmo para assegurar a boa nota que obtivemos no Ideb”, adiantou Alfredo Gaspar.

Davi Filho

Transporte urbano eficiente e novos traçados do VLT

Precisamos melhorar a nossa mobilidade urbana, e o sistema de ônibus vai ter que mudar para atender decentemente as pessoas". A afirmação é de Davi Filho, candidato a prefeito de Maceió pela coligação ‘Força e Coração pra Mudar Maceió’, ao conversar com moradores da Chã da jaqueira sobre transporte coletivo. Lá, a comunidade sofre muito com a debilidade do sistema.

Na opinião de Davi, antes do desastre da mineração da Braskem, a mobilidade já era crítica em Maceió. “agora virou um caos, e ainda mais agravado pelo sistema de transporte coletivo. A licitação da prefeitura não resolveu os problemas, e quem sofre são as pessoas que dependem desses carroções envelhecidos, que frequentemente enguiçam pelas esquinas da cidade”.

 Davi Filho defende auditagem nos contratos das empresas de ônibus, cobrança da municipalidade por serviços eficientes e debate transparente com a sociedade em torno das questões associadas ao transporte de massa. “A interdição do VLT prejudicou doze mil usuários diários. Eleito prefeito, vou mobilizar nosso grupo político pela viabilização de novos traçados de linha na cidade, já estudos na CBTU”.

João Henrique Caldas (JHC)

Solidariedade aos afetados pela tragédia

O respeito e preocupação de JHC e Ronaldo Lessa com a situação motivou o primeiro dia da jornada da verdade no último domingo (27). A campanha começou com um café da manhã na Associação SOS Pinheiro e seguiu com evento simbólico na Praça Menino Jesus de Praga. JHC iniciou no bairro do Pinheiro, numa demonstração muito clara de respeito, num gesto de apreço por tudo que essas pessoas têm sofrido, por todos os dramas vividos, por esses queridos bairros da nossa capital. Nesses bairros, tem a nossa história, nossa cultura, nossos empreendedores, famílias inteiras que de uma hora para outra viram sua vida mudar de ponta cabeça. A jornada da verdade continuou guiada por um trio elétrico pelos bairros da Chã da Jaqueira, Santa Amélia, Tabuleiro, Jacintinho, Dique Estrada, Praia do Sobral, Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca.

O falso moralismo do MDB

O MDB está longe de ser um partido político que age com coerência.  

Senão vejamos: o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha está preso e condenado a 14 anos por corrupção e lavagem de dinheiro. 

O ex-deputado Gedel Vieira Lima é outro filiado ao MDB que foi condenado a 14 anos de prisão por lavagem de dinheiro e associação criminosa. 

Como se não bastasse, o ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado também foi acusado de corrupção na empresa estatal.

Detalhe: nenhum deles foi expulso do partido. Mas aqui, em Alagoas, o MDB quer expulsar Luciano Barbosa que lidera todas as pesquisas e teve o nome homologado em convenção como candidato a prefeito de Arapiraca. 

Com base em quê? Pode uma coisa dessa?

Pesquisas mostram que Heloísa Helena vai disparar como a mais votada candidata à Câmara Municipal.

Com essa indigna perseguição ao vice-governador Luciano Barbosa o MDB enterra de vez sua história de protagonismo em Alagoas.

Malas de dinheiro começam a caminhar em Maceió e nada acontece aos infratores, como sempre.

Postado por Pedro Oliveira

Um jeito diferente de fazer

26.09.2020 às 14:01

Política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou. (Magalhães Pinto)

Um jeito diferente de fazer

Faço jornalismo e análise política há pelo menos quatro décadas ininterruptas e sempre me apaixonei por esse lado de minha profissão. Ao optar por uma pós-graduação foi a Ciência Política (UnB) que me acolheu e assim tem sido meu prazeroso exercício de escrever, com dois livros publicados também com abordagem política (Arquivo Aberto/Crônica de um Brasil Corrupto e Brasil 2006 – A História das Eleições).

Pela primeira vez participo a uma eleição sem “ter um lado pra chamar de meu”. Claro que pessoalmente terei meus candidatos a prefeito e vereador, mas a coluna não terá. Quero abrir a todos os candidatos este espaço (mais ou menos democrático). Porém, por uma questão de espaço considerarei apenas os quatro postulantes melhor avaliados pelas pesquisas, como o fiz na série de entrevistas publicadas anteriormente.

Na última quarta-feira tive agradáveis encontros com os colegas Guilherme Lamenha (Alfredo Gaspar); Lininho Novais (JHC); e Wendel Palhares (Davi Davino). O candidato Cícero Almeida apresentou suas desculpas por ainda não ter montado sua equipe de comunicação.

Tratamos de ética no jornalismo, campanhas políticas e na ocasião discuti com cada um como ter um espaço semanal na coluna, em igualdade de condições, acertamos os pontos e cada comitê de imprensa poderá enviar um texto sempre com proposituras e compromissos do seu candidato a partir da próxima semana, repetindo no segundo turno, se houver.

Será assim como um “espaço eleitoral gratuito”, sem os ataques e baixarias do horário eleitoral no rádio e na televisão. 

Antes das eleições

Fonte insuspeita me falou sobre as atividades da Polícia Federal nos próximos 3 meses em vários estados do Nordeste. Serão muitas e envolverão policiais do Brasil inteiro apoiando as operações que resultam de investigações instaladas desde o ano passados e aumentadas com a liberação de verbas para o combate ao Corona vírus. A farra com o dinheiro público em estados e municípios é de grande proporção, porém muitos rastros foram deixados por gestores desonestos. Ministérios da Justiça, Saúde, CGU e TCU colaboraram nas investigações que vão resultar em mandados de busca, apreensão e prisão de numerosos administradores públicos. 

Em meio ao elevado número de pessoas contaminadas e de óbitosdecorrentes da pandemia que já matou e ainda mata milhares de brasileiros, a roubalheira encabeçada por governadores, secretários, prefeitos e outros agentes públicos e empresários é absurda,

A soma dos valores suspeitos – R$ 2,28 bilhões –, muitas vezes superior ao rombo atribuído à máfia dos sanguessugas, nome dado ao esquema de compra superfaturada de ambulâncias, descoberto em 2006, que movimentou R$ 110 milhões.

Muitos ficarão inelegíveis, afastados ou não tomarão posse.

Da fama à lama

De protagonista vencedor em muitos embates eleitorais, com o comando estrelado de Teotônio Vilela, Rui Palmeira e outras lideranças, o PSDB passa a atuar como mero “contrapeso “nas próximas eleições em Alagoas. Com o comando pífio do neófito Rodrigo Cunha, que demonstra sem destino ou vocação para a construção política, vai caminhando, paulatinamente, para um precipício com previsível fim. Nunca se viu, na história de nossa política recente, a decadência de um partido político em tão curto tempo.

Fica provado que política não é coisa para amadores.

Arapiraca esperando

Até o fechamento da coluna persistia o imbróglio das candidaturas emedebistas no município de Arapiraca. Confrontando as “ordens” recebidas do Palácio Zumbi dos Palmares o vice-governador Luciano Barbosa registrou o seu nome pelo MDB, respaldado pela escolha da maioria do Diretório Municipal do partido, contra a orientação dos diretórios estadual e nacional, que declararam nula a escolha local. Luciano Barbosa mantem-se irredutível até porque sabe do seu favoritismo na eleição. Já o governador Renan Filho e seu pai o velho senador Renan, apostam na nulidade da convenção, mesmo que o partido fique sem candidatos. Cabe agora à Justiça decidir quem tem razão.

Protegendo os animais

Há anos que luto junto ao poder público em busca de uma política efetiva de proteção e amparo aos animais, principalmente aqueles chamados de “animais de rua”. Fiquei com muita inveja no dia em que Recife instalou o seu Hospital para Cães e Gatos. Meus pedidos nunca foram levados em conta pelos gestores, mas continuarei nessa luta.

Ao ler o programa de governo do Candidato Alfredo Gaspar (MDB) me deparo com promessas que me dão a esperança de que nem tudo está perdido. Espero que os demais candidatos tenham a mesma sensibilidade  e responsabilidade. Aqui estão as propostas.

1.  Criar Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais para construir políticas impeditivas de maus tratos e abandono, buscando estabelecer parcerias junto a entes públicos e privados, a exemplo de abrigos, para desenvolver projetos que promovam a assistência veterinária e a saúde coletiva; 

2.  Criar Centro de Reabilitação e Adoção de Animais de Rua e implantar as Vans do Bem-Estar Animal para prestar atendimento clínico veterinário a animais domésticos e resgatados.

Calendário eleitoral Eleições 2020

A seguir o Calendário Eleitoral a ser cumprido por coligações, partidos e candidatos até as eleições.

26 de setembro: Último dia para registro das candidaturas; início do prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e emissoras de rádio e TV para elaboração do plano de mídia. 

Após 26 de setembro: Início da propaganda eleitoral, inclusive na internet. 

9 de outubro: Início da propaganda gratuita em rádio e televisão.

27 de outubro: Divulgação de relatórios pelos partidos, coligações e candidatos discriminando os recursos recebidos do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e outras fontes, bem como os gastos realizados. 

15 de novembro: 1º turno das eleições 

29 de novembro: 2º turno das eleições

Postado por Pedro Oliveira

Convenções do Covidão

19.09.2020 às 21:00

Para refletir

Não há nada mais inútil que discutir política com políticos. (Salazar)

Convenções do Covidão

Foi impressionante a irresponsabilidade dos dirigentes partidários em Maceió e cidades do interior no tocante a realização das convenções para escolha dos candidatos à prefeitos e vereadores. Apesar da publicação das convocações frisarem que “respeitariam o distanciamento social, o que vimos foi na verdade um absurdo e inaceitável ajuntamento de candidatos, eleitores e curiosos, sem nenhum respeito às determinações de saúde. Tudo foi uma festa regada a discursos medíocres e hipócritas de sempre, abraços e até beijinhos, provavelmente cheios de vírus contaminantes. A coisa foi tão absurda que ouvi de um infectologista: “Poderemos ter muitos candidatos afastados de suas campanhas atacados pelo Covid 19. Bem empregado para esses irresponsáveis.  

Os dízimos do Diabo

Os dez maiores inadimplentes com a União a desenvolver atividades religiosas devem R$ 382,3 milhões aos cofres públicos. A maior parte dos débitos devidos pelas organizações religiosas estão ligadas a contribuição previdenciária – tributo da qual passam a ser definitivamente isentas após a sanção da lei 14057.

A lista está presente no site da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), ligada ao Ministério da Economia. A maior devedora entre as entidades religiosas ativas é a Associação das Famílias para Unificação e Paz Mundial Brasil, ligada à Igreja da Unificação do reverendo sul-coreano Sun Myung-Moon, morto em 2012. A associação cristã deve R$ 99,2 milhões à União, em débitos não especificados. Edir Macedo, Valdemiro Santiago, RR Soares, são alguns dos famosos que fazem parte da lista beneficiada por Bolsonaro.

Rui consagrado

O prefeito Rui Palmeira deixará a Prefeitura de Maceió como o administrador que realizou o maior número de obras em todos os bairros da capital. Prometeu e está entregando uma “Nova Maceió”, à custa de muitos esforços e sob fogo cerrado de setores que fizeram tudo para atrapalhar sua administração, a começar pelo Governo do Estado, Tribunal de Contas e Assembleia Legislativa. Montou uma boa equipe com destaque para a Saúde José Thomaz Nonô; Reinaldo Braga (Gestão), Eliane Aquino (Comunicação); Antônio Moura, (SMTT); deu as diretrizes e colheu resultados satisfatórios. Vai agora para um merecido descanso, para ressurgir em 2022 com uma candidatura majoritária (governador ou senador).

O enigma de Arapiraca

 De repente aconteceu o inesperado na cidade de Arapiraca, o segundo maior colégio eleitoral do estado. O que parecia um fato tranquilo e resolvido se transformou em um grande pesadelo para o supremo maestro do MDB, senador Renan Calheiros, como também para o filho governador. Rompendo com uma tradição de aliança e  dependência política de décadas, o vice-governador Luciano Barbosa, em ato de rebeldia considerado extremo, rompeu todos os laços com seus mentores e lançou sua candidatura à Prefeitura de Arapiraca, contrariando a autoridade do velho senador que desejava impor sua vontade, mais uma vez, manobrando o xadrez político à sua maneira e em benefício  de seus planos para 2022.

Vingança arquitetada?  

A implosão da convenção do diretório de Arapiraca ainda é um enigma a ser desvendado. Ao fechamento dessa coluna o imbróglio criado pelo vice-governador ainda não havia sido desvendado. Porém com certeza, a judicialização do problema já é coisa certa. Duas possibilidades no ar: Luciano Barbosa candidato e desmoralização de seus opositores ou MDB sem candidatos.

Quanto aos motivos que levaram ao rompimento do vice-governador com os Calheiros vários são levantados. O de maior consistência seria uma profunda mágoa guardada desde que sua filha foi presa, pela Polícia Federal, acusada de atos de corrupção. Aos mais íntimos Luciano não escondia seu constrangimento e aguardou o momento certo para dar o troco.

Vingança é um prato que se come frio.

Calendário eleitoral Eleições 2020

A seguir o Calendário Eleitoral a ser cumprido por coligações, partidos e candidatos até as eleições.

26 de setembro: Último dia para registro das candidaturas; início do prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e emissoras de rádio e TV para elaboração do plano de mídia. 

Após 26 de setembro: Início da propaganda eleitoral, inclusive na internet. 

9 de outubro: Início da propaganda gratuita em rádio e televisão.

27 de outubro: Divulgação de relatórios pelos partidos, coligações e candidatos discriminando os recursos recebidos do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e outras fontes, bem como os gastos realizados. 

15 de novembro: 1º turno das eleições 

29 de novembro: 2º turno das eleições

Benedito de Lira pode encomendar o terno. Será o prefeito da Barra de São Miguel com a maior votação da história do município.

Atenção TRE: as malas de dinheiro já estão circulando à luz do dia (ou no escuro das noites).

Logo começa o Horário Eleitoral. Tirem os filhos menores das salas, por favor.

Postado por Pedro Oliveira

Trama nacional

12.09.2020 às 11:25


Para refletir: "E jornalista é que nasci, jornalista é que eu sou, de jornalista não me hão de demitir enquanto houver imprensa, a imprensa for livre”. (Rui Barbosa).


O fim da Lava Jato

Notícia de Brasília – A eleição de Maia e Alcolumbre para presidentes da Câmara e do Senado, os vários julgamentos no STF, a demissão de Sérgio Moro,(foi enganado desde que recebeu o convite para ser ministro) a nomeação de Augusto Aras (PGR), as mudanças na Polícia Federal, a liberdade para Lula, a punição de Deltan Dallagnol , são apenas algumas peças das tratativas entre Governo, Senado, Câmara e STF para acabar de vez com a Operação Lava Jato e livrar todos os bandidos denunciados ou mesmo condenados dos crimes de corrupção cometidos. Todos os envolvidos na trama sairão livres e milionários.

E o pior: o povo brasileiro “engole” calado. Este não é um país de vergonha.

Quando a Justiça afronta

As cabeças enlouquecidas dos ministros do Supremo há muito chegaram às raias do absurdo, com decisões equivocadas, provocativas e desrespeitosas aos demais poderes, ao povo e a Constituição. Deveriam ser salvaguardas da Democracia e se tornaram um bando de facínoras fazendo um poder ditatorial e abjeto, sem qualquer limite de responsabilidade.

A última face cruel dessa justiça equivocada veio da lavra da ministra Carmem Lúcia dando cinco dias para o Exército explicar sua presença na Amazônia. Pasmem onde chegaram! Faço minhas as palavras do mestre J.R Guzzo em memorável artigo quando diz:

“Os atuais ministros do STF estão numa disputa cada vez mais agitada para ver quem, entre os onze, consegue fazer os piores papéis. Há, é claro, os grandes craques, gente da qualidade de um Gilmar Mendes ou Dias Toffoli, Edson Fachin ou Luís Roberto Barroso – especialmente esse Barroso, que se esforça todos os dias para ser nomeado guardião supremo da virtude no Brasil e, possivelmente, no resto do mundo. Mas sempre há um lugarzinho para a turma da segunda divisão tentar alguma coisa. É o caso da ministra Cármen Lúcia, que andava entregue à pequenez habitual de sua presença na mídia, hoje mais excitada com colegas que falam de “genocídio”, de “dictatorship” etc. É a velha história. Se ninguém está prestando atenção em você, tenha um ataque de nervos; sempre haverá quem pare um pouco para olhar”.

Como se pode admitir que um membro do colegiado da mais alta corte de justiça do país não saiba interpretar o texto da Constituição? Se soubesse não cometeria esse absurdo.

Para mostrar que esse tribunal não tem nada de “supremo” a resposta veio imediata através do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno: “A ministra Carmen Lúcia, do STF, acolheu ação de um partido político e determinou que o presidente e o ministério expliquem o uso das Forças Armadas, na Amazônia. Perdão, cara Ministra, se a Sra. conhecesse essa área, sabe qual seria sua pergunta: “O que seria da Amazônia sem as Forças Armadas?” O vice-presidente Hamilton Mourão em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, disse que “é mais um uso político do STF”.

Um país estarrecido assiste à politização absurda do Supremo Tribunal Federal exatamente na contramão da história.  Até onde vamos suportar tamanha afronta aos brasileiros?

Um desagregador

Ao que parece o senador Rodrigo Cunha não deverá ter mesmo vida longa na política, se depender de sua habilidade no trato com lideranças e companheiros de partido, não bastasse a decepção de seu pífio mandato equivocadamente conquistado. Há ainda tempo de recuperar seu fôlego, porém terá que fazer uma longa e difícil reciclagem em sua caminhada  que tem sido permeada de tropeços e desgastes eleitorais. Não é raro encontrar  pessoas que votaram nele na última eleição com sinais de arrependimento do voto dado na esperança de eleger um político de práticas diferentes, o que não aconteceu.

Ultimamente entrou em conflito com lideres do seu partido (PSDB) em Maceió e Arapiraca, passando por cima de socialistas históricos e até afrontando a memória do ex-prefeito Rogério Teófilo, tudo para satisfazer seu ego repleto de vaidades infantis, nada recomendáveis para quem quer trafegar na história política.

Tentou, a todo custo, emplacar o candidato a vice-prefeito na chapa de João Henrique Caldas (JHC) mas foi barrado em suas articulações sem consistência e está fora da jogada.

Ronaldo Lessa

Até o fechamento da coluna a situação envolvendo o ex-governador não estava definida, mas bem adiantada. Se quiser será o vice de JHC no embate que vem aí. Traz consigo uma bagagem de experiência e um considerado potencial eleitoral o colocando entre os melhores apontados em todas as pesquisas. Sabe jogar bem o jogo político e é um bom articulador. Apanhou muito em algumas eleições, foi perseguido injustamente pela Justiça Eleitoral alagoana e aprendeu com o tempo, foi traído algumas vezes, a última pelos insaciáveis Calheiros em suas trapaças para dominar Alagoas.

Eleições esvaziadas

O Tribunal Superior Eleitoral está muito preocupado com o possível esvaziamento do eleitorado no dia das eleições (15/11) por causa do medo de pegar o Coronavírus. Como a multa é irrisória (3,50) e o próprio TSE estuda como anistiar essa multa, surge a real possiblidade de uma debandada geral inclusive atingindo pessoas que trabalharão nas secções eleitorais. Será, sem dúvida, uma eleição atípica e com uma abstenção nunca vista na história.

Vereadores: limpeza radical

Ao que tudo indica a mudança no plenário da Câmara de Vereadores de Maceió será bastante acentuada e precisa ser, para mudar os perfis clientelistas e inapropriados da atual composição em sua grande maioria. Nomes novos e outros não tão novos que prometem um parlamento municipal diferenciado. Entre esses Heloisa Helena, Flavio Gomes de Barros, Fábio Palmeira, Maria Tavares, Marcelo Palmeira, Joãozinho Gabriel, Sandra Menezes, Ailton Villanova, Judson Cabral e outros que citarei depois.

Se a Justiça Eleitoral cumprisse seu papel na fiscalização da compra de votos teríamos um resultado de um pleito não comprado e negociado, sem os criminosos “cadastros”.

Vergonha de ser honesto

Diante da afrontosa e absurda decisão do Conselho Federal do Ministério Público aprovando a inconcebível pena de censura ao procurador Deltan Dallagnol resta-nos constatar que a “Água de Haia” tinha razão: “haverá um dia em que nos envergonharemos de ser honestos”. 

O que disse o procurador ao tomar conhecimento da decisão:O Conselho Nacional do MP me censurou hoje por ter defendido a causa anticorrupção nas redes sociais, de modo proativo, aguerrido e apartidário. Discordo da decisão, que ainda há de ser revertida”.

Não acredito em reversão da decisão, até porque os que julgaram e os que julgarão são todos iguais.

Heloísa Helena será a grande bandeira de dignidade das próximas eleições. Terá os votos mais conscientes do povo de Maceió.

Governador está com o prestígio tão em baixa que não seria eleito nem vereador. É o peso do retorno da maldade.

Anote: está cravado o destino de Maceió nos próximos quatro anos. Alfredo Gaspar ou João Henrique Caldas (JHC). Ambos capazes de fazer uma boa administração.

Postado por Pedro Oliveira

Eleições em Maceió: O embate começou

O entrevistado desta semana é o deputado estadual Davi Davino

04.09.2020 às 19:34

Para refletir: “O maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados por aqueles que gostam”. (Arnold Toynbee).

Estamos nesta edição publicando a última entrevista com os principais pré-candidatos à prefeitura de Maceió. O nosso convidado desta semana é o deputado estadual Davi Davino, jovem parlamentar que vem se destacando com uma atuação muito positiva e grande aceitação por parte do eleitorado. Apesar de muito jovem tem como característica sua movimentada articulação, principalmente nos meios sociais e nas camadas mais carentes.  

Nascido em 01 de outubro de 1987, Davi Davino Filho é filho do vereador Davi Davino e da empreendedora social Rose Davino. Casado com Carolina, é pai de Davi Neto e Laís. Inspirado pela trajetória política e social de seus pais e pelo espírito empreendedor de seu avô, João Davino, Davi Filho já consolida sua posição de liderança em nossa capital. Aos 32 anos, filiado ao Progressista, está exercendo seu segundo mandato de deputado estadual, após ter obtido quase 40 mil votos dos alagoanos, metade dos quais conferida pelo eleitorado maceioense. É um dos mais destacados políticos da sua geração, tendo direcionado sua ação parlamentar para a defesa das causas relacionadas à saúde, ao meio ambiente, à juventude, ao bem-estar social, à cultura, ao esporte e lazer.

O que motivou para encarar o desafio de uma pré-candidatura a prefeito de Maceió?

Davi Filho – Normalmente as candidaturas em Maceió nascem nos palácios. Os poderosos escolhem alguém que eles sabem que vão defender seus interesses e o colocam como candidato para tudo permanecer do jeito que está. No meu caso foi bem diferente. Eu tenho uma história com a cidade, trabalho desde os 16 anos. Na Funbrasil, fundação criada pela minha mãe, já realizamos mais de 400 mil atendimentos aos maceioenses. Meu pai, de quem tenho muito orgulho de carregar o nome, é vereador e junto com ele conheci cada rua, cada beco dessa cidade. Costumo dizer que o meu gabinete como deputado são as ruas. Eu conheço as pessoas e as pessoas me conhecem. E nessas muitas andanças pela cidade eu sempre ouvia “Davi, por que você não se candidata a prefeito?”, “Davi, o prefeito nem sabe que a gente existe”, “Eu queria um cabra que nem você na prefeitura”, “Tá faltando gente da gente lá na prefeitura Davi”. Foram muitos pedidos e palavras de incentivo. Por outro lado, eu sou indignado com a forma que tratam o maceioense, não posso ficar de braços cruzados vendo que os anos passam e os problemas permanecem, e percebi que como deputado não consigo fazer nem 10% do que eu sonho para o povo de Maceió, me sinto de mãos atadas. Eu quero poder fazer mais e sei como fazer porque conheço Maceió e seus problemas como a palma de minha mão. Chegou a vez da nossa gente.

Uma campanha política nem sempre é marcada por ações éticas e discussões propositivas. Como o senhor irá reagir às provocações, ataques e até fake news?

Davi Filho – Quem me conhece sabe que sou sério, ético, transparente. Gosto de ouvir, debater, aprender. Então, podem ter certeza que a minha campanha vai ter a minha cara: propositiva, com participação ativa da nossa gente. O que me interessa é construir junto com o povo de Maceió um futuro melhor para a cidade, apresentar ideias inovadoras para superar velhos problemas. Fake News é crime e quem fizer vai ter que responder à justiça.

Falando em pandemia, a campanha deste ano vai ser atípica, com muitas restrições. Como o senhor tem se preparado para isso?

Davi Filho – Infelizmente a pandemia escancarou ainda mais o abismo social que existe no Brasil e em especial em Maceió. Mais uma vez a população mais carente foi a principal prejudicada, muitas vidas foram perdidas, uma realidade extremamente dolorosa. Diante de um cenário desse precisamos ter muita responsabilidade na campanha, seguir os protocolos de segurança para proteger a todos. Pra candidato que só faz campanha do gabinete vai ser mais fácil do que pra mim que estou acostumado com as ruas, o contato, o olho no olho. Mas vamos utilizar a tecnologia para ouvir e conversar com a população. Tenho certeza que seremos milhões de Davis nas redes sociais.

Estamos chegando próximo ao período das convenções partidárias e da montagem da chapa majoritária. Qual o perfil de sua coligação e do seu candidato a vice?

Davi Filho – Nesse momento tão difícil do Brasil a gente tem que construir pontes, juntar o máximo possível de forças pra tirar o país desse buraco. E a mesma coisa tem que acontecer aqui em Maceió. Estamos construindo uma grande aliança em torno de ideias e projetos que transformem de verdade a vida de nossa gente. É claro que o meu vice será alguém alinhado com esse pensamento. Sempre tive um bom diálogo com as mais diversas correntes políticas e hoje tenho boa interlocução tanto com o governo federal quanto com o governo estadual. Me sinto preparado pra liderar essa mudança que Maceió precisa. Agora, eu quero reafirmar que as alianças políticas são muito bem-vindas, mas a principal aliança é com o nosso povo.

Uma vez eleito prefeito de Maceió, qual o maior desafio a ser enfrentado? Quais as prioridades?

Davi Filho – Hoje no Brasil ainda morrem em média mil pessoas por dia vítimas do coronavírus. Aqui em Maceió, graças a Deus, já conseguimos reduzir consideravelmente esse número. Mas se antes da pandemia a vida em Maceió já estava bem difícil pra milhares de pessoas, agora ficou ainda pior. São milhares de desempregados, o turismo e o comércio vivem seu pior momento. O meu primeiro desafio será liderar essa retomada econômica e social da nossa cidade, priorizando os que mais precisam. Mas não podemos esquecer que Maceió tem outros grandes e históricos problemas: longas filas no atendimento da saúde, faltam creches para as crianças, o saneamento chega para poucos, nossa gente se espreme no transporte público, só para citar alguns exemplos. O desafio é enorme, mas a vontade de fazer é maior ainda.

Qual seria o perfil de uma eventual gestão de Davi Filho na prefeitura?

Davi Filho – Acho que a minha grande missão é transformar a Prefeitura de Maceió em uma prefeitura que olhe, sobretudo, para as pessoas que mais precisam. E pra cumprir essa missão vou reunir os melhores quadros, gestores com perfil técnico, mas também com olhar social. Como deputado sempre fiz uma política de corpo a corpo, próximo à população. Como prefeito isso vai continuar, pode ter certeza: o meu gabinete serão as ruas de Maceió. 

Calendário eleitoral Eleições 2020

A seguir o Calendário Eleitoral a ser cumprido por coligações, partidos e  candidatos até as eleições .

31 de agosto a 16 de setembro: Realização das convenções partidárias para definição de coligação e escolha dos candidatos. As convenções poderão ser por meio virtual. 

26 de setembro: Último dia para registro das candidaturas; início do prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e emissoras de rádio e TV para elaboração do plano de mídia. 

Após 26 de setembro: Início da propaganda eleitoral, inclusive na internet. 

9 de outubro: Início da propaganda gratuita em rádio e televisão.

27 de outubro: Divulgação de relatórios pelos partidos, coligações e candidatos discriminando os recursos recebidos do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e outras fontes, bem como os gastos realizados. 

15 de novembro: 1º turno das eleições 

29 de novembro: 2º turno das eleições

       

Postado por Pedro Oliveira


Pedro Oliveira por Pedro Oliveira

Jornalista e escritor. Articulista político dos jornais " Extra" e " Tribuna do Sertão". Pós graduado em Ciências Políticas pela UnB. É presidente do Instituto Cidadão,  membro da União Brasileira de Escritores e da Academia Palmeirense de Letras.

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]