Dólar com. 5.446
IBovespa -2.67
28 de setembro de 2021
min. 24º máx. 29º Maceió
chuva rápida
Agora no Painel Assistência Social entrega novos cartões alimentação para usuários do Casa

Blogs

Piada sexista, OAB alagoana e uma eleição no meio

Um gesto, uma foto, uma piada de mau gosto e uma eleição no meio, tumultuou a advocacia alagoana feminina no final e início desta semana.

28.09.2021 às 12:02


O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Alagoas, Omar Coelho, fez print de um gesto aleatório de um pré-candidato à presidência da OAB-AL, em encontro com advogadas alagoanas, e passou para grupos de whatsapp com mensagem considerada pela advocacia feminina como “sexista e misógina”. 

O movimento Advogadas de Alagoas divulgou uma nota de repúdio, exigindo respeito, A nota, na íntegra:

“Tendo em vista os comentários misóginos e sexistas promovidos em grupos do whatsapp no qual utilizaram de um gesto aleatório de um pré-candidato à presidência da OAB em um evento de mulheres, para dizer que este estaria "usando a linguagem das libras para dizer que a reunião era com as mulheres” , viemos por meio deste declarar nosso repúdio a tal afirmação.

Não vamos aceitar que nossa imagem, nossa VIDA, nossa personalidade e intimidade sejam traduzidas e reduzidas a um “buraco”. Nós temos voz, direitos, pleitos legítimos e EXIGIMOS RESPEITO.

Lutamos arduamente para conquistar nosso espaço e termos o mínimo de respeito e ainda assim, em meio a um espaço de advogados e advogadas alguns ainda se sentem confortáveis o suficiente para destilarem sua misoginia sob o véu da brincadeira.

Mulheres não são “buracos”! Misoginia não é brincadeira! Machismo mata todos os dias e exigimos RESPEITO! ”

Omar Coelho apoia uma candidatura adversária ao pré-candidato o qual ele usou o print, para a tal “brincadeira”.

Deu ruim pra Omar!

Postado por Ponto Final

Novo ato contra Bolsonaro terá carimbo da esquerda, tão somente

27.09.2021 às 10:00

Os protestos contra Bolsonaro no último dia 12 de setembro foram menosprezados pela esquerda ideológica, que desdenhou dos organizadores e não compareceu para fortalecer politicamente os atos pelo impeachment do presidente.

Esquerdistas preferiram dar fôlego ao inimigo do que lutar contra ele ao lado de quem ideologicamente não pensa como eles, a exemplo do Movimento Brasil Livre (MBL) e movimentos de rua.

Ou seja, dividiram o exército e salvaram o inimigo que tem ao seu lado direitistas de toda ordem e pensamento, os que acreditam no STF, os que não acreditam, os que querem a ditadura militar de volta e os que não querem, os que são contra a homofobia e os que não são, e até os que defendem fake news e os que não defendem, mas que são, na sua essência, bolsonaristas de carteirinha.

Agora, a esquerda fará o seu próprio ato público, previsto para o próximo sábado, dia 2 de outubro, e espera-se que nele estejam apenas os que levantam a bandeira da volta de Lula à presidência da República na eleição de 2022.

Tipo, quem não é Lula e nem Bolsonaro, deve ficar em casa.

Pura burrice de cálculo, não é um ato de campanha pró-Lula, é um ato de protesto contra Jair Bolsonaro.

 Mesmo assim, PT, PCdoB, PSol, PDT, PSB, PV, Rede, Cidadania e Solidariedade já anunciaram que estarão presentes em bloco nesta pauta e ao menos dez centrais sindicais também devem comparecer aos protestos em várias capitais brasileiras, em especial São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. 

É verdade que o maior protesto se dará nas urnas, na eleição do próximo ano, mas a presença hoje da rejeição a Bolsonaro nas ruas ajuda a pressionar o governo a ser menos intolerante com a cidadania e menos irresponsável com a gestão pública.

Mas parece que a causa da esquerda é meramente eleitoral.

Uma pena para o Brasil, uma sorte para Jair Bolsonaro.

Postado por Ponto Final

A primeira-dama sob pressão do vexame internacional

25.09.2021 às 11:20


A primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, 39 anos, tomou, enfim, a primeira dose da vacina contra a covid-19.

Ela poderia ter sido imunizada com a primeira dose desde o último dia 23 de julho, em Brasília, mas na época seguiu o marido, presidente Jair Bolsonaro, em negar a ciência e duvidar do êxito da vacinação contra o coronavírus. 

Nos Estados Unidos, onde esteve com a comitiva do governo brasileiro para a abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), a primeira-dama recebeu o imunizante pela primeira vez e muitas críticas de brasileiros por ter “escolhido” um outro país para se vacinar. Muitos entenderam que a primeira-dama foi “deselegante” com o Sistema Único de Saúde (SUS).

Na verdade, Michelle não “escolheu” os Estados Unidos para se vacinar. Ela passou pelo constrangimento de não estar vacinada quando o mundo inteiro move céus e montanhas para receber a tão sonhada vacina contra um vírus que só no Brasil, já matou quase 600 mil pessoas, inclusive a avó da primeira-dama.

E questionada por um médico americano se não queria aproveitar o momento em que fazia o teste PCR para poder embarcar de volta ao Brasil, para receber o imunizante, Michelle concordou, certamente envergonhada por ser a única primeira-dama no evento da ONU sem estar vacinada.

Foi o constrangimento internacional que empurrou o braço de Michelle à vacina. 

A nota da Comunicação do Palácio do Planalto comprova isso: "Antes de retornar ao país, [Michelle Bolsonaro] submeteu-se ao teste de PCR, obrigatório para autorização de embarque e, durante a realização da testagem, a Primeira-Dama foi indagada pelo médico se ela gostaria de aproveitar a oportunidade para ser vacinada. Como já pensava em receber o imunizante, resolveu aceitar".

Nada mais que isso.

Postado por Ponto Final

Para as proporcionais, é o “salve-se quem puder” em 2022

23.09.2021 às 10:20


Acabou a novela, o Senado rejeitou, ontem (22), o retorno das coligações para eleições do legislativo. 

A volta dessas alianças era parte de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 28/2021, com mudanças em regras eleitorais, aprovada na semana passada na Câmara, por iniciativa do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

A proibição de coligações proporcionais vigorou pela primeira vez em 2020. 

Legendas consideradas ideológicas, como Rede, PCdoB e Cidadania, estão entre as ameaçadas de ter menos parlamentares eleitos e, mais adiante, até de extinção.

Entre os trechos também aprovados ontem está um dispositivo para incentivar candidaturas de mulheres e negros. 

Aprovada em agosto pela Câmara, a proposta segue agora para promulgação. 

O texto precisa ser promulgado até 2 de outubro para que as regras tenham validade nas eleições de 2022. Foram 70 votos contra três na votação em primeiro turno, e 66 a três na votação em segundo turno. 

Como é uma PEC, a proposta não passa pelo presidente Jair Bolsonaro.

Agora, começa pra valer a largada para a formação de chapas proporcionais. 

Salve-se quem puder!

Postado por Ponto Final

A vergonha brasileira na ONU

22.09.2021 às 11:00

O presidente Jair Bolsonaro levou à Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU) o Brasil que ele mostra em seu cercadinho em Brasília, um país “fake news”. E o mais grave, um país que trata uma pandemia do porte da covid-19, com ineficaz tratamento precoce, à base de uma medicação que comprovadamente mata, em vez de salvar, quem tem problemas cardíacos, a tal da cloroquina.

Em seu discurso, celebrou o fato de o Brasil não exigir atestado de vacinação, na contramão de todas as Nações que ali estavam representadas, mentiu sobre a inflação na economia brasileira e sobre o desmatamento da Amazônia.

Agrediu governadores e prefeitos que adotaram medidas restritivas eficazes contra a circulação do coronavírus.

Estarreceu a mídia e os governos internacionais com sua postura grotesca autoritária em desfavor da vida e do meio ambiente no Brasil.

Em resumo: foi à ONU fazer o Brasil passar vergonha internacionalmente.

E ainda deixa lá, em quarentena, seu ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que testou positivo para a covid, junto com outro integrante da comitiva brasileira também infectado.

“Que cocê foi fazer na ONU, Jair Bolsonaro?”

Postado por Ponto Final

O dia em que Bolsonaro entrou “pelos fundos”

20.09.2021 às 11:20

O presidente Jair Bolsonaro chegou domingo à noite, 19, a Nova York para participar da Assembleia-Geral das Nações Unidas, mas precisou entrar pela porta dos fundos do Hotel Intercontinental Barclay, onde está hospedado. 

 O motivo foi um protesto contra o seu governo na entrada do hotel, onde um grupo de pessoas segurava faixas com as frases "Stop Bolsonaro" (Pare Bolsonaro) e "You are not welcome here" (você não é bem vindo aqui), enquanto gritava "criminoso" e "genocida".

Bolsonaro fará o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU amanhã, 21. 

No sábado, 18, ele disse a apoiadores, em Arinos (MG), que irá dizer "algumas verdades" sobre a situação do país. O chefe do Executivo também prometeu mandar recado aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). 

“O que eu devo falar lá? Algo nessa linha: se o marco temporal for derrubado, se tivermos que demarcar novas terras indígenas, hoje em dia temos aproximadamente 13% do território nacional demarcado como terra indígena já consolidada. Caso tenha-se que levar em conta um novo marco temporal, essa área vai dobrar”, disse na ocasião.

Bom lembrar que o presidente brasileiro é o único líder do G20 a ter afirmado publicamente que não se vacinou contra a covid-19. A exigência da vacinação para entrar nos Estados Unidos e países da Europa não se aplica a chefes de Estados, que apenas deverão apresentar um teste PCR negativo.  Em todo caso, em Nova York Bolsonaro não poderá ter livre acesso a serviços essenciais, como restaurantes, já que a prefeitura do município passou a exigir o passaporte da vacina para qualquer pessoa que queira entrar em locais fechados. 

Uma coisa é certa, o que envergonha o Brasil não é ter um presidente que precisa entrar pelos fundos de um hotel com medo de um protesto, é o país ter um presidente que não acredita na ciência, na vacina e vai à ONU levar uma causa que segue na contramão dos direitos históricos dos povos indígenas em nossa Nação.

Postado por Ponto Final

Vagner e Natália negam patrocínio de postagem

Ponto Final reafirma postagem patrocinada e divulga perfil que, supostamente, bancou o patrocínio

19.09.2021 às 20:25


O Blog Ponto Final teve acesso, sábado, 18, a uma postagem da pré-campanha de Vagner Paes e Natália Von Sohsten à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil (AB), seccional de Alagoas, patrocinada no Instagram pelo perfil de uma advogada identificada como Sandra Valéria. 

Postagens patrocinadas em redes sociais são consideradas infrações pela Comissão Eleitoral do Conselho Federal da OAB, que em caso semelhante puniu uma pré-candidatura no Distrito Federal. 

A postagem patrocinada na página de Sandra Valéria circulou por pelo menos 24 horas. Nós tentamos contato com a advogada, mas até agora ela não respondeu. O blog divulgará os esclarecimentos devidos, caso ela nos encaminhe. 

A assessoria de comunicação de Vagner e Natália nos enviou um texto que reproduzimos na íntegra.

Talvez seja o caso de o Movimento “Unir Faz Bem”, avisar aos seus apoiadores e futuros colegas de chapa que patrocinar postagem é proibido.

Segue a nota de Vagner e Natália:

“As lideranças do Movimento “Unir Faz Bem” esclarecem que, ao contrário do que tem sido veiculado, não houve postagem patrocinada na rede social Instagram, referente à pré-candidatura do advogado Vagner Paes à presidência e da advogada Natália Von Sohsten, à vice-presidência da OAB.

O Movimento, que congrega integrantes da advocacia aliados à proposta de renovação apresentada por suas lideranças, tem realizado frequentes postagens na rede social, com respaldo legal, trilhando a ética e cumprindo não apenas a proposta de levar sua mensagem à advocacia alagoana: também apresentar-se como opção aos segmentos que veem nas suas pautas respostas a reivindicações e questionamentos que fazem à sua legítima entidade representativa.”

Leia mais 

Postado por Ponto Final

Já tem irregularidade à vista na campanha à OAB alagoana

19.09.2021 às 13:40
Instagram


Pelo menos até ontem (18/09) à noite, uma postagem da pré-candidatura à Ordem dos Advogados do Brasil OAB), seccional Alagoas, liderada pelos advogados Vagner Paes e Nathália Von Sohsten, circulava patrocinada no Instagram, o que é proibido. Esse tipo de postagem é propaganda irregular e passível de multa no valor de uma anuidade.

Ao que parece, a campanha este ano segue a sina de estarrecer e envergonhar a advocacia alagoana com candidaturas tentando burlar regras e ganhar o jogo a qualquer custo. 

Um dos casos mais escandalosos já vistos em uma campanha à OAB de Alagoas foi o planejamento de compra de votos constatada em uma das eleições, via gravação contra Omar Coelho e seu grupo, hoje ferrenhos apoiadores de Vagner Paes. Omar escapou do processo disciplinar por suposta ilegalidade da gravação que demonstrava a ilegalidade.

Uma pré-candidata à presidência da seccional da OAB do Distrito Federal foi recentemente advertida pela Comissão Eleitoral do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por ter patrocinado uma postagem de sua pré-campanha e obrigada a retirar o post de suas redes.

Por aqui, segue no banho-maria, o que colar, colou, gente “esperta” por demais que “defende” a lei e a ética e pratica exatamente o contrário.

Vai vendo, advocacia!

Em tempo: O advogado Omar Coêlho explicou ao blog  que na questão da gravação, citada na nota acima, ele não passou de uma vítima. Segue na íntegra a explicação de Omar:

Sou Omar Coêlho e quando presidia a OAB/AL fui vítima, junto com alguns amigos, de uma gravação clandestina descontextualizada, que fez meu grupo perder as eleições, o que terminou levando a OAB a esse ser amorfo que se tornou.

Como tínhamos plena convicção de nossa inocência, não deixamos o caso prescrever, como é a praxe, buscamos insistentemente a conclusão do inquérito pela Polícia Federal e depois as demais instância: Ministério Público e a Justiça para obtenção de uma sentença que nos isentasse de qualquer crime e da canalhice de que fomos vítimas, sobre a suposta compra de votos na OAB.Pois bem, seguem a sentença e o parecer do MP, para serem publicados juntamente com essa correspondência, para que vocês do Painel Alagoas se redimam da leviana notícia nos incriminando, quando temos atestado declarado do inocência, quando dizem o parecer e a sentença, que sequer tentativa existiu, quanto mais sua execução.

Tenho consciência de que, a decisão judicial não teve a mesma repercussão quanto a leviana denúncia, repito, por isto me satisfarei com a publicação integral desta e dos seus anexos.

Atenciosamente, 

Omar Coêlho de Mello


*Postagem atualizada as 15:34 hs  

Leia mais 

Postado por Ponto Final

“Que cocê” vai fazer na ONU, Jair Bolsonaro?

18.09.2021 às 10:40


O presidente Jair Bolsonaro vai à Nova York para participar da abertura da 76ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, que acontecerá terça-feira, 21.

O tema oficial da reunião é “Construindo resiliência por meio da esperança – para se recuperar de Covid-19, reconstruir a sustentabilidade, responder às necessidades do planeta, respeitar os direitos das pessoas e revitalizar as Nações Unidas”. 

Na contramão do objetivo desse encontro, Bolsonaro promete voltar a provocar o Supremo Tribunal Federal (STF), atacar a imprensa e a esquerda e criticar duramente a tese do marco temporal, como baliza para a definição de terras indígenas no Brasil.

Ou seja, resiliência zero! Respeito aos direitos indígenas zero! 

Quinta-feira passada, dia 16, na live que faz semanalmente, Bolsonaro deixou claro o que levará do Brasil para a ONU: “Podem ter certeza: lá teremos verdades, lá teremos realidade sobre o que é o nosso Brasil e sobre o que nós representamos verdadeiramente para o mundo”.

Aguardaremos, orando pelo Brasil.

Porque, de certeza, o que prevemos é o desastre total no discurso de quem governa o país (des)orientado pelo caos político provocado por uma gestão pífia no quesito cidadania.

Postado por Ponto Final

Qual o sentido da ex-mulher de Bolsonaro na CPI da Covid?

16.09.2021 às 10:40
Ana Cristina Valle

Prestes a concluir seu trabalho, a CPI da Covid no Senado aprova a convocação de Ana Cristina Valle, ex-esposa de Jair Bolsonaro e mãe do quarto filho do presidente. O que isso significa? Na prática, nada.

A motivação da convocação: a relação dela com o advogado Marconny Albernaz Faria, lobista da Precisa Medicamentos, empresa que fechou contrato bilionário com o Ministério da Saúde para vender vacinas.

Faria teria acionado a ex-mulher de Bolsonaro por duas vezes em questões relacionadas ao governo. Em uma delas, teria pedido “atenção especial” para um caso de investigação de corrupção.

Outra prova da relação de Ana Cristina com Faria, seria ela ter interferido na indicação de um nome para ocupar o cargo de chefe da Defensoria Pública da União. Digamos que ela atendeu aos pedidos do lobista. E daí? O que isso tem a ver com o que a CPI investiga? Simplesmente nada.

Ana Cristina poderá obter um habeas-corpus do Supremo Tribunal Federal que lhe assegurará o direito de ficar calada quando for ouvida, como aconteceu com o lobista. 

Como seu penúltimo ato, isso em nada acrescentará às investigações da CPI.

Na visão comum, parece ter sido apenas um gesto político para provocar Bolsonaro, mas o que o país precisa dessa comissão são os culpados, se é que há, pela omissão na aquisição das vacinas, pela implantação de um chamado tratamento precoce ineficaz contra a doença, e o negacionismo que ajudou a registramosr hoje mais de 500 mil óbitos pelo coronavírus.

Postado por Ponto Final


Ponto Final por Redação

 Blog Político

Todos os direitos reservados
- 2009-2021 Press Comunicações S/S
Tel: (82) 3313-7566
[email protected]